domingo, junho 30

Recadinhos rápidos:
- Thaís, muito obrigada pela visita. Entre, puxe uma cadeira e sinta-se em casa. E volte sempre que quiser.
- Fernanda, não tô conseguindo abrir seu blog por nada no mundo. O problema é só comigo ou vc está passando por alguma dificuldade técnica?
- Depois que o Iberê teve problemas com o blog dele (que antes tava aqui), surgiu a dúvida: o correto é "fudeu" ou "fodeu"?
Justiça seja feita, o YACCS está de parabéns: foi o primeiro sistema de comentários pra blogs que não bichou na primeira semana de funcionamento. Não sei exatamente quanto tempo faz, mas ele tá durando. Talvez tenha sido porque, dessa vez, o Iberê não agourou. :-)

Então, já que ele está funcionando, comentem, pô!
Ai, ai, ai!
Recebi esse e-mail com o instigante assunto de "Teste de QI do Einstein". Só que o bonitinho que me enviou não quer me dizer a resposta de jeito nenhum e eu agora estou morta de curiosidade. Portanto, colaborem com a amiga Stella aqui: se alguém souber como se resolve, pelamordedeus me avisem!!!!

1- Há 5 casas de 5 diferentes cores.
2- Em cada casa vive um homem de uma diferente nacionalidade.
3- Esses 5 homens bebem diferentes bebidas, fumam cigarros diferentes e tem diferentes animais de estimação.

A questao é: quem tem o peixe?
Bom, se a Holly tá pedindo... Vamos ajudar, pessoal!

"Serviço de utilidade pública!
Se vc estudar informática na uerj, morar no Recreio, gostar de quadrinhos e se chamar Leonardo, a Carol Celta está atrás de você !!!
Vocês também podem ajudar esta senhorita a encontrar esse moço, colocando este anúncio em seu blog.
Isso tá parecendo correntinha de email, whatever, é por uma boa causa! :P "
Pelamordedeus, alguém me explica?!

Você pode subir para baixo!

O QUE VOCÊ VAI PRECISAR?
- 1 cadeira de aproximadamente 5 metros de altura que tenha um pauzinho apoiando os pés da mesma, mais ou menos na metade da altura do chão para a base da cadeira onde colocamos o forévis.
OU
- ficar com aproximadamente 30 centimetros e ter uma daquelas cadeiras que tem um pauzinho apoiando os pés da mesma, mais ou menos na metade da altura do chão para a base da cadeira onde colocamos o forévis.

COMO TESTAR A TEORIA?
Basta que você suba para o pauzinho que fica mais ou menos no meio do caminho entre o chão e o forévis.

CONCLUSÕES
Desta forma você terá subido para baixo da cadeira, provando, que É POSSÍVEL subir para baixo.
Então quando alguém usar o termo "ô, sobe lah pra cima e pega um martelo...", ou, "desce lah em baixo, rápidinho e pega dois ovos pra mim...", pense duas vezes antes de falar, "Não, eu vou subir pra baixo, HAHAHAHA", esta pessoa pode ser uma das conhecedoras desta maravilhosa teoria.
Qualquer dúvida favor mandar um e-mail... Afinal como profundo defendedor desta teoria (e criador dela tbém...) sempre gosto de ter a possibilidade de ouvir outros pontos de vista...


Tirado do blog do Mac, depois de um pedido de ajuda, mas eu tô achando mais fácil construir a máquina do tempo do que entender essa teoria do Hammer.
Ah, e lembram que eu disse que odiava cornetas, buzinas e fogos? Os fogos eu continuo detestando, mas abro uma exceção pras cornetas e buzinas hoje. Mas só por hoje.
Minha família é realmente uma comédia.
Minha casa fica de frente pra uma das principais avenidas da cidade. O portão da garagem dá pra rua. Minha mãe e meu irmão estão, neste exato momento, com duas bandeiras do Brasil e uma camisa da seleção, do lado de fora da casa, balançando e comemorando com todos os passantes. Os carros passam e buzinam, gente pro lado de fora da janela, gritando "pen-ta-cam-peão" e minha família gritando na garagem, afinal, eu posso não te conhecer, mas vc é brasileiro e com certeza está tão feliz quanto eu.
Mas aí começaram a passar pessoas conhecidas e meu irmão começou a ficar com vergonha.
É PENTA!!!
E eu, sinceramente, não senti a menor falta do Romário.

quinta-feira, junho 27

(...) Eu era a Roxanne. Recebia cartas de amor lindas, mas meu amado em nada parecia pessoalmente com o autor das cartas.

O garoto escolhido, óbvio, era o menos feinho. Porque garotos bonitos nunca se interessaram por teatro. Cruel, Stellinha, mas é a realidade.
Problema dois: era heterosexual. E galinha.


Hehehe. Por isso que eu devo ter sido irmã dessa garota em alguma outra encarnação.
, pela minha pouca observação, rapazes bonitos que fazem teatro tem namoradOs bonitos. E caras não bonitos que se interessaram por teatro são heterosexuais e galinhas. Coisas da vida..
Agora, pq o comentário especificamente pra mim, hein?! :-)
Como eu não tenho assunto mesmo, vai uma piadinha.
Tecla sap: Roriz é nosso ilustríssimo governador, aquele bom camarada que tem uma granja leiteira e odeia professores da Fundação Educacional.

"Quando Deus fez o mundo, decidiu dar a cada povo dois predicados para que assim prosperassem. Sendo assim fez:
* Os americanos = ordeiros e respeitadores da lei;
* Os alemães = tenazes e audaciosos;
* Os japoneses = trabalhadores e pacientes.
Quando chegou aos brasileiros, disse para um arcanjo anotar em um caderno:
"Estes serão inteligentes, honestos e votarão no Roriz."
Quando terminou de fazer o mundo, o arcanjo O chamou e disse:
"Senhor Onipotente, o senhor deu a todos os povos dois predicados, mas aos brasileiros o Senhor deu três "inteligentes, honestos e votarão no Roriz", isto fará com que eles prevaleçam sobre os outros povos do mundo."
"Tens razão", disse Deus, "mas como nem eu mesmo posso revogar o que Deus fez, precisamos remediar essa situação. De agora em diante, os brasileiros conservarão estes três predicados, mas, a fim de que não prevaleçam sobre os outros povos, só poderão usar dois de cada vez."
E é por essa razão que, desde então:
* O brasileiro que vota no Roriz e é honesto, não pode ser inteligente;
* Aquele que é inteligente e vota no Roriz não pode ser honesto;
* E aquele que é honesto e inteligente não poderá nunca votar no Roriz."
Essas foram as duas últimas pérolas que eu recebi e elas definitivamente merecem um momento especial.

Momento: coisas bestas que a gente recebe por e-mail: Edição tosca.

Com a classificação da Alemanha para a final e admitindo-se a classificação do Brasil, vê-se o número 7 como decisor para o jogo final desta copa. Abaixo seguem algumas questões para se pensar:

- São 7 títulos mundiais em jogo
- Os dois times estarão jogando sua 7a. final
- Será o 7o. jogo dos dois na copa 2002
- 7 copas atrás (1974) a Alemanha foi campeã
- A final será um dia antes do mês 7
- Campeão tem 7 letras
- Esta é a 17a. copa do mundo
- Até hoje 7 times foram campeões do mundo
- A Alemanha fez 7 pontos na primeira fase
- A Alemanha fez 14 (7x2) gols na copa até o momento
- Ballack (o autor do gol da classificação da Alemanha) tem 7 letras
- Entre o primeiro título da alemanha (54) e o segundo (74) tiveram 4 copas, entre o segundo e o terceiro (90) foram 3 copas (total de 7), entre o terceiro e a copa atual são 2 copas
- O jogador de número 7 do Brasil é reserva, o da Alemanha é titular


Vai dizer se esse último não foi o melhor e mais lógico de todos?! Agora vem a melhor parte. Saquem só:

"Vejam esta profecia de Nostradamus:

"No sexto mês de 2002, dois irmãos separados por guerras e revoltas se unirão para a grande festa. Depois de longo tempo, o ouro voltará a ter seu valor e brilhará no céu na forma de cinco estrelas. A pátria do Rei Negro, antes humilhada, agora será exaltada."
EXPLICAÇÃO:
1-"No sexto mês de 2002, dois irmãos separados por guerras e revoltas se unirão para a grande festa" (Japão e Coréia, inimigos de longa data se unirão para realizar a "grande festa", ou seja, a COPA DO MUNDO);
2-"Depois de longo tempo o ouro voltará a ter seu valor e brilhará no céu na forma de cinco estrelas." (o "ouro" aqui representa a cor da camisa da seleção brasileira que passou quatro anos (longo tempo) em decadência, e que agora voltara a ter seu valor novamente reconhecido após o penta campeonato ("e brilhará no céu na forma de cinco estrelas.");
3-"A pátria do Rei Negro antes humilhada, agora será exaltada." (O Brasil, país do REI PELÉ (o "rei negro"), que passou quatro anos tendo sua tradição e sua competência questionada, será exaltado novamente como o MELHOR DO MUNDO)."


Isso tudo prova que a imaginação humana realmente não tem limites!
Isso era pra ter saído ontem, mas o Blogger não deixou de jeito nenhum:

Jogo, né?
Bom, pra variar acordei atrasada. O agravante dessa vez era que íamos assistir ao jogo na casa de uma amiga e quatro pessoas iam de carona comigo. Tudo culpa do despertador. Deu tempo só de colocar uma blusa amarela (mostarda) com o macacão verde (musgo, praticamente marrom), pentear o cabelo (mais ou menos) e escovar os dentes pra buscar o pessoal. Ainda assim, tive que parar no posto de gasolina pra colocar déiz real, senão a gente ia acabar não vendo o jogo por falta de combustível.

Aliás, pausa pra comentário: um amigo da minha mãe, nessas últimas épocas de alta (abusiva) do preço da gasolina, disse que o aumento de preços não o afetava. Afinal, ele só colocava 10 reais mesmo, sempre. Pode?

Voltando ao assunto, passei na padaria pra comprar uma torta de morango pra levar pro nosso café da manhã comunitário pra não levar a família de nossa anfitriã à falência. Horrível! Gente, eu nunca comi um bolo tão ruim! Me deu vontade de voltar lá depois do jogo, com o que sobrou da torta, enfiar goela abaixo no padeiro/confeiteiro e exigir meus 18 reais (!) de volta. Mas tinha a canjica (hum....) da mãe de nossa amiga pra salvar a pátria. Ah, e suco de laranja.

