sexta-feira, maio 31

Programa do feriado: filme com pipoca!! Eu já disse que adoro meus amigos? Provavelmente já, né?
Enfim, alugamos duas fitas, passamos no supermercado e todo mundo de abolotou na sala da Stella, no chão (tenho um amigo que dorme sempre que deita no tapete daqui de casa), na poltrona do papai (tenho um casal de amigos que sempre pedem pra levar a poltrona quando vão embora), no sofá, em cima das almofadas. Primeira sessão: Nove Rainhas, um filme argentido da época em que o peso ainda valia a mesma coisa que o dólar, divertido, de final imprevisível, realmente muito bom, vale a pena assistir.
Terminado o filme, pausa pro bolo de chocolate com cobertura de brigadeiro, comentários sobre o clone, falar mal da Manuela do Big Brother.
Segunda sessão: Desconstruindo Harry, do Woody Allen. Tá, eu também acho que ele fala demais, que ele é feio pra burro, que ele comeu a enteada. Mas eu gosto de algumas coisas que ele fez, isso não posso negar. E esse filme é divertidinho, apesar do blá blá blá habitual. Aliás, Momento comentário relevante: um amigo disse que o Woody Allen é o Didi americano: o feioso baixinho que sempre pega as mulheres bonitíssimas nos filmes dele, só pq ele era (tecnicamente) o mais importante dos Trapalhões. É, não deixa de ser uma comparação interessante...
Finalmente fui assistir Homem-aranha (Spiderman), já tava ficando chato todo mundo comentar o filme em cada esquina e eu ser a única a não saber do que estavam falando. Tava esperando um convite especial e me dei mal. Aliás, pausa para um Momento cara de pastel da Stella:
- Alô?
- Oi, tudo bem?
(blá blá blá habitual, ele pergunta:)
- Já assistiu Homem-Aranha?
- Ainda não, meus amigos já viram e eu estou louca pra ver.
(cabeça da Stella: me convida, me convida, me convida pôxa!)
- Pois é, eu vi, é muito bom mesmo!!!

Tóin!!!

Voltando ao assunto, eu acabei indo com uma amiga, momento só para mulheres, vamos falar mal de homem, elogiar a bunda do ator do filme e encontrar defeitos no cabelo da mocinha. Bem, não somos tão cruéis assim.
O cinema estava incrivelmente vazio. Ok, era uma quarta feira. Mas também era véspera de feriado e o dia em que o cinema é mais barato. O filme é realmente divertido, fiel dentro do possível ao original dos quadrinhos (sim, eu lia revistinhas do Homem-Aranha, além das dos New Kids on the Block), mas a única coisa que eu não consegui encontrar foram os tão falados inúmeros erros de continuidade e etc. Nenhunzinho. O que me fez pensar que devo ser uma distraída pouco observadora. Tá, eu posso até ser mesmo, mas foi frustrante não encontrar nenhum dos 123 erros. Quem sabe eu assista de novo... E aí quem vai fazer o convite sou eu!

quinta-feira, maio 30

Eu adoro coisa velha. Pelagia deve ter alguma explicação pra isso (afinal, ela foi astróloga/taróloga/jogadora de búzios em alguma outra encarnação), deve ser alguma coisa astral, não sei. O fato é que guardo tudo o que tenho (e muito do que não preciso) e sou muito ligada às minhas lembranças. Tanto que ainda tenho cartinhas com não mais que duas palavras de amiguinhas da minha 1ª série (algumas, amigas minhas até hoje, pq guardo tantas lembranças quanto amigos, mas isso já é outra história), além de um esboço de uma peça de teatro e algumas composições próprias, tudo da mesma época, final dos anos 80. Tenho meu Genius até hoje, aliás eu era muito boa naquele jogo. Era fã dos New Kids on the Block, e tenho até hoje uma fita deles descaradamente pirata comprada diretamente no Paraguai no mesmo dia em que comprei a fita (não menos pirata) do Luã e Vanessa. Sim! Stellinha tem uma fita do Luã e Vanessa (o seu nome eu escreviiiiiiiiiii/ na a-re-ia/ a onda do mar apagou/ em cada pôr-do-sooooooooool/ a saudade incendeêia/ meu coração), além de uma revistinha com as histórias em quadrinhos dos New Kids, da época em que ainda era moda passar as férias no Paraguai.

Mas passado o momento de confissões, voltemos à vaca fria. Depois de meu banho divertido e relaxante à lá anos 60, eu ligo a televisão e o que estava passando, o quê, o quê, o quê? Dirty Dancing! E como tem música da Antena 1 naquele filme!!! (o certo não seria dizer que a Antena 1 toca muitas músicas daquele filme?). E podem me chamar de boba, de melosa, do diabo a quadro (não de quatro, pq não sou a Manuela do Big Brother. Ok, foi infame, desconsiderem.), mas eu acho o filme uma gracinha, chorei quando eles dançam no final e essa é uma das minhas músicas favoritas:

(I've had) The time of my life
(Bill Medley and Jennifer Warnes)

Now I've had the time of my life
No I never felt like this before
Yes I swear it's the truth
and I owe it all to you
'Cause I've had the time of my life
and I owe it all to you

I've been waiting for so long
Now I've finally found someone
To stand by me
We saw the writing on the wall
As we felt this magical Fantasy

Now with passion in our eyes
There's no way we could disguise it Secretly
So we take each other's hand
'Cause we seem to understand
The urgency

just remember

You're the one thing
I can't get enough of
So I'll tell you something
This could be love, because

I've had the time of my life
No I never felt this way before
Yes I swear it's the truth
And I owe it all to you

Hey baby

With my body and soul
I want you more than you'll ever know
So we'll just let it go
Don't be afraid to lose control
Yes I know what's on your mind
When you say, "Stay with me tonight"
Stay with me
Just remember

You're the one thing
I can't get enough of
So I'll tell you something
This could be love, because

I've had the time of my life
No I never felt this way before
Yes I swear, Yes I swear it's the truth
And I owe it all to you,


'Cause I've had the time of my life
And I've searched through every open door
Never felt this way,
Yes I swear it's the truth
And I owe it all to you


(aqui tem um solo de sax!)

Now I've had the time of my life
No I never felt like this before
Never felt this way,
Yes I swear it's the truth
AND I OWE IT ALL TO YOU

I've had the time of my life
No I never felt like this before
Never felt this way,
Yes I swear it's the truth
And I owe it all to you

'Cause I've had the time of my life
had the time of my life,
I've searched thru every open door...


Ah, e eu daria meu reino por um professor de dança como o Patrick Swayze. Ai ai ai...
Eu sempre gostei de cantar e acabei me tornando uma cantora de chuveiro profissional. Como sempre tomo banho com o rádio ligado (e troco de roupa com o rádio ligado, e escovo os dentes com o rádio ligado, e acordo com o rádio e..), algumas vezes eu me empolgo e viro dançarina de chuveiro também. (atenção crianças, não façam isso em casa pq sabonete escorrega!).
Tenho um cd aqui chamado "Alternativo 2000" que custou R$ 5,00 num posto de gasolina na estrada que liga Brasília à Rubiataba (conhecem Rubiataba? pois é...). Bem, eu não chamaria Beatles ou Rolling Stones de alternativos, mas certamente a música daquele filme dos caça-fantasmas (Ghostbusters) certamente não pode ser chamada de convencional.
Ontem tomei banho ouvindo Twist and Shout, dos Beatles, faixa 2 do meu cd pirata de beira de estrada e, não sei, acho que estava animadinha, sem nenhum motivo especial, e vcs não imaginam a cena bizarra que a Stellinha dançando twist no banho pode se tornar. Teve até coreografia, com direito a vidro de xampu fazendo as vezes de microfone. Ok, um pouquinho de sabão foi parar no teto, mas foi extremamente relaxante. É sério, experimentem.

quarta-feira, maio 29

Aliás, já que eu toquei no assunto das carteirinhas, alguém competente o suficiente (pq eu realmente não sou. Me perguntem sobre Física Quântica e eu até posso me aventurar a responder..) pode me explicar o que se passa? Pq eu sinceramente não tô entendendo direito. Momento Magda II: não tô entendendo, resumindo um e-mail que recebi de um amigo que faz direito sobre a nova polêmica da cidade: O problema da meia-entrada.

Esses dias eu estive no cine academia, aqui em Brasília, e não estavam querendo vender meia-entrada para mim, pois segundo a direção do estabelecimento, o Procon (?) havia expedido uma resolução que determinava que deveriam ser aceitas as carteiras de estudante da UNE e de uma outra dessas uniões estudantis que eu sinceramente não recordo o nome. Algo semelhante já havia acontecido no Rio, na rede Cinemark, ano passado, com minha carteira da UnB. Tal resolução não falava que unicamente aquelas carteiras deveriam ser aceitas, mas que elas deveriam ser aceitas.

