quarta-feira, julho 31

De noite na...
Se você me...

De noite na cama - Marisa Monte
E só pra não perder o costume: Momento: como as pessoas chegam aqui por meios bizarros:

- coitar
- morena peitões copa japão
- sexo bizarro + o braço inteiro (viram como virou esculhambação?!)
- fotos de cinemática de trauma (??? E essa pessoa passou 20 minutos aqui procurando por isso, coitadinha. O google não tem noção do que faz)
- papel de parede poodle (argh! não gosto de poodles!!!)
- waldemar setzer (quem?!?!)
- rinotilexomania (alguém faz o favor de me explicar duas coisas: como diabos alguém veio parar aqui procurando por isso e o que diabos é isso?!!?!?!)
- kelly key briga pirata (quem brigava com piratas não era o Peter Pan? Hum.... fraquíssima!)
- fundue casa do Zé blog (hein?!)
- modelo convite feijoada
E finalmente, a tão esperada Novela da vida real. Pq hoje já aconteceram coisas novas e meus dedos estão coçando pra não botar a carroça na frente dos bois.

No capítulo anterior, as duas alunas sapequinhas tinham arrastado o pobre professor roqueiro tímido para uma coca-cola cheia de segundas intenções...

A gente saiu na frente (leia-se: minha amiga saiu literalmente correndo pro carro, e eu tive que acompanhar pq tava de carona) pq ela queria chegar antes dele no lugar onde tínhamos combinado de encontrá-lo e descobrir que carro ele tinha. Na realidade, a gente chegou bem antes, pq ela veio praticamente voando do teatro até a lanchonete. Ele desceu do carro todo sem graça, mas com um sorrisinho desgraçado de quem sabia exatamente onde estava se metendo. Compramos os refrigerantes (R$ 1,50 cada um, um roubo!) e fomos sentar. Não tinha uma alma viva naquele lugar, exceto atendentes e funcionários, óbvio.

Não sei se pelo nervosismo ou se era só vontade de aparecer, mas o Professor ficou falando sem parar. Pra dizer a verdade ele fala pelos cotovelos mesmo, em qualquer circunstância. Bem, talvez seja mesmo pra driblar a timidez, sei lá. O fato é que ele perguntou umas 3 vezes mais o que a gente estava fazendo num show de rock, disse que é muito fã da banda, falou que dia 20 tinha show deles no Gate's (casa noturna alternativa da cidade. tem um monte de coisas legais lá). Falou que ficou constrangido de pular e bater cabeça na nossa frente, falou que aos 14 anos largou a escola por problema de stress, que físico é tudo louco, que ele passou pra medicina na Unicamp e resolveu fazer matemática (é, isso mesmo que vcs leram), que os pais são médicos, que tem um irmão e uma irmã, etc, etc, etc. Em resumo, contou a vida dele inteirinha e repetiu 479 vezes que dia 20 tinha show do Bois de Gerião no Gate's.

Quando ele dava uma pausa pra respirar, a Cowgirl entrava nos espaços e, pra não ficar atrás, contou do professor de química dela do 2ª ano, do ex-namorado, da fazenda do pai, do professor de física 1, do nosso amigo gay, da nossa amiga apaixonada por ele, de como tinha escolhido física. Em resumo, ela também contou sua vida inteira. E, bom, eu, que não sou boba nem nada, fiquei só escutando pra não correr o risco de me comprometer por ter falado demais. Até que a conversa chegou nesse ponto:

- Ah, mas esse negócio de relacionamento professor aluno é muito complicado.
- Ué, complicado pq, Professor? Vc não joga bola toda sexta feira com seus alunos? Pq não pode tomar coca-cola com a gente?
- Ah, mas é que eu ainda tô em estágio probatório, qualquer coisinha eles podem me botar pra fora, eu tenho que ter conduta irrepreensível (N.da A: teoricamente). Depois do dia 10/09 é outra história. Até lá sou professor de vcs, sabem como é...
- Claro, mas eu acho que relacionamento de professor-aluno acaba quando a gente sai da sala de aula. Esse negócio de ficar falando de matemática o tempo todo cansa. Aqui a gente está como amigos, é completamente diferente.
- É, mas meu medo é que um dia eu tenha que ferrar com vcs numa prova e vcs venham reclamar algum privilégio por serem minhas amigas. E eu sou profissional, ético...
- Tá insinuando que a gente não é capaz de passar por mérito próprio, Professor?
- Claro que não, mas é que tem aluno que faz qualquer coisa pra passar.
- Não é nosso caso. A gente não precisa disso. Nunca precisou.
- Eu sei que não, vcs são inteligentes, mas eu não quero que vcs fiquem confundindo as coisas pq eu sou muito profissional.
(...)
- Por exemplo, tem aluna que vai pedir revisão de menção com aqueles decotes. Aí a menina se debruça na mesa e diz "mas professor..."
(imaginem minha cara de espanto quando vi o sorrisinho malicioso saltar naquela cara pura e tímida. Era o início da transformação)
- É, inclusive tem uma menina na nossa turma que vai sempre com umas blusas bem decotadas.
(ei, não olhem pra mim!)
- Pois é, aí fica difícil manter o profissionalismo, pôxa, eu sou homem.
- Nossa, professor, agora eu vou ficar preocupada toda vez antes de ir pra aula se eu tô usando alguma roupa provocante e se isso pode ser mal interpretado.
- Não, quê isso, claro que não.
- E mini-saia, pode?
(minha amiga é sem noção)
- Pô, mini-saia é jogo baixo. Eu já suo muito naturalmente, aí eu não vou conseguir nem dar aula.
(e o neste momento o sorrisinho deu lugar a uma risadinha maliciosa. Medo, muito medo. Mr Hide dava as caras)

Hora de dizer tchau. Antes de se despedir ele ainda disse que dia 20 tinha show no Gate's. E a gente chamou ele pra ir pra uma festa junina conosco no final de semana seguinte. Quando ele deu as costas pra atravessar a rua minha amiga grita.
- Professor! Abraço!
Ele voltou.
- Vcs fazem física mas são até gente boa.
Grande elogio. Daí veio o abraço, que sobrou pra mim também, com direito até a beijinho na bochecha.
Notem a evolução.

Cenas do próximo capítulo: O reencontro. Agora com o professor nas mãos. (não literalmente, sigh)

terça-feira, julho 30

Vejam que lindo!

Estava eu me preparando pra ir buscar a Talita para irmos ao teatro na sexta feira e o telefone toca.
- Oi, tudo bom?
- Tudo bem e vc?
- Tudo bem. Tava viajando?
- Não, trabalhando muito.
- É que vc sumiu...
- Pois é. E aí, qual é a boa de hoje?
- Bom, hoje eu vou ao teatro.
- Ah, é? Ver o quê?
- "O Grande circo Místico".
- Ah, aquele do Chico Buarque.
- Esse mesmo.
- E vc vai com quem?
- Com a Talita.
- Ah, Talita é aquela sua amiga que eu sempre encontro, né?
- Essa mesma.
- E vcs vão fazer o quê depois?
- Bom, ainda não sei. Pq, alguma sugestão?