Depois de tanta correria, ainda foi preciso escutar os primeiros 5 minutos de jogo pelo rádio. O Carona, desesperado, nem esperou a gente descer do carro direito pra tocar o interfone, entrar no elevador, tocar a campainha, jogar a torta em cima da dona da casa e, num lampejo de educação, pedir licença antes de entrar desesperado. A propósito, vcs já experimentaram escutar um jogo de futebol pelo rádio? Gente, não dá pra entender nem qual o time que está com a posse de bola, quanto menos a quantas andam as jogadas, quem passou pra quem ou se a bola tá dentro ou fora de campo. Engraçadíssimo!

O jogo foi razoável, apesar de eu ter achado que o Rivaldo quase não apareceu em campo. E o mais engraçado é que a mãe dessa amiga nossa é pernambucana, fã incondicional do rapaz. O filho dela, Fábio, só pra provocar, dizia o tempo todo que o Rivaldo tropeçava nas próprias pernas, que ele só sabia cair e que não acertava um passe. Daí, todas as vezes que o jogador botava o pé na bola, tia Regina gritava a plenos pulmões "Vai, Rivaldo! Mostra pro Fábio!". Coisas do futebol.

Em tempo: Pq eu não consigo gostar do Luizão?

quarta-feira, junho 26

Entraram aqui procurando por "onde vivem as lagartixas" e Stellinha, biológa amadora nas horas vagas, responde: nas paredes, ora bolas! (infame, muito infame..)
Aliás, os tarados por gordas, cavalos e xixi estão até ganhando do mega tarado do cocô. no quesito "visitas e procuras". Reage, moço!
E a moça do "como conquistar um homem pra valer sem sexo" está de volta, mas eu já disse que conquistar um homem já é difícil. Sem sexo eu acho praticamente impossível! Deve ser por isso que estou sozinha... (Stella tenta desesperadamente encontrar uma boa justificativa pra seu encalhamento total e acaba se agarrando no primeiro argumento que vem à cabeça).
Ah, e também teve a pessoa que veio pra cá procurando por "teatro não serve pra nada". Puxa, serve sim. Serve pra... ahn... hum... bem.... ah! pra um monte de coisas.

Pô, Welder, vai deixar?

E isso foi um Momento: como as pessoas chegam aqui por meios bizarros disfarçado. :-)
E minha amiga continua insistindo pra que eu vá ver meu novo amor (na cabeça dela, óbvio) e que eu o surpreenda com um sanduíche gigante do Mc Donald's. Eu já tentei argumentar dizendo que ele pode ser vegetariano, pode ser anti-EUA ou simplesmente não gostar do molho especial do Big Mac. Mas ela está irredutível. Se bobear ela mesma me arrasta até lá.
Aliás, de uns tempos pra cá meus amigos só se referem ao pobre rapaz como "meu marido". Coitadinho. E ele nem tem idéia disso.
Eu estava torcendo contra a Coréia e ainda bem que eles perderam pra deixar de serem bestas, afinal pegou muito mal aquela vitória descaradamente roubada em cima da Espanha. Mas também não queria que a Alemanha ganhasse. Acompanhem meu raciocínio.
A Alemanha ganhando e o Brasil ganhando da Turquia amanhã, vamos com a Alemanha pra final. Time forte, e o Brasil já amarelou uma vez (ninguém esquece 98), sei lá, tudo pode acontecer. Imaginem, então, que a Alemanha ganhe do nosso timec...ops! timão. Ela seria então Tetracampeã, certo? Assim como a gente. Primeiro de tudo, é muito bom ser o único time teatracampeão do mundo (apesar de isso não querer dizer muita coisa, mas é tradição, oras!). Mas o principal é que daqui a quatro anos a Copa será aonde? Na Alemanha!!! E aí acontece de novo o que aconteceu na França. Eles compram uns juízes, colocam alguma coisa no suco do Ronaldinho e daí já era. A Alemanha Pentacampeã e nós chupando o dedo.

É que eu penso muito à frente.
Eu, cansada por conta do final de semana, fui dormir cedo no domingo.
Duas horas da manhã um celular escandaloso postado na beira da cama (Madalena dorme abraçada com o celular) me fez acordar tão sobressaltada do meu sono profundo que eu não consegui nem enxergar o nome no visor. Mas Madalena é recompensada pela longa espera noturna e finalmente recebe o telefonema tão aguardado. E do outro lado da linha uma voz conhecida canta alegremente, como se fossem duas horas da tarde.
Bom dia amigo
Bom dia irmão...


Droga, não me lembro do resto da música. Tava dormindo demais pra minha memória funcionar. A conversa se extendeu até às 3:10 e eu, meio zonza ainda, acordei algumas horas depois, num frio do caramba pra ir pra aula (depois de ter pensado algumas vezes em assassiná-la até que minha consciência disse "Stella, Física Quântica não é tão elementar assim!") e um pensamento me vinha à cabeça: "a essa hora aquele p..., digo, moço tá no 18º sono REM!" Só sendo muito artista, como diria a Cissa Gimarães. Ou fã, né? (céus, eu ando com uns trocadilhos terríveis)

PS: Mas sabe que eu adorei o telefonema? Coisas do amor. :-P
PS 2: , vc que é conhecedora profunda de praticamente tudo e já foi professora infantil não sabe me dizer como continua essa música, não? Eu sei que tem um pedaço com algo como "basta um sorriso seu lá rá lá".

segunda-feira, junho 24

Hoje eu estou tão serena e tranquila que nem vou contar pra vocês que meu professor orientador pulha carinhosamente chamado de Xaropinho (aquele mesmo) está pensando em publicar nosso trabalho (dos alunos, lógico) como se ele fosse o autor.
Dá pra processar?
Ouvir conselhos às vezes é divertido, mesmo que vc não tenha a menor intensão de segui-los e mesmo que vc não os tenha pedido.
Conversando com uma amiga hoje à tarde, em meio a um estudo de todas as variáveis complexas e seus limites, ela me vem com a máxima:
"Olha, Stella, todo homem cansa. E se vc continuar "na sua" como vc gosta de ficar, ele vai acabar desistindo, vc tem que correr atrás um pouquinho também. Então eu acho que vc deveria tomar um banho agora, passar no Mc Donald's, comprar um Big Mac e ir pra porta de onde ele está agora e dizer: "bem, já que vc sempre foge dos meus convites pra sair, eu trouxe o lanche pra você. E como eu não sei muito bem do que vc gosta, eu trouxe o genérico. Vamo lá agora?"
E eu nem tô interessada no tal carinha a quem ela se referia. É lógico que eu desconversei, disse que a gente tava estudando, não ia parar o estudo na metade e patati patatá. Mas não sei por quanto tempo vou conseguir me esquivar. Ela consegue ser mais teimosa do que alguém que eu conheço...

domingo, junho 23

Ontem eu fui ao cinema assistir Quarto do Pânico. Eu adoro esses filmes tensos, daqueles que vc rói as unhas e torce loucamente pra dar tudo certo no final, fica bolando estratégias e imaginando o quanto a mocinha é burra, só pq resolve descer de camisola no meio da noite quando ouve um barulho na cozinha. Mas me envolvo tanto com o filme que fico mais nervosa do que vcs imaginam. Assisti ao filme encolhida o tempo todo na cadeira, com as mãos na cabeça e repetindo a cada segundo "ai meu deus!". A amiga que estava comigo, surpresa, disse que eu parecia mais nervosa do que a própria Jodie Foster. Resumindo, se vc gosta desse tipo de entretenimento, eu recomendo fortemente. Eu li uma vez uma crítica do Ricardo (não tem link direto pro post, mas é do dia 09/06) e é tudo daquele jeito mesmo. É engraçado ver como ninguém dá nada pelo filme quando ele começa, e em determinado ponto está todo mundo mudo (e eu encolhida na cadeira), prestando atenção em cada detalhe, em cada jogo de câmeras, até torcendo pra mocinha em voz alta. Teve até palmas.

Depois do cinema encontramos a Talita com um amigo. À primeira vista, bonitinho, simpático, divertido até. Mas sabem aquele tipo de rapaz que abriu a boca e estraga? Pois é. Alguns minutos depois ele estava se gabando de um monte de abobrinhas, de umas brincadeiras e picuinhas que a gente faz quando tem 13, e não 30, anos. Pelo menos essa foi minha primeira impressão. Se ele é amigo da Talitinha, algo de bom deve ter. Espero...
Eu estava sinceramente torcendo pra Coréia ganhar da Espanha. Achava bacana uma seleção sem tradição, um dos peixes pequenos, chegar tão longe numa Copa do Mundo. Mas sinceramente, ver um jogo tão esculachado me deu dó. Dos espanhóis, lógico. E agora, mesmo a contragosto, torço ferrenhamente pra Alemanha. E que os coreanos se danem.

sexta-feira, junho 21

E eu acho o Beckham bonitinho sim, e daí? Mas aquele cabelo à lá Família Dinossauros dele tá de matar.
Ainda prefiro o Figo. Aliás, um homem daquele sussurrando "Ai, Jisuis" no meu ouvido... hum... Do que era mesmo que eu estava falando?
Sim, eu acordei às 3:30 da manhã pra ver o jogo. Bom, quase. Mais especificamente às 4:16, quando o Brasil fez o primeiro gol e meu pai gritou feito um desesperado lá embaixo. Tinham esquecido de me acordar. Meio dormindo, me enrolei no cobertor e fui pra sala. Assisti o segundo tempo inteiro, xinguei o juiz (moço maluco) e fiquei desesperada quando o Ronaldinho cabeludo (como diz a Deanna) foi expluso e todos os outros 35 minutos que se seguiram. Depois, voltei calmamente pra minha cama, ainda enrolada no cobertor, deitei, desliguei o despertador, pensei "Também sou filha de Deus e não vou pra aula nem que a vaca tussa!" e fiquei, durante uma hora e meia, tentando dormir e não conseguindo pq tinha um monte de desocupados e sem o quê fazer buzinando feito bichas loucas na rua às 5:30 da manhã! E o Brasil nem ganhou a Copa ainda!!!!
Eu odeio fogos. Ah, e odeio cornetas também.

quarta-feira, junho 19

Novas aquisições pra tabelinha de relativísticos.
É que eu tenho achado muita coisa interessante. E tenho tentado ler de tudo.
Cenas surreais de um jogo de futebol:

Na cabine VIP, Luiz Estevão. Na arquibancada, torcedores enfurecidos de costas pro campo de futebol, xingando ninguém menos que... Luiz Estêvão. O ex-senador enraivecido também desistiu de prestar atenção no jogo e se ocupou de fazer gestos obscenos pra torcida. De repente, tumulto no estádio. Um craque do time, na tentativa de tirar uma bola da área, bate o joelho na trave do gol e fratura a rótula. Ele, chorando de dor, os colegas chorando de desespero. Foi substituído pelo irmão gêmeo, que já entrou em campo chorando chocado com a cena.

