segunda-feira, abril 29

Triste, muito triste. Pouca divulgação, teatro para uns 400 lugares (ou menos), ingressos a R$ 10,00, uma fila gigantesca e ingressos esgotados com menos de 2 horas de bilheteria aberta. Isso foi o resumo da ópera da compra de entradas pro show da Zélia Duncan. O que me deixou mais chateada foi que eu estava esperando por esse show desde o ano passado e ela demorando tanto pra voltar pra cá... Quando ela resolve vir foi esse fuzuê. Um teatro pequeno demais pros fãs, imagino, afinal aqui ela certamente tem público cativo, é sua cidade (quase) natal. Fica pra próxima. Sério, a vida continua.

Vou deitar. Dormir não, provavelmente, um desperdício dormir tão cedo logo no início das férias, mesmo que meu simpático pijama com bordados de flocos de neve peça a cama e os sonhos. Talvez terminar de ler algum dos livros que ficaram como pendências pra próxima vez que eu tivesse tempo pra respirar. Pelo menos uns 3. Vou deitar, mas vou inconsolável. Não recebi o telefonema que esperava, nem o e-mail que esperava, nem o buquê de flores do campo que esperava. Ok, as flores do campo foi só pra dar um ar dramático: eu não esperava, mas não reclamaria se elas chegassem. Quero acreditar que perdeu meu telefone, e não que não ligou simplesmente pq não quis. E quero acreditar que um dia responderá meus e-mails. Pq eu estou sinceramente com saudades.
E eu, sim, sou mulher de recados.
Thais, muito obrigadinha!!!! :-)
Ah, eu tô de férias. Eu já tinha dito?
Então digo de novo:
EU TÔ DE FÉRIAS!!
Merecidíssimas, por sinal.
Eu contei que eu ia ao teatro? Assistir à peça daquele grupinho mais ou menos, que eu nem gosto muito? Pois é, acabei de chegar da pecinha mais ou menos. Eu até tô meio cansadinha, mas tinha que contar pra vcs como foi engraçado meu encontro com o astro.
Acabada a peça (ri muito, muito muito! Levei um amigo que nunca tinha ido a uma peça d'Os Melhores do Mundo, e ele adorou), bom, ele tinha dito pra eu dar uma passadinha no camarim pra dar um alô. Eu até pensei em nem ir lá, puxa, eles deveriam estar cansados, duas sessões uma depois da outra. Mas vi um grupo enorme de excursão (ironia, pelamordedeus!) indo pros bastidores, catei a Talitinha (sempre a Talita, coitada...) e fomos. Como o moço tinha dito que lembrava de mim (eu disse, eu avisei, "não força", "não tem como se lembrar de mim depois de tanto tempo..."), passei por ele, abri meu sorriso 47, lancei meu olhar 59 e só ouvi um "Oi, tudo bom!" seguido de um "Robert, meu camarada!!", pro cara que tava atrás de mim. E foram ver as fotos da viagem do Robert, conhecer a amiga alemã do Robert, que só tinha entendido de 50 a 52% das piadas (sério, foi ela quem disse, eu pescocei). Bom, eu achei melhor falar depois, fiquei sem jeito mesmo, murchei. Talita me dizendo "Eu vou lá dizer pra ele que vc é a Stella", e eu falando que era melhor esperar o tumulto passar e tal. Aproveitamos que a excursão tava saindo do camarim, nos camuflamos no meio da multidão e saímos dos bastidores. Aí dei uma paradinha com a Talita no banheiro, o pessoal todo do lado de fora, fazendo especulações mil, imagino, esperando nós duas e na melhor das hipóteses visualizando um ménage à trois psicodélico. Quando saio do banheiro com quem eu dou de cara? O próprio! Abri novamente o sorriso 48 (é o 47 + toque especial!) e lancei: "Puxa, eu só queria agradecer os convites". Aí foi a glória!
Recebi um abraço tão gostoso, seguido de um "Pq vc não me falou lá dentro? Vc devia ter me parado e dito 'oi, eu sou a stella', caramba! E aí, se divertiu?" Um abraço demorado, muito apertado (vc sempre abraça assim???) "que bom que vc veio" e "e aí, se divertiu", mais umas 4 vezes. :-)
O único probleminha foi quando ele virou pra Talita e disse "Eu leio o blog dela todo dia!". Valeu muito a intenção, eu sei que era pra elogiar, mas a Talitinha, coitada, deve ter ficado pensando
1- O que diabos é essa coisa de blog?
2 - De onde a Stella tirou esse negócio de blog?
3 - Pq ninguém sabe desse lance de blog?
Eu logo dei um jeito de mudar de assunto, fazer alusão ao tempo, "tá quente hoje, né? mas acho que pode chover", elogiar a peça "muito legal, meeesmo", e fico me perguntando se a Talita já esqueceu disso ou se ela um dia vai lembrar de entrar no Google e procurar pelo "Blog da Stella". Aí já era...

Ps: Eu juro que até chegar no teatro e pegar os convites com meu nomezinho escrito atrás (guardados de recordação, diga-se de passagem) eu ainda não tava acreditando. Passei o final de semana com medo de ser esquizofrênica (Uma mente brilhante me impressionou bastante, como podem perceber) e ter perdido a noção do que era realidade. Quem sabe eu não teria inventado tudo isso, criado uma conta de e-mail pra minha fantasia, imaginado uma conversa no telefone? Fiquei bastante aliviada quando percebi que era verdade. Sinceramente! É, eu sou bem mais boboca do que possam imaginar...
Eu acho engraçado entrar no Referrals do Site meter e descobrir que, além de meios bizarros, as pessoas também estão entrando aqui por métodos, digamos, sobrenaturais. É que às vezes o site meter diz que alguém entrou no humilde bloguezinho vindo de um outro blog, como este, por exemplo, que não tem nenhum, repito nenhum link pra cá. De qualquer maneira, amigos, valeu pela força e pela referência. Mesmo que tenha sido só por telepatia. :-)

domingo, abril 28

Luz dos olhos
(Nando Reis, gravada pela Cássia Eller)

Ponho os meus olhos em você
Se você está.
Dona dos meus olhos é você.
Avião no ar.
Dia pr'esses olhos sem te ver é como chão do mar.
Liga o rádio a pilha, a tv
Só pra você escutar
A nova música que eu fiz agora.
Lá fora a rua vazia chora.