Pausa: Painel da situação: sexta feira, 8 horas da noite. Pare e reflita. O que vc acha que ele vai me sugerir? Eu não vou nem dar idéias pra não induzir sua resposta. Deixem as impressões nos comentários que eu continuo a história depois.
Ah, pra quem não mora aqui na cidade, o novo clipe do Reginaldo Rossi é mais ou menos no mesmo esquema da propaganda de colchões que eu tinha falado. Só que as dançarinas do Reginaldo são muuuito mais bonitas do que as do comercial, lógico.
Momento só pra constar em arquivo: Resumo de Domingo: passar a tarde e noite com o ex e a Talitinha num show mais ou menos (beem menos) esperando começar uma outra coisa que não ia começar nunca pq era mentira. Processo o jornal por propaganda enganosa?

domingo, julho 28

Ei, ei, isso não é verdade!!!! :-)

http://www.diarreiamental.blogspot.com


Descubra que tipo de blogueiro você é.

E eu tinha esquecido de comentar.
O Paulo Coelho tanto insistiu que acabaram acreditando que ele escreve. Deu no que deu.
E a Novela da vida real vai ficar pra outro dia pq eu estou com uma dor de cabeça de matar. Mas eu deixo vcs com essa musiquinha linda pra que fiquem imaginando a Stellinha de blusa cor de rosa chorando no teatro. :-)

Beatriz
Edu Lobo - Chico Buarque

Olha
Será que ela é moça
Será que ela é triste
Será que é o contrário
Será que é pintura
O rosto da atriz
Se ela dança no sétimo céu
Se ela acredita que é outro país
E se ela só decora o seu papel
E se eu pudesse entrar na sua vida

Olha
Será que é de louça
Será que é de éter
Será que é loucura
Será que é cenário
A casa da atriz
Se ela mora num arranha-céu
E se as paredes são feitas de giz
E se ela chora num quarto de hotel
E se eu pudesse entrar na sua vida


Sim, me leva para sempre, Beatriz
Me ensina a não andar com os pés no chão
Para sempre é sempre por um triz
Ai, diz quantos desastres tem na minha mão
Diz se é perigoso a gente ser feliz


Olha
Será que é uma estrela
Será que é mentira
Será que é comédia
Será que é divina
A vida da atriz
Se ela um dia despencar do céu
E se os pagantes exigirem bis
E se um arcanjo passar o chapéu
E se eu pudesse entrar na sua vida
Ontem eu fui assistir juntamente com a fiel escudeira Talitinha ao Grande Circo Místico, uma mistura de teatro, balé e circo, com o Balé Teatro Guaíra. Como todas as vezes que eu assisto uma coisa eu me meto a dar uma de crítica de seja lá o que for, dessa vez não vai ser diferente e lá vou eu enfiar meu nariz enxerido na história.

O espetáculo é simplesmente fantástico. Eu acho que nunca vi nada tão lindo, tão perfeito, tão encaixado. A iluminação é divina e as músicas são todas maravilhosas, mas eu sou mesmo meio suspeita pq sou fã do Chico, compositor das músicas junto com o Edu Lobo. E ao som de Beatriz uma mulher dançava suspensa em uma argola sob uma luz azul linda e eu chorava e chorava. Tá, riam, mas é sério, eu sempre choro nos musicais do Chico, tá escuro mesmo, ninguém tá vendo, ora bolas. A Talitinha só repetia "eu não tô podendo com essa música" e um cara na poltrona atrás da gente falava pra namorada "essa música é linda" e realmente foi o momento de comoção geral na platéia. Beatriz é sem dúvida a música mais conhecida desse musical e acho que tava todo mundo esperando a hora em que o camaradinha lá ia encontrar a equilibrista Beatriz (que no poema original se chamava Agnes, mas quem liga?) e se apaixonar por ela e etc e tal. Pô, eu adoro finais felizes. Tão lindo!

Recomponha-se Stella!

Além disso, a montagem ocupa todo o espaço, tem gente fazendo malabarismos e acrobacias mil, gente no teto, gente pendurada, eles são muito leves, muito hábeis, é impressionante. Resumindo e terminando a rasgação de seda, o Balé Teatro Guaíra é tudo de bom e se eles forem parar na sua cidade assistam pq não tem erro. Uma superprodução, vale a pena.

O médico de câmara da imperatriz Teresa - Frederico Knieps –
resolveu que seu filho também fosse médico,
mas o rapaz fazendo relações com a equilibrista Agnes,
com ela se casou, fundando a dinastia de circo Knieps
de que tanto se tem ocupado a imprensa.
Charlote, filha de Frederico, se casou com o clown,
de que nasceram Marie e Oto.
E Oto se casou com Lily Braun a grande deslocadora
que tinha no ventre um santo tatuado.
A filha de Lily Braun - a tatuada no ventre,
quis entrar para um convento,
mas Oto Frederico Knieps não atendeu,
e Margarete continuou a dinastia do circo
de que tanto se tem ocupado a imprensa.
Então, Margarete tatuou o corpo
sofrendo muito por amor de Deus,
pois gravou em sua pele rósea
a Via-Sacra do Senhor dos Passos.
E nenhum tigre a ofendeu jamais;
e o leão Nero que já havia comido dois ventríloquos,
quando ela entrava nua pela jaula adentro,
chorava como um recém-nascido.
Seu esposo - o trapezista Ludwig - nunca mais a pôde amar,
pois as gravuras sagradas afastavam
a pele dela o desejo dele.
Então, o boxeur Rudolf que era ateu
e era homem fera derrubou Margarete e a violou.
Quando acabou, o ateu se converteu, morreu.
Margarete pariu duas meninas que são o prodígio do Grande Circo Knieps.
Mas o maior milagre são as suas virgindades
em que os banqueiros e os homens de monóculo têm esbarrado;
são as suas levitações que a platéia pensa ser truque;
é a sua pureza em que ninguém acredita;
são as suas mágicas que os simples dizem que há o diabo;
mas as crianças crêem nelas, são seus fiéis, seus amigos, seus devotos.
Marie e Helene se apresentam nuas,
dançam no arame e deslocam de tal forma os membros
que parece que os membros não são delas.
A platéia bisa coxas, bisa seios, bisa sovacos.
Marie e Helene se repartem todas,
se distribuem pelos homens cínicos,
mas ninguém vê as almas que elas conservam puras.
E quando atiram os membros para a visão dos homens,
atiram a alma para a visão de Deus.

sábado, julho 27

Aliás, minto. Ontem eu mexi num computador. Mais especificamente pq uma amiga minha precisava da minha senha no laboratório pra tentar se inscrever na terceira edição do Big Brother Brasil. Sim, eu tenho uma amiga que quer ser uma dos BB's e, não satisfeita com isso, tentou me convencer a me enfiar nessa junto. Bom, ela ainda não conseguiu, mas eu tive que presenciar a inscrição com meus próprios olhos pra poder exigir comissão dos R$ 500.000,00 depois.
Depois de uma bateria estressante de provas, acho que finalmente vou ter uns dois ou três dias pra respirar. Desculpem a ausência, mas resolvi passar a semana bem longe do computador.

domingo, julho 21

E aguardem: em breve um novo capítulo da Novela da vida real. Aliás, ela tem novos capítulos todo dia. Essa semana em que eu estava viajando aconteceram coisas inacreditáveis. Mas eu conto depois.

hehehehe
Eu sou má, muito má!
Cadê meu amor
Que a noite chegou trazendo o frio...
Manja gargarejo? Pois é! Ontem eu tive um dos momentos mais fantásticos da minha vida numa fila de gargarejo. Me chamem de tapada.

