sábado, agosto 31

É meia noite e meus vizinhos idosos resolveram rearrumar a mobília e redefinir a decoração, pregando alguns quadros na parede.
E o pior é que eu estou falando sério. Faz mais de meia hora que eles estão arrastando coisas pela casa e batendo martelo. Bom, eles podem estar enterrando um corpo...

(Ai que medo, isso me lembrou Um misterioso assassinato em Manhattan, do Woody Allen. Se bem que no filme eles não enterram o corpo debaixo do assoalho...)
Puxa, o(a) amigo(a) CAISNET não falha! Estou lisonjeada!
Momento: como as pessoas chegam aqui por meios bizarros (versão The flash): entraram aqui procurando por contrato ficante e eu fico me perguntando o que viria a ser isso... Algo como "eu dou, vc recebe, e a gente não se fala no dia seguinte"?!

Putz, peguei pesado.
E agora antes que vocês se esqueçam:

A história da vida real
No capítulo anterior, as alunas diabólicas bolaram um super plano pra fazer o professor taradão abrir o bico

E lá fui eu pra sala dele, né? Na verdade, eu ia tirar algumas dúvidas. Ok, ok, as dúvidas eram pretexto. E aí eu ia ter uma desculpa pra jogar um verde e saber melhor da história do tal Paulo. Mas nem precisou de plano nenhum. Nem de dúvidas. Mal eu entrei na sala, antes mesmo de me convidar pra sentar, ele já soltou:
- Quer dizer que andam falando de mim por aí..
- Hein?..
- Pois é, tão estragando minha imagem por aí..
- Professor, agora explica essa história direito pq eu até agora não entendi.
- Bom, eu fui ao banco ontem na hora do almoço. Quando eu tava saindo de lá, o Paulo estava com uns amigos que também foram meus alunos e me chamaram. 'Fiquei sabendo que vc tá pegando uma amiga minha?' Aí eu não entendi, né? E perguntei? 'Quem?' E ele falou: 'A Cowgirl, da Física'. E eu falei que não tinha nada disso não, que ela era só minha aluna. Mas aí os amigos dele começaram a sacanear, 'Isso aí, Professor, pega mesmo, moh gatinha a menina' e eu só dizendo 'Que isso, gente, ela é minha aluna', e isso pega mal pra mim, pq ela é minha aluna e tal.

Depois de escutar o relato confuso e repetitivo (ele não consegue seguir uma linha só do jeito que eu escrevi não, ele fica andando em círculos, repetindo várias vezes a mesma coisa) com um olhar perplexo eu perguntei:
- Mas vem cá, como é que esse menino ficou sabendo dessa história?
- Ué, ela deve ter contado, provavelmente.
- Professor, me diz: o que diabos ela ganharia espalhando uma história dessas?
- Não sei. Mas se só nós três que estávamos juntos é que sabíamos o que tinha acontecido. E nem aconteceu nada. Se ele ficou sabendo foi pq ela contou. E se sentiu enciumado, não sei, vai ver ele é apaixonado por ela.
- Professor, não é por nada não, nem é pq ela é minha amiga e eu tô querendo defender, mas essa foi uma história que ficou só entre a gente.
(bom, e mais alguns 10 amigos e os 30 leitores diários desse blog...)
- Então como foi que ele ficou sabendo? Ver a gente lá ele não viu.
- Olha, a gente bolou a teoria de que foi aquele menino que sempre senta atrás da gente que pescoçou nossa conversa.
- Que menino?
- Um que também faz redes, que tá sempre sentado atrás da gente, não sei o nome dele. E ele pescoça de uma maneira tão cara de pau que às vezes a gente percebe que ele tá até inclinado pra frente pra ver se escuta melhor.
- Ah, sei quem é, o Bruno. É pode ser... Vai ver ele também tá apaixonado pela Cowgirl.

(minha nossa senhora, será que esse homem pensa que todo homem do mundo é apaixonado por ela? Tá certo que pelo menos a metade deles é mesmo, mas...)
- Pois é, essa é nossa teoria.
- É verdade, faz sentido, ele é amigo do Paulo, também foi meu aluno antes...
- Mas eu sinceramente acho que vc não devia se preocupar muito com isso não e...
- Mas é que vc sabe como é, vcs são minhas alunas, e essa é uma situação chata, pega mal pra mim, pode me causar problemas e blá blá blá...
A mesma ladainha. Aí eu tive que partir pra agressividade.
- Professor, eu acho que vc tá levando esse assunto longe demais. O que te leva a crer que ela tá dando em cima de vc? E pq que quem tá afim de vc tem que ser ela e não eu, por exemplo?
- Ah, mas ela me dá muito mole.
(convenciiiiiiiiiiido!!!)
- Que mole?
- Por exemplo, uma vez ela veio aqui tirar dúvida comigo de noite e ela tava com um casaco. Tava fazendo o maior frio, eu me lembro que eu tava com frio, e de repente ela tirou o casaco. Poxa, isso é complicado, pq eu sou homem e tal..
(putz, essa tática eu não conhecia. Meninos, funciona mesmo?!)