Pouco tempo depois, nova tragédia. O massagista de um dos times (o mesmo dos irmãos gêmeos) levou uma bolada tão forte no rosto que caiu desacordado de cara no chão, após alguns segundos em pé segurando duas garrafas d'água. O médico do time veio correndo socorrer, enquanto na arquibancada pararam de xingar o Estêvão pra especular se Black (o nome do massagista) ainda estaria vivo ou não. Enquanto o massagista era socorrido, alguém sofre falta dentro de campo e fica caído, esperando atendimento médico. Tiveram que tirar Black da maca, entrar no campo, tirar o jogador contundido na maca e depois carregar o pobre massagista pra fora do estádio.

Parece brincadeira? Pois aconteceu, domingo, no disputadíssimo clássico CFZ (Clube (ou Centro?) de Futebol Zico) x Brasiliense (o time do senador ladrão). O massagista e os irmãos Melo são do CFZ, que ganhou a partida por 1 a 0 apesar de tantos contratempos (leia-se: uruca das brabas!), e já é praticamente campeão do Campeonato Brasiliense.

É que meu pai e meu irmão foram assistir ao jogo.

terça-feira, junho 18

Momento JABÁ: (apesar do não merecimento. humpft!)
Pra quem está em Brasília, ou pretende estar, ou estará até o final do mês, Stellinha agenda cultural dá a dica: até o final do mês, mais especificamente até o final da Copa do Mundo, de quinta a domingo, a preços populares (bom... hum... mais ou menos), no Teatro dos Bancários (EQS 314/315), a peça de teatro que tem dado mais ibope no momento: Os Melhores do Mundo Futebol Clube, daquele grupinho mais ou menos que eu tanto gosto, a Cia de Comédia os Melhores do Mundo. Eles demoraram, adiaram a estréia, deram entrevista pra Deus e o mundo e tiraram até foto fingindo que jogam futebol. Tudo pra dizer que de futebol eles podem até não saber muita coisa, mas de fazer graça eles entendem bem.

Mas vc deve estar pensando: "duh, futebol, assunto mais besta, tá todo mundo fazendo piadinha sobre isso agora". Tsc tsc tsc. A peça é formada de esquetes, atemporais e engraçadíssimos. A julgar por todas as outras peças, essa tem tudo pra ser um sucesso. Eu vou já já garantir meu ingresso. Já que não fui chamada pra estréia somente para convidados que, eu acabei de descobrir, rolou na última sexta feira. Humpf! Também não faço mais propaganda.

(Relevem: Stella está na TPM e sensível)
Eu sou Coreana desde pequenininha. Eu deveria estar estudando, mas quem consegue com um jogo daqueles? Os italianos pensaram que só por serem bonitos iam ganhar um jogo. Ledo engano: foram comer macarrão mais cedo em casa. E deu gosto ver a festa da Coréia, e a torcida toda vermelhinha parecia que ia quebrar o estádio de tanta alegria.
E aquele italiano que abriu o supercílio tava ou não tava parecendo uma camisinha gigante com aquela touca na cabeça?
Mente suja, Stella...
Puxa, nem contei sobre os pauzinhos ainda, né?
Não esqueci, mas fica pra próxima.

Pausa: Apelo desesperado: Ju, cadê vc, mulher!?!?
Frase do dia, roubada do Leandro:

Não se abale, pois até um pé na bunda te faz caminhar pra frente

segunda-feira, junho 17

O Sitemeter acusou que, um pouquinho atrasado em relação ao Dia dos Namorados, algum ser entrou aqui procurando por simpatia de emergência para trazer amor até a minha casa. Sim, específico assim. A dica vem roubada do blog da Paula, pq de simpatia eu não entendo nadinha. Taí, colega, divirta-se:
1) Escrever o nome do amado num papel e jogar mel em cima.
2) Fazer um pedido a Santo Antônio, colocar a imagem dele de cabeça pra baixo e só desvirar quando ele atender o pedido.
3) Servir pro moço café coado na calcinha (!!!)
4) Colocar uma foto dele num vidro com água e açúcar e guardar na geladeira. Não deixar ninguém ver, nunca. (!!!!!!)
5) Escrever o nome dele no pé esquerdo por quatro noites seguidas. Passar essa simpatia pra quatro pessoas em quatro dias, senão sofrerá quatro
decepções amorosas. (melhor não arriscar, né??)
6) Dormir com um papel com o nome dele escrito debaixo do travesseiro, na noite de Santo Antônio (da véspera pro dia).
É, não entendo muito de futebol. Aliás, só acordei na metade do jogo. Mais especificamente aos 10 minutos do segundo tempo. E sinceramente fiquei com medo da Bélgica. Sabe como é, país forte, com tradição no futebol.
Quero só ver a Inglaterra agora.
Ra-ram! Atenção que agora a Stellinha vai dar pra vcs uma amostra de todo o meu entendimento sobre futebol:
(Stella se ajeita na cadeira, estrala os dedos e aperta o nó da gravata (pq todo comentarista de futebol usa gravata))

Que merda é aquela defesa, vai dizer? O que aqueles três pamonhas tão fazendo lá atrás? Brincando de andoleta? E que droga de saída de bola o Marcos têm! Tá, tá, ele até agarrou bem hoje, mas ele não chuta uma pro lugar certo. Que bosta de marcação essa nossa seleção tem, um puta buraco no meio de campo. E o Denílson que não cruza, quer driblar todo mundo. E eu até nem gosto muito do Rivaldo, mas tenho que dar o braço a torcer e dizer que ele mandou bem hoje. E eu acho que tem que colocar o Ricardinho. Por quê? Sei lá, todo mundo diz que tem que colocar o Ricardinho, eu só concordo. Aliás, quem é o Ricardinho mesmo, hein?
De quem eu gosto, nem às paredes confesso...
Eu acabei de ter um orgasmo comendo chocolate e morango. É chocolate derretido, uma espécie de brigadeiro mole, feito na madrugada por fome repentina, e um restinho de morango que estava na geladeira.
Sim, vou ficar gorda e cheia de espinhas. Mas tão feliz!!!!!!!!
Momento: utilidade pública: vc quer saber se seu microondas tá vazando radiação ou não? Tsc tsc, nada desse negócio de colocar a maçã em cima do aparelho e ver se apodrece. A técnica que a Stellinha vai ensinar pra vcs é muito mais rápida e prática. Peguem seus telefones celulares. Depois, coloquem o celular dentro do microondas e fechem a porta. Não vai me assar o telefone, pelamordedeus!!! É tudo com o microondas desligado. Depois vc pega o telefone fixo da sua casa, vai pra frente do eletrodoméstico e liga pro número do seu celular. Se ele tocar é pq seu microondas tá vazando. Legal, né? Isso tudo pq o sinal de celular é eletromagnético, a mesma natureza de onda que a radiação de microondas. Se o sinal não tá entrando, a radiação também não tá saindo, uma gaiolinha de Faraday básica.
É a Física a serviço da vida.
Momento cultura inútil: O vocabulário de um papagaio nunca chega a ter mais do que 20 palavras. Conheço gente assim...
Rapidinhas:
- Tchela, muito obrigada pela visita, espero que volte sempre. Mas não consegui entrar no seu blog, acho que o Ilha tava fora do ar. Tento novamente mais tarde.
- Penélope, muito gentil vc!!! E amigas da Pelagia são minhas amigas também. Seja bem vinda.
- Duff, pra saber como (mais ou menos) as pessoas vêm parar aqui a gente usa o Sitemeter, esse quadradinho colorido ao lado do contador, tá vendo? É só se cadastrar, inserir o código no template do blog e descobrir coisas bizarras. Respondido? Bom, agora quem pergunta sou eu: que lance é esse de Seekcenter??? Obrigada pela visita e volte sempre. Estamos aqui para serví-lo.
- Herói e Ju: sumiram?!
- T1X: beijo surpresa!
- Nandu, deixa de drama!!! Confesso que no ICQ realmente faz muito tempo que não entro. E não consegui abrir seu blog da última vez que tentei. Tô começando a achar que o problema é comigo...
- Tutto, enquanto fazia o post procurei desesperadamente por alguma coisa mais completa sobre os Spirituals de Porco. Infelizmente não tem muita coisa deles na rede não. Pelo menos não que eu tenha conseguido encontrar. Vou procurar melhor, ok? O que posso dizer é que é muito bom, e se por acaso ouvir dizer que vai ter um show perto de vc, assista, pq vale à pena.

domingo, junho 16

E vamos combinar que alguém com o e-mail de ohackerdestruidor não pretende mesmo ser levado a sério, né?
Ai ai. (suspiro!)
Precisa de tanto pra me tirar do sério, criança...
Tá muito enganado se pensa que vai conseguir comer alguém assim. Fica lá se masturbando enquanto olha fotos na internet pq esse provavelmente é o mais perto de uma buc* que vc vai chegar pelo menos até virar homem de verdade e aprender como se usa esse negocinho que vc tem pendurado aí embaixo.
Vai brincar de Playmobil e depois a gente conversa, ok?
Cuméquié?!

Recusa ao sexo pode gerar indenização, diz advogada

A advogada Regina Beatriz Tavares da Silva, 44, afirma que o cônjuge ou companheiro que se recusa a ter relações sexuais pode ser condenado judicialmente a indenizar o outro.

Folha - Uma das obrigações matrimoniais é a de os cônjuges manterem contato sexual. O fato de um dos cônjuges se negar a fazê-lo é motivo para um pedido de separação. Também é motivo para um pedido de indenização?
Regina - Sem dúvida. O descumprimento de todos os deveres conjugais, uma vez que exista dano, gera ao ofendido o direito de pleitear indenização.

Folha de São Paulo de 24/12/2001


Aí, Pê, processa ele!!! :-)
(hoje é que ela me mata...)
Muito bonitinho!! Em homenagem ao Dia dos Namorados. Atrasado, mas tá valendo.