Ontem teve show do Lenine. Mas peraí, que eu tô tão extasiada que tenho que contar nos mínimos detalhes.

Cena 1 - Sexta-feira 18:10h - No dia em que eu cheguei de viagem recebi um telefonema da Talita. (sempre a Talitinha..) Perguntando, como quem não quer nada, se eu sabia que ia ter show do Lenine no sábado. Bom, eu tinha acabado de chegar de Juiz de Fora, "puxa, que legal, mas a essa hora não deve mais ter ingresso, né?" Mas Talitinha puxa um convite da manga e diz "bom, é que eu tô com um sobrando e aí eu pensei se vc não..." "Claro que eu quero!!!!!!!!!!!!!!!!!!!" (com direito a todos esses pontos de exclamação)

Cena 2 - Sábado 21h - Pra quem não conhece, o Americel Hall, é uma casa de espetáculos enorme daqui da cidade, com uns 3000 lugares, que fica num lugar isolado de todo o resto da civilização e onde uma água mineral custa R$ 2,00. Daí fica fácil chutar por baixo o preço de tudo o que acontece por lá, né? Mas esse show de abertura da turnê do Lenine estava surpreendentemente pela bagatela de R$ 25,00. Só quem sabe o quanto custam as coisas aqui em Brasília (sabe como é, terra de político, todo mundo é marajá...) entende o quanto um show por "míseros" 25 contos pode ser disputado.

A abertura ficou por conta do Oficina Blues, um grupo daqui da cidade mesmo, que toca, adivinhem?! Blues! Aliás, eles são muito bons meeeesmo, é emocionante ver um trabalho tão bem feito por tantos anos ser recompensado dessa forma. O guitarrista (Haroldinho Matos) é aquele que toca com os dentes, lembram que eu falei? Enfim, tá nos arquivos em algum lugar.

Mas de volta ao show. Entre o palco e as poltronas numeradas tinha um imenso vão, onde tecnicamente estariam as fileiras de cadeiras de A a P, que foram estrategicamente removidas. Assim que o Bemol (é o nome do vocalista do Oficina) começou a cantar, a gente notou que não ia dar pra conseguir ficar sentado e fomos nos abolotar junto com os outros fãs do Down Mississipi Delta do Jaguaribe. Eles foram simplesmente fantásticos, só faltou o Haroldinho se exibir tocando com o dedo mindinho do pé esquerdo.

Cena 3 - Sábado 22:10h - Terminado o show do oficina, Talitinha de máquina fotográfica em punho se postou exatamente à beira do palco. E eu, logicamente, bem ao lado dela. O palco é baixinho, deve ter aproximadamente 1,30m e, milagrosamente, não tinha nada de cordão de segurança nem essas baboseiras. Eu pra ser sincera nem segurança vi, mas também não tava procurando. O importante é que estávamos lá, eu e Talita, encostadas no palco, bem no meio, onde provavelmente estaria o microfone do Lenine. Dito e feito. Começado o show, eu não conseguia ver mais nada além daquele brilhante par de dois olhos azuis (só um cara com aqueles olhos azuis pode fazer uma música sobre Dois Olhos Negros). Peraí, vcs não estão entendendo. O Lenine tava lá. Eu tava lá. E não tinha ninguém entre nós dois, só alguns poucos centímetros. E toda a luz do palco tava na nossa cara, mas quem liga? Inclusive uma hora eu virei pra Denise e falei

- Eu tô com a sensação de que aquele holofote tá mirado exatamente na minha cara.
- Não é impressão não, Stella, ele tá mesmo. Ele tá iluminando exatamente vc. A luz tá em cima de vc.

Em alguns momentos ele ainda vinha mais pra perto da beirada, e se a gente quisesse dava até pra puxar o pé dele. É claro que a gente não puxou, mas deu pra ver em detalhes a meia vermelha que ele estava calçando. E ele tocou, e eu gritei, e eu pulei, e eu me esgoelei, e meu Carona ficou bestificado com a minha empolgação. Porra, o Lenine tava na minha frente, queria o quê, que eu fizesse pose de menina comportata? O escambal! E eu chamei ele de lindo, e ele dançou, e ele sorriu várias vezes pro canto onde nós estávamos (tô ficando louca não), também não tinha como, a gente tava lá, aparando cuspe (eca!). E gritei mais alto que todo mundo todos os êô's e ôô's que ele pediu, e pulei feito uma louca batendo palmas pra pedir "mais um, mais um". E quando ele ressurgiu no palco, eu gritei com todo o ar do meu pequenino pulmão "Toca Fere Rente!", um camarada do meu lado me olhou esquisito mas quem disse que eu tava ligando pro mico? E ele tocou mais duas músicas e a terceira foi exatamente a música que eu tinha pedido e eu gritava "Brigada, moço!" me esquecendo completamente do ridículo, mas eu sou uma moça educada. Além disso, eu tenho certeza que ele me escutou. E eu pulei mais e mais alto que todo mundo, céus, meus pés ficaram moídos.

Cena 4 - Domingo 00:15h - A Talita disse que ele sempre recebe as pessoas no camarim. Então, tá, eu preciso agradecer esse rapaz de olhos cor do mar por ter tocado minha musiquinha preferida. Eu fico altamente perigosa no trânsito se estou escutando Fere rente, vcs não tem idéia. Bom, ficamos na fila, eu esqueci meu cd que o Zé me deu no aniversário dele (é, ele fez aniversário e quem ganhou presente fui eu. Isso é que é amigo!!!), mas ia pedir um autógrafo no ingresso e a Talita ia tirar fotos e mais fotos. Tinha pouquinha gente, umas 20 pessoas no máximo, ficamos esperando uns 10 minutos pq ele tinha ido tomar banho.

Aí entramos. E aqueles maravilhosos olhos cor de céu sorrindo pra mim e eu só conseguia repetir "Ai, meu deeeeeeeus!" e só quem me conhece sabe como é meu "ai meu deus" quando eu tô nervosa. E ele me abraçou muito forte, sem parar de sorrir, e disse "ô morena" e eu tive vontade de chorar. Tá certo, eu sou morena mesmo, ele ia me chamar de quê? De galega? Mas ele não disse nada pras meninas quando estava com elas, o que torna meu "morena" muito especial. E priu. E ele me olhou e disse "se divertiu?!" (e eu só me lembrava de vc, Welder!) e me faltaram adjetivos pra explicar a experiência sobrenatural de vê-lo pulando e rebolando a 10 centímetros das minhas fuças, aí eu falei que estávamos muito perto, e que deu pra ver até as meias vermelhas. Não sei se ele riu pq ficou sem graça ou pq me achou esquisita. O importante é que o show foi, com o perdão do chavão mas foi isso mesmo, tudo de bom!!!