Contudo, o Cine Academia e o Cinemark Rio, dando uma interpretação descabida, alegavam que aquilo era amparo legal para aceitar unicamente carteiras expedidas por aquelas entidades, ou seja, nossas carteirinhas da UnB ou de qualquer outra faculdade, de nada valeriam. Ocorre que há legislação federal dispondo exatamente o contrário, que qualquer comprovação de exercício de atividade estudantil, exarada pelo estabelecimento de ensino, é válida para a meia-entrada.

Ao fim, após muito argumentar, consegui a meia. Porém, indignado, fiz questão de procurar a norma que regulasse o assunto. É a medida provisória que segue em anexo, extremamente clara, que afasta o monopólio da UNE ou qualquer outra entidade, sendo necessária apenas a simples comprovação de exercício de atividade estudantil. É da leva antiga de MPs, está para ser convertida em lei no congresso, mas encontra-se ainda vigente, conforme depreende-se do site da presidência da república. Não obstante, entendo não existir a menor possibilidade de uma resolução revogar eficácia da MP; até mesmo porque a tal resolução não é restrititiva, mas exemplificativa.

Como essa mensagem também vai para pessoas que não são do Direito, vale ressaltar que a medida provisória possui força de lei, sendo superior a resoluções de entidades como o Procon, portanto, em síntese, não vale a argumentação da Academia e do Cinemark Rio.


E a resposta de um camarada que eu não conheço, mas pelo jeito de escrever também deve fazer direito:

Para esclarecimento, em resposta a mensagem que recebi sobre a lei da meia entrada, devo dizer que a espécie normativa que restringiu a meia-entrada à apresentação das carteirinhas estudantis da UNE e da UMESB não foi uma resolução do PROCON, que jamais teria força normativa para tanto, e sim recentes alterações legislativas na LEI DISTRITAL Nº 2768, DE 31 DE AGOSTO DE 2001, cujos autores foram os Deputados Sílvio Linhares, José Edmar, César Lacerda, Renato Rainha, Gim Argelo, Lúcia Carvalho e Benício Tavares. A lei referida revogou as leis distritais nº 190, de 02.12.1991 e 2.238, de 31.12.1998.

Temo que, como compete também ao DF legislar concorrentemente sobre o assunto, por se tratar de questão de interesse local, haveria prevalência da lei distrital, ainda que houvesse clara lei ou medida provisória em sentido oposto, proveniente da União (Pres. República ou Congresso Nacional).


Ok, mas eu não entendi ainda. Minha carteirinha da UnB, com uma foto tão simpática em que eu saí com cara de caloura feliz, ainda vale ou não? Ou seja: eu preciso ou não preciso fazer a porra carteirinha da UNE?! , vc que entende do assunto, dá uma luz pra cabeça newtoniana da pobrezinha aqui, vai?

Qualquer dia discorro sobre minha opinião a respeito da UNE. Mas garanto que não é de simpatia total e absoluta.
, feche os olhos agora e não leia isso, tá?

Vai ter show do Jorge Vercilooooooooooooo! Domingooooooo!!! De graçaaaaaaaaa!!! (muito importante o preço, já que não estão mais aceitando as carteirinhas das universidades pra pagar meia, e eu pago meia mesmo, e daí?)

Pronto, eu precisava dizer. Aqui continua o mesmo clima à lá choque térmico. Precisa dizer que eu fiquei doente? Não, não precisa, né?

terça-feira, maio 28

E pra finalizar, pq as aulas na UnB voltaram e amanhã eu acordo cedo (parece assustador fazer Física Quântica e Variável Complexa? Pois é, também acho..), vamos ao bom e velho Momento como as pessoas chegam aqui por meios bizarros:
- meu namorado bem dotado (hahahahahahahahaha. .... ... desculpem)
- kelly key nua
- sexo com gordas (bom, a gorda tá aqui, o sexo a gente pode negociar...)
- sexo com cavalos (pararam de procurar pelo cocô, é?)
- fotos mulheres fazendo xixi (ah, tá, tava demorando!!!)
- foto himen (são meus novos fãs)
- foto vagina
- fotos de parto (o que é isso? alguma espécie de trabalho pra escola??)
- cia de comédia os melhores do mundo (não é aqui não, mas eu gosto bastante deles; aliás, tem uma peça...)
- recado antes do suicídio (eu hein...)
- blog unb férias (ai ai.. já era...)
- tiazinha nua
- separa o chocolate da pasta de cacau (???)
- carregando ellen roche no colo (???????)
- colônias de acaju (??????????)
- nua e sensual (eu, eu, eu!!!)
- fotos loira bunda grande (não é aqui não, é aqui)

segunda-feira, maio 27

Tinha um post lá embaixo que tava errado. Mas eu já consertei.

Ah, foi só pra avisar... Tá, vamos mudar de assunto...

Ah, o nome do violeiro é Roberto Corrêa. Coitadinho do moço, tão bonzinho e eu trocando o nome dele...
Gente, eu ainda quero mudar o nome do blog. Vai, colabora aí. Eu conto com a criatividade de vcs, pq a minha nunca foi lá grandes coisas...
Acabo de criar um novo momento: Momento Magda: não entendi. Escutei essa piada do noivo de uma amiga no aniversário ontem e sinceramente não peguei o espírito da coisa. Mesmo pq ele ria tanto que não conseguia explicar pra gente (pq não fui só eu que não entendi) a moral da história. Portanto, conto com a colaboração de vcs.

"Um homem tinha um papagaio mto safado que todos os dias de manhã cedinho ia para o galinheiro do vizinho comer suas galinhas. Sim, comer no mau sentido mesmo (ou será bom? enfim...). Até que um dia o criador de galinhas se enfezou e foi falar com o dono do papagaio:
- Olha, cumpadre, isso não pode mais ficar assim, seu papagaio todo dia comendo minhas galinhas, elas estão começando a ficar mal acostumadas. Mas pra vc fazer com que ele perca essa mania, é só dar um choque nele. Faz o seguinte: amanhã bem cedinho vc coloca fios elétricos no caminho que o papagaio faz quando sai da sua casa. Ele vai levar um choque daqueles e nunca mais vai mexer com minhas galinhas.
E foi isso que o dono do papagaio fez. Na manhã seguinte, assim que o papagaio ia excapulir pro galinheiro do vizinho, ele levou um puta choque e gritou:
- Ai que tesão! Vou comer o galo agora!"

É, acabou a piada. Peraí, só eu que não entendi???

(bom, o cara que contou a piada votou no Roriz, então a gente deu um desconto pra piadinha dele. Pra quem não sabe, Roriz é nosso ilustríssimo governador, que em campanha anunciou que resolveria o problema da fome no DF distribuindo leite de soja da granja leiteira dele. É, minha gente, as galinhas do governador dão leite, e leite de soja!! Além de tudo, ainda diz que rouba mesmo e daí e ainda detesta os professores da Fundação Educacional. Coisa de gente fina.)
Ontem fui pra um almoço de aniversário e quando voltei pra casa comecei a pensar com mais carinho numa coisa que minha mãe sempre me disse: "Nunca tenha rabo preso com ninguém, o mundo é mto pequeno." Primeiro pq o namorado da aniversariante faz Física comigo, e não me pergunte como é que eles se conheceram. Segundo pq uma amiga de infância é namorada do irmão da aniversariante. E bem que eu saquei que conhecia ele de algum lugar das outras vezes que nos encontramos. E, bom, depois que a namorada encrenca de um amigo meu conhece duas amigas minhas da época em que eu nem pensava em ser gente, eu não duvido mais de nada. Ô cidadezinha pequena que é Brasília, é impressionante. Isso acontece nos outros lugares também ou é só aqui?

O importante é que o almoço estava uma delícia. A mãe da aniversariante fez uma feijoada que, ui, só não é melhor do que a da minha mãe. Diliça!!! De sobremesa, uma torta de morango e um creme de chocolate com suspiro que acabaram com qualquer regime em um raio de 2 km. Ainda bem que ontem era domingo e regimes só começam na segunda feira.
Deu a louca no clima de Bsb e ele resolveu apelar pra bizarrice: no sol, calor de rachar, nenhuma nuvem no céu, temperatura de 30 graus. Na sombra, ventos gelados de -10 graus. Bom, nem precisa dizer que bastou juntar isso com a seca típica da época pra que todo mundo em Brasília ficasse doente, né? Além do que, é um saco pra escolher uma roupa: se vc se agasalha pra sombra, assa no sol. E se vc se veste pro sol, congela na sombra. É mole?