Os meus olhos vidram ao te ver.
São dois fãs, um par.
Pus nos olhos vidros pra poder
Melhor te enxergar.
Luz dos olhos para anoitecer,
É só você se afastar.
Pinta os lábios para escrever
A tua boca em mim.
Que a nossa música eu fiz agora,
Lá fora a lua irradia a glória.

E eu te chamo,
Eu te peço, vem!
Diga que você me quer
Porque eu te quero também.

Faço as pazes lembrando.
Passo as tardes tentanto lhe telefonar...
Cartazes te procurando, aeronaves seguem pousando
Sem você desembarcar.
Pra eu te dar a mão nessa hora,
Levar as malas pro fusca lá fora.

E eu vou guiando,
Eu te espero, vem!
Siga aonde vão meus pés
Porque eu te sigo também.
Eu te amo, eu te peço: vem!
Diga que você me quer
Porque eu te quero também.
Virou moda esse negócio dos blogs acabarem. Blogs recentemente levados gentilmente ao telhado (são os que eu me lembro agora):
- Encaixotando Deanna
- Mordi a Gengiva
- Conspiração do Espelho
- Polcas Trancas

E aí, qual vai ser o próximo? O meu?
Recadinhos:
- Amore, dá sinal de vida, tô preocupada com vc.
- , beijocas!
- Rafa, eu não consigo abrir seu blog por nada no mundo e não recebi até hoje seu e-mail bêbado. Cadê?
- Ju, cadê vc??!?!?!
- Marco, tá bravo comigo?!
E por falar no ex-namorado (dia de ex-amores ontem!), ontem conversamos muito, mas foi meio esquisito. Ele disse que terminou um namoro ontem (tóin-nhóin-nhóin na minha cabeça), mas que tinha sido melhor assim, a menina era meio "perturbadinha". Conversando, eu disse pra ele não se preocupar pq eles iam voltar e todo aquele blá-blá-blá de praxe (ou prache?) que a gente sempre diz quando alguém cai fora de algum relacionamento, e ele disse que era melhor que não: brigavam o tempo todo, estavam de rolo já fazia um ano e meio mais ou menos (tóin-nhóin-nhóin duplo), mas juntos juntos mesmo não tinham conseguido ficar mais de um mês. Eu ainda tentei dar uma animadinha, dizendo que ele até que era uma pessoa fácil de conviver, que eles iam acabar se entendendo. Comentário resposta? A briga de ontem, pelo telefone, tinha sido do tipo "nunca mais quero ver sua cara", e o pior é que a escova de dentes dele tinha ficado na casa dela (tóin-nhóin-nhóin máximo!!!). Perguntei se ele gostava dela e ele disse que não muito.
- Como "não muito"?
- Ah, gosto, mas não muuuito.
- Mas gosta?
- Bom, eu tenho consideração por ela.
(puta merda, consideração?!)
- Peraí, vc ficou junto com uma menina por quem vc "tem consideração" durante 1 ano e meio?
Ele olhou nos meus olhos e logo me tranquilizou.
- De vc eu gostava, pode ficar sossegada!
(tóin-nhóin-nhóin-nhóin espacial!!!)
Conversamos bastante, ele afogou as mágoas (não sei que mágoas, ele não tava nada chateado!), eu disse que ele iria encontrar alguém (eu, eu, eu!), ficamos de almoçar juntos qualquer dia e terminar a conversa que foi interrompida pela chegada de alguns amigos.
E por falar no ex-ficante, finalmente conheci a entidade Mariana, a namorada problema. E, pra minha surpresa, ela é muito simpática, acho que a culpa de todo o afastamento e desentendimentos é do Fuji mesmo (pronto, falei!). Chegaram, nós estávamos sentados numa mesa falando sobre o ex-comandante do colégio que morreu de câncer no começo do ano, e ninguém nem viu, não passaram lá nem pra cumprimentar. Bom, pelo menos eu não vi. Mas assim que descobri que eles estavam escondidos numa mesinha no canto, sozinhos, arranjei logo um jeito de catar a Paula pra me levar lá. Confesso que fiquei encabulada de ir até lá sozinha e me apresentar na cara dura "Oi, eu sou a Stella e não acho legal que vc não goste de mim sem nem me conhecer". Mas assim que cheguei, a menina virou pra mim e disse "Vc é amiga da Bruna?" Pronto! A Bruna, uma amiga minha desde a 1ª série, é amiga da irmã dela, e, coincidência, fazem aniversário no mesmo dia! Grandessíssimas coincidências, ela também é amiga de uma amiga minha da mesma época, disse que já tinha ouvido falar muito de mim, sentia como se já me conhecesse. A moça foi tão simpática que ficamos conversando, ela nem parecia me odiar. O Rodrigo, que fala demais, já foi dizer pra menina que ela era a culpada pelo afastamento total do japonês de todos os amigos, e de ele estar cultivando inimizades por conta disso. Mas pela simpatia da moça eu realmente fiquei na dúvida se a culpa era dela mesmo. Depois deixamos os pombinhos a sós.
O Rodrigo, depois de algumas cervejas, foi perguntar pra ela se ela me detestava mesmo. Ela, lógico, respondeu "como eu posso não gostar dela se eu nem a conheço". Bom, ele muito simpaticamente, disse que ela era uma besta justamente por me odiar sem antes saber quem eu era, e ver que eu não era concorrente dela. Pro final da festa, quando nos cruzamos, ela disse "olha, eu não desgosto de vc. O que rolava era um certo ciúme, mas nada sério". Eu lógico disse que ela não tinha, de maneira nenhuma, com o que se preocupar, o Fuji era todo dela. E ela ter admitido, assim, como adulta, que ela tem mesmo ciúmes de mim (pq a Stella é muito gatona e tem peitões não siliconados) me fez gostar da menina. Peso tirado das costas. UFA!
Ontem eu fui ao aniversário de um amigo de longa data. E voltei feliz e satisfeita, com uma sensação de leveza e da mais pura felicidade dentro do peito. O Jorge é meu amigo desde a 5ª série, foi ele inclusive que, quando eu arranjei um namoradinho (putz, eu era apaixonada pelo menino) me cutucou no meio da aula pra dizer "Stella, o Sérgio não gosta de vc". E realmente ele não gostava. Meu namorico de 5ª série durou exatamente um dia. Depois de um tempo ele foi embora morar em Dourados, um vilarejo no interior do Mato Grosso do Sul. E eu recebia cartas divertidíssimas dele (não tinha e-mail naquela época, engraçado, né?), todas, sem exceção, reclamando da cidade. Mas mantivemos contato, ele ligava sempre. Quando voltou, ficou muito amigo do meu ex-namorado e do ex-ficante, antes mesmo de a gente se conhecer, e nunca deixamos de ser amigos. E semana passada ele fez 20 anos.
Tava super empolgado com a festa, "estilo universitário", segundo ele. Juntou com mais 3 amigos, alugaram uma casa no Parkway (enooorme, diga-se de passagem), estabeleceram uma cota de 6 cervejas por convidado, a mãe dele fez os brigadeiros, e aos amigos mais íntimos foi feito o pedido de que trouxessem alguma coisa de comer. Eu comprei um bolo de chocolate lindo, com mousse, ele merece. E ele tava muito feliz, estava planejando essa festa desde o começo do ano, alugaram uma cama elástica, a banda dele fez a última apresentação antes de o guitarrista montar sua banda de forró pra ganhar dinheiro.
Por falar em banda, o Jorge tem uma voz bonita, mas canta mal pra caramba. Quando estávamos no 1º ano, ele e o Rodrigo montaram uma banda, o OXES, só pq era SEXO ao contrário e eles achavam isso muito engraçado. A banda nem era ruim, de verdade. Eu dava a maior força, era fã número um. Eles gravavam fitas engraçadérrimas (tenho uma até hoje, onde eles fazem um batuque na lata de biscoitos em homenagem a mim!) e eu realmente achava que um dia isso poderia ter futuro. No meu aniversário de 18 anos, eu ainda namorando com o Rodrigo, convidei todos eles pra tocarem na festa, show exclusivo para público seleto e, lógico, eles adoraram a idéia. Pouco tempo depois, todo mundo na universidade, a banda foi minguando, tava difícil conciliar horários pra ensaiar e o grupo acabou. O Jorge juntou com alguns amigos da faculdade e montaram uma banda de nome grande, algo a ver com a botina do Tio Zé, não me lembro agora, que fez seu último "show" ontem. E eu, na primeira fila, colada no microfone, o Jorge se esgoelando ("Jorge, vc vai tocar?" "Vou" " E cantar?" "Também" "Puxa, Jorge, vc tem meeesmo que cantar?"), cantando "Amante profissional", se achando o próprio "moreno alto, bonito e sensual", a namorada (um amorzinho) do lado, composições próprias, vi nossa história juntos passar como um filme. E percebi que ele não é mais o menino de aparelhos que me deu a notícia bombástica na 5ª série de que o Sérgio só namorava comigo pra esquecer a Inara, pq achava que isso era uma puta sacanagem comigo e ele gostava de mim, mas sim um homem de 20 anos, estudante de Direito, encaminhado na vida, e por quem eu ainda nutria o mesmo imenso carinho de 10 anos atrás. E quando ele olhou pra mim e sorriu, eu juro que fiquei emocionada. Eu devia estar com um sorriso besta da mais pura e singela felicidade no rosto.