Agora eu pergunto: será que eu tenho chance? :-PPP Bricadeirinha..
Eu estou tão sensível que ontem eu até chorei com a eliminação de 8 meninas do Popstar. Coitadinhas, elas tinham o sonho de ser como a Sandy ou a Britney Spears e... Frôô!!!
Saia, ser estranho, que este corpo não te pertence!!!!!!!!!

sábado, julho 20

Eu só quero dançar
E que você me tenha seeeempre que quiser....
Legal. É um dos meus super-heróis favoritos, apesar de achar ele meio bobo com essa mania de mártir, gosto mais da pose de durão do Batman. Pelo menos é divertido. Não tão interessante quanto o Kama sutra da Pelagia, mas...


Que filme tu és?

E vamos ao Diário de Bordo...

Dia 01 (14/07 - 17:04h)
Aproveitando a saidinha da minha colega de quarto por alguns minutos, resolvi escrever um bocadinho. Acho que esse negócio de blog vicia, mas não há a menor chance de eu pagar R$ 0,20 por minuto pra usar o computador do hotel. Ah, é, cheguei! Na verdade, chegamos mesmo às 6h da manhã, mas tava todo mundo meio moído da viagem até agora. E eu preciso ser sincera: adoro viajar, conhecer novos lugares, mas tenho certeza de que gostaria bem mais se pudesse simplesmente entrar num teletransportador à lá Dr. Spok e aparecer onde quer que eu quisesse sem precisar utilizar outro meio de transporte. O deslocamento em si é a parte chata.

Juiz de Fora é uma cidade agradável, de clima frio gostoso e gente simpática. O Congresso está sendo realizado num hotel famoso da cidade, agora abarrotada de físicos e músicos. Eu explico: além de grande parte dos físicos serem músicos (frustrados na maioria), paralelamente à Escola de Estrutura Eletrônica está acontecendo o 13º Festival de Música Barroca. Já fomos buscar a programação e quem sabe sobra até um convitezinho pro doutorando dos olhos azuis que hoje eu descobri que é mestrando mas tá valendo.

Dia 03 (16/07 - 00:23h)
Foi um dia pouco traumático, digamos. Palestras, minicursos, nanotecnologia. Muito interessantes as partes nas quais eu consegui ficar acordada. Ah, e o coffee break tem biscoitinhos de manteiga. Eu e a Luana estamos começando a ficar com a sensação de que somos as únicas alunas de graduação do curso. Apesar de um pessoal com cara de menino, pelas conversas o nível aqui é de mestrado pra cima. Além dos banbanbans da área de Mecânica Quântica e afins. Assim, quando alguém pergunta, a gente diz que faz Iniciação Científica, que, bem, é melhor que nada.

Acabamos de chegar do teatro, mais especificamente do Cine Theatro Central, que fica aqui perto do hotel, onde fomos assistir à Orquestra Barroca que está participando do festival. O teatro é bonito, num estilo antigo-reformado, cheio de pinturas no teto, esculturas e afrescos. A orquestra é simplesmente maravilhosa e o som do violino barroco é bem melhor do que dos outros que escutei. Me explicaram que é porque a afinação é diferente. Valeu a noite. Apesar de uma das solistas ter cara de babá psicopata de filme de terror que com certeza vai me fazer ter pesadelos essa noite....

Dia 04 (17/07 - 19:31h)
É impressionante como todo mundo aqui se parece com alguém. Bom, talvez eu só esteja notando essa semelhança porque estou tentando me agarrar no que for possível pra me manter acordada. Ainda não descobri de onde vem tanto sono, deve ser o trabalho mental que está me deixando cansada. Enfim. Tem um cara aqui que é a cara do Jim Carrey, inclusive com aquele sorriso meio torto e os dentes pra fora. Um outro doutor que deu uma palestra hoje super interessante sobre... ahn... bom, ele é igualzinho o Junior, aquele jogador de futebol de areia. Tem até o bigode. Uma mulher que a gente não sabe quem é se parece muito com a Zélia Duncan, um outro aluno parece o irmão mais novo do meu chefe (não o bonitão, um outro) e outro rapaz parece o irmão mais velho do chefe da Luana. Céus, quanta inutilidade!!!

E já que estamos falando das pessoas, recado: se vc por acaso conhecer o professor Gilberto Medeiros, do LNLS, diga a ele que eu o achei muito simpático, senti uma segurança anormal enquanto ele falava e respondia às perguntas, apesar de ele me parecer muito jovem (não que juventude seja sinal de incompetência, lógico) e que fiquei até com vontade de mexer com a Microscopia de Varredura de Pontas só pra ter ele como meu orientador. É sério.
Agora, se vc conhecer o professor Hélio Santos da UFJF diga a ele que ele é um charme, que eu adorei o corte de cabelo e que ele tem cara de homem propaganda de prestobarba. Ou de perfume masculino. Ou de desodorante Avanzzo, sei lá. Um poço de charme. Ai ai... Ainda há esperança no mundo da Física.

Dia 05 (18/07 - 10:05h)
Antes de viajar eu só precisava marcar uma coisinha aqui. Palestra ontem no final da tarde, um cara que conseguia falar praticamente sem mexer o lábio superior sobre metodologias de modelagem molecular de biomoléculas (parece trava línguas, né?), ou coisa assim, que começava desse jeito: "Bem, assim como nos relacionamentos, aqui tudo começa por uma atração física, quem sabem gerando alguma química e, de repente, com algum resultado biológico". Putz, como os físicos são péssimos pra piadas!!!!

sexta-feira, julho 19

Com prédios tão altos como os de Gothan City, até eu teria tempo suficiente para tirar uma super corda bat-elástica do meu super cinto e salvar a mocinha, oras!
E eu seria incapaz de lutar com a Hera Venenosa calçada com aquele salto plataforma enorme.
Ah, é mesmo.
Cheguei! :-)
Vocês foram todos tão bonzinhos deixando comentários!!! Smack!
Momento feminino: A melhor embalagem individual para absorventes é a do Always. Mas o mais confortável dos externos sem dúvida é o Sempre Livre Slinea.

sábado, julho 13

Gente, vou viajar. Isso significa que vcs vão ficar uma linda e maravilhosa semana sem precisar aturar minhas sandices. Estou indo pra um Congresso de Estrutura Eletrônica (não, a gente não vai abrir liquidificadores!) em Juiz de Fora e só volto no final da semana. Vou pegar um frio básico, comer fondue, conhecer melhor o doutorando dos olhos azuis e saber mais sobre os Métodos Ab Initio Multiconfiguracionais e Nanotubos de Carbono. Não me perguntem do que se trata. Quando voltar eu conto pra vcs, se eu tiver conseguido entender alguma coisa. Enquanto isso, sintam-se livres para se comunicar. Comentários e pedidos de casamento são muito bem vindos.
Eu escutei ontem no rádio uma entrevista especial com a SandyeJúnior e, quer saber, até gostei.
Droga, eu não sou mais a mesma...
Quem não mora em Brasília perde a oportunidade de presenciar a grande produção publicitária local. Pérolas como uma loja de tecidos patrocinada pelo Café do Sítio, onde as pessoas tomam café enquanto anunciam o preço do cetim ou pousam suas xícaras em cima da cambraia. Mas eu queria falar de uma grande produção milionária que está sendo veiculada em horário nobre. A da Pioneira da Borracha.
Realizem: um cara vestido de Sheik cercado por 3 odaliscas simplesmente horrorosas. Com um sotaque sofrível digno de novela das 8, ele diz: "vamos verrrr as oferrrrrtas". Aí vem a melhor parte: as odaliscas dançam dança do ventre ao lado dos colchões, enquanto o locutor anuncia "colchões probel por apenas 1 + 5 de R$xx,xx."
Ai ai...

sexta-feira, julho 12

A novela da vida real
No capítulo anterior... Ah, vai lá embaixo e lê.