domingo, maio 26

Ontem fomos conhecer um bar aqui perto de casa que relembra o estilo os quiosques da Chapada dos Veadeiros num clima agradável iluminado por velas e tochas. Bacana o lugar, mas meio regulado, as poções de coisas são pequenas (ok, são deliciosas, a de bolinho de mandioca com queijo estava uma delícia, mas pequenas) e o povo tava com fome, fome de verdade mesmo. Os drinques são gostosos, fogem um pouco da mesmice de todos os drinques do planeta e o preço é o mesmo dos outros lugares (o que não deixa de ser caro). O moço do violão que estava tocando a música ao vivo é até bonzinho, mas eu já disse que não tô podendo com essas músicas românticas demais, e ele conseguiu em poucos minutos de apresentação tocar quase todas as minhas favoritas, aquelas que vão lá no fundinho da alma trazer alguma lembrança perdida, sabe? No final das contas o pessoal já tava era começando a esverdear de fome e tivemos que apelar para o programa tosco. Atenção, dica de programa tosco da Stellinha:
Etapa 1: Junte alguns amigos esfomeados e com pouco dinheiro
Etapa 2: Parem no Pão de Açúcar 24 h (tem que ser serpre o mesmo Pão de Açúcar, senão descaracteriza o programa tosco).
Etapa 3: Comprem pacotes de salgadinho do mais barato que tiver (pacotes de meio kilo de salgadinho por R$ 0,96, por exemplo) sabores bacon e cebola. Pra dar uma disfarçada, pode comprar uns mini bits (menos o de queijo, pq aí já é tosquidão demais. Compre o temperado, é bom) e bon gouter (acho que é esse o nome. Aqueles que vem na caixinha com vários sabores de queijo).
Etapa 4: Passe na seção de bebidas e aí opte por uma das opções: o vinho mais barato que tiver, nada acima de R$ 5,00 (Sangue de Boi, Canção e Chapinha são os prediletos, apesar de eu sinceramente gostar do Canção pq é fraquinho e tem gosto de suco de uva) ou a cachaça mais barata (no caso, Cachaça 88, apenas R$ 1,50!), quem sabe Vodka-ressaca-certa nos dias de vacas gordas.
Etapa 5: Pra misturar com a cachaça, dois litros de refrigerante. Eu queria Fanta Uva, mas fui energicamente vetada. Ficamos com a Sprite.
Etapa 6: Passe no caixa e pague tudo juntando moedinhas dos amigos envolvidos. Ainda bem que um de nós tinha Visa Electron.
Etapa 7: Junte todas as pessoas esfomeadas, os salgadinhos de procedência duvidosa, a cachaça e o refrigerante e vá para a Esplanada dos Ministérios, mais especificamente a Praça dos Três Poderes. Não se assute. O lugar é cheio de carros com gente praticando posições sexuais inimagináveis dentro, grupos de amigos já bêbados ou em processo, violões tocando Renato Russo e gente fumando maconha. É excessivamente policiado (afinal é o centro do poder da capital do país, né), nunca vi uma briga ou discussão (ok, uma vez só quando um cara subiu na Pira (aliás, o que diabos é aquilo?) que fica do lado do Bandeirão e a polícia foi lá tirar. Mas ele não tava fazendo nada, só meio maluco) e o pessoal fica cada um no seu grupo sem incomodar o dos outros. Em noites de céu limpo dá pra ver as estrelas, chega até a ser romântico.
Etapa 8: Finalmente, sente (no chão, lógico), coma e encha a cara, conte as estrelas, brinque de amarelinha bêbado, converse com a estátua da Justiça na frente do STJ, faça xixi nas árvores do ministério e aposte corrida bêbado na frente do congresso. Enfim, aproveite.

Ok, eu confesso: dessa vez eu fiquei só na Sprite. Juro, imagina eu chegando em casa com o bafo da Cachaça 88? Além disso, tava um frio do caramba (lógico, um descampado imenso, ventos congelantes) e eu só conseguia pensar em procurar um lugar onde ventasse menos.
Mas qualquer dia conto minhas Histórias Toscas da Esplanada, apesar de ser uma menina comportadinha, já comemorei até aniversário lá, com direito a hyppie, velas e bolo. Mas fica pra outra vez, fico devendo.
Esse pessoal que faz artes é tão sensível, né? Já chegou chateado pq não viu alusões ao seu aniversário aqui, no humilde bloguezinho. Como sou adepta do antes tarde do que nunca, vamos lá, todo mundo, em coro:

Pa-ra-béns paaara o Welder, oi!
Parabéns para o Welder, oi!
Parabéééééés para o Welder!
Parabéns, pa-ra-béns!

(vamo lá, todo mundo, na palminha da mão)

É pique, é pique, é pique é pique é pique!
É ora (hora?), é ora, é ora é ora é ora!
Rá-tim-bum!
Welder, welder, welder!!! (agora, todos, assoprem as linguas de sogra! Cadê os apitos, gente?!)

Com quem seráááááaá
Com quem seráááááaáá
com...


Ah, essa parte da música a gente pula. Eu sei lá com quem é que o Welder vai casar!
Agora vamos cantar de novo. Aêêêêê!!!

Falando nisso, acho essa música do Com quem será muito bizarra. Primeiro pq o casal briga, quase se mata, fica num casa-e-separa sem tamanho e faz filhos nos lugares mais esdrúxulos (no butiquim, no avião, no cemitério). Além disso, tem aquela parte de doer em qualquer ouvido não infantil do "tiveram dois filhinhos e depois se separou", e olha que eu nem sou boa de português. E pra completar, ela não tem fim. A música só termina quando as pessoas vão enjoando de combinar os lugares bizarros com nomes de filhos que rimam. Ou quando o aniversariante começa a partir o bolo e aí todo mundo desiste da música pra se concentrar no que os fez comparecerem à festa.

sexta-feira, maio 24

Ontem fui assistir ao show do Naná Vasconcelos. Eu queria ter feito um monte de outras coisas, ido ao cinema (assistir Walking Life, hj era o último dia), comprado um presente de aniversário e resolvido de uma vez por todas meu problema com o professor machista. Bom, me contentei com um milkshake de Ovomaltine do Bob's no final da tarde (tava fazendo um friiio, só um monte de físicos malucos pra tomar sorvete naquele frio) e o show do Naná depois, com Talitinha, lógico, a agenda cultural da galera. Muuuuito bom!
A abertura do show ficou por conta de um violeiro, Renato Corrêia (sinceramente não me lembro o nome dele, tô chutando, mas eu sei que ele era mto bom. Tão bom que não prestei muita atenção ao nome dele. Ok, péssima desculpa pra minha memória ruim...), muito simpático por sinal (sei lá, fui com a cara do moço) e que inclusive tocou duas músicas no final com o Naná. Aliás, essa foi a primeira vez que eu vi dois bis no mesmo show. Foi engraçado, ficou todo mundo batendo palmas e gritando "mais um" entre outras coisas, mas ninguém achava que ele fosse voltar novamente. Quando entrou no palco e fez o silêncio, o Naná disse: "Se depender de vcs a gente fica tocando aqui até amanhã, né?".
Pra quem nunca foi, eu recomendo, fortemente, que vá! O show é simplesmente fantástico, além do moço ser uma figurete, vc se diverte só de olhar pra cara sorridente e meio louca dele. E com certeza eu não vou me esquecer da performance do Rio Amazonas, feita com o auxílio de uma platéia doida pra ajudar (é lindo, não dá pra explicar, só vendo e ouvindo mesmo) e a da chuva na floresta (chuva + rio amazonas), muito bacana, mas ele disse que é algo que ele nunca vai gravar pq não tem a mesma graça do que fazer com o público nos shows).
Taí a dica.

(repararam como a Stellinha aqui está cheia de dicas culturais? Primeiro foi a peça, depois o restaurante... engraçado...)

quinta-feira, maio 23

Deixa ver o que mais me aconteceu...
Sábado eu estava desesperada. Bom, eu já tava desesperada há pelo menos uns 15 dias, mas como sou sossegada demais, acabei deixando o desespero (e o trabalho) pra última hora. O problema é que tinha que apresentar uma aula de 45 minutos sobre qualquer tópico da física para meu chefinho bonitão e os meus coleguinhas de trabalho. Pânico!! Dar aula eu até que acho que sei, mas nunca estive sobre um tablado com um giz na mão e um monte de craques olhando pra minha cara. Deve ser mais ou menos como uma defesa de tese, mas eu ainda estou muito nova pra essas coisas.
Terror, tensão e medo. Passei a semana inteira procurando alguma coisa interessante sobre a qual falar, afinal se eu chegasse lá dando receitas de bolo ou tacando um monte de fórmulas no quadro estaria, antes de tudo, traindo meus princípios. Enfim, só fui encontrar alguma coisa pela qual eu realmente me interessasse no sábado, à 1 hora da tarde. Detalhe, a aula era às 6. Preparar a aula, dar uma ensaiadinha, tomar banho e me arrumar linda e bela para o sacrifício. Tava tremendo enquanto ensaiava pra minha estante de livros, que sinceramente não se mostrava muito interessada, fiquei imaginando como ficaria na frente do Chefão salve salve.
Resultado: cheguei lá no trabalho e dei com a cara na porta. A reunião tinha sido cancelada e sei lá pq cargas d'água a telefonista esqueceu de avisar uma meia dúzia. Precisa dizer que eu estava nessa meia dúzia? Voltei pra casa aliviada. Desespero de novo só sábado que vem.
Meu irmão hoje de manhã acordou dizendo que ia chover pq a costela dele estava estralando, e sempre chove quando a costela dele estrala. Bom, ninguém deu ouvidos, principalmente pq estamos em maio e, ora bolas, maio é mês de seca aqui em Brasília. E seca das bravas, quem conhece Bsb sabe como o clima pode ficar insuportável aqui por causa da secura.