sexta-feira, abril 26

Depois do moço ter encontrado o meu blog (de uma maneira misteriosa, o que é mais preocupante), comecei a me preocupar com esse negócio de difusão dos blogs. Outro dia mesmo estava no laboratório e qual não foi a minha surpresa ver um blog aberto no cmputador ao lado do meu. E o mais curioso (eu pescocei) é que o blog era de um conhecido meu também, provavelmente foi ele quem contou a ela o endereço e, bom, ela com o blog aberto no laboratório eu acabei vendo, e poderia ter contado pra alguém e por aí vai. Me deu um medo, pq se é um negócio que tá na internet a gente corre o risco de ser descoberto a qualquer momento. E aí um conta pro outro, que conta pro outro, e dali a pouco todo mundo tá sabendo. É isso que me deixa mais preocupada, é que se algum dia eu perder meu sigilo, isso aqui não vai mais ser a mesma coisa. E escrever é uma coisa que eu gosto tanto de fazer, ia ser uma pena ter que desistir do blog.
Hoje conversando um colega, não me lembro direito como surgiu o assunto, mas ele disse que se amarra "nessa história do povo contar a vida toda na internet". De vez em quando ele entra nesses sites de busca, digita qualquer coisa lá, aleatoriamente, encontra meia dúzia de blogs e fica lendo, disse que acha muito engraçado. Imaginem!!! O cara é o maior fofoqueiro da paróquia, e a possibilidade de ele digitar qualquer coisa e cair aqui é grande, concordam?
Por outro lado, outro dia mesmo quando o contador ultrapassou as 5000 visitas (aliás, o conta-giros virou e eu nem vi. Acho que só faz número redondo de visitantes quando eu sou obrigada a dar uma sumida) eu fiquei muito contente, o blog tem só alguns meses de vida e eu realmente fico lisonjeada que alguém além de mim goste disso daqui, e do que eu escrevo e tal. E apesar de eu gostar da relativa fama, eu tenho medo, muito medo.
A operação desecalhe da Stella tá me saindo melhor do que a encomenda. Outro dia mesmo descobri (por um amigo que fala demais) que já tem até processo encaminhado, um "menino bonzinho, simpático, uma gracinha", o único problema é que eles demoraram demais e o rapaz encontrou uma namorada. Tudo bem, ainda está em tempo.
O movimento tá aumentando e eu aproveito a oportunidade pra lançar uma campanha nacional (pouco megalomaníaca!): ajude a desencalhar a Stella: adote uma física. Cooperem, um dia a precisada pode ser vc! :-)
(quem lê assim até pensa...)
Aliás, por falar no assunto, entrem nesse blog aqui (muito bom por sinal, dica do moço) lá tem uma fotinho (que eu fiquei com vergonha de roubar assim, descaradamente) e um jabá básico (isso aí, jabá com quiabo!!!) do grupo. Vale a pena conferir.
E depois de tanto tempo sumida, tinha gente tentando falar comigo há eras! Realmente, acho que sou uma mulher difícil de se encontrar, principalmente em épocas punk da UnB. No final deu tudo certo, uma troca de telefones e eu acabei me convencendo de que ele é ele mesmo. Mesmo pq aquela voz é inconfundível.
Difícil tratar com tanta naturalidade assim, vcs nem imaginam. Depois de desligar o telefone, fiquei pulando pela casa feito uma louca e gritando baixinho (tá, tá, eu sei, mas vcs entenderam o que eu quis dizer) que o Welder tinha ligado pra mim! Não teria ficado mais feliz se o Giannechinni (sei lá se é assim mesmo que escreve o nome dele) tivesse passado aquela meia hora no telefone comigo (meia hora!!!), sinceramente. Além de muito simpático e divertido (confesso que sempre achei que atores de humor fosse pessoas relativamente sérias fora dos palcos. Mas eu também não saí com a péssima "faz uma coisa engraçada aí?", pq o cara é engraçado naturalmente, no bom sentido, óbvio), conversou comigo como se fôssemos já conhecidos, e de uma certa maneira acho que éramos mesmo: ele lê meu blog e eu acompanho sua carreira desde sei lá quando. E receber um elogio do tipo "gostei do que vc escreveu. Eu imprimi, mostrei pros meninos, eles adoraram!" foi espetacular. Se eu tivesse problemas do coração (denotativamente, claro, pq no sentido conotativo, tenho vários), era uma vez a Stellinha. Mas meu surto já passou. Difícil foi eu querer contar essa história aos quatro ventos, de tão feliz que estava, e não poder falar sobre o blog. Minha felicidade interna foi suficiente!
Aliás, adendo: eu fui no show do Guinga. E foi muito muito bom! :-)
Minha cadeirinha amiga é testemunha de que eu até tentei postar ontem, o blog que não colaborou (entre outros contratempos). Estava estudando muito muito muito, e bota muito nisso. Dormi só duas horas por noite duas noites seguidas, em véspera de prova. É, sou assim mesmo. Desde que me entendo por estudante que eu tento aderir ao esquema "estudar um pouquinho todo dia", mas nunca funcionou. Não tenho a menor disciplina. O que também, lógico, não signifique que eu deixo pra aprender toda a matéria um dia antes da prova. Mas meu estudo pesado mesmo é sempre quando a coisa aperta. E aí já viu, né?
De domingo pra segunda feira, prova na segunda logo de manhã, perdi o maior tempo de estudo conversando com um amigo de longa data. Perdi tempo vírgula, pq até acredito que nosso papo tenha influenciado na maravilhosa nota que tirei na tal provinha. É que ele me contou que, quando me viram, alguns amigos dele pediram logo para serem apresentados, loucos para saberem quem era a morena e tal (Stellinha tava mesmo poderosíssima naquele decote!). Mas o que me deixou mais contente nem foi isso. Foi a resposta que ele deu pros tais amigos galanteadores: "Se encostar um dedo nela morre!". Ok, o ciúme é podre. Mas não encarei como uma reação de sentimento de posse nem nada disso. Foi de proteção mesmo. Ele já tinha me dito que esses amigos não eram flor que se cheirasse, não davam mesmo valor pra mulher nenhuma e me perguntou se eu fiquei chateada por conta do fora que ele havia dado nos colegas. Claro que não, amigo, fiquei até envergonhada com tanta proteção!