A banda era bem bacana, e apesar de minha amiga não estar lá com cara de muitos amigos, eu até tava curtindo o show. De repente, ela olhou pro chão e, exatamente do lado do professor, na minha frente, uma nota de R$ 5,00 repousava tranquila. Ela praticamente se jogou no chão pra pegar o dinheiro, e a primeira pessoa pra quem ela perguntou foi pro dito cujo: "É seu esse dinheiro? Tava no chão..". Ele disse que não, e enquanto ela ainda pesquisava nos arredores pra não correr risco de ser espancada pela multidão enfurecida, ele virou pra mim e perguntou "Ué, desistiram de ficar sentadas?" "É, de lá não dava pra ver nada..." e outros blá blá ininteligíveis por conta do barulho. Terminado o show, ele deu meia volta e perguntou:
- Gostaram?
- Puxa, bem legal.
- Achei que vcs gostassem de MPB...
- E o que impede que a gente goste de MPB e de rock também?
(quanto preconceito!)
- Nada, mas achei que vcs gostassem de MPB.
- Na realidade a gente veio pra assistir o Choro de Calango. E como já estávamos aqui...
(a cara mais inocente do mundo)
- Claro, claro... Encontrei com um monte de alunos meus aqui.
- Isso mostra que vc é um professor popular.
- Talvez...
- Bom, Professor, aceita tomar uma coca-cola com a gente?
(minha amiga já caiu matando)
- Ah, não, eu tenho que ir embora e...
- É que eu não posso ficar com esses R$ 5,00. Sei lá, o dinheiro não é meu, é melhor gastar, pode dar azar.
(nunca vi desculpa mais esfarrapada)
- Mas é que meu carro tá longe e...
- Que isso, eu te levo até o carro.
- Amanhã eu acordo cedo e...
- Eu também. Aliás, trabalho o dia inteiro amanhã e ainda tenho prova de Métodos na segunda feira.
(ela é rápida no gatilho)
- Tá bom.
(acho que as desculpas já tinham se esgotado)

Cenas do próximo capítulo: De decotes e mini-saias. O Professor imagina um ménage à trois.

quarta-feira, julho 10

Cada coisa...
Um novo motel da cidade, prestes a inaugurar, ainda está sem nome. E qual a solução para tal impasse, Robin?
Santa fornicação, Batman: um concurso! O motel sem nome oferece como prêmio um ano de suíte luxo por 2 horas. Claro que isso atraiu a atenção de muita gente. Vejam isso:

"Nas ruas, as pessoas se animam com a campanha. As sugestões - muitas impublicáveis - vieram rápido, quase sempre em tom de brincadeira. ' Vixe, sei lá! Treme-treme é legal, né? ', arrisca Fulano de Tal. ' Tem que ser um nome no estilo country, porque está na moda ', acredita a estudante Beltrana.
Algumas pessoas não se limitaram a propor um nome. Sugeriram slogan e tudo. Os mais amenos:
Motel Maria Antonieta - aqui você também perde a cabeça.
Motel Teletubbies: de novo, de novo, de novo.
Motel Leilão: dou-lhe uma, dou-lhe duas, dou-lhe três."

Putz!!! Treme-treme?!?! E entre as sugestões existem coisas como Cantim bom que só, Brincar de amar e Faculdade do amor. Meus sais!!!
Acho que vou explodir! E vou ser sumariamente castigada por gula. Hoje fui almoçar num restaurante japonês. Ok, Stella é ignorante. Até ontem eu nunca tinha nem experimentado sushi. E aí inventei de ir almoçar num restaurante com buffet de comida japonesa. Preço fixo e vc come até morrer. Um negócio razoável, apesar do preço salgado e da comida sem sal.
O sushi é gostoso. Mas nunca, nunca, nunquinha mesmo experimentem um que vem com Kani e manga. Dá enjôo só de pensar. Os pratos quentes estavam deliciosos: rolinho primavera, yakissoba, camarão ao alho e óleo e outras coisinhas suculentas das quais eu não lembro o nome. Desfaçam essa cara de nojo, o tal do peixe cru é até gostoso. Saí praticamente rolando, jurando nunca mais comer nada em toda a minha vida.

Aí de noite eu fui pra aula de francês, 8 horas depois, ainda estufada (juro! ô trocinho pra encher é arroz com peixe cru). Pequenino detalhe: festinha de confraternização, e a turma tinha encomendado uma torta de morango e uma torta alemã que estavam uma coisa. Irrecusável. Acho que vou ter que passar mais uma duas encarnações sem comer...
Bom, fim de semestre, férias (pelo menos pra população sortuda que não teve greve no ano passado) e festinha de encerramento do semestre do trabalho. Uma das boates mais "playboyzentas" da cidade, como disse um moço. Talvez por ser uma das mais caras. Pescocei na entrada uma conversa entre dois seguranças que tinham sido vendidos mais de 1000 convites. Lógico que eu não paguei. Recebi um telefonema do rapaz do departamento de Comunicação e Marketing perguntando se eu queria as cortesias. Duas, uma pra mim com direito a acompanhante. Tentei até encontrar alguma companhia que fosse me divertir no meio daquele monte de recém-vestibulandos mas nem todo mundo tem disposição pra ir pra um lugar como aquela boate em plena segunda feira pra aturar patricinhas de 17 anos. Bom, eu fui. Marcar presença, dizer oi, perguntar pros meus aluninhos queridos como tinham ido na prova e voltar cedo pra casa. Esse era meu plano.

Chegando lá, um frio do caramba, uma fila gigantesca na porta e nem uma entradazinha vip para monitores e professores. Entrando na casa, não dava pra duvidar que tinham menos de 1000 pessoas ali. Um inferno na Terra, podem imaginar. A gente chegou num lugar e depois estava simplesmente impossível pensar em passar pro outro lado da pista de dança, de tão lotado que aquele lugar tava. O Dj mais ou menos ficou tocando por pelo menos uns 15 minutos uma versão Techno (ou qualquer coisa assim) de Baba Baby. Sim, mais de 15 minutos!!!!!!! Antes de 2 horas da manhã eu estava em casa, deitada na cama, lendo meu novo livro do Veríssimo e com uma tremenda dor de cabeça. É, não foi tão ruim...
A novela da vida real
No capítulo anterior, Stella e a amiga Cowgirl (não gente, ela não é vaca!) tinham acabado de avistar aquela careca precoce inconfundível no meio da multidão.