A IMPONTUALIDADE DO AMOR

Você está sozinho. Você e a torcida do Flamengo. Em frente a tevê, devora dois pacotes de Doritos enquanto espera o telefone tocar. Bem que podia ser hoje, bem que podia ser agora, um amor novinho em folha.
Trimmm! É sua mãe, quem mais poderia ser? Amor nenhum faz chamadas por telepatia. Amor não atende com hora marcada. Ele pode chegar antes do esperado e encontrar você numa fase galinha, sem disposição para relacionamentos sérios. Ele passa batido e você nem aí. Ou pode chegar tarde demais e encontrar você desiludido da vida, desconfiado, cheio de olheiras.
O amor dá meia-volta, volver. Por que o amor nunca chega na hora certa?
Agora, por exemplo, que você está de banho tomado e camisa jeans. Agora que você está empregado, lavou o carro e está com grana para um cinema. Agora que você pintou o apartamento, ganhou um porta-retrato e começou a gostar de jazz. Agora que você está com o coração às moscas e morrendo de frio.
O amor aparece quando menos se espera e de onde menos se imagina. Você passa uma festa inteira hipnotizado por alguém que nem lhe enxerga, e mal repara em outro alguém que só tem olhos pra você. Ou então fica arrasado porque não foi pra praia no final de semana. Toda a sua turma está lá, azarando-se uns aos outros. Sentindo-se um ET perdido na cidade grande, você busca refúgio numa locadora de vídeo, sem prever que ali mesmo, na locadora, irá encontrar a pessoa que dará sentido a sua vida. O amor é que nem tesourinha de unhas, nunca está onde a gente pensa.
O jeito é direcionar o radar para norte, sul, leste e oeste. Seu amor pode estar no corredor de um supermercado, pode estar impaciente na fila de um banco, pode estar pechinchando numa livraria, pode estar cantarolando sozinho dentro de um carro. Pode estar aqui mesmo, no computador, dando o maior mole. O amor está em todos os lugares, você que não procura direito.
A primeira lição está dada:
O AMOR É ONIPRESENTE.
Agora a segunda:
É TAMBÉM IMPREVISÍVEL.

(Autor Anônimo)
Aprendi a comer de pauzinhos!!!
Conto depois.

sábado, junho 15

Ontem eu fui a um show que vcs simplesmente não têm noção do que foi!!! Mas deixa eu começar pelo começo.
Os ingressos começaram a ser vendidos no dia 03/06. Pois é. No dia 03/06, às 4 horas da tarde, já estavam esgotados. Foi impressionante. A Talitinha tinha comprado ingressos pra 3 amigas, mas uma delas desistiu. Então a gente precisava encontrar alguém que fosse com o ingressso que tava sobrando. Chamei um amigo, ele topou, fui trabalhar tranquila. O show começava às 22h, mas eu sabia que ia me atrasar pq nunca consigo sair do trabalho antes de 10 (detalhe: meu horário termina às 9 e eu não recebo hora extra. Podem me chamar de trouxa). Lá estou eu, entre espelhos transladando e velocidades tangenciais, deu 21:39h (eu sabia que não ia sair na hora) e meu amigo ligou pedindo mil desculpas pq não poderia mais ir com a gente. Enquanto andava pro carro, liguei pra Talita pra avisar que ainda estávamos com um ingresso sobrando, e que se ela soubesse de alguém que quisesse ir podia chamar. Mas tava muito em cima da hora pra chamar alguém. Passei em casa pra trocar de roupa (leia-se: produção fatal) e me veio a idéia brilhante: o Rodrigo!

Ele é o mais sem o que fazer, provavelmente estaria assistindo ao último capítulo da novela e era uma esperança. Liguei pra ele:
- Alô, Rodrigo?
- Oi! Tava vendo o último capítulo do Clone.
(não falei, não falei?!)
- Vai fazer o quê hoje?
- Por enquanto nada.
- Quer ir no Clube do Choro comigo?
- Ainda tem ingresso?
- Eu tenho um sobrando.
- Ah... não sei... é que..
- Olha, vc vê e me liga, pq se vc não quiser a gente vai vender o ingresso na porta.
(táticas de guerra, queridos. blefe total, pq na hora que chegamos lá o show inclusive já tinha começado e quem não tinha comprado ainda já tinha desistido).
Não deu nem cinco minutos e ele ligou. Ele ia.

Daí foi correr contra o tempo. Produção fatal o escambal, pq não dá pra se tornar muito fatal em 10 minutos. Mas fiz o que pude. Quando cheguei o primeiro a comentar foi o Carona: "tá bonitona, hein?!" Hihihihi. São seus olhos.
Quando chegamos lá, uma amiga estava sentada do lado de fora chorando, e confesso que foi a primeira vez que a vi assim. O namorado, lógico, pq esses homens não prestam mesmo. O rapaz ficou remoendo coisas durante a semana inteira pra depois explodir no dia do show e estragar a noite dela. Como eu tinha que esperar o moço chegar pq estava com o convite dele, fiquei fazendo companhia pra ela. O show já tinha começado, mas do lado de fora do Clube do Choro eu conseguia escutar tudinho, então tava valendo. O Rodrigo chegou e a Talita ficou consolando a amiga de coração partido pra a gente poder entrar. No caminho pra mesa eu vi o olhar divertido de "hum... tô entendendo tudo!" dos meus amigos que estavam sentados já. Agora, ao show.

O show era do lançamento do cd solo do Hamilton de Holanda, bandolinista do grupo de choro Dois de ouro, daqui da cidade. O grupo é maravilhoso, e o Hamilton um animal naquele bandolim. A gente até brinca que a mãe dele tinha duas placentas: uma pra ele e outra pro instrumento. O cara é tão monstruoso que ganhou um prêmio (acho que foi o Prêmio Visa) e, de lambuja, está na França (!!), recebendo pra não fazer nada. Bom, é claro que ele deve estar aproveitando o tempo (e a grana) pra estudar música e etc e tal. Disso eu já sabia. Que eles eram fantásticos eu já sabia. Mas eu acho que nunca assisti a um show tão brilhante deles, desde que conheço o Dois de Ouro. Foi simplesmente o máximo!! O Hamilton inclusive tocou, num solo, uma música que ele fez em Paris. O mais impressionante de tudo é que ele tocando parecia que tinha pelo menos mais dois bandolins no palco. De onde eu estava sentada, fiquei me espichando pra ver quem estava tocando com ele quando o Rodrigo virou pra mim:
- Vem cá, ele tá tocando sozinho????
- Parece que sim, eu também tava procurando mais alguém...
- Cacete!!!!
Quando terminou a música ele ainda completou: "Tá vendo! Se a gente fosse pra Paris, voltava com um álbum de fotos meia-boca do lado do Arco do Triunfo. O moço volta com isso. Por isso é que a gente não pode ir pra França recebendo pra não fazer nada. A gente não merece."

Aliás, a agenda cultural da galera (euzinha), que está tomando proporções nacionais, informa: dias 26 e 27 de junho, o Dois de Ouro vai estar se apresentando em São Paulo, no Sesc Vila Mariana. Vão por mim: até quem não gosta de choro vai se amarrar.

Dei o ingresso de presente de aniversário pro Rodrigo, só pra deixar ele sem graça. Bom, e também pq eu sabia que ele não ia me pagar de qualquer jeito. Ah, e também pq eu sou uma ex-namorada muito legal. A amiga se reconciliou com o namorado. A Talitinha falou com o baterista que ela tanto ama. E todos viveram felizes para sempre.

quinta-feira, junho 13

Uaaaaaaaahhhhhh! (Stella bocejando)
Bom dia!

Querem saber como foi minha noite? Não? Ah, mas eu conto mesmo assim.
Fomos comemorar o dia dos namorados, Talitinha e eu. Não, não somos lésbicas. Mas eu já tava de saco cheio de especiais de dia dos namorados pra todos os lados e resolvemos fazer um programinha de solteiras. Fomos ao cinema assistir Cidade dos Sonhos, mais um daqueles filmes esquisitos que ninguém entende mas que tem cinco estrelas na classificação do jornal. Justiça seja feita, o filme até que é bom. Meio esquisito, meio non-sense, mas é bom. Tá, tá, tiveram algumas coisas que eu não entendi, mas é bom. Enfim, fomos ao cinema, Talitinha e eu.

Saídas do cinema, fui parar no lugar mais inusitado pra um dia dos namorados: a casa do ex. Antes de ser linchada por ter levado a pobre da Talita pra casa do meu ex, deixa eu explicar. É que o Rodrigo (o ex, lembram dele?) faz aniversário dia 12. Era um prejuízo do caramba quando a gente namorava, o presente sempre tinha que ser super especial. Apesar de que pra mim não fazia muita diferença, pq eu sou enjoada mesmo pra dar presente. Presente pra mim tem que ser especial, a pessoa tem que olhar pra ele pro resto da vida e lembrar que fui eu quem dei. Mas eu estou divagando. O fato é que liguei pro moço pra desejar feliz aniversário, ele não tava em casa, deixei recado, ele ligou assim que eu estava saindo pra ver o filme.
- Onde é que vc vai ver o jogo?
- Na casa de uma amiga.
- E vc vai fazer alguma coisa antes do jogo?
(iiihhhh...)
- Vou ao cinema com a Talita, Pq? Vc ia me fazer algum convite?
- É, é pq uns amigos vem aqui pra casa mais tarde, aí se vc quisesse vir também. Nem deu pra eu falar com o pessoal que vc conhece também da época do colégio, foi tudo combinado mais ou menos de última hora, mas a galera perturbadinha que vem pra cá é gente boa.
- Ok, vou falar com a Talitinha e se ela estiver disposta a gente dá uma passada aí.

Lógico que a Talita estava disposta. Chegando lá, finalmente conheci os outros meninos da República, que eu ainda não conhecia. (Sim, ele mora num apartamento com 5 machos) E o mais engraçado é que todos me conheciam já. Me chamaram pelo nome assim que eu botei os pés dentro do apartamento. Um deles, o Pablo, eu já conhecia da época em que ainda namorávamos e só moravam eles dois. Muito gente boa, um doce, apesar de fazer o estilo cafajeste total. E eu estou divagando de novo.