sexta-feira, abril 19

Apesar de estar dando tudo errado (minha viagem que pelo visto não vai sair; esse semestre que não acaba nunca (queria que meu dia tivesse 60 horas. Eu estaria muito mais tranquila); um show do Guinga que eu pretendo assistir, mas estou morrendo de peso na consciência; o meu computador que resolveu pegar um vírus mutante; minha impressora que está possuída e faz barulhos estranhos, só falta sair voando; meu professor orientador machista que pensa que a gente só serve pra fazer apresentação no Power Point e não pra ir pro trabalho de campo; meu príncipe encantado que ainda não apareceu), alguma coisa tinha que acontecer de bom. Recebi o e-mail resposta do Welder, e acho que talvez ele seja ele mesmo. E não o esquisito que fica procurando por fotos de mulheres fazendo cocô.
Aliás, deixa eu avisar que aqui NÃO TÊM FOTOS DE MULHERES FAZENDO COCÔ, droga!

terça-feira, abril 16

AAAAAAAAAAAAAAahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!!!!!
(isso foi um grito de felicidade e júbilo e entusiasmo!!!!!!!!!)

Stellinha está esfuziante pelo e-mail que acabou de receber. Lembram quando eu fui assistir a uma peça de teatro dos Melhores do Mundo? Aliás, quem ainda não sabe quem eles são tem oportunidade de assistir a uma das melhores peças deles (pelo menos uma das que eu mais gostei) que vai estar em cartaz esse fim de semana e o próximo no teatro dos bancários (é jabá mesmo, algum problema?!).
Enfim, voltando à história da Sherlock que vos fala. Pois é, qual não é a minha surpresa quando eu abro meus e-mails hoje e tem a seguinte mensagem:


----- Original Message -----
From: cia de comedia os melhores do mundo
To: Stella emc
Sent: Monday, April 15, 2002 2:53 AM
Subject: Sherlock

Oi,tudo bom? (parafraseando o premeditando o breque)

Querida Stella

Acabei de ler seu comentário a respeito da peça RUMO AO PLANETA BOING. Antes de qualquer coisa, obrigado pelos elogios que só vem nos deixar ainda mais convencidos.

Alem dos seus “15 minutos de fama” ,naquela noite você salvou a peça! O fim alternativo (que acontece quando o sabotador fica livre) e muito mais ou menos, até porque não usamos os nossos sensacionais sprays de neve, o que nos deixa bastante frustrados! É fantástico o pânico provocado pela nevoa inofensiva (principalmente nas moças que fizeram escova antes de ir ao teatro)

Aproveito o ensejo para convida-la a assistir o espetáculo Misticismo (em cartaz até o dia 28 de abril no teatro dos bancários)
Você é nossa convidada, escolha o dia que lhe for mais conveniente para reservarmos seus ingressos ( você precisa de quantos?)