- Olha, eu acho que vc tá ficando paranóico. Daqui a pouco vc não vai mais querer cumprimentar a gente nos corredores por que vai ficar preocupado com o que os outros possam estar pensando. Por exemplo, nós dois agora estamos sozinhos, dentro da sua sala, a portas fechadas, e eu não vejo nada de mais nisso.
- Ah, claro, mas vc é uma menina séria (hahahahahahaha). E eu não sou paranóico, eu só não quero confusão pro meu lado, não quero que vcs pensem que vão ter algum privilégio só pq viraram amiguinhas do professor.
- Professor, vc se engana muito a nosso respeito se pensa uma coisa dessas da gente. Nenhuma de nós nunca precisou disso pra se dar bem no curso e não é agora que a gente vai começar a jogar sujo.

No mais a conversa ficou no de sempre: vcs são minhas alunas blá blá blá eu só não quero ter problemas blá blá mas dia 20 no gate's eu vou estar lá blá blá blá só não quero que vcs pensem que eu blá blá blá eu sou muito profissional blá blá blá blá e dia 20 no gate's blá blá blá a gente vai acabar se esbarrando fora de sala de aula blá blá

Cenas do próximo capítulo: Eu viajo. E a indefesa Cowgirl fica so-zi-nha nas mãos do Professor taradão psicótico.
Ah, e outra coisa antes que me esqueça, pq a memória é curta: eu tenho que agradecer ao moço Zamorim que gentilmente explicou o passo-a-passo pra espertinha aqui como eu fazia backup dos meus posts. Desculpe a demora, moço, mas a vida tava complicada. Obrigadíssima pela ajuda.

sexta-feira, agosto 30

Antes que eu me esqueça, preciso dizer que algumas coisas na vida valem a pena. Depois do final de semana sem dormir e da dor de barriga por conta da Coca Cola (e de ter desistido da idéia de tomar guaraná em pó por conta da recomendação da Sour Girl), tirei 9,8 na prova de Física Quântica. Podem dizer: eu sou foda!!!! :-P

quarta-feira, agosto 28

O Momento: como as pessoas chegam aqui por meios bizarros tá começando a ficar sem graça. Todo mundo só entra aqui procurando alguém pelado (com uma variedade enorme, que passa pela Kelly Key, Sandy, Ellen Roche, Britney Spears), pessoas fazendo sexo (gorda, magrela, menininhos, universitária) de todos os tipos (dando, chupando, comendo, no carro), fotos anatômicas (himen, parto, vagina) e putaria em geral (gente fazendo cocô, fotos ilegais, fotos de defloramento, prostitutas).
Agora, alguém poderia me dizer o que vem a ser interpretação de sonho unha vermelha?
E o que seria gosto de hortelã, música dos smurfs?
Faz algum tempo que quero assistir aquele filme Os Outros. Acompanhada, lógico, pq preciso de um braço pra me apoiar (leia-se: apertar) toda vez que levo um susto. Alguém se habilita? Eu levo o vinho suave.
Momento coisas ridículas que só acontecem comigo: Eu resolvi me meter a cantar. Todo ano a UnB promove uma serenata de Natal, e o coro é formado por voluntários que saibam cantar e pessoas como eu. Depois de fazer o teste de classificação de voz, ouvir do moço do piano que era pra eu escolher pq eu tinha uma boa extensão de voz (aê! Stellinha tem boa extensão de voz!) e ver a Talitinha ficar chateada comigo pq fiz besteira, fui para uma tranquila aula do Professor. Cheguei lá ele já tinha escrito o quadro inteiro, mas eu só joguei as coisas em cima de uma amiga que estava copiando loucamente e fui ao banheiro escovar meus dentes.