Sentadinhas de nossas cadeiras a gente avistou o moço. Mas tava muito cheio, ele ainda não tinha visto a gente. Foi então que eu resolvi ir ao banheiro. Não, não era estratégia, era vontade de fazer xixi mesmo. Quando voltei o lugar já tinha enchido e o show estava prestes a começar. Mas se a gente continuasse sentada não ia dar pra ver nada. E é da necessidade que surgem as idéias brilhantes. E a idéia no caso era levantar e ir se postar em pé perto do rapaz. Nem que fosse pra rir dele dançando.
E lá fomos nós. Numa posição na diagonal, dava pra ver todo mundo, menos o tecladista que a gente só descobriu que tava em cima do palco nos últimos minutos de show. E vcs não são capazes de realizar o que é um matemático tímido num show de rock. O professor se revelou, pulou, cantou, balançou cabeça e todo o resto. Realmente a bana da é muito bacana, e nem é rock que eles tocam, diga-se de passagem. É ska. Mas enfim.

Em determinado momento senti um aperto no coração... Do nosso lado um molequinho que não devia ter 15 anos, pequenininho e magrela, uma camiseta amarela enorme com a estampa do Calvin, se achando O roqueiro, mas com uma cara de tão desconxavido, o pobrezinho. Fiquei vendo o meu irmão no pobre do menino. Aquilo não era ambiente pra um garoto da idade dele. Com 13/14 anos meu programa era ir pro cinema, não pra show de rock ver gente se batendo e fumando maconha. Ai, que dó. Mas isso não tem nada a ver com o assunto...

Bom, aí, enquanto eu tava lá destraída com meu sentimento fraterno súbito pelo menino de camisa amarela, toda a massa roqueira enlouquecida começou a pular e a dar chutes e socos uns nos outros. E aquele bolo de gladiadores começou a vir bem na nossa direção. E aonde duas donzelas (cof cof) desprotegidas se refugiaram? Atrás das costas largas de um determinado professor, é lógico.

Cenas do próximo capítulo: O professor começa a desconfiar que algo de muito estranho está acontecendo...

segunda-feira, julho 8

Eu queria saber como esse cara faz pra ter 46 comentários em um só post!!! Tá certo, o blog dele é muito bom. Mas, pôxa... (*invejinha*).

E T1X, não precisa fazer isso de novo não, tá? :-)

domingo, julho 7

Idéia roubada da Mel, que me fez lembrar aqueles cadernos de perguntas que todo mundo teve ou preencheu algum dia. Qualquer dia posto algumas respostas de um caderno de perguntas hilário que tenho aqui da minha 7ª série

Nome: Stella
Apelidos: Stellinha, Stellita, ou qualquer outra coisa que vc seja capaz de inventar. As pessoas geralmente têm muita imaginação
De onde você é: Brasília mesmo, mas me considero uma mistura de pernambucano com mineira.
Escola: UnB
E-mail: ah, tá aí do lado.
Cor do cabelo e dos olhos: Pretos
Animais de estimação: Um lindo labrador amarelo, com o simpático nome de Nicolau.

¥ Você já? hmm...¥
Ficou bêbada de apagar? Bem...
Usou substâncias ilegais? Ainda não
Foi em público de pijama?
Faltou aula por causa de chuva? Geralmente não preciso de motivo lógico pra faltar aula.
Botou fogo em alguma parte do corpo? Cabelo conta?
Escondeu um segredo de alguém? Não por muito tempo.
Chorou durante um filme? Nossa, vááárias vezes!
Esteve apaixonada por um professor? Talvez. Nutro carinho incontestável por alguns ex-professores, mas não acho que tenha sido paixão. Não por enquanto...
Achou alguma personagem de desenho animado ardente? Pô, desenho animado?
Teve um CD do New Kids on the Block? Fita cassete pirata e coleção dos gibis. É, era fã.
Planejou sua semana baseada no guia de TV? Não posso me dar esse luxo...
Passou trote pelo telefone? Nunca vi graça. Mas já liguei pro Disque-Amizade. Na época que era de graça, lógico.
Esteve num palco? Ainda não, por falta de oportunidade.

¥ Preferências...¥
Shampoo: Qualquer um pra cabelos secos.
Sabonete: Dove ou Pom-pom. É, aquele de criança. Pq eu acho cheiroso, oras!
Cor(es): Depende de pra quê... Gosto de cor-de-rosa.
Dia/Noite? Gosto da noite, das estrelas, da lua.. mas me sinto mais segura de dia. Acho que tenho mesmo é medo do escuro.
Verão ou inverno? Inverno, sem dúvida! Ainda mais quando se tem alguém pra esquentar seu pé, um cobertor de orelha..
Papel ou Plástico? Pra escrever papel. Mas pra sacola de supermercado tem que ser plástico. Cada pergunta...
Online Smiley: Quediabéisso?
Renda ou Cetim: Tecido é outra coisa que depende muito da ocasião. Mas se eu entendi a pergunta, cetim. É mais leve e de toque mais suave... Ai ai...
Desenhos Animados: Eu era louca com Caverna do Dragão, Muppet Babies (era isso mesmo?), Corrida Maluca, Tiny Toon, Animaniacs... Nossa, adoro desenho animado. Pode vir qualquer um.
De todos os seus amigos, quem você conhece há mais tempo: Uma amiga minha da época da 1ª série. Uns 14 anos...
A quem você vai pedir conselho: Primeiro tento resolver sozinha. Senão, qualquer um dos meus amigos. Não faço muita distinção entre eles não. O que estiver mais próximo na hora e me parecer mais sensato é a vítima.

¥ Você acredita em.. ¥
Deus/Diabo? Claro.
Amor? Mais ou menos...
Monstro do armário? Não especificamente, mas não durmo com a porta do armário aberta nem por decreto. Inclusive passo a chave.
A teoria do Big Bang? Há controvérsias..
Céu/Inferno? Sim.
Superstições? Não acreditava não, mas diante dos últimos acontecimentos, vou renovar meu estoque de calcinhas rosas.

¥ Nas duas últimas semanas você... ¥
Chorou? Fora aquele comercial de margarina que acabou de passar, não. :-)
Usou saia? Olha que não.... Gente, é grave?
Foi ruim? Eu às vezes me pego sendo uma menina má. Mas só às vezes..
Foi sarcástico? Irônica talvez...
Foi apresentada a alguém novo? Fui. Mas preferia não ter sido.
Conversou com alguém por quem está apaixonada? Sem comentários...
Sentiu falta de alguém? Sim. Alguéns, pra ser sincera.
Abraçou alguém? Ã-hã... Abraço é muito bom!!!!
Brigou com seus pais? Não que me lembre..
Fez um desejo a uma estrela? Ah, fala sério!
Chorou de tanto rir? Um monte
Fez o jogo da verdade? Não.
Assistiu nascer ou pôr-do-sol? Também não.
Foi à praia à noite? Praia, meu filho? Em Brasília?
Ficou certo tempo sozinha? Sim, e foi ótimo.
Leu um livro por diversão? Tô sempre fazendo isso. Adoro ler.
Esteve solitária? Não. Juro.

Você é feliz? Putz, pra caramba!
Você está conversando com alguém online? Nem online nem offline.
Backstreet boys ou nsync? (ai ai ai, lá vou eu) NSync. Ah, os Backstreet Boys são muito sem sal...
Quando foi a última vez que você tomou banho de chuveiro? Agora há pouco...
Calças de que cor você está usando neste exato momento? Acho que é petróleo, não sei bem...