Um beijo e obrigado pelo carinho
Welder Rodrigues
Cia de comedia Os Melhores do Mundo

* você tem razão quanto as nossas aparições no domingão do Faustão, medíocre seria um termo gentil para designar aquelas patéticas apresentações


Depois disso eu comecei a pular na cadeira e quase que quebro a coitadinha! Vcs têm noção?! Bom, aí vem a pergunta óbvia: mas será que é sério mesmo?
Vamos às evidências:
- eu periodicamente recebo informes por e-mail das novas peças antes de elas chegarem na cidade. E, vejam só, o endereço que me enviou esse e-mail é o mesmo que manda os folders (não só pra mim, obviamente, provavelmente pra alguns cadastrados, acho que devem ter meu cadastro pq eu sou do fã-clube (integrantes do fã-clube pagam meia e vc só paga R$1,00 pra se associar. hehehehe)). Oh!
- Quem seria doente ou sem o que fazer o suficiente pra ficar inventando histórias às 2:53am de uma segunda feira?
- Ok, se vc inventou isso, eu tenho que admitir que vc tem senso de humor, exceto pelo fato de ser um doente e sem o que fazer que fica inventando histórias às 2:53am de uma segunda feira e iludindo pobres blogueiras fãs de teatro e que quase quebram a cadeira por uma maldade dessas. Vc não tem vergonha não?!
- E vc provavelmente é o esquisito que fica procurando por fotos de mulheres fazendo cocô. Humpf!

Viram? Sherlock ataca novamente!
"quer aprender?
pegue a latinha e bate uma na outra
tchá-tchá tchá-tchá
segure o lá lá lá lá lá lá
viagem louca
louca"


Passei o dia inteiro com essa música na cabeça. E o pior é que eu só sei isso da música. Dizem que a melhor maneira pra tirar uma música da cabeça é cantanto ela em voz alta, né? Pois é, não tentem pq não funciona. Vim dirigindo e cantando essa música a plenos pulmões no carro e não adiantou de nada.
Mas agora a noite meu cerebrozinho escolheu algo nada torturante pra ficar na minha cabeça. Mesmo pq essa eu sei cantar inteirinha. Já estou na 5ª vez.

Que se danem os nós
Ana Carolina

Vim gastando meus sapatos,
Me livrando de alguns pesos,
Perdoando meus enganos,
Desfazendo minhas malas.
Talvez assim chegar mais perto..

Vim, achei que eu me acompanhava
E ficava confiante.
Outra hora era o nada:
A vida presa num barbante
E eu quem dava o nó.

Eu lembrava de nós dois,
Mas já cansava de esperar.
E tão só eu me sentia
E seguia a procurar
Esse algo alguma coisa alguém
Que fosse me acompanhar

Se há alguém no ar,
Responda se eu chamar.
Alguém gritou meu nome
Ou eu quis escutar?

Vem, eu sei que tá tão perto.
E por que não me responde
Se também tuas esperas
Te levaram pra bem longe?
É longe esse lugar..

Vem, nunca é tarde ou distante
Pra te contar os meus segredos.

A vida solta num instante.
Tenho coragem, tenho medo sim...
Que se danem os nós!


Ai ai...

domingo, abril 14

Stellinha neste momento comendo Mundi de chocolate meio amargo (hum...) e pensando no quanto esse blog tá ficando chato!!!! Não pra mim, claro...

sexta-feira, abril 12

Bom, tinha um post aqui. Mas aí eu pensei bem e resolvi jogar ele fora. É, assassinei o post. Tava mto dramático e nostálgico pro meu gosto. Quem leu leu, quem não leu não perdeu nada! :-)

quinta-feira, abril 11

Definitivamente eu estou ficando velha. E a cada dia surgem mais evidências a esse respeito.
Um final de semana desses aí fomos assistir a um show em uma boate famosa daqui. Eu, particularmente, não tava nem indo pela boate em si, mas mesmo pelo show, que é da banda do irmão de uma amiga, e que todo mundo dizia que era ótima e eu ainda não tinha ido ver. Bom, realmente a banda é excelente, gostei pra caramba. O resto da noite foi meio frustrante, mas a meia horinha de show valeu a pena (Sinal de velhice nº um: Vc vai pra uma boate, não acha lá essas coisas e reclama pq o som tá alto demais e não dá pra conversar. Não que eu não goste de dançar, muito pelo contrário, eu adoro.).
Uns dois dias depois, assistindo a um programa na tv (Sinal de velhice nº 2: Assistir televisão no sábado à tarde, mesmo que seja aquela porcaria das porcarias) sobre bandas de garagem da cidade com meu irmão, passou uma bandinha cujo vocalista era conhecido meu. Quando eu falei, meu irmão vira pra mim e diz:
- Ah, mas a melhor banda dessas daqui de Brasília que eu conheço é a Móveis Coloniais de Acaju.
Eu virei pra ele com um olhar que dizia "a-há, vc quer me pegar, né? Gozar da minha cara!". Puxa, MCA é a banda do irmão dessa amiga minha:
- Sério?
- É sério. O nome da banda é esse mesmo. Conhece?
Eu ainda com aquele olhar de "vc não me pega..."
- Vc conhece mesmo o MCA?
- Vc também conhece?
- É a banda do irmão de uma amiga minha.
- É legal, né?
Meu Deus, eu estava discutindo música com meu irmão!!! (Sinal de velhice nº dois: vc percebe que os outros cresceram, portanto vc também está mais velha. A não ser que vc esteja numa nave que viaje com a velocidade da luz e o tempo seja relativo pra vc.)
- É... Mas de onde vc conhece?
- Ah, num showzinho que eu fui há mto tempo.
Eu me lembro desse show: ele tinha 13 anos e voltou pra casa era quase 1 da manhã. Fiquei indignada!
- Ah, eles tocaram, foi?
- É.
Eu ainda não tava acreditando.
- Eles são muito legais mesmo. O irmão da sua amiga toca o quê?
- Baixo.
- Ah, o baixista eu não vi não, mas o baterista é um gordinho careca?
Putz!!!
- É.
- E tem um quarteto de metais na frente, né? Tem um cara que toca sax e...
Putz!!!!! E não é que ele conhecia mesmo?!

Onde se encontra um bom creme anti-rugas?

quarta-feira, abril 10

Mensagens rápidas:
1) Rafa,. eu ainda não recebi seu e-mail alcoólico. Tem certeza de que está enviando pra o endereço certo (stella.pereira@uol.com.br)? E outra coisa: pq eu não consigo mais abrir seu blog? Ou vc nem tem mais blog (que nem a Deanna) e eu fui (pra variar) a última a ficar sabendo?
2) Marco, eu juro que não me esqueci de vc. Ainda estou me reorganizando, mando notícias assim que puder. Um beijão enorme!!!!!

segunda-feira, abril 8

Meu dia hoje foi uma correria só. Devo ter gastado bem um tanque de gasolina andando de um lado pro outro. É que meu contrato venceu (já faz 2 meses, ou fazem 2 meses, sei lá, eu faço física, não português!!), eu até sabia, mas tinham me avisado que a renovação era algo automático com a empresa, nem assinar eu precisava. Bom, mas como nunca nunquinha é assim, deu tudo errado e agora lá vai a Stella na sua saga (pegar contrato, levar na empresa, levar na UnB, assinar, e depois distribuir as vias assinadas pra todo mundo) pra não ficar em situação irregular. A moça que me atendeu inclusive só faltou me bater e me despedir por conta disso. Muito mal amada ela.