Aí, Stellinha, buscando privacidade, se mete na cabine para deficientes, onde tem um vaso e uma pia e é isolado do resto do banheiro. Lá lá lá, faz xixi, lá lá lá, escova os dentes, lá lá lá, penteia cabelo, lá lá lá, passa batom, lá lá ... ops! Porta trancada. Mais especificamente, emperrada. É isso mesmo, eu tava trancada dentro do banheiro. Tentei de tudo. Enfiei uma pinça (mulher que é mulher tem até pinça dentro da bolsa) na fechadura pra ver se dava um jeito. Nada. Pensei em arrombar, mas achei que ia fazer muito barulho e chamar muita atenção. Além disso, a porta abre pra dentro, ia ser praticamente impossível arrebentar a fechadura, Stella aqui é fraquinha. Pensei em me arrastar pelo chão e sair por debaixo da porta, já que pular por cima não tinha jeito por que não tinha onde me apoiar pra ganhar altura.

Mas antes de fazer mais esse papel ridículo, eu pensei: peguei o celular e liguei pra única pessoa que deixa o telefone ligado durante a aula do Professor: a Cowgirl. E geralmente as pessoas ligam pra ela durante a aula. E geralmente ela faz tanto escândalo pra atender que todos aqueles engenheiros esquecem da aula pra vê-la sair da sala, sob o toc-toc do salto alto. E o Professor dá uma ligeira olhada pra bunda dela. Mas enfim. Enquanto ela não chegava, eu ia imaginando a cena dos bombeiros me resgatando. Mas não foi preciso. De repente ela irrompe pelo banheiro correndo. E me faz perceber que eu só estava girando a trava pro lado errado.

terça-feira, agosto 27

Meu ex-namorado tá indo pra Londres ano que vem. Resta saber se isso é bom ou ruim. Pra mim, lógico.
Tomamos tanta Coca-Cola durante o final de semana estudando até de madrugada (acho que uns 5 litros, ao todo, pra nós três) que eu tive uma dor de barriga descomunal durante a prova, às 8h da manhã de segunda feira.
Da próxima vez acho que vamos tentar guaraná em pó.
Resumo do fim de semana.
Sábado
8:30/11:50h - Aula de Inglês, com meu professor charmoso porém gay. Falo dele qualquer dia.
13h - Almoço relâmpago.
14h - Ir pra UnB estudar. Sim, estudar. Estão com pena de mim? Espere que vem mais.
16:15h - Jogo de Futebol. Perdemos. 8 a 2. De umas brutamontes. Melhor deixar pra lá.
20h - Fomos à "quermesse" do Templo Budista. Não sei se festinha com comidas típicas pra arrecadar dinheiro pra sei lá o quê num templo budista se chama quermesse também, mas vamos lá. Comi Yakisoba, camarão empanado e aquele negocinho de legumes empanado também, que eu nunca me lembro o nome mas que é uma delícia com molho Shoyo, que eu não sei se se escreve assim. Enfim, me entupi de comida gostosa, o que me fez lembrar que assim que eu tiver dinheiro novamente (pq eu ando numa dureza do caramba) eu vou novamente naquele rodízio japonês que custa os olhos da cara. Encontrei com uns amigos do colégio por lá. Aliás, isso foi algo que muito me incomodou. Mas peraí.
Domingo
00:00h - Aí vc pensam que depois dessa maratona em pleno sábado eu voltei pra casa e descansei, né? Na-na-não. Na volta do templo, passamos no supermercado, compramos Coca-cola e amendoim e viemos aqui pra casa, Carona e Cowgirl fazer o quê, o quê, o quê? Estudar. Sim!!!!!! Num sábado à noite. Sim!!!!!!! À meia noite. E o que é pior: até 5 horas da manhã. Podem ter pena de mim agora.
Momento: confissão relâmpago: Eu ando tão sensível que chorei esse final de semana assistindo Independence Day. Ah, chorei sim, pô. Naquela parte que a mulher do presidente morre...
Ah, e por falar em música, ainda existe esperança na Terra.
Meu irmão, fã de carteirinha dos Raimundos e de um monte de lixo roquento (nada contra o rock, sério, até gosto de muita coisa do estilo, mas meu irmão escuta umas coisas...) pegou o meu cd do Pedro Mariano e se amarrou!!!!!!! Fez um monte de elogios e agora eu tenho que ir buscar o cd no quarto dele, senão não escuto mais.
Foi por isso que anunciaram que aquele meteoro ia colidir com a Terra....
Quando ele apareceu na Xuxa eu até achei que fosse pop.
Quando ele foi no Faustão eu pensei : "Pôxa, ele deve estar precisando mesmo da publicidade"
Quando ele apareceu no Criança Esperança eu achei o cúmulo.
Mas Sabadão Sertanejo é apelação, Jorge