Qual música você está escutando agora? Silêncio total. Mas na cabeça tá Pode me abraçar sem medo.. Pode encostar sua mão na minhaaaaaaa. E não é a versão do Alexandre Pires.

Qual foi a última coisa que você disse? Tanto faz...
O que está mais próximo de você? Bom, equidistanciados estão o telefone, a agenda, o relógio, o computador, a garrafa d'água e o livro de Física Matemática.
De que é feita sua mesa de computador? Me disseram que era madeira. Mas pra quê saber disso?
Qual seu número de telefone? 93... Ei!!!!
Qual foi a última coisa que comeu? Acho que foi carne de sol...
Aonde você quer ir na sua lua-de-mel? Vou ser Carmelita dos Pés Descalços.
Quantos amigos você tem na sua lista? Como assim lista? De telefones, de e-mails, do ICQ? Eu hein?
Como está o clima agora? Friozinho gostoso.
Você já fumou maconha? Ainda não, mas também não me interesso. Acho o cheiro muito doce e enjoativo.
O que você fez ontem à noite? Show de Rock. Pasmem.
O que você acha que é a melhor coisa sobre o sexo oposto? Impróprio dizer num blog família como esse. Ok, o tarado do cocô já esculhambou mesmo, né? Gosto da sensação de proteção, do calor do peito e do sorriso de bobo apaixonado.
Como está você hoje? Bem, obrigada. E vc?
Como você come bolacha recheada? Dependendo da disposição, como primeiro a banda sem recheio, depois a outra com recheio e tudo.
Cd favorito? Não sei.... Acho que um do Djavan que ganhei de presente e... Melhor deixar pra lá.
Carro/automóvel dos sonhos: Tendo volante e freio, pra mim tá valendo. Bom, e combustível, lógico.
Você já ganhou alguma condecoração especial? Hihihihi... Algumas...
O que você quer ser quando crescer? Astronauta ou pediatra. :-)
Quais os seus planos para o futuro? Expectativa é sinônimo de frustração. Deixa o barco correr e vamos ver no que dá..
Comida(s) favorita(s): Aquela de quando eu tô com fome.
Bebida(s) favorita(s): Um vinhozinho suave. :-P
Filme(s) favorito(s): Difícil... Acho que não tenho, já vi tanta coisa legal.
Dia do ano favorito: Sei lá.
Perfume feminino favorito: O Oops! me cai bem. Mas gosto também do Gabriela Sabattini.
Você gosta de dançar? Ô! Principalmente no processo higiênico de cada dia: antes do banho, fazendo strip-tease. Durante o banho, jogando espuma pra cima, e depois do banho, enquanto troco de roupa. Ah, e quando levanto também. E quando tô dirigindo e..
Marca de roupa favorita: Qualquer uma que me faça sentir bem.
Se você pudesse mudar seu nome, qual seria? Quando era criança, eu queria porque queria me chamar Daniela só pra poder assinar com um coraçãozinho no pingo do i. Mas adoro meu nome.
Você dorme com bichinho de pelúcia? Não, mas com dois travesseiros.
Já esteve apaixonada? Já. E como...
Coisa mais burra que você fez: Já fiz tanta coisa burra....
Qual será o nome do seu primeiro filho ou filha: Sei lá, tem muito tempo ainda. A não ser que seja obra do Divino...
Pelo telefone ou pessoalmente: Pessoalmente, sem dúvida. Olho no olho. E boca na boca. E... Esquece..
Luxúria ou amor? No momento, luxúria. (má, má, muito má!)
Qual é a coisa que você mudaria em si mesma? Fisicamente, acho que já me acostumei. Psicologicamente, acho que os outros já se acostumaram. Ah, a gente sempre quer mudar um monte de coisas em nós mesmos, né?
Ontem fui fazer o gabarito da prova do vestibular de física e lá estava meu ex-Chefe bonitão. Sim, ex, pq o chefinho resolveu nos abandonar. Aliás, a maior fofoca dos últimos tempos no trabalho girou em torno da sua saída. Mas conto depois. Recebi até proposta de emprego de um outro cursinho, acho que tô ficando importante...
A novela da vida real

Á-há! Eu sabia que ia funcionar!!! Minha nova calcinha rosa com tirinhas brancas nas laterais entrou em ação! Lembram do professor novinho? Não? Então deixa eu traçar o perfil.

28 anos, matemático, tímido pra cacete. Esse é meu professor de VC. Fiz uma matéria com ele semestre passado e esse semestre resolvi repetir a dose. E juro que não foi pelos dotes físicos do rapaz. Realmente ele é uma graça, simpático, mas realmente me identifiquei com o estilo da aula dele, saí de lá aprendendo e isso eu valorizo muito. Como ele já me conhece, consegue até conversar comigo me olhando nos olhos, avanço descomunal em nosso relacionamento.

Na ocasião em que segurei na mão dele (na maior inocência, juro! apesar de que minha inocência não deixou ele mais tranquilo..), ele estava contando que ia pra um show esse final de semana. Uma amiga logo se interessou em estar onde ele pudesse estar, eu tava mesmo querendo ir assistir ao Choro de Calango (chorinho) com Bois de Gerião (rock/ska), uni o útil ao agradável e lá fomos nós. Pra ser sincera, não imaginava mesmo que ele fosse aparecer por lá não. Passou o show de chorinho (onde o percussionista era uma graça, parecia o Oswaldo Montenegro (desculpa, mas parecia mesmo) só que com um sorriso lindo e bem mais bonito), excelente por sinal, ficamos observando, de nossas cadeiras comportadas, a chegada da massa rockeira. Um padrão: 90% tinha menos de 15 anos, e todas as meninas vestiam saias de pregas e fivelas no cabelo, contrastando com a maquiagem carregada. De repente, no meio da multidão, ninguém mais ninguém menos do que... o professor! Perfil da amiga, só pra vcs se situarem na situação grotesca que foi nós duas em um show de rock.

Paty, elegante, não sai de casa sem um salto 10 no mínimo, filha de fazendeiro, gosta de música sertaneja e artigos em couro, entende de gado e de cavalos profundamente.

Cenas do próximo capítulo: como se livrar do stage diving ou R$ 5,00 no chão: a desculpa perfeita - o papel da calcinha rosa!
Já repararam no impacto que uma promoção de seja lá o que for por R$ 29,90 pode causar?
Vejam bem: R$ 1,99 a gente já se acostumou que é praticamente 2 reais. R$ 9,90 ainda engana, mas quando vc dá a nota de 10 e só volta uma moedinha amarela vc se dá conta de que não pode ter feito um bom negócio, daí bate o arrependimento. R$19,90 é o pior, não dá nem pra enganar: desde que o mundo é mundo que 19 é 20 e tá acabado. Agora R$ 29,90 é pechincha das boas, daquelas imperdíveis.
Momento: confissão relâmpago - sessão Música:
Eu tenho um cd das Spice Girls, uma fita do Double U (original), Rap Brasil (1 e 2) (pirata, ainda por cima), um vinil do Oswaldo Montenegro e uma fita do Melhor da Bahia 95.
Nem perguntem.
Por favor, me esclareçam: sou eu que tenho problemas de visão ou mais alguém no universo acha o Marcos Palmeira feio?
Vamos lá e sejam sinceros: vcs me acham amarga? Recebi essa crítica hoje, em um recado deixado no celular. Logo eu, esse poço de doçura! :-)
E o moço que deixou o recado tava tão nervoso que não conseguia nem formar frases, tadinho! :-P
(Ai, meu Deus, tô vendo que vou apanhar logo logo...)

quinta-feira, julho 4

Ninguém me ama, ninguém me quer. Snif...