Estava pensando em concorrer ao concurso dos paranormais da globo, aquele que aparece no Fantástico e onde um velhinho apareceu dizendo que ele era paranormal pq conseguia flutuar e rebolar dentro d'água. Pois é, querem saber meu dom? Ontem à noite, quando fui dormir, arrumando algumas coisinhas encontrei uma letra de uma música da qual gosto muito, mas que tava perdida por aí (Dream a little dream, do The Mamas and the Papas). Pois é, fui dormir cantarolando a música, pensando no tempo que faz desde a última vez que a escutei, não é uma música recorrente nas rádios, mesmo nas estações de música velha e esquisita que eu às vezes gosto de ouvir. Mas então. Fui dormir cantarolando a música, até sonhei que a música era trilha sonora de alguma coisa que fazia nos sonhos. Bom, eu não sei se já contei, mas eu acordo com música. Não suporto aquelas buzinas logo de manhã no meu ouvido, nem trim-trim de despertador, a música me ajuda a despertar e já me anima logo de manhã, mesmo pq eu troco de roupa dançando e cantando, cena cômica, diga-se de passagem. E qual a música que estava começando no rádio assim que ele ligou, exatamente às 6:50 da manhã? Isso!!! Dream a little dream. Será que o Fantástico me aceita?!

domingo, abril 7

Ontem fui a um showzinho muito bom, acho que um dos melhores dos últimos tempos. Vazio, pouco divulgado, um projeto pra arrecadar dinheiro para um não sei o quê que a Orquestra do Teatro Nacional pretende fazer. No palco artistas (excelentes) da cidade, que abriram mão do cachê e a bilheteria foi revertida para o tal projeto. De quebra, arrecadaram alimentos pra uma instituição de crianças. Além de tudo isso, me diverti à beça.
A maioria de vcs nem vai entender, mas quem estiver na cidade não pode perder a oportunidade de assistir três grupos em especial: Spirituals de Porco (um grupo 100% vocal, onde a gente não sente a menor falta de instrumentos pra acompanhar, muito perfeito), Avacalhando o Vocal (4 mulheres, hilárias, misturam teatro com música, fazem paródias e representações, misturebas mil, muito cômico) e Oficina Blues (eles toca, adivinhe? Blues! Muito muito bons, o vocalista é um coroa charmosérrimo (usa óculos, claro!) e o guitarrista toca com os dentes, com a guitarra na nuca, o diabo. Neste show o Milton Guedes tava na cidade e, como é amigo do povo, veio dar uma canja. O que foi aquele moço tocando sax junto com o Oficina?! Aquele homem é tudo no sax, na gaita e até assobiando é impressionante. Só qdo ele resolve cantar é que estraga um pouquinho, mas a gente passa por cima.). Eu já conhecia os três antes desse show e já adorava, por isso recomendo e assino embaixo.

sábado, abril 6

Ok, fiquei sumida, né?
Já me perguntaram se eu fui abduzida, se fui atropelada por um caminhão, se tive amnésia e me esqueci do humilde bloguezinho. Nada disso, já vou adiantando.
Eu disse que estava estudando. E muito, tanto que fiquei até com aquela dor no pulso, lembram? (que ainda não passou, diga-se de passagem). Estou com a leitura de todos os blogs atrasadas, e me dá um tremendo desânimo só de pensar que vou ter que colocar a leitura em dia. Não que eu ache o blog dos outros chato, mas entre todas as minhas pendências essa é uma delas. Acabei de descobrir que a Deanna, por exemplo, fechou o dela há alguns dias pra recesso. Tão deprimente ser a última a saber de tudo!!
As coisas mais ou menos voltaram à normalidade. Tirando minha quarta-feira macabra e sinistra, tá tudo bem comigo, podem ficar sossegados. Querem um resumo? Bom, pra encurtar a história do relatório emacumbado, eu e minha companheira de experimental fizemos o relatório mais bem feito de todos os tempos. Tudo milimetricamente encaixado, gráficos perfeitamente ajustados ao que se esperava teoricamente, explicações plausíveis, lindo, lindo. Depois de tudo pronto, só faltava salvar no disquete pra trazer pra casa e imprimir, o relatório ficou misteriosamente com o tamanho de 14Mb, muito além da capacidade dos 3 disquetes que tínhamos pra salvar o trabalho. Nem preciso falar da correria, tentativas frustradas de correção, uma impressora que não funcionava, ajuda coletiva dos meninos (que, sim, entendem mto mais desse negócio de computador do que nós duas) e todo o mau humor que isso me trouxe. Fui obrigada a engolir um sanduíche carinhosamente apelidado de 'morte lenta' e perder tempo no laboratório explicando pra professora tudo o que tinha dado errado e pedindo maior prazo.
Problemas com o relatório resolvidos, veio o segundo fenômeno paranormal da tarde. O experimento desta semana era sobre campos elétricos e magnéticos, e pra isso a gente usa uma fonte de microondas. Na apostila recomendava que a fonte fosse ligada cerca de 10 minutos antes de se começar o experimento pra normalizar o campo. Eu e Christine ligamos e ficamos do lado lendo os procedimentos e etc. Depois de algum tempo:
- Tine, vc tá sentindo cheiro de queimado?
- Eu não, Stella, impressão sua. Continua lendo.
(...)
- Tine, tá cheirando queimado....
- Tá nada, Stella, isso deve ser do experimento dos meninos. Eu vou ali beber uma água, continua lendo.
Como o laboratório é completamente vedado (pelo menos tenta ser) por mexer com experimentos de ótica, as portas fechadas, a luz apagada, e eu tinha certeza de que estava sentindo o cheiro de queimado. Foi aí que eu chamei um amigo que estava numa outra bancada e que já tinha feito esse experimento na semana passada. Falei bem baixinho pra professora não escutar:
- Nelsinho, esse cheiro de queimado é normal?
(sei lá, era uma fonte de microondas, vai que ela sai assando as coisas por aí...)
- Olha, Stella, eu acho que não, pq tá saindo fumaça ali e...
Eu corri desesperada pra desligar a fonte da tomada, fumaça pra todo lado, todo mundo achando que o cheiro de queimado vinha de seus próprios experimentos. Caos. O monitor gatão veio tentar ajudar, viu a fumaça, abriu as portas e ligou o ar condicionado. Pânico, cheiro de instalação elétrica queimada dá enjôo, é horrível. Eu morrendo de vergonha, ria pra não chorar, e Christine não voltava da tal da água por nada no mundo.
Quando ela voltou, aquele alvoroço na nossa bancada, professora, monitor, eu, nelsinho, todo mundo tentando resolver o problema e o resto da turma de curiosos rindo da nossa cara. Resultado: aquela era a única fonte de microondas do laboratório (universidade pública, né, gente!) e ficamos tecnicamente impossibilitadas de fazer o experimento. A professora escolheu um outro (que ninguém mais na turma vai fazer pq não vai dar tempo, só eu e Christine) e foi ajudar a gente a alinhar lentes, espelhos e o laser. Me perguntem se funcionou?
Assim que ela ligou e viu aquele monte de pontinhos vermelhos na tela de projeção, pela cara dela já deu pra perceber que aquele não era nosso dia. Um problema inexplicável, pontos surgidos do nada, reflexões onde não era pra acontecer, o monitor quase ficou cego com o laser. Perdemos mais de uma hora tentando ajeitar o negócio sem sucesso. Aí escolhemos outro.
Mas Christine e eu resolvemos deixar o experimento pra semana que vem. Nem precisava ligar o aparelho pra saber que não ia dar certo, né? E eu também fiquei com medo de queimar mais alguma coisa...