Quando chegamos, o Rodrigo veio todo feliz dizendo que queria me mostrar não sei o quê e sumiu. O Pablo ainda brincou comigo
- Ih, Stella, eu acho que ele tá é te enrolando, hein? E vc ainda acredita?
- É, Pablo, eu acreditei nele por mais de dois anos!
- De ingênua que vc era. Achei que tivesse se emendado.
O que ele tinha pra me mostrar? Uma fita cassete com um monte de músicas românticas gravadas. Ia passando as músicas e perguntando se eu sabia que fita era aquela. As músicas eu reconhecia, mas saber de onde elas tinham saído ou reconhecer a fita era pedir demais de mim. Até que ele desistiu de exigir alguma coisa da minha memória e soltou: "Foi vc que me deu essa fita" exatamente no momento que o Pablo entrou no quarto com um enorme sorriso:
- Ele já me contou essa história dezenas de vezes!!!!
E o Rodrigo:
- É, a gente ia escutando dentro do carro e eu dizendo...
- E ele dizendo que tinha sido vc que tinha gravado a fita pra ele.
- Mas meninos, essa não foi a fita que eu gravei. A que eu gravei tinha outras músicas.
O Rodrigo murchou. Saiu do quarto dizendo que tinham trocado a fita dele e que ia procurar a verdadeira. O Pablo me deu o maior esporro:
- Caramba, Stella, vc tem a sensibilidade de um rinoceronte! Ele tava todo feliz pq tinha encontrado a fita que vc tinha dado de presente, já contou essa história pra gente milhares de vezes. Vc podia pelo menos ter dito que não era a sua fita com mais sensibilidade.

Minha sensibilidade foi suficiente pra sentir o peso daquelas bigornas de desenho animado na cabeça. Ele ficou tão tristinho e me deu o maior peso de consciência. Assim que ele voltou pro quarto dizendo que não tinha encontrado, eu usei tudo o que o susto, a consciência e meu talento artístico tinham pra dar e disse:
- Ah, Rodrigo, eu tô me lembrando agora. Eu gravei duas fitas pra vc!!! É que foram em momentos diferentes, e eu não me lembrava desta especificamente, a outra foi mais bem feitinha, com mais calma. Se vc encontrar, eu até quero emprestada, tá?
Olhei pra Talita e vi o assentimento no olhar dela pra mim. Não sei se convenci.

A passada foi rápida na casa do Rodrigo, afinal passar a madrugada pós Dia dos Namorados na casa do ex é meio martirizante, ainda mais quando ele vem cheio de lembranças, mostrando fotos (acho que deu uma crise de meia idade e nostalgia nele) e etc. O pessoal tinha combinado de ver o jogo na casa da Talita de madrugada, pra mutuamente nos mantermos acordados, já que 3:30 da manhã não é um horário muito normal pra se estar acordado numa quarta feira (exceto raras exceções de pessoas com metabolismo completamente diferente, né, seu moço).

Cenas do próximo capítulo: Como se livrar da amiga chata e faladeira de um amigo durante um jogo de futebol, ou Como insinuar que alguém durma no banheiro.

quarta-feira, junho 12

E agora um clássico! Em homenagem às comemorações do Dia dos Namorados. Se é que tem-se o que comemorar...

Soneto de Fidelidade
Vinícius de Moraes

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zêlo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dêle se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, pôsto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
Ah, hoje é Dia dos Namorados, né? Então tá.

Preciso dizer que te amo
Cazuza/ Dé/ Bebel

Quando a gente conversa
Contando casos, besteiras
Tanta coisa em comum
Deixando escapar segredos
E eu não sei que hora dizer
Me dá um medo, que medo

Eu preciso dizer que eu te amo
Te ganhar ou perder sem engano
Eu preciso dizer que eu te amo
Tanto

E até o tempo passa arrastado
Só p'reu ficar do teu lado
Você me chora dores de outro amor
Se abre e acaba comigo
E nessa novela eu não quero
Ser seu amigo

É que eu preciso dizer que eu te amo
Te ganhar ou perder sem engano
Eu preciso dizer que eu te amo, tanto

Eu já nem sei se eu tô misturando
Eu perco o sono
Lembrando cada gesto teu
Qualquer bandeira
Fechando e abrindo a geladeira
A noite inteira

Eu preciso dizer que eu te amo
Te ganhar ou perder sem engano
Eu preciso dizer que eu te amo, tanto

terça-feira, junho 11

E por falar no sitemeter, nessa semana de Dia dos Namorados, entraram aqui procurando por namorada física blog (?!) e fotos de garotas querendo namorar. Será que isso é um sinal dos céus??
Tirem as crianças da sala.

Cacete! O tarado do cocô não tem limites!!! Ele agora entra aqui procurando por "stella e cocô". Olha, vamos parar a palhaçada, droga!
Ah, e além deste, tem agora um outro tarado que entra aqui todo dia procurando por "fotos sexo gordas" e "gorda sexo sensual". E tem o cara do xixi. Ah, e o do "sexo com cavalos" também.

Céus, onde esse mundo foi parar?!? Olha, já vou avisando (de novo) que isso é um blog de respeito e eu sou uma menina de família, viu?

...
Ok, ok. Mas isso é um blog de respeito.
Momento: atitudes que detesto: fazia tempo desde a última vez que eu postei um atitudes que detesto, né? Acho que era porque eu estou muito de bem com a vida e ando detestando pouca coisa. Mas todo mundo tem seus momentos de ranzinzice e chegou a minha vez.

#1: Tenho uma idéia de programa, um cinema, um show, alguma peça de teatro (sempre o teatro...), às vezes um bar novo que tá abrindo, jantar num restaurante, sei lá, uma idéia. Geralmente é um programa legal, puxa, se eu acho que vai ser roubada eu geralmente vou sozinha, pq detesto a sensação de culpa que vem depois que vejo a cara de frustração de meu acompanhante. Aí ligo pra alguma criatura e, depois de descrita a saída, esquemas de ida, horários, preço até, vem a pergunta que eu odeio: Quem vai?. Nesta pergunta está implícito, pelo menos pra mim, que minha presença não é suficiente e que o programa só seria divertido se alguém mais fosse. Cacete, ô coisinha irritante. Preferia que dissesse: Desculpa, Stella, mas eu não gosto de sair com vc. Você é boba, feia e cara de melão. Humpft!

#2: Eu sempre achei que ensinar era dom. Alguns têm, outros não. Alguns são muito esforçados e eu valorizo isso também, pq acho até que me encaixo nesta categoria. Mas professor com 10, 20 anos de profissão que não tem um pingo de sensibilidade é realmente insuportável. E eu não falo dele decorar o nome de todos os alunos (acho bacana, mas definitivamente não é essencial) ou fazer piadinhas com a matéria, inventar músicas e todas essas modas pedagógicas que surgem por aí o tempo todo. Eu falo de ensinar mesmo. E isso inclui paixão pelo que vc está lecionando. Detesto sentir sono durante uma aula, principalmente pq acho falta de respeito com o professor, mas falta de respeito comigo é meu professor de Termo. Primeiro pq ele escreve no quadro como se tivesse fazendo anotações pra si próprio. Segundo pq ele passa a aula inteira de segredinho com o quadro. E terceiro pq ninguém entende bosta nenhuma do que ele tá falando e ele não tá nem aí. Sinceramente, eu tinha a sensação de que ele estava falando outra língua, e isso pra mim é falta de sensibilidade, como se ele tivesse dando aula pra si mesmo, e, caramba, ele não tá, existem 15 graduandos querendo aprender alguma coisa do que ele pretendia ensinar e ele não tem o menor jeito pra entender isso. Vai pra lista. E eu vou aprender a matéria dele nem que seja na marra. E muito bem. Ele vai ver só. Humpft!

(ou então organizar uma manifestação, ficar de costas pra ele, fazer ele chorar.. ou mesmo ligar pra uma emissora de rádio e dizer que ele é bobo, feio e cara de melão. Né?)
Me lembrem de postar aqui mais uma das minhas memoráveis anotações de fundo de caderno.
O pudor é a mais afrodisíaca das virtudes
Nelson Rodrigues

É.. até que concordo.

segunda-feira, junho 10

Cheguei há pouco do Teatro (de novo?!). Fui assistir a um dos meus grupos favoritos, com certeza já falei deles aqui, o Spirituals de Porco, um quarteto vocal da cidade, que canta à capella, e vc não sente a menor falta de instrumentos enquanto eles cantam. Mas preciso ser sincera: a atração do show era um porquinho de brinquedo, daqueles que andam sozinhos (eu quando era criança tinha um cachorrinho que latia e dava cambalhotas), que além de fazer barulho (como se chama o barulho que o porco faz?), andava em várias direções (é, ele fazia curvas!!!!) e quando parava mexia o focinho e o rabo. A platéia estava toda besta com o brinquedinho.
Porquinhos à parte, o show é fantástico. Incrementado, profissionalíssimo, muito bom. Recomendado pela Stella, que agora anda fazendo as vezes de agenda cultural da galera.

domingo, junho 9

Momento: listas - Lista de personagens do Clone que, por mim, podiam pular do Pão de Açúcar, pelados e pegando fogo, como diz um amigo meu:
- Mel (ô menininha enjoada, pq não morre logo, minha filha?!)
- Deusa (que só sabe repetir "Cadê meu Leo?" e "Ô, Leo!")
- Leo, o clone (que só fez ressaltar a boca torta do Murilo Benício, que tem jeito de andróide e olhar de alienígena)
- Alicinha (má, má, muito má!)
- Escobar (não existe homem tão besta no mundo!)
- Xande (outro homem besta)
Momento cultura inútil: (gentileza cedida pelo nosso amiguinho careca)

Toddy
Em 1916, depois que sua família perdeu toda a plantação de cacau em Porto Rico por causa de um tufão, Pedro Santiago imigrou para os Estados Unidos. Lançou o achocolatado Toddy no ano de 1930, em Porto Rico, criando um produto que tivesse as características de 2 bebidas: a escocesa Toddy, muito apreciada no inverno, à base de mel, creme de leite, gema de ovo e uísque; e a caribenha Rum Toddy, feita com melaço de cana, rum e cacau.
O Brasil foi o quarto país do mundo a receber o produto. Pedro Santiago recebeu em 15 de março de 1933 a permissão do Governo Provisório de Getúlio Vargas para comercializar o produto. Fez campanhas publicitárias inovadoras, com marchinhas de Carnaval e até aviões para grafar com fumaça o nome do produto nos céus do Rio de Janeiro. A empresa foi vendida em 1981 para a Quaker.
O Nescáo (é isso mesmo!) foi lançado em 1932 no Brasil. O produto só ganhou o nome Nescau em 1955.