Pois é, choveu.

Coincidência ou não, choveu, e choveu muito. Fiquei um bom tempo ilhada esperando o pé d'água dar uma trégua pra eu poder correr até o carro, afinal hoje eu e minha camisa branca não estávamos muito pra chuva. Todo mundo ficou surpreso com o toró e eu pensei com meus botões "foi a costela do meu irmão". E aí fiquei imaginando como seria se a previsão do tempo fosse assim. A Patrícia Poeta, mulher do tempo, (que agora é correspondente internacional, o que imagino que seja uma evolução na carreira) chega e diz:
- Pois é, Nascimento, hoje minha costela direita acusa uma frente fria nessa área do mapa indicando possível chuva no final do dia. A minha unha encravada do dedo mindinho prevê sol forte na região norte e meu cabelo está arrepiado o que significa que hoje com certeza vai chover na cidade. Patrícia Poeta e o tempo Hoje.

É, não seria má idéia, mas o que seria do meu pai, que é meteorologista? (é sério, ele é mesmo meteorologista)
Ok, ok, sumi, né? Explicações? Sinceramente, não tenho. Pra ser sincera, fiquei sem postar simplesmente pq nada tem acontecido. Uma monotonia só essas minhas férias. Além disso, tenho lido mais, restando menos tempo pro computador. Ah, e tenho assistido ao Big Brother também, mas esqueçam essa parte.

quinta-feira, maio 16

Vai dizer se ele não é uma gracinha!!! Muito obrigadinha pelo comentário, Constantine, mas não elogia muito não senão eu fico convencida.
Adorei isso! Roubado descaradamente da Lulu. Aproveitem e façam uma visitinha a ela pra eu não me sentir tão culpada.

Morre lentamente quem evita uma grande paixão.
Quem prefere o preto ao invés do branco,
ou o branco ao invés do preto.
E os pingos nos iis à um redemoinho
de emoções.
Extamente o que resgata o brilho nos olhos,
o sorriso nos lábios e coração aos tropeços...
Morre lentamente quem não vira a mesa
quando está infeliz no trabalho.
Quem não arrisca o certo pelo incerto
para ir atrás de um sonho.
Morre lentamente quem não se permite,
pelo menos uma vez na vida,
ouvir conselhos sensatos.
Morre lentamente que não viaja,
não lê, não ouve música,
quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente quem passa os dias
queixando-se da sua má sorte,
ou da chuva incessante.
Morre lentamente quem destrói seu
amor próprio,
quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente quem abandona um
projeto antes de iniciá-lo,
nunca pergunta sobre um assunto
que desconhece,
e nem responde quando lhe perguntam
sobre algo que sabe.
Evitemos a morte em suaves porções,
recordando sempre que estar vivo exige
um esforço muito maior que o simples
ar que respiramos.
Somente com infinita paciência
conseguiremos a verdadeira felicidade.

(Morre Lentamente, Pablo Neruda)
Estive pensando em mudar o nome do blog. Primeiro pq já enjoei desse. E segundo pq morro de pena do japonês que está procurando pela formulinha relativística e acaba parando no blog de uma física brasileira. E vcs nem imaginam o quanto de visitas eu tenho por dia procurando por e=mc². Queria que as pessoas viesse parar aqui por outros motivos, mesmo que fossem "fotos de parto", "fotos de hímen" (esses são meus novos fãs) e "tiazinha nua". Só não faço questão do tarado do cocô.
Espero sugestões, não consegui pensar em nada...
Minha mãe comprou um novo requeijão que me fez pensar: por que será que todas as coisas sabor pizza têm gosto de orégano misturado com calabreza?

quarta-feira, maio 15

Me desculpem, mas depois do gol do Corinthians eu desisti de assistir o jogo.

segunda-feira, maio 13

Na sexta mesmo, à noite, tive uma longa conversa com meu Carona que me animou bastante. Fiz o lançamento oficial da campanha de desencalhe da Stella, Adote uma Física! Um dia a precisada pode ser você!, e ele me disse algumas coisinhas e algumas impressões dele que me deixaram bastante contente.

Sábado o trabalho foi mais tranquilo, e na minha soneca vespertina sonhei que a Pelagia tinha lindos olhos lilases, bem à la Elisabeth Taylor (é ela mesmo que tem os olhos lilases, né?). Conto mais depois, mas até Dona Henriqueta fez ponta no meu sonho. À noite fomos assistir "Abril Despedaçado", de graça (muito importante) no Cine Brasília, que vale dizer é o melhor cinema da cidade. Imenso, uma tela gigante, tradicional, lindo lindo, adoro aquele lugar. O único porém é que é tudo meio cult, tudo que passa lá é cult, e apesar de os filmes serem geralmente excelentes e daqueles que a gente nunca consegue assistir pq não entram no circuito comercial, eu já tô meio de saco cheio de tanta cultice. E não venham me dizer que usar bota vermelha, saia de pregas, camisa social e gravata (tudo junto, é bom ressaltar) é bonito pq não cola. Como cada um tem seu estilo, eu respeito. Mas aposto que nenhum daqueles punks que estavam com suas jaquetas de couro sabem ao menos o que apregoa um movimento punk. Eu também não sei, mas pelo menos não levanto essa bandeira. Assim como 90% dos bonitinhos que usam uma boina e uma camisa com a foto do Che não sabem nem quem foi Guevara. E esse tipo de evento está cheio de "guevaras" e "cults" e "punks", que acham que a estampa é mais importante que a ideologia. Enfim, deixa eles serem felizes...

Depois do cinema rodamos ainda por uma hora e meia até encontrar um bom lugar pra comer. O problema nem é a falta de lugares, é a falta de decisão. E eu admito: mea culpa. Sou a mais indecisa de todos e sempre acabo deixando a batata quente da escolha na mão do resto do grupo. Mas é só pq pra mim tá tudo bom, topo qualquer coisa, não faço muita questão de nada. Apesar de que sábado eu estava com uma vontade felina de comer comida mexicana (lembrei de vc, Ju), mas também não reclamei quando fomos parar no barzinho estilo alemão. Tratamento mais ou menos, lugar super lotado, cardápio em alemão (coisa mais sem graça) e uma vontade súbita de comer pizza foi o conjunto de fatores que nos levou a uma retirada estratégica, leia-se: sair correndo da mesa assim que o garçon virou as costas. Parecia que estávamos fugindo pra não pagar a conta, hilário. Pra não acabar no Mc Donalds (como aconteceu uma vez) nem comendo crepe (como acontece sempre) acabamos indo comer a comida mexicana. Gente, o que é aquilo? Que coisa deliciosa!! Tanto que vou fazer até a propaganda: El Passo Texas, na 404 sul (não sei se é essa mesmo a quadra, mas é a quadra do Mc Donalds). Os pratos são exageradamente grandes e a comida é exageradamente gostosa. Atenção especial pro Chilli onde as tortilhas (vulgo doritos, só que mais gostosos) são repostas de graça até o chilli acabar. Ah, e eles tem uma piña colada de morango deliciosa. E o mais importante: não é caro!!! Palavra de universitária pobre.

E eu juro que não recebo nada pela propaganda.
Hoje sim!!!
Hoje eu estou bem de novo.
Nada melhor do que um final de semana com direito a sorvete com a mãe no domingo e comida mexicana no sábado pra recolocar as idéias no lugar. Bom, não quis dizer que minhas idéias passam necessariamente pelo meu estômago, mas devo confessar que fico muito mais feliz de barriga cheia, ou depois de uma boa refeição. Resolvi seguir alguns conselhos de quem me quer bem e chutar a bola pra frente. E parar de dar importância pra aquilo que não tem tanta importância assim. E priu, assunto encerrado, não vou falar mais sobre isso.