quarta-feira, abril 3

E pra finalizar:

Limites para pretês malignos
por Bella e Paula

1- Nunca, nunca, nunquinha, diga um SIM após ter dito várias vezes um NÃO. Esse tipo de coisa fazem os meninos acreditarem que a gente vai sempre amolecer com tanta insistência. Não é não! Forever!

2- Se um dia ele se negar a sair com você, anote na agenda, ou em um caderninho dedicado a ele principalmente se ele disser que está cansado ou com sono... (se tiver um gravador, grave!) Da próxima vez que ele ligar, diga a mesma coisa.... (Aí está a necessidade de um gravador! Você deverá repetir no mesmo tom, com as mesmas pausas, as palavras dele. Ele vai perceber na hora!!!) Você estará falando a língua dele, amiga!

3 - Nos momentos lindos com o seu pretê (sim, eles existem também! Por isso é que a gente se apaixona) fique falando sempre de um amigo seu que é lindo, que você adora, que é o homem perfeito (suspire e olhe para o céu)... Só isso! (E deixe isso tudo em banho-maria)

4- Não deixe de forma alguma que seu pretendente se refira aos seus amigos como aquele seu amigo gay. Não permita isso de forma alguma. Defenda seu amigo gay que não é gay com unhas e dentes e faça dele seu maior tesouro, afinal ele está incomodando profundamente o seu pretê. Em momentos tensos, solte frases como: Só o Guga me entende, Só o Junior percebe quando não estou legal! ou ainda O Bê jamais faria aquilo ou me diria isso. Saiba que o efeito cumulativo dessas frases mágicas farão com que seu pretezinho chulé tente sempre fazer tudo melhor, induzido pelo temor de ser novamente comparado e inferiorizado ao seu amigo gay (diga-se de relance que ele é um gato e que não é gay!!! Isso é o mais importante!!! Diga SEMPRE que você sabe BEMMMM que ele não é gay! Isso vai fazê-lo subir pelas paredes!

5 - Seja um espelho das reações do pretê pretensioso. Se ele for doce e gentil, seja terna e carinhosa. Se ele parecer uma porta, comporte-se como um portão de madeira maciça!!! Em menos de 12 horas ele vai ligar perguntando o que houve... Infalível! (Já testada e aprovada!)

6 - Não tolere atrasos e desculpas esfarrapadas. Se o atraso for superior a 10 minutos, você, como uma mulher independente, vai pegar o seu super carro e ir (nem que seja para casa da sua tia) para a casa da sua amiga primeiros socorros! Ou então coloque o carro na garagem, tranque-se no banheiro e faça um banho de imersão ouvindo seu CD preferido e não atenda ao telefone nas próximas 24 horas!

7 - Tudo bem, se você não agüentar e atender ao telefone (acontece em 99,99999% dos casos), NUNCA diga e confesse que está em casa... Nunca! Nunca! Aproveite e fale que vai dar uma voltinha com o seu amigo maravilhoso... Lembra-se dele???

8 - Esqueça a existência de chocolates, balas (de chocolate), biscoitos (de chocolate) e qualquer coisa que possa fazer você engordar (que seja de chocolate)... Lembre-se de que a melhor vingança estará no seu corpinho, querida! (São pretês malignos, remember?)

9- Nunca, mas nunca mesmo, chore ou se irrite na frente desse ogro que a tira do sério! Seja cínica! Tudo o que eles mais odeiam é saber que você está irritada quando finge estar controlada e ainda por cima o alfineta! Isso funde a cabecinha do pobrezinho!!! Se ele perguntar se está chateada, ou com raiva de alguma coisa (ele vai perguntar!!!), comece a rir sem parar, tipo crise de riso... Mas esteja preparada para tudo porque ele vai apelar!!!

10 - Provoque, provoque sempre!!! Homens em geral detestam ser provocados. Além disso, teste todos os limites do carinha, mas não deixe jamais que ele faça o mesmo com você... Caso perceba (e você vai perceber porque homens não sabem ser sutis), inverta o jogo imediatamente e dê bastante corda para que o afetado se enforque sozinho!!!! Hahahaah!!! E depois dê uma de viúva! Alegre, por favor!

11 - Ao final da lista de limites, seu pretê terá se tornado um monstro gordo e asqueroso (asqueroso ele já era!), e aí você vai perceber que ele é muito pouco pra você e então vai deixá-lo para escanteio enquanto sai por aí linda e sarada, graças a todos os momentos descontrol que ele a proporcionou, despertando o interesse de outros potenciais pretês enquanto seu ex amarga o gostinho do abandono!!!