Mas o Toddy continua sem slogan! Abra a boca, é Royal! (que patrocinava os filmes dos Trapalhões. Eu já contei pra vcs que o primeiro filme que eu vi no cinema foi O casamento dos Trapalhões? Ok, lá se vai minha reputação de novo...)
Acabei de chegar do Teatro. É, de novo. Um amigo meu brinca dizendo que eu sou a maior rata de teatro da paróquia: todas as vezes em que ele fala comigo eu estou indo ou voltando de algum. E é verdade mesmo. Vou desde pequena, criei o hábito, gosto mesmo, achei estranho quando meu primeiro namorado me disse que nunca havia entrado em um teatro. Gosto de saber o que está passando, já entrei em muita roubada por conta disso, mas eu realmente gosto do negócio. Mas eu estou divagando...
Enfim, voltando à vaca fria, como diria a Pê. Fui assistir a uma peça completamente fora dos padrões. Primeiro pq ela começa do lado de fora do teatro. Segundo pq eles te servem cachaça Salinas na segunda cena (antes que me perguntem: muito forte pro meu paladar, apesar de eu adorar o cheiro - não o bafo, que fique claro). Terceiro pq não existe palco, nem cadeiras. O cenário foi montado ocupando toda a área do teatro, com vários "ambientes", e a platéia vai seguindo as cenas, que acontecem em sua maioria num ângulo de 360 graus. Gostou? Pois então vá assistir Rosanegra - Uma saga sertaneja se vc mora em Brasília ou está aqui de passagem. Realmente vale a pena, a peça é uma gracinha e a trilha sonora foi montada por aquele violeiro de quem eu não lembrava o nome, o Roberto Corrêa, que tocou no show do Naná. (putz, e eu ainda não recebo nada pela propaganda!!)
Depois o programa era irmos pra uma Festa Grega quebrar alguns pratos na cabeça, mas como nóis é tudo universitário pobre, e a festa era cara, fomos parar num bar super agradável da cidade, o Café da Rua 8 (outra dica fortemente recomendada pela Stella), onde comemos um croissant com pasta de alho acompanhado de uma salada gigantesca (gente, o que é aquilo?!), nham!, por precinhos acessíveis. O único problema é que quando deu meia noite o bar foi simplesmente invadido por uma horda de atores (esses atores...), entre eles aquele moço de quem eu não me lembro o nome, mas que era o amigo do Guma em Porto dos Milagres e que na novela era casado com aquela moça que é a filha da Regina Duarte na novela que tá reprisando agora no Vale a pena ver de novo e que morria num acidente de caminhão. Sabe quem é? Pois é, ele tava lá e com ele alguns atores da cidade e com eles um moço com a maior pinta de diretor de cinema. Enfim, o bar começou a ficar cheio, ninguém atendia outra mesa senão a dos convidados ilustres, a gente pediu a conta e veio embora. Fim.

PS: Por que será que quando a gente sai combinando a calcinha com o sutiã nada acontece?

sábado, junho 8

Acho que no lugar do Roque Junior o Felipão deveria colocar o Simon (aquele juiz do fatídico jogo Corinthians e Brasiliense), sabe como é, um elemento surpresa, cheio de cartas na manga.
(entenderam, entenderam? cartas, cartões, cartão vermelho, amarelo? Bah, deixa pra lá)
Momento confissão relâmpago II: Eu assisto Fama. Não acho o Fael bonito. O João faz mais meu tipo. E eu não suporto mais aquela Lívia. Ô menina ranhenta, ela não vai sair nunca não?!
Resolvi sucumbir à moda e fui assistir ao jogo do Brasil em uma... confeitaria!!! Tá, a moda é assistir em padarias. E antes tivéssemos escolhido uma padaria: a confeitaria cobrava o abusivo preço de R$ 12,00 por um buffet mais ou menos de café da manhã, algo como um couvert artístico pra ver aquela seleçãozinha num telão, já que "sentou na mesa, tem que pagar" como me disse gentilmente o garçon. Como nóis é tudo pobre universitário, ficamos na porta até que começassem a tocar o hino nacional, pensando "pra onde vamos agora?". Solução: casa de um amigo, perto da tal confeitaria, pra não perder muito tempo. Ao todo, sete pessoas espalhadas no quarto do pobrezinho, assistindo todos os lances numa tv 14 polegadas. Não perdeu-se grandes coisas.
Joguinho mais ou menos, certamente teria dormido antes do primeiro gol se tivesse assistido sozinha. Vantagens de assistir o jogo em grupo:
- fazer piadinhas infames com os nomes dos jogadores adversários
- em momentos onde não acontece nada no jogo, encher o saco do dono da casa por causa do tamanho da televisão dele
- sacanear os comentários do Galvão Bueno
- pipoca que se come só é só pipoca que se come só. Mas pipoca que se come junto é sujeira no carpete.
- quando não acontece nada de novo no jogo fazer clipes com uma webcam
- sacanear com os comentários do Galvão Bueno
- nos momentos onde continua não acontecendo nada contar a última piada do papagaio
- dizer que detesta os comentários do Galvão Bueno e ouvir o assentimento unânime
- se ainda não acontece nada no jogo falar sobre as fotos do Vampeta pra G Magazine
- xingar o Galvão Bueno em coro
- como continua não acontecendo nada, ouvir alguém sugerir "E se a gente fizesse um bolo? De chocolate, pode ser?"

Isso sim é que é Copa do Mundo!!!!
Céus!!! Isso é que é globalização!!! Alguém entrou aqui procurando por "mapa cidade Rubiataba". Uau! Alguém no mundo conhece Rubiataba!!!!
Fiquei até emocionada agora. Isso é a rede mundial de computadores aproximando as pessoas e diminuindo as distâncias.

sexta-feira, junho 7

Ai ai ai, bons rapazes não se acham mais. Um bom moço desiludido entrou aqui procurando por como se tornar um cara safado. Querido, não se torne, não vale a pena, apesar de vc ter ouvido centenas de vezes por aí que "é dos canalhas que elas gostam mais" (ou era carecas?..). Geralmente esse tipo de frase é proferida por algum bonzinho rejeitado ou por algum canalha metido a besta que não come ninguém. Enfim, seja bonzinho. Não demais, senão ela vai te chamar de pamonha e te tratar feito palhaço; definitivamente os bonzinhos demais cansam. Seja mau de vez em quando. Muito mau. Mais mau que o pica-pau. Mas é só de vez em quando. E boa sorte pra vc. Qualquer dúvida, pergunte aos moços, eles entendem do assunto.
Momento: Poesias bestas que um dia a gente fez: Revirando um caderno de inglês da 6ª série encontrei essa pérola, e já que não tenho mais moral nenhuma depois de ter admitido que assisto o Agnaldo Timóteo e que já chorei em capítulo de Malhação, eu resolvi denegrir minha imagem mais um pouquinho mostrando pra vcs essa obra prima da literatura brasileira:

Você entrou
Entrou na minha vida
E a bagunçou
Agora estou ferida
Por que me deixou?
Se o que eu te dei ninguém vai mais te dar

O meu amor
Agora a sete chaves
Guardado ele está
Só que pra mais ninguém
Eu consigo o dar
Se não ajuda, por que atrapalhar?


Pelas setinhas de diferentes tamanhos apontando pra cima e pra baixo em cima dos versos, eu supus que se tratasse de uma música. Dava até pra fazer um pagode com ela. E que puta dor de cotovelo que eu tava sentindo, hein? Além disso, como eu era pura!!! Lendo agora eu consegui encontrar pelo menos umas 10 ambiguidades de caráter sexual. Bons tempos...
Quick faz do leite uma alegria!

quinta-feira, junho 6

Conversa hoje durante a aula do professor bonitinho:
- Olha como ele é gatinho, Stella!
- Ah, Tine, quebra o galho vai...
- Vai, menina, vai me dizer que ele não é sexy?
- Sexy eu posso até admitir, bonito é demais pra minha cabeça.
(...)
- Será que ele tem cabelo no peito?
- O quê, Tine?
- Cabelo no peito, Stella, será que ele tem o peito cabeludo?
- Acho que não, olha pro braço dele, quase não tem cabelo.
- É...
(...)
- Quanto será que ele ganha?
- Como é?
- Quanto será que ele ganha, Stella?
- Sei lá, mulher, pergunta pra ele. Acho que uns R$ 700,00, ele é professor Mestre, não Doutor.
(indignada) - R$ 700,00?!!!
- É, acho que mais ou menos isso.
- Só isso?
- Ele é novo, não deve morar sozinho, provavelmente ele não tem gastos...
- Me empresta a calculadora?
- Claro.
(...)
- Depois da aula eu vou na sala dele: "Professor, eu tenho algumas dúvidas fundamentais para o bom andamento do meu curso. Primeiro: vc tem cabelo no peito? Segundo: quanto vc ganha?".
- Isso, Tine, vai lá. Aproveita e pergunta se ele tem namorada.
- É, isso mesmo. (voz sexy) "Terceiro: vc tem namorada?"
- Se ele disser que não vc pergunta se ele é gay.
(surpresíssima) - O quê?
- É, claro!! Pq se ele não tiver cabelo no peito, ganhar bem e ainda não tiver namorada, com certeza ele é bicha.
(meio desconfiada) - Credo, Stella....
- É, amiga, leis de Murphy.

Pelo menos consegui assistir o final da aula. E hoje a camisa era do REM.
Momento confissão relâmpago: Eu assisto a Casa dos Artistas por causa do Agnaldo Timóteo.

Aliás, falando em reality shows, aquele Thyrso e aquela Manuela já deram no saco. Ô casalzinho enjoado!
, desculpa mas eu precisava falar. Se vc se incomodar eu deleto o post depois, mas é mais forte que eu.

Meninos, babem: eu tenho com exclusividade uma foto da Pelagia, lá lá lá lá lá ra! E, justiça seja feita, comunidade blogueira, não acreditem em nada do que ela diz contra si própria. Nada da magreza esquelética que ela prega, nem as espinhas, e aquele papo de nhem nhem, eu não me acho bonita, nhem nhem nhem é tudo conversa. Os olhos azuis (ou lilases) não fazem a menor falta: os olhos escuros combinam perfeitamente o olhar meigo com o sorriso de dentes pequenos. Gente, que linda que essa menina é!!! E que bumbum, amiga! (agora é que ela me mata) Sou obrigada a concordar com o Silvio! Calma, calma pessoal. Quem lê assim logo pensa que Pelagia me deu seu ensaio como coelhinha da Playboy de junho de 2002. Ao contário, ela me mandou uma comportada foto de biquini (vermelho!!! Ei, era o biquini vermelho?!!?!) com um rapaz bonitão de aproximados 10 meses. Que bebê lindo! Já sei a quem puxou, amiguinha!