Fui trabalhar na sexta feira depois do almoço em estado letárgico, e nem foi por causa da comida. Eu tava realmente meio passada, tanto que fui a pé pro trabalho, pensando na vida, e dizendo pra mim mesma que eu não deveria estar sofrendo tanto, oras, ninguém merece. Tava meio boba, não me lembrava das coisas direito, errei em não sei quantas explicações, um monte de exercícios que eu já tinha feito antes e já não me lembrava da resposta. Mas o moço da recepção me fez rir às 22h, quando estava indo embora.
Eu ainda não sei pq ele me trata tão bem. Eu nunca dei motivo pra tanta intimidade, apesar de não ter dado motivos pra ele me tratar mal. Sou do tipo que sempre dá bom dia quando chega, pede licença, dá boa noite quando vai embora e deseja um bom final de semana. Na hora de se despedir, o moço da recepção me chamou de "amor" e ainda me disse "então tchau, um beijo". Eu queria cair na gargalhada, pq acho engraçado isso de simpatia gratuita, apesar de achar muito legal pq deve significar que eu tenho um mínimo de carisma. Até a moça das finanças, quando eu fui buscar meu pagamento (este deve ser outro motivo pelo qual eu estou feliz) me chamou pelo nome, antes mesmo de olhar meu contracheques. Sim, eu devo ser alguém muito simpática! (atenção, auto-estima a vista!!! ainda há esperanças!)

sexta-feira, maio 10

Hoje não.
Hoje eu definitivamente não tô bem.
Fiquei alguns minutos com o explorer aberto, tentando me lembrar do endereço do Blogger. E estou chorando tanto que não consigo ver direito as letras na tela (eu não digo no teclado pq consigo digitar sem olhar pra ele), tá tudo meio turvo, meio embaçado...
Sinto muito, Blog temporariamente fechado pra organização mental da blogueira
Temporariamente, permanentemente, qual a diferença?
Nunca foi tarde
Jeff Buckley; versão: Paulinho Moska

Eu ando pela rua a te chamar
mas, na verdade, tanto faz...
Porque visto as frases que você me deu
mas elas não me servem mais

O que aconteceu com seu futuro que era o meu?
Agora não adianta mais me responder

Não venha me dizer
Quem passou do ponto onde era longe
E de que jeito era o certo
Por que minha dor sempre se esconde
mas nunca sai de perto?
O que aconteceu com meu futuro que era o seu?

Eu não vou provar do seu antídoto
Que me salva e me condena a me encontrar perdido
Não preciso de você pra descobrir
Que a estrada infinita que tenho que seguir não leva a nada


Começamos o fim... É assim.
O melhor pra você, o melhor pra mim
Eu não voltaria mesmo....
E você não podia ter ficado aqui...
Nunca foi tarde

E hoje quando amanhece sol
abro a janela para chuva
Que coincidência:
tua mão não cabe mais na minha luva
O que aconteceu com o futuro que morreu?
Ou nunca existiu?
Você nem olhou pras coisas que admiro
E nem me ouviu...

Mas era eu quem te chamava com o meu último suspiro
O que aconteceu com o futuro que se perdeu?

Começamos o fim... É assim.
O melhor pra você, o melhor pra mim
Eu não voltaria mesmo...
E você não podia ter ficado aqui.
Nunca foi tarde
Ah, mas disso eu gostei:

A conclusão do incitamento periférico. Deslizando, os dedos deixam os seios. Afagam os quadris, passam, vibrantes, sobre a pele abdominal, perdem-se por um momento na fossa umbilical, e prosseguem, por sobre as ancas, para as coxas, e por cima dos joelhos, descem até os pés. (...)
O homem deve ser inteligente e permanecer muito tempo nas regiões periféricas do corpo e, assim, da erótica. É o reino do gozo mais requintado que ele perde quando se dirige logo para a zona do órgão sexual. A mulher gosta mais de ser acariciada do que de ser fecundada. Coitar qualquer um sabe, mas o refinado jogo estimulante dos dedos e dos lábios revela os sentimentos requintados do amante e o grau de sua verdadeira simpatia. E o sonho mais elevado de todas as mulheres é não ser apenas entretida, mas amada.
Nestas férias eu estou em estado semi-vegetativo. Por conta disso, andei fuçando algumas coisinhas aqui em casa e encontrei uma relíquia: uma "enciclopédia" de 3 volumes chamada Amor e felicidade no casamento, de um autor alemão de nome impronunciável e insoletrável, provavelmente um dos presentes de casamento pros meus pais. Tava pegando poeira na estante e de lá eu tirei algumas pérolas.

A técnica de defloramento II - O método vigoroso. Entre jovens esposos, sendo pessoas decididas, animadas pela sã alegria de viver, sem medo da vida, o marido pode romper com um vigoroso golpe o hímen resistente, depois de vencida, por extensos prelúdios, a resistência psíquica. A mulher deve colocar uma almofada firme embaixo das nádegas, puxar os joelhos para cima e para fora, de maneira a ficar a vagina bem acessível. O homem depois de ter levado a glande do pênis até o aro que oferece resistência, deve atravessar, com pujante golpe, a parte estreita. Um pequeno grito, talvez uma lágrima, e está realizado o defloramento.
O noivo deve saber que o hímen só em casos raros oferece efetiva resistência. Em algumas moças de nosso tempo ele já foi peviamente distendido, por meio de manipulações para a auto-satisfação, de maneira que elas nem são mais verdadeiras donzelas, são o que os franceses chamam demi-vierges, são semivirgens.


Muito poético esse livro!!!

quinta-feira, maio 9

O Leandro perguntou e a Stellinha (não) responde: Pq a gente daqui de Brasília usa a sigla Bsb e o que ela significa?
Leando, a sigla Bsb é a sigla de Brasília, assim como BH significa Belo Horizonte e PoA significa Porto Alegre. A única diferença é que estas duas fazem algum sentido. Entendeu?
Alguma explicação melhor?
Aliás, vira e mexe entra alguém aqui procurando por "como conquistar um homem". Eu confesso que realmente não sei, e juro que não estou escondendo o jogo. Tanto não sei que existe uma operação de desencalhe da Stella, algo como uma campanha para ajudar a amiga precisada aqui. Ainda falta um pouco de mobilização, mas eu tenho fé que um dia vão se sensibilizar com minha situação. Mas enfim, para responder a essa incrível pergunta, ninguém melhor do que este homem. Constantine sabe tudo, responde a todas as questões femininas e masculinas, é um rapaz super disputado (bom... dizem...) e está carente carente de perguntas (e, dizem as más línguas, de mulher também, mas isso é outra história...). E como ele diz que encontrar homem tá molin molin, vai lá, minha filha, pergunte a ele. E depois dá uma passadinha por aqui pra poder me contar tudinho, viu?
Entraram aqui procurando por "peça de teatro com a palavra boing". Hehehehehe
Serve "Rumo ao Planeta Boing", do grupinho querido daqui de BsB , vulgo "Cia de Comédia Os Melhores do Mundo (sim, muito modestos os rapazes), que está em cartaz este mês e o próximo todas as terças e quartas no Teatro Folha, no Shopping Higienópolis, em São Paulo? E cujas informações são dadas pelo telefone 3823-2323?
E eu nem recebo nada pela propaganda! :-)

Aliás, adendo: Eu adoro essa peça! Inclusive, ela já rendeu muita história. E eu só não coloco link pro desenrolar dessa história pq ele disse que ficou encabulado quando eu postei seu e-mail. Mas se vcs encontrarem por acaso, aí eu não posso fazer nada... ;-P

quarta-feira, maio 8

em caso de dor ponha gelo
mude o corte de cabelo
mude como modelo
vá ao cinema dê um sorriso
ainda que amarelo, esqueça seu cotovelo
Itamar Assumpção - Milágrimas


Bem menos deprimente do que a música que eu vou levar pra minha sessão de tortura amanhã na aula de inglês. Aliás, acho que tenho vocação pra auto-flagelação: resolvi escolher justamente uma música que me traz um monte de lembranças, tirada do fundo do baú. Aguardem a Stellinha momento maníaco-depressivo amanhã, depois de tantas love songs
E o canalha (sem ofensas, nada pessoal, sério!) Constantine ainda vem me dizer que arranjar namorado tá facinho facinho.
Falando assim, dá até pra pensar que eu sou mais uma mal-amada entre tantas que existem por aí, que tá matando cachorro a grito e topando qualquer parada. Tsc tsc tsc. Stellinha é exigente (dentro dos padrões da normalidade, juro). O motivo de tanto rancor (?) é pq estou curtindo uma dor de cotovelo tripla fenomenal de uns tempos pra cá. (vale lembrar que eu só tenho dois cotovelos) Entre antigos, recentes e recentíssimos, por vários motivos diferentes e em vários níveis de envolvimento/esquecimento (leia-se: fora mesmo!). Não estou triste, de verdade. Acho que a palavra mais apropriada seria talvez...hum... incomodada. É, incomodada por serem as três situações facilmente esquecíveis (a gente esquece até o dia do próprio aniversário, pq não poderia esquecer um simples ser humano do sexo oposto?) mas tá meio difícil de engolir. Ser trocada por alguém mais loira/bonita/divertida e que de quebra seja melhor companhia é duro de descer pela goela. Mas mudemos de assunto...