12 - E da próxima vez que encontrá-lo, diga somente OBRIGADA! (Se quiser abraçá-lo, pode! Mas só nessa hora!!!) E não se esqueça de sorrir maravilhosamente pra ele!
Mais um pro Momento coisinhas bobas que a gente recebe por e-mail:

SABEMOS QUE ESTAMOS FICANDO VELHO QUANDO:

- Fazer sexo em cama de solteiro é um absurdo;
- Há mais comida do que cerveja na sua geladeira;
- As plantinhas que você tem em casa estão vivas... e você não pode mais fumá-las;
- 6:00 da manhã é quando você acorda e não quando vai dormir;
- Você escuta a sua música favorita num elevador;
- Você carrega um guarda-chuva e dá a maior importância para a previsão do tempo;
- Seus amigos se casam e se divorciam ao invés de ficarem e terminarem;
- Suas férias caem de 130 para 15 dias por ano;
- Calça jeans e camiseta não são mais considerados vestimenta;
- É você que chama a polícia porque a mulecada do vizinho não sabe como abaixar o som;
- Você não sabe mais que horas os auto-lanches fecham;
- Dormir no sofá te dá uma puta dor nas costas;
- Você não tira mais aquele cochilo do meio-dia até as 6 da tarde durante a semana;
- Você vai na farmácia comprar remédio para dor de cabeça e anti-ácidos ao invés de camisinhas e testes de gravidez;
- Você come as comidas do café da manhã na hora do café da manhã;
- Você passa mais de 90% do seu tempo em frente a um computador trabalhando de verdade;
- Você não bebe mais sozinho em casa antes de sair para economizar dinheiro antes da noitada;
- Você lê este e-mail e fica procurando algum sinal que não se aplica a você!


Ai ai, acho que já nasci velha!!!!!!!!
Eu estava a fim de postar isso faz um tempão! Ah, pq eu achei legal, oras.

Você é babaca? Faça o teste:

- Alguém deixa cair alguma coisa no chão e causou um enorme ruído. Se você é o primeiro a gritar "caiu um lenço", você é um babaca. É, sim. Vai por mim. Ninguém acha mais graça disso. Ninguém vai pensar "Caiu um lenço? Mas lenço não faz barulho ao atingir o solo! Peraí! Isso é uma ironia! Que engraçado. Esse cara tem um grande senso de humor e uma incrível capacidade de
improviso". É triste, mas ninguém mesmo pensa isso quando você grita "caiu um lenço". E quem ri, só o faz para não deixá-lo sem graça.
- 16 de janeiro de 2002. Alguém lhe pergunta "Hoje é 16?" e você responde "Não. Hoje são 16". Amigo, muita gente sabe que na norma culta do português o correto é dizer "Hoje são 29" ou "Hoje é dia 29". Mas essas mesmas pessoas quando falam "Hoje é 29" consideram que a palavra "dia" está implícita na frase. Quando você tenta corrigir alguém, não está mostrando sua cultura,
apenas revela que você é babaca.
- Almoço em grupo. Mesa retangular. Um de seus colegas, o Roberto, se senta numa das pontas da mesa. A primeira coisa que você diz é "O Roberto vai pagar a conta!". Você é babaca. Deve ser difícil para você acreditar, mas ninguém pensa "Esse cara é demais! De onde ele tirou essa? Será que o Roberto vai achar mesmo que vai ter que pagar a conta? Será que o Roberto
vai querer mudar de lugar para não pagar a conta? Há, há, há! Só quero ver". Pois é, parceiro. Ninguém acha isso. Talvez tenha funcionado na primeira vez que alguém falou. Mas já está na hora de deixar essa brincadeira para o passado e deixar de ser babaca.
- Início da madrugada. 1h16 A.M. Alguém lhe diz. "Cara, amanhã vou acordar às 7h". Você se apressa em dizer "Amanhã não. Hoje!" Meu caro, seu amigo não vai pensar "Caramba! Como esse cara tem um raciocínio rápido. Seu cérebro já processou várias informações colhidas e chegou à conclusão de que na verdade eu estou me referindo a um dia que já chegou, pois é mais de meia-noite! Ainda bem que ele me corrigiu, senão eu ia acordar às 7h do dia errado!". Nada disso. Seu amigo vai mesmo é pensar "Gosto dele, mesmo sendo um babaca às vezes".
- Seu colega chegou mais tarde no trabalho e resolveu almoçar em casa ou num lugar que serve uma refeição melhor do que a porcaria do bandejão do seu emprego. Quando ele chega ao local de trabalho, você o convida para almoçar e ele lhe esclarece que já almoçou. É quando você, ágil como um sapo apanhando uma mosca varejeira, solta a frase "então você já veio comido?". Babaca. Esta frase não é tão desgastada como as outras, mas seu uso indiscriminado já a tornou banal e sem eficácia nenhuma. Seu colega não vai pensar "E agora? O que respondo? Será que se eu disser sim ele vai achar que fui possuído por outro ser do sexo masculino? E se eu disser que não, terei que almoçar de novo? Ah, ele deve só estar brincando. É um brincalhão". Ilusão, pura ilusão. Ele vai até dar um risinho, para não constrangê-lo, mas vai mesmo é achar que você é um babaca.

Outros indícios de que você está começando a se tornar um babaca:
- Quando as pessoas estão cantando parabéns, você tenta embolar a cantoria, gritando os versos do início da música, enquanto todos já estão no meio da canção.
(eu tenho um amigo que canta um pagode - qualquer um, especialmente aqueles bem velhos - quando estão cantando parabéns. E eu acho até engraçado.)
- Você faz uma observação sobre uma possível futura emissão de gases para alguém que está comendo repolho e ovos.
- Você tenta sacanear todo mundo no dia 1º de abril.
- Você fica rindo quando um homem diz que tem 24 anos, aludindo ao número do veado no jogo do bicho.
- Você faz alguma piada quando alguém diz que é do signo de virgem.
- Voce diz para um amigo: "se esconda" quando passa o carro da polícia.
- Uma mulher diz que está "de saco cheio" e você diz que isso não é possível porque ela não tem saco.

Esses são sintomas mais brandos. Mas fique atento. A qualquer hora você pode se transformar num babaquinha. Lembre-se o Principal sintoma é passar piadinhas por e-mail...rs


PS: Acrescento uma: se alguém diz que tem pavê pra sobremesa e vc pergunta se é "pavê ou pá comê?", vc certamente é um babaquinha.