PS: Antes que me perguntem: não, Pelagia nunca pousou pra Playboy. Pelo menos não que eu saiba.
Meu irmão soltou uma ontem digna de Pinky.
- Stella, o que acontece quando a gente bate o leite por miuito tempo?
- Sei lá, menino, pergunta pra mamãe.
- Mãe, o que acontece se a gente bate leite na batedeira por muito tempo?
- Vira manteiga.
- Manteiga?
- É.
- Mas manteiga com sal já?

Coitadinho, foi impossível pra família conter as risadas. Depois eu fiquei com pena, ele perguntou com tanta inocência..

quarta-feira, junho 5

A Sandy ganhou o prêmio Multishow de melhor cantora? Onde esse mundo vai parar?!?
Vamos introduzir (ui!) uma nova brincadeira. Quem sabe assim vcs aprendem a usar os comentários, que sempre dão um trabalho do cacete pra colocar e poucos usam, deixando a gente com dura sensação de que ninguém lê essa porcaria, né, Fernanda? Enfim, a brincadeira é a seguinte: eu vou lançar um desafiozinho. Vcs podem me fazer perguntas cujas respostas podem ser "sim" ou "não" nos comments (esse link aí embaixo, ó) pra tentarem descobrir a resposta à questão. Vai lá, esse é fácil.

Um homem mora no décimo andar de um prédio. Todo dia ele pega o elevador até o térreo para ir trabalhar ou fazer compras, mas quando volta ele sempre vai de elevador até o sétimo andar e daí sobre o restante pela escada. Por quê?

(agora é a vez de vcs. Vai gente, façam uma física feliz!)

PS: Por falar em introduzir (ui!), eu queria saber uma coisa: Herói, dom de quê?

terça-feira, junho 4

Ai ai ai, eu devo merecer. Como diz a Lady Macbeth, eu devo ter cortado cheiro verde na tábua dos dez mandamentos. Antes, pequena retrospectiva: quando eu estava enfurecida por conta do meu professor orientador machista cachorro e surgiu uma oportunidade de eu pegar uma bolsa com um professor orientador de verdade, eu fui até a Reitoria pra perguntar como é que eu fazia pra cancelar a bolsa antiga. O moço do Decanato me explicou que quem deveria entrar com o pedido de cancelamento da bolsa deveria ser o Xaropinho e anexado a isso ele deveria entregar um relatório final meu, falando sobre as atividades desenvolvidas na bolsa, e indicando alguém pra ocupar o meu lugar se fosse o caso de uma substituição. Pois bem, na hora eu fiquei preocupada pelo processo estar todo nas mãos do professor. Mas depois descobri que não havia motivo pra afobação em anular minha bolsa antiga, pelo menos não até o final de julho, quando sai o resultado do pedido da bolsa de verdade com o professor decente. Lógico que o Xaropinho nem sonha que eu fui na Reitoria ver isso, pq ele pensa que eu sou mulher demais pra ser inteligente.

Pois bem, não é que hoje eu estou apressadamente indo de uma aula situada a aproximados 700 metros da aula seguinte quando me deparo com a figura no meio do caminho. Ele começou a me chamar e eu, apesar de estar há tempos atrás da criatura pra termos uma conversa séria e definitiva, de mulher pra não-sei-o-quê, gritei de longe que estava com muita pressa e passava na sala dele depois pra que me dissesse o que queria dizer. Eu já imaginei que fosse alguma coisa relacionada ao cancelamento da minha bolsa (vide arquivo). E o doutor, não satisfeito em ser machista e cachorro, ainda tinha que ser inconveniente, se põe na minha frente e solta o verbo:
- Que bom te encontrar! Eu precisava que vc fizesse um relatório pra mim.
Eu com a cara mais lavada do mundo (eu sei mentir muito bem quando preciso), fiz cara de inocente surpresa:
- Relatório? Como assim, professor?
- É, um relatório de uma página só, faz no computador, sobre as nossas atividades desenvolvidas até agora, fala do cd, do curso, coisa curta, sintética.
- Mas pra quê esse relatório? - cara de boba, de quem não tá entendendo
- Nada importante, uma folha só e...
- É, professor, eu inclusive precisava muito conversar com o senhor e...
Ele me interrompeu:
- Pensa nisso. Uma página só. E me entrega.
- Tá.

Quanta cara de pau! Se eu faço o maldito relatório ele cancela minha bolsa sem me dar a menor satisfação; e ele pensando que eu não sabia pra quê o tal relatório. Que me esculhambasse, mas vir de cafajestagem pra cima de mim não. Tá pensando que eu sou palhaça?
Do verso de uma folha na pasta da Stella, terça feira, 04/06, quase duas horas da tarde:

"Tédio! Esse negócio de volta às aulas já encheu o saco. Ainda não peguei o ritmo e estou com uma preguiça ferrenha de ir assistir às aulas. Um amigo disse inclusive que eu já tô começando o semestre matando aula só pra tirar onda. Hehe. Juro que não, é bem menos nobre que isso.
Tô esperando meu professor novinho chegar, aquele que eu assisto aula parecendo que tô assistindo seminário de graduação. Cada dia ele vem com uma camiseta estampada com uma banda diferente. E é eclético o rapaz: Sonic Youth (é assim mesmo que escreve?), Belle and Sebastian, Raimundos. Ele acabou de chegar e hoje a blusa é do U2. Já pensei em catalogar as camisetas dele e fazer um bolão antes de cada aula. Mas preciso amadurecer melhor essa idéia.
O professor é uma gracinha. Não que ele seja bonito, pq isso ele não é mesmo. Mas como diz a Pelagia, o cérebro dele é muito sexy. Tá, tá, eu tô exagerando, ele não é nada sexy, a roupa toda suja de giz não é nada sexy, mas ele faz (quase) meu tipo, tem lá seu charme. (Zé, se isso sair daqui eu mato vc!!). Uma amiga minha era louca por ele semestre passado, mas passou a odiá-lo com toda a alma depois que ele fez um comentário pra um colega dizendo que ela devia estar no curso errado, decerto imaginando que ela não se esforçava o bastante e, convenhamos, não tem como fazer um curso de Física sem (bastante) esforço. Mas não era o caso, ela já é complexada e saber que alguém com Doutorado em Matemática desacreditou seu futuro como Física a deixou possessa. Passou o semestre inteirinho enchendo nossos ouvidos dizendo que ele não era ético, um cachorro, um puto, e etc etc etc. E outro dia ela veio me confessar que morreu de ciúmes pq uma outra colega minha comentou que achou o professor uma gracinha e etc. Vai entender.
O fato é que essa é a segunda matéria que eu pego com ele e, bonito ou não, o camarada é competente, além de ser muito divertido assistir suas aulas: ele apaga o quadro como quem tá dançando, anda de um lado pro outro da sala como quem tá dançando e seu vocabulário de sala de aula é repleto de "camaradinha", "neguinho", "fera" e "tá massa"! :-)
Ok, eu admito: se ele me desse bola..."

Depois, relendo isso, me lembrei de alguém.... Mas eu corto o pescoço e não digo quem!! :-P
Momento cantoria na madrugada III - versão deprê:

Preciso ser amado
Tim Maia

Eu preciso ser amado
Eu preciso de calor
Venha abrir o meu caminho
Venha ser o meu amor

Eu preciso ser amado
Ser amado pra valer
Ando até preocupado
Sem vontade de viver

Venha ser a minha amada
Me acompanhe por favor
Minha linda namorada
Pois é seu o meu amor
Momento cantoria na madrugada II:

Voz no ouvido
Jairzinho Oliveira

Tava esperando um telefonema teu
Tava precisando de uma voz no ouvido
Tava imaginando teu olhar mirando o meu
Tava desejando um beijo em teu umbigo

Tá legal, falei o que não devia
Me dei mal.. Amanheceu um novo dia
Já esqueci, pensei em ti, decidi:
Tô aqui esperando pra ver se você vem

Deixa de lado essa tristeza
Beija e acaba esse tormento
Deita nesse amor desarrumado
Chega de perder tanto tempo
Momento cantoria na madrugada:

Final feliz
Jorge Vercilo

Chega de fingir
Eu não tenho nada a esconder.
Agora é pra valer
Haja o que houver.
Não tô nem aí
Eu não tô nem aqui pro que dizem.
Eu quero é ser feliz
E viver pra ti.

Pode me abraçar sem medo.
Pode encostar tua mão na minha.


(agora, todo mundo!)

Meu amor
Deixa o tempo se arrastar sem fim
Meu amor
Não há mal nenhum gostar assim.
Oh, meu bem
Acredite num final feliz
!
Faço qualquer coisa (ui!) por uma massagem nos pés (limpinhos e perfumados, acabei de sair do banho) agora.
Se a massagem quiser se extender pro resto do corpo (hum..) juro que não ofereço nenhuma resistência.
Momento revelação: eu já chorei assistindo Malhação. Na época em que ainda era uma academia de ginástica e o nome da novela tinha alguma coisa a ver com a história. Tá, e já que eu resolvi contar meus podres, eu tentava decorar aquelas gírias ridículas que a primeira leva de Malhação mostrava, como "colocar na fita" e "fruta", que, bem, maldita mídia!, acabaram virando moda mesmo. Se eu disser que eu tinha 13 anos alivia um pouco?
E eu acho a Thaíssa uma cachorra por ter tentado roubar o Pedro da Júlia (apesar de eu achar ele um feioso!)