terça-feira, maio 7

O tema das minhas últimas aulas de inglês tem sido love stories. Minha professora, muito sensivelmente, pediu que levássemos algumas músicas de amor pra próxima aula, cada um sua love song favorita. Saí da sala pensando em faltar. Não que eu não goste de músicas românticas, mas sinceramente não tô podendo com essas canções de amor.
Ano passado uma colega de turma chegou toda contente me contando que tinha sonhado comigo e meu futuro namorado: um moreno deslumbrante com um lindo sorriso. Depois ainda completou: "Olha, meus sonhos costumam se concretizar, eu se fosse vc ficaria de olho." Tô esperando até agora, e sinceramente já tinha até esquecido do assunto. Antes que me perguntem, não apareceu nenhum moreno fantástico na minha vida, muito menos querendo namorar comigo.
Mas quando eu comentei que não tava podendo com essas músicas de amor, ela lembrou na hora do sonho, e disse que ele ainda estaria pra aparecer, os sonhos dela não falhavam nunca. E eu, pensando "tá, ahã, claro", ouvi um outro menino da turma me dizer que sempre que sonhava comigo eu tava com algum namorado.
Moral da história: eu até posso vir a ter um namorado de novo algum dia, mas ele só aparece nos sonhos dos meus amigos. Ou então eu tenho é cara de quem namora muito. E só a cara mesmo, vale dizer, pq sou fraquinha que nem Ki-suco.
Hoje eu não tô afim. De quê? De tudo, oras. Só não tô afim. Eu tô bem. Sério. Mas passei o dia meio apática, minha mãe já chamou meu bom-dia de "desconxavido", e era assim mesmo que eu estava me sentindo, apagada, sem sal, com vontade de nada. Não era tristeza. Era.. não sei, falta de brilho. Isso, hoje foi um dia sem brilho. E ainda tive que me debandar de casa até a UnB pra encontrar o professor insuportável, mas ele pra variar não apareceu. É, outro bolo, e vai me dizer que a irresponsável sou eu? Mas estou me sentindo tão sem forças que fiquei até meio sem reação. Como se eu já tivesse dito até mais do que deveria e não resta nada mais a fazer. Em relação a tudo. Não sei, mas às vezes tenho a sensação de que fico na esperança de que adivinhem meu pensamento e que eu não precise dizer nada, ora bolas, é tudo tão óbvio. Grande defeito, confesso. Tô tentando melhorar. Mas não agora. Hoje eu não tô afim.
Cedo ou tarde
Paulinho Moska

Desde o começo do dia
Ela espera acabar com sua dor.
Alguma luz que apague
As feridas da noite anterior.
Quando a vida enfim parecia
Lhe ter dado a chance de abraçar o amor
Ele fugiu pela porta no fim do corredor.

Seus olhos secos esperam a lágrima cair,
Mas ela não vem...
Sua própria voz lhe pediu pra agir com sangue frio,
Mas ela não tem.

E agora procura sua alma perdida
No corpo não sabe de quem.
Em sua cabeça ela começa a gritar
Mesmo não tendo ninguém pra escutar:

"Onde andará meu amor
que me deixou
sem me avisar quando ou se vai voltar
pro lugar que escolheu
para ser meu?
Mesmo que cedo ou tarde ele torne a me abandonar..."

Todos na rua parecem saber
Os detalhes do que aconteceu.
E mesmo tão nua ela encara sem medo
Os olhares que lhe dizem adeus.
Pois pra quem já perdeu o que tinha
Quando decide partir, já venceu.
Em sua cabeça ela começa a gritar
Mesmo não tendo ninguém pra escutar...

segunda-feira, maio 6

Total falta de sono! Tô mesmo é com vontade de falar, comer bolo de chocolate ou correr na chuva. Mas tá todo mundo dormindo e eu não tenho com quem conversar, nadinha de bolo de chocolate aqui em casa e nós estamos em maio que é mês de seca em Bsb. E agora?

domingo, maio 5

Arrasada. É, isso mesmo, arrasada. Era assim que eu tava me sentindo hoje no início da noite.

É muito chato ficar tentando dizer coisas nas entrelinhas, pq as entrelinhas enganam a gente, elas se embaralham, e não é possível te entender enquanto vc grita entrepalavras "ei, ei, olha eu aqui", e isso não é carência, é só reflexo de uma expectativa frustrada, já diziam que "expectativa é sinônimo de frustração", pq papai diz que vai montar um playgrond no quintal mesmo que não tenha espaço pra colocar a gangorra depois, e vc se pergunta "então pq deu a idéia, pombas?", afinal vc nem estava pensando em ter um parquinho, antes era algo tão distante, que estava muito bem colocado a alguns anos luz de vc, mas alguém vai lá e traz pra próximo da sua realidade, e te tira de novo e isso só serve pra te mostrar que coisas assim só acontecem mesmo na sua imaginação, alguém que tira o doce da boca da criança, e vc se sente realmente como uma criança, pateticamente frustrada, e a culpa é toda sua, pq ninguém nunca lhe prometeu nada e quem é vc pra cobrar satisfações?

Mas não quero falar sobre isso, tá passando e eu quero é esquecer. E isso é linha, não entrelinha.
Acabei de abrir essa mensagem no ICQ, com a devida URL:
Thaisa S. Bergmann - Astrônoma do RS que pesquisa buracos negros. Já pensou quando vc chegar lá!!!!!
Hehehehehe
Só vc mesmo, Zé!
Essa já tava ficando conhecida, mas eu vou postar assim mesmo. Quem quiser a resposta me mande um e-mail.

Uma mãe é 21 anos mais velha que o filho. Daqui a seis anos o filho terá uma idade 5 vezes menor que a da mãe.
Pergunta: Onde está o pai?
Há que fazer alguns cálculos para obter a resposta!
Atenção à pergunta: Onde está o pai?
Eu não sei por que, mas todos os dias eu recebo um e-mail de um remetente chamado "Forno de Microondas" me convidando a conhecer o novo acessório de proteção para microondas. Cada uma...
A Juninha me mandou um e-mail dizendo que está tendo problemas pra acessar o humilde bloguezinho aqui. Que tá dando um monte de erros eu sei, mas sinceramente não faço idéia de onde eles vêm. Os comments ainda funcionam, mas só o do YACCS, por tempo limitado, vale dizer. Não sei que loucura foi que deu nele que pros posts que ficam no final da página não aparece o número de comentários, mas eu já testei e tá funcionando, estão todos lá. Se alguém mais também estiver tendo problemas com meu bloguezinho querido, me dê um alô, ok? E se alguém também tiver alguma idéia de onde está a fonte dos erros, toda ajuda será muito bem vinda. Vcs sabem que eu não entendo nada desse negócio de agá-tê-ême-éle, né?
Minhas férias estão sendo realmente muito produtivas. Inclusive passei meu feriado fazendo algo extremamente importante: visitando blogs. E, pessoas, vcs não imaginam a quantidade de coisas boas que eu encontrei. É sério. Tanto que fiz questão de atualizar minha listinha de Blogs relativísticos e adicionar algumas das preciosidades que eu encontrei. Podem ir que é seguro: um time de primeira. Está entrando no ar o momento jabá.
Inclusive, foi em uma dessas minhas novas "aquisições" que eu encontrei uma das coisas mais sensatas e verdadeiras que eu li nos últimos tempos:
Entenda as mulheres
Homem: - Eu preciso ir encontrar com você no shopping de carro?
Mulher: - Você que sabe.
O que ela quis dizer foi: "sim, vá de carro". Se ela disse "você que sabe", significa que a idéia que você deu é muito boa, então, você SABE o que fazer para agradá-la (que é exatamente o sim ao que você perguntou). Já o "pode ser" significa não. Por exemplo:
Homem: - Vamos ao cinema essa noite?
Mulher: - Pode ser.
Ela quis dizer: "Pode ser, mas você pode fazer melhor que isso, tenta mais". Se ela quisesse realmente ir ao cinema, iria dizer: "Você que sabe".
Entenderam?

Brilhante, Fernanda.

sábado, maio 4

Aliás, pausa III:

Que coisa horrível é aquele novo tênis da Sandy, me digam, pelamordedeus?!
Aliás, pausa II:

Até o teste da Madonna me chamou de patética. Ok, mea culpa. Alguma maneira de tirar a impressão de "meninoca carente dramática mal resolvida com vocação pra madalena arrependida" que eu deixei (é, é com vc mesmo que eu estou falando!!)?
Hum... tudo bem, perguntar não ofende....
E, agora que a referência deixou de ser por ondas cerebrais, teve muita gente de lá vindo pra cá. Obrigadinha.
Aliás, pausa:

Ainda bem que depois da morte vem a ressureição. Quem reapareceu por aqui foi a Deanna, que vive matando os blogs dela e dando trabalho pra eu conseguir achar de novo. Não, nunca me passou pela cabeça que é de mim que ela está se escondendo. ;-)
Atendendo a pedidos, coloquei alguns "ponto-na outra linha- parágrafo-travessão" no post anterior. Eu admito que realmente ele ficou meio grande, mas foi de momento, a gente só vê o tanto que escreveu (e a quantidade de bobagens) depois que acabou. E eu tava com muita raiva. Apesar de gostar de vc, se tivesse lido seu comentário ontem tinha te mandado lamber sabão! :-) Na melhor das hipóteses.

sexta-feira, maio 3

Ah, mas hoje eu mato um. Eu já falei do meu orientador machista porco chauvinista? Pois agora eu vou falar. Stellinha é orientanda há um ano de um professor pra lá de enrolado. Ele quer abraçar o mundo com as duas maozinhas dele e acaba não conseguindo fazer nada direito. E no começo eu achava que ele implicava comigo simplesmente pq eu não estava disponível sempre que ele precisava de mim, pq eu tenho outras coisas pra fazer. Se ele também tivesse um horário separado pra bolsa, eu até dava o braço a torcer. O problema é que ele acorda no domingo de manhã na semana de provas da UnB e diz que precisa da gente. Aí não tem santo que aguente.