Bah, quem liga?
E hoje eu resolvi tomar uma atitude drástica: comprei duas calcinhas cor de rosa. Vamos ver se agora eu não resolvo esse problema de uma vez por todas.
PS: A quem interessar possa, elas são uma gracinha.

terça-feira, julho 2

E só hoje, vendo a cidade colorida e os 500 mil brasilienses na recepção da seleção canarinho, é que a ficha caiu: gente, é penta!!!!!!
Brasília hoje estava verde e amarela! Um lindo e colorido caos verde-amarelo!
Geralmente faço o trajeto da minha casa até a UnB em 15 minutos. Hoje à tarde demorei 1h10. Ok, me chamem de Caxias. Depois de ter ficado até de madrugada "estudando" ontem, acordei meio dia e rumei pra universidade. Sim, no ponto facultativo. E, sim, eu sabia que não ia ter aula. Tinha marcado de estudar com duas amigas.
No caminho deu pra observar muitas coisas interessantes. Os carros estavam estacionados no meio da rua, literalmente, espalhados por todo o contorno da esplanada dos ministérios, onde o carro de bombeiros com a seleção em cima deveria estar passando. Jogador que é bom eu não vi nenhum não, e pra falar a verdade não tava procurando. Vi o show da Esquadrilha da Fumaça no céu, do meio do engarrafamento. Vi que a moda é verde e amarela, e a infinidade de modelos/estampas que se pode criar com a bandeira do Brasil. E um sol de rachar.
Céus, ando muito rabugenta ultimamente, né?

E fiquei pensando: se eu tivesse um filho, com certeza eu o teria levado pra ver a seleção. Lógico, eu primeiro ia lambrecá-lo bastante com filtro solar fator de proteção 50, preparar uma malinha cheia de garrafinhas de água mineral e sanduíches, arranjar um boné maior que a cabeça dele pra proteger melhor e me mandar no melhor esquema frango com farofa.
Meu professor de Variável Complexa ficou muito nervoso quando segurei na mão dele.
Depois explico.
Meu ex namorado me ligou ontem, todo cheio de mistério, com uma voz não muito feliz, dizendo que ia me mandar um e-mail, e ele estava na casa dos pais, mas a mãe dele não podia saber que era comigo que ele tava falando. E ficamos naquela conversa banal, e ele me deixou preocupada com tantas reticências.
É, nove comentários só em sonho mesmo.
Ficamos estudando quântica ontem até 3 horas da manhã. Bom, estudar mesmo foi só até meia noite e meia. Depois disso o assunto degringolou pras respectivas vidas amorosas, experiências familiares, e tudo o mais que se possa imaginar. Mas isso acho que não me fez bem. Tive um sonho estranhíssimo esta noite.

Sonhei que minha mãe era a Eva Wilma, mais especificamente o personagem dela no Vale a Pena Ver de Novo passado (História de Amor). E ela dirigia um carrinho de golfe (!!) desgovernado em um campo de futebol (!!!) cercado por um jardim colorido. E o carrinho voava por cima das flores, e parecia que ele tinha alguma espécie de lâmina giratória embaixo, pq ia despetalando as flores, e eu achava que o carrinho de golf mais parecia um cortador de grama! E de repente eu estava no teatro, na peça que fui assistir domingo, num daqueles momentos "vamos fazer a platéia passar vergonha" e eu era chamada no palco e todos os atores do grupo saíam da platéia e começavam a cantar uma musiquinha de futebol e eles riam, e eu ria pq não estava entendendo a piada, e, quando eu ia descer, um deles virava pra mim e perguntava se eu tinha entendido, e eu respondia que não, e ele ria, e o Victor usava uma peruca cor de rosa choque, e passava ao meu lado pra subir no palco, eles iam subindo e continuavam cantando a marchinha, e o Welder dizia pra mim que o jogo tinha sido muito bom mesmo, mas que os amigos estavam sacaneando muito com ele naquele domingo, e que eu era uma das faltas de futebol dele, um pênalti, e eu voltei pro meu lugar sem entender, e parecia que todo mundo tinha pegado o espírito da coisa menos eu. E depois eu estava de volta em casa e entrava no blog e cada post tinha 9 comentários!

Freud explica?
Feiúra o cacete! Eu até que sou apresentável.

segunda-feira, julho 1

Descobri que a culpa de minha falta de sorte com a população masculina não é da calcinha combinando com o sutiã. Pq sempre que eu saio combinando a calcinha com o sutiã nada acontece. Mas ontem resolvi fazer um teste: calcinha de uma cor, sutiã de outra. Não vou dizer as cores pq a combinação estava verdadeiramente bizarra. Enfim.. Adivinhem? Nada aconteceu. É karma mesmo. Ou praga. Ou feiúra.
Fui ao teatro. Depois eu conto.
O celular e o travesseiro me esperam.
Puff! Homens!
Vc se arruma. Passa perfume. Horas pra conseguir ajeitar o cabelo de alguma maneira apresentável (e considerando minha juba, isso realmente é tarefa que toma tempo e paciência). Uma blusa de decote sutil, saltos (afinal, empina a bunda, define a panturrilha e dá bolhas no pé). Passa rímel (ô negocinho chato de tirar depois), gloss, conhecido no meio masculino como "aquele batonzinho melado" (pq ouviu dizer em algum lugar que os homens gostam de cara de boca molhada pq lembra uma vagina ou coisa assim. Lendas urbanas). Toma o cuidado até de não combinar a calcinha com o sutiã (dá azar, dá azar!). Fica com frio na barriga, vontade de fazer xixi, tremedeira, dor de barriga, tudo. Tá, a dor de barriga eu não tive. Mas enfim.. Aí chega a hora. Vc abre seu melhor sorriso, manda o olhar de felicidade "bom te ver" e o que recebe em troca? Hein, hein?

Neste momento ele diz que vai pro show do Sepultura (!). Nem um convite pra jantar, umas flores, um vinhozinho suave...

(Aliás, meninas, pausa! Quando algum homem te levar pra jantar, oferecer licor de menta e depois o garçon sugerir um vinhozinho suave, desconfie!!! Essa é a tática deles, pois na verdade tudo o que eles querem é te comer. Novidade nenhuma, né? Muitos quiseram te comer e nem ofereceram o vinho antes. Ah, deixa pra lá.)

Nem espelho no teto, nem bombonzinho de laranja, de menta. Nem KY Gel. Ops, peguei pesado, esqueçam. Em resumo: nada. Um cineminha, um teatro, um motel. Nada, nem elogio. Aí vc volta pra casa e dorme abraçada com o celular. Madalena espera.
(*suspiro*)
Puff! Homens! Vou te contar, hein...