Ai ai ai, onde foi parar minha reputação?

segunda-feira, junho 3

Supõe-se que eu deva falar alguma coisa sobre o jogo do Brasil de hoje de madrugada, né? O problema é que eu não vi o jogo. Primeiro me deixem explicar.
Fui dormir às 4 horas da manhã. O motivo não vem ao caso, mas fiquei lutando contra o sono até de madrugada e fui deitar decidida a acordar duas horas depois e assistir o tão esperado clássico Brasil X Turquia. Faltando dez minutos pras 6, meu pai me cutuca:
- Stella, são dez pras seis, vc vai querer ver o jogo ou vai dormir mais um pouco?
- Ahn...
- Bom, eu se fosse vc ficava dormindo.
- Hum...
- É, vc nem gosta de futebol...
- Eu vou descer pra ver o jogo assim que meu corpo tomar coragem pra levantar da cama.
Precisa dizer que eu dormi de novo? Não, né? Bom, acordei algum tempo depois, não sei exatamente quanto, quando alguém começou a soltar fogos e quando ouvi minha mãe gritando na sala que era gol. Sonhei que o Brasil ganhava de 5 a 1, e eu ficava morta de peso de consciência pq todo mundo dizia que tinha sido o maior jogão. Ainda bem que foi só sonho: quando acordei de verdade, a primeira coisa que fiz foi perguntar:
- E aí, como foi o jogo?
- Ganhamos roubado de 2 a 1.
- Tá, tá, o placar é irrelevante. Foi bom o jogo?
- Uma merda!
Ainda bem que não levantei. Teria morrido de raiva. E dormido no segundo tempo como pelo menos 6 pessoas que eu conheço.
E essa música não me sai da cabeça:

Não precisam inventar
qualquer coisa que me eleve,
basta teu sorriso pra dispensar
Asa-Delta e Ultra-Leve.

Se carece de definição:
me sinto leve.

Leve- Jorge Vercilo
Fenômenos paranormais: teve gente daqui vindo pra cá. Mas como???

São 3 horas da manhã, daqui a pouco tem jogo, e eu preciso deixar registrado: não existe a menor possibilidade de eu pintar minhas unhas de verde e amarelo. E não insista.
E isso vale pro cabelo também

domingo, junho 2

- Como é mesmo o nome dele?
- Jorge Vercilo, conhece?
- Não conhecia não, mas me surpreendeu. O rapaz é muito bom.

- De quem é esse show, moça?
- Jorge Vercilo.
- Ahn..

- Onde vc foi?
- Ao show do Jorge Vercilo.
- ...
- Conhece?
- Nunca nem ouvi falar...

O show foi excelente. Sem mulheres histéricas gritando "Lindo!" (a não ser a escandalosa do meu lado, mas pelo menos ela tentou chamar a atenção dele de outras maneiras, como batendo palmas no meio da música e assobiando), uma engraçadinha que ao final de Leve, num momento de silêncio, deu um super berro "Vai cantar bem assim lá em casa!!", que arrancou gargalhadas gerais, um cutucão do namorado e um sorriso sem graça do moço sexy de sapatos vermelhos em cima do palco. Tá, tá, ele não é bonito, e inclusive aquele penteado deixa muito a desejar. Mas quem disse que pra ser sexy tem que ser bonito? Já dizia Roberto Carlos, com aquelas músicas ridículas pras usuárias de óculos e pras gordinhas. Mas eu tô desviando do assunto...
Terminada a apresentação, missão impossível: pisar no maior número de cabeças possível, me esquivar do maior número de cotovelos possível e conseguir um autógrafo pra Talitinha, que viajou deixando ordens expressas pra que eu não deixasse de ir pra esse show nem que caísse um meteoro na Terra. Não precisou de tanto. Aproveitando a divulgação do novo cd, ele ficou dando autógrafos para um público desesperado que atacou as poucas lojas abertas esgotando o estoque do cd Elo. De quebra, consegui autógrafo pra Talita e pra mim também. Tietagem boba? Ah, deixa eu ser feliz!!!
- Quem é ele mesmo?
- Jorge Vercilo.
- Ahn...
- É ele quem canta aquela música do "chega de fingir".
- Ahn...
- Sabe? "Chega de fingir, eu não tenho nada a esconder, agora é pra valer, haja o que houver!"...
- Ahn...
- Pô, que tocou no Fama ontem!!
- Ah!!!

Fui pro show. E essa conversa aconteceu entre duas meninas atrás de mim, lá pela 5ª música. Meu primeiro problema: o horário. No mesmo jornal, em duas partes diferentes, horários diferentes pro início do show, um dizendo 17 outro 18h. Acabei por resolver chegar num horário exatamente no meio dos dois. Quando cheguei lá já tinha começado, mas sinceramente acho que não perdi muito não, ele ainda tocou por mais umas duas horas depois que cheguei. Só o que me incomoda é que chegar atrasada está se tornando freqüente...
O número de espectadores era o ideal, mesmo porque não acho que alguém que tenha mais o que fazer se abale de casa até um shopping sem lojas abertas às 5 horas da tarde pra assistir um moço que ninguém nunca nem tinha ouvido falar. Sim, pq incrivelmente ninguém em Brasília conhece Jorge Vercilo, e não sabem o que estão perdendo (né, ?). Apesar disso, ele se disse várias vezes surpreso com a acolhida e tietagem do público daqui. Foi a primeira vez que veio à Bsb, imagino que ele sinceramente não tivesse muita noção do que encontrar, e a praça de alimentação do shopping estava lotada, e as pessoas sabiam cantar as músicas, e uma mulher insuportável logo do meu lado fazia de tudo pra chamar a atenção do moço, só faltou tirar a roupa.

Todo mundo que eu convidei pra me acompanhar se mostrou nada animado (nem fizeram questão de disfarçar pra que eu não me sentisse mal), então me emputeci e fui sozinha mesmo. E confesso que quase quase chorei quando ele começou a cantar Praia nua (eu postei ela um dia aí, tá em algum lugar... eu já disse que choro fácil? pois é, sou sensível). Cantei empolgadíssima quando ele começou Em órbita e, meu deus, como aquele cara fica sexy cantando Homem-Aranha. Aliás, aproveitando a moda:

Homem-Aranha
Jorge Vercilo

Eu adoro andar no abismo
Numa noite viril de perseguição
Saltando entre os edifícios
Vi você
Em poder de um fugitivo
Que, cercado pela polícia, te fez refém
Lá nos precipícios

Foi paixão à primeira vista
Me joguei de onde o céu arranha
Te salvando com a minha teia
Prazer, me chamam de Homem-Aranha
Seu herói

Hoje o herói agüenta os pesos das compras do mês
No telhado, ajeitando a antena da tevê
Acordando a noite inteira pra ninar bebê

Chega de bandido pra prender,
de bala perdida pra deter
Eu tenho uma idéia:
Você na minha teia.
Chega de assalto pra impedir
Seja em Brasília ou aqui
Eu tive a grande idéia:
Você na minha teia
Hoje eu estou nas suas mãos
Nessa sua ingênua sedução
Que me pegou na veia
Eu tô na tua teia.
Ontem fui assistir à apresentação da Orquestra Sinfônica da Ceilândia. Engraçado é que a mãe de uma amiga recente me ligou me convidando durante a semana, eu devo ter cara de "boa-menina que curte música clássica", o que não é de todo ruim. Me atrasei muito, graças a uma "amiga" que convidou o amigo (coitadinho, e ele tentando colocar panos quentes...) que ia me dar carona e uma outra amiga pra um chopp e depois não queria mais deixá-lo ir embora, entre dramas comuns ("vai nos abandonar?" "ah, deixa esse povo pra lá" "dar carona pra quê, eles se viram"). Detalhe: nem lembrou de me chamar pro happy hour. Mas já passei da fase de me preocupar com essas coisas. Não gosta de mim, paciência, há quem goste. E priu!
Enfim, 15 minutos de atraso, amigos na frente do teatro ligando desesperados ("cadê tu?!"), chegamos e perdemos um pequenino pedaço da apresentação, infelizmente as coisas só começam pontualmente quando a gente não consegue chegar na hora. Um telefonema antes de sair, extremamente animador ("acho que vc não vai mais assistir à orquestra. Já são 21:02h"), terminado com um "meia noite eu te ligo, se vcs estiverem em algum lugar", além de uma amiga que disse "se vcs forem pra algum lugar depois, me liga que eu encontro vcs", me fez pensar que ninguém estava lá colocando muita fé na Orquestra, não. Pela primeira vez fiz uma estimativa real do horário: duas horas de apresentação, aproximadamente 40 minutos pra decidir aonde ir depois, 30 minutos pra chegar no lugar e escolher onde sentar, mais cerca de 30 minutos pra decidir o que pedir, comer, fazer hora, pedir a conta... é, por volta das 2h eu estaria em casa, a tempo inclusive de assistir o jogo da Argentina e torcer ferrenhamente contra.

A regente, uma cubana empolgadíssima, dançava (literalmente) ao som de Villa-Lobos. O rapazinho que fez um solo de viola tinha até torcida organizada pessoal, que ao final de sua peça levantou com uma faixa que expressava todo o orgulho da família e amigos pelo solista, extremamente vermelho neste momento, além de desejar muito sucesso e etc. O menino que tocava fagote entrou atrasado, esqueceu o instrumento, voltou pra trás do palco, e a platéia assistiu divertida o movimento desesperado da cortina ao fundo acompanhando a correria do rapaz.

Terminada a apresentação, surpreendente decidimos em menos de 5 minutos onde iríamos comer. Alguém passou perto do nosso grupo dizendo que queria comer sanduíche, alguém sugeriu Mc Donald's e foi lá mesmo que acabamos indo parar. Concordo, nem um pouco glamuroso comer batata frita depois de ter escutado Bach, mas acho que fiquei tão bestificada pela prontidão da decisão que quando me dei conta já estávamos lá. Bom, lógico que não liguei pra tal amiga que tinha pedido um alô se encontrássemos algum programa: duvido que ela quisesse sair de casa num sábado à noite pra nos encontrar no Mc Donald's. Mas ainda havia esperança: à meia noite o Mc fechou e fomos obrigados a ir pra outro lugar. Afinal, eu ainda esperava um telefonema (que, óbvio, não foi à meia noite!). Por pura e total falta de idéia melhor acabamos indo pra esplanada mesmo. Definitivamente não era o que eu tinha planejado, mas foi menos pior que da última vez porque o frio resolveu dar uma trégua. O telefonema veio à 1 hora cheio de preguiça.

Cheguei em casa à tempo do jogo. Acho que dormi na parte em que o Galvão Bueno disse que o jogo ia começar. Ou foi antes??

sábado, junho 1

Momento: coisas bobas que a gente lê no protetor de bandeja do Mc Donald's: Benito Mussolini, ditador fascista, queria ganhar a Copa a qualquer custo. Enviava presentes para seus jogadores, que iam desde ouro até bilhetes ameaçadores escritos: "Vencer ou morrer".

Sua vida mudou, pode dizer.