Esse ano a tonta aqui renovou a bolsa. Antes de fazer a renovação eu e a outra menina (somos um grupo de dois rapazes e nós duas) fomos muito simpaticamente conversar com ele pra avisar: "Olha, professor, essa é a área em que pretendemos nos especializar, ao contrário dos rapazes a gente pensa mesmo em fazer mestrado nessa área, a gente gostaria que o senhor desse mais responsabilidades pra gente, a gente passou o ano passado inteiro só preparando apresentações no Power Point pro senhor, tá na hora de a gente começar um trabalho mais sério, o senhor não acha?" É que eu e a Dani achávamos que ele não mandava a gente fazer nada diferente de inserir figuras no computador pq imaginava que nós não estávamos interessadas o suficiente, que aquilo não era importante pras moçoilas, e a gente queria deixar bem claro que o buraco era mais embaixo. Me pergunta se as coisas mudaram depois dessa conversa?

Ele ainda teve o descaramento de, ao me encontrar um dia na UnB, eu louca da vida estudando feito uma condenada, e dizer: "Olha, os meninos vão hoje fazer uma observação com o telescópio, mas vc e a Dani precisam combinar pra terminar aquela apresentação no Power Point."
Eu sou uma pessoa muito pacata, dou dez boiadas pra não entrar numa briga, mas meu sangue ferveu. Quer dizer que os meninos ficam com a parte boa, ir pra fazenda aprender a mexer no telescópio, fazer mapeamento e rastreamento de cometas e eu e a Dani continuamos com a parte chata, digitando no computador pq ele provavelmente não sabe a diferença entre ponto e vírgula? Tava na cara que ele não achava as menininhas eram capazes de fazer o trabalho de campo, provavelmente pq, pobres donzelas, a gente tem medo de mato! Ah, me poupe!!!

Essa semana fiquei sabendo que temos um novo integrante. Um rapaz, óbvio, decerto o professor tá pretendendo agenciar go-go boys!!! (Sim, eu tô PUTA!!!) E o que me deixou mais emputecida não foi nem o fato de ele ter colocado o moço no grupo sendo que o carinha não tem rendimento acadêmico suficiente. Quando a gente foi pedir pra trabalhar com ele ano passado, ele fez questão de pedir histórico, currículo, o diabo a quatro. Não bastava só a gente ter passado uma semana em São Paulo fazendo especialização, ele queria as notas, experiências anteriores. E o que acontece? A gente tá lá há um ano na esperança de ver alguma coisa brotar daquela porcaria de laboratório e o mocinho me consegue trabalho sem precisar fazer esforço nenhum. E o que me deixa mais puta é que ele conseguiu isso por ser homem!!!!!!

Ah, mas o Fulaninho (não vou dizer o nome dele pq a culpa não é dele, eu sei) tem disponibilidade. Claro que ele tem disponibilidade! Passa o dia inteiro naquela porcaria de universidade só coçando o saco, tá lá desde 1900 e bolinha e não deve ter passado em nenhuma matéria, vive entrando em condição e vai me dizer que ele é mais capacitado do que eu?! Eu não: trabalho (e bastante, viu?!), faço francês e inglês e ainda dou conta da faculdade, e muito bem, diga-se de passagem. Tempo livre eu tenho, mas combine comigo antes!
O professor combinou com a gente 4 vezes só essas duas últimas semanas pra ir lá terminar a porcaria da apresentação no computador e não apareceu. Eu não tô falando que ele não apareceu lá uma ou duas vezes, foram quatro!!!!!!!!! De a gente ficar a manhã inteira esperando pq a dondoca resolveu não dar as caras, nem ligar pra dar uma satisfação. O trabalho tá pronto desde antes do natal (lembrem-se, nós estamos em ABRIL!),só precisando da revisão dele pra finalizar, ele foi achar de revisar na última semana de aulas da UnB e queria por que queria que a gente encontrasse tempo pra fazer as modificações que ele achava que deviam ser feitas! Aí o Fulaninho cai do céu, realmente ele sabe mexer no computador, oh, grandes coisa!, "ele tem tempo disponível pra vir aqui puxar meu saco".

Daí eu acordo hoje de manhã com a seguinte mensagem da Dani no meu celular: "Stella, o professor tá doido atrás de vc. Ele tá querendo tirar sua bolsa e dar praquele menino... ah, esqueci o nome dele. Conversa com ele, Stella, senão ele vai acabar fazendo isso mesmo". Vcs imaginam minha cara de possessa na hora, né? E pra eu ficar brava, ah, tem que mexer muito comigo!!!
Como é que é? Ele vai tirar a minha bolsinha querida pra dar pro Fulaninho?! E ainda por cima não tem coragem de dizer isso na minha cara e manda a pobre da Dani mandar recado! Sabem o que ele alegou? Que eu não tenho as terças-feiras livres pra ficar pageando o carente. Sim, pq é só pra isso que ele precisa de orientandos: pra escravizar! Apertar botãozinho no data-show e carregar telescópio pra cima e pra baixo. Eu não tenho a porra da terça feira livre desde que ele me conhece, e ele aceitou a minha bolsa sabendo que eu tenho aula esses dias de 19 às 22:30, não posso lamber o chão que vc pisa neste horário, sorry. Se eu não tivesse a terça livre e também não fizesse mais droga nenhuma tudo bem. Mas eu vou pra lá sábado à tarde pra trabalhar, e fico esperando o professor enquanto ele tá em casa tirando a sesta.

Meus sais, please!!!!
Bom, já que todo mundo tá fazendo esse teste eu resolvi fazer também. Ok, me chamem de volúvel.

 

Você é uma pessoa muito insegura, com problemas de auto-estima. Por quê tanta falta de convicção? As pessoas que gostam de você, gostam pelo que você é, não precisa fazer milagres para mudar e ficar melhor.

Ah, e por favor, não fique esperando que te liguem. É patético.

E você, qual personagem de um video da Madonna você é?



Minhas considerações: hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha
Mas eu estava falando sobre os sotaques, né? Então. Me lembrei disso pq precisei agora há pouco ligar pra casa de uma amiga e me veio à cabeça uma cena que se passou aqui em casa outro dia, quando estava estudando com dois amigos (grande estudo até 4 horas da manhã, cada um fazendo um esforço danado pro outro não dormir e compensou cada horinha de sono perdida) liguei pra casa dessa mesma amiga e fiz a pergunta básica que se faz "Alô, eu gostaria de falar com a Fulana?". O interessante foi que quando voltei pra mesa eles estavam conversando justamente sobre sotaques e essa miscelânea que é aqui em Bsb. Eu fui falar que não tinha nada mais irritante do que sotaque muito carregado e resolvi imitar o "carioca ixxxxpéarto" (N. do T.: esperto). Os dois olharam pra mim: "Stella, não faz mais isso! A gente tava agora mesmo comentando que vc tem voz de atendente de tele-sexo e atendente de tele-sexo carioca é demais!" Putz! Atendente de tele-sexo?!!?! Acho que foi um elogio, ainda disseram que ficaram comentando isso pelo modo como eu pedi pra falar com a Fulana no telefone. E o Carona ainda complementou: "Se fosse eu quem tivesse antendido esse telefonema e não fosse seu amigo, quando vc perguntasse pela Fulana eu faria questão de dizer 'Olha, a Fulana não tá não, mas será que não serve eu? Me joga na parede, me chama de lagartixa!' "
Agora, posso me manifestar? Não acho minha voz lá essas coisas não e me surpreendo com esse tipo de consideração a respeito. Um amigo mesmo disse que eu tenho voz daquelas moças que anunciam os vôos no aeroporto. Mas meu irmão vive reclamando o quanto minha voz fica insuportavelmente irritante quando eu estou nervosa. De qualquer maneira, fiquei lisonjeada com os elogios. E agora posso ser tratada como a "morenaça jambo sensual da voz de veludo". Aí ninguém me segura!!!
Falem o que quiser, mas eu acho um sotaquezinho de leve uma gracinha. O carioca então, quer coisa mais charmosa? (eu já achava antes, não me interpretem mal..)
Aqui em Brasília é engraçado pq ninguém tem sotaque de lugar nenhum e ao mesmo tempo de todo lugar. Vc pode misturar uai com ôxente e ninguém achar estranho. Aqui em casa, por exemplo, meu pai pernambucano e minha mãe mineira (putz, que delícia a comida da minha mãe!!!), tem de tudo. Eu, Brasiliense (desde pequenininha!!! :-P ) acabo ficando com um pouquinho de cada. Na escola, ninguém acreditava que eu tinha nascido aqui. Já me perguntaram se eu era paulista, mineira, carioca... Só não me perguntaram se eu era gaúcha pq nem tinha como mesmo a morenaça jambo sensual aqui ter vindo dos pampas. Ah, a história da morena jambo sensual vcs não conhecem, né? Plagiando a Pelagia, deixa eu contar logo senão esqueço:
Tem um moço tímido do meu semestre de nome difícil. Conversando sobre as pessoas que entraram com a gente, quem já tinha desistido e tal (grande índice de desistência na Física, vcs imaginam..), perguntei prum amigo o nome do rapaz. Ele não conseguindo identificar de quem eu tava falando, eu resolvi descrever : "Ah, aquele moreno bonitinho, que tem o nome difícil". De lá pra cá, sempre que vai falar do moço de nome difícil (que como já pôde ser notado eu ainda não aprendi) ele se refere ao "moreno jambo sensual". Que fique bem claro que essas palavras não são minhas.
Mas enfim, este semestre tivemos um professor por quem uma amiga nutre ódio mortal. Conversando com ele sobre provas e notas e etc, ele comentou com ela que "aquela sua amiga morena mandou muito bem", e no caso a "amiga morena" era eu. Daí pro pessoal pegar no meu pé, dizer que ele tinha reparado em mim, e passar a me chamar de "morenaça (reparem no aumentativo) jambo sensual" foi um pulo. Agradeço bastante. O problema é que se toda vez que forem me descrever pra alguém usarem exatamente estes adjetivos, vou ser uma decepção ambulante para o resto da humanidade (cruzes, qta megalomania!).

quinta-feira, maio 2

Hoje de manhã recebi uma mensagem desesperada no celular de alguém preocupado com tamanho sofrimento por conta do abandono de alguém (sem link, pra manter o suspense), provavelmente imaginando que eu àquela hora já estava pendurada no parapeito da janela gritando que "ninguém me ama, ninguém me quer". Recebi bronca por ser dramática, por quase tê-lo feito chorar entre outras coisinhas e confesso que exagerei, mas inclusive me surpreendi com a quantidade de músicas de "tô esperando vc ligar" que eu fui capaz de me lembrar sem recorrer a nenhuma fonte de pesquisa que não fosse minha cabeça. E olha que eu nem coloquei a infalível "me liga, me manda um telegrama, uma carta de amooooooor", da qual eu também me lembrei ontem mas fiz questão de esquecer logo.
Enfim, a quem interessar possa, eu tô bem, viva, e não pensando em suicídio (atenção, pretenciosos de plantão!). Depois de ouvir as risadinhas ultra sarcásticas no final do recado a despeito do meu sofrimento, eu resolvi mandar isso tudo às favas e pensar no que eu vou fazer no final de semana.
Mas continuo com aquela maldita música da Kelly Key na cabeça...
É claro que Ju é você mesma, Ju!!!
É que de vez em quando vc some, sem deixar vestígios, e eu fico pensando que vc desistiu de ler esse humilde bloguinho que tá ficando chato pra caramba. Acho que é a crise de meia idade...
Do blog, óbvio.

"Tava esperando
Um telefonema teu.
Tava precisando
De uma voz no ouvido.
Tava imaginando
Teu olhar mirando o meeeeu.
...
Tô aqui esperando
Pra ver se você veeeeeeeem!"


Agora me veio esta, que pelo menos eu sei cantar inteirinha. Minha cabeça tá mais pra rádio fora de estação misturada com cd pirata da Kelly Key (baba baby babay baba) ... droga, de novo?! Melhor dormir. Boa noite.
feira moderna, um convite sensual
oh! telefonista, a palavra já morreu
meu coração é novo...

Estou com exatamente este trecho desta música na cabeça, não sei bem por que, devo ter lido em algum lugar, ou talvez seja meu subconsciente querendo me mandar uma mensagem, sei lá, só sei que é bem melhor que a da Kelly Key e (baba baby baby baba)... droga! Ela já voltou!
Enquanto não durmo
Enquanto te espero
Chove no mundo.
Eu não me acostumo...


Apesar de que aqui não chove já há algum tempo.... Nem em Brasília, nem na minha horta. Hehehe Piadinha infame, ok, esqueçam o que eu disse.
Abri meu e-mail uma 5ª vez. Nada de novo.
Tô começando a achar que ninguém me ama, ninguém me quer...
Alguém me escreve aí, vai...
Nem que seja um comentariozinho só.
(surto de carência aguda)
Eu preciso escrever, escrever, escrever!!!!!!!!!!!!
Não dá pra ficar nessa agonia. Desde que sentei na frente desse computador, há mais ou menos uma hora e meia, eu já chequei meus e-mails 4 vezes. Gente, quatro vezes!!! Fora todos os outros check list que eu fiz durante o dia. Preciso escrever, ou arranjar uma lavagem de roupa suja, mas não quero ter que abrir uma quinta vez, pra não encontrar lá dentro o que eu tenho esperado. Não quero mesmo.

quarta-feira, maio 1

Eu acho que o Brasiliense deve ter ganhado o jogo: todos os fogos da cidade acabaram de estourar. (E eu não imagino que isso venha da magnífica Festa do Trabalhador, tão brilhantemente produzida e promovida pelo nosso excelentíssimo governador.) Eu digo que eu acho porque meu irmão se recusa a me dizer o resultado do jogo. E eu ando tão desatualizada, que nem sabia que o Brasiliense tava competindo até aquele fuzuê homérico por causa da vitória sobre o Atlético, muito menos que esse jogo era importante, semifinal de sei lá que campeonato, daí nem me interessei muito em assistir ao tal jogo. Aliás, achei que ele nem ia passar na tv, uma vez que está sendo realizado aqui mesmo.
Posso até estar passando a impressão de que não gosto de futebol. Muito pelo contrário, é um dos meus esportes favoritos. Mas de uns tempos pra cá tenho me desinteressado um pouco, acho que estou mesmo é desiludida.
A Copa mesmo eu tenho certeza que não vai ser como as outras. A de 90 eu não me lembro. Tinha só 8 anos, né? Tava mais preocupada em brincar de Barbie (pq de casinha, mamãe e filhinha, essas coisas eu nunca gostei não. mas eu estou divagando...). A de 94 foram todos jogos em família. Era divertido, minha mãe fazia salgadinhos, comprava refrigerante, uma festa só. Me lembro de alguns jogos, eu achava o Leonardo bonitinho (e quem não achava?) e me decepcionei com a cotovelada no nariz do americano (era americano?), e me lembro de que o Brasil empatou com a Suécia em seu terceiro jogo de 1 a 1. Não muito mais que isso.
A de 98 foi divertidíssima. Marcávamos sempre com a turma pra assistir o jogo na casa de alguém, na época em que eu estava começando a namorar, ele viajou pra João Pessoa nas quartas de final. Me lembro direitinho daquele jogo sofriiiido com a Holanda, todo mundo sentado no chão da sala de um colega de mãos dadas, cena hilária se for pensada hoje, mas aquela emoção contagia, a urucubaca que a gente tava mandando pra Laranja Mecânica não tava mole não. A final nós combinamos de assistir aqui em casa. Eu tava toda de verde e amarelo, um verdadeiro abacate com pequi. Deu no que deu, né? De lá pra cá, combinamos que nunca mais assistiríamos um jogo de futebol na minha casa.
Agora, Copa no Japão, os jogos de madrugada, ninguém de férias quando o torneio começar. Não é mais como antigamente...
Puxa, vida! Agora todo mundo meeeesmo tem um blog. Fala sério, aí!
Eu, particularmente, esperava mais do Casseta & Planeta. Mas ainda tá em tempo de melhorar.
Pelagia, acertou na mosca! Pelo menos metade do meu recadinho. E obrigadinha pela força.
Mas passados meus momentos tietagem explícita e psicótica, dor-de-cotovelo e nostalgia total, acho que voltei (quase) ao normal. No momento, curtindo meus cds da Zélia, já que não deu pra ir ao show.

A tempestade me assusta como sua ausência.
Você, raio humano, despencou na minha cabeça.
E deeesde então
Grita esse trovãããão
No meu peeeeito.
A chuva lá fora chove de fato
Enquanto sua ausência inunda meu quarto
E transborda na cama.
Agora eu entendo:
Meus sonhos são outros
Hihihi...
Leiloca, tks!!!
Puxa, não elogia muito não senão eu fico convencida... :-)
E amigos da Rapa Nui são meus amigos também. Já gostei de vc logo de cara!
Realmente, blogs de Físicas de férias devem mesmo ser um atrativo sexual e tanto. Não bastasse o humilde bloguezinho ter virado freguês de buscas como "sexo bizarro", "gordas fazendo sexo" e "fotos de mulheres fazendo cocô", agora temos também os amigos que entram aqui procurando por "amigas fazendo xixi" e "fotos de sexo com cavalos".
Tão pensando que isso aqui é o quê?!?!?!?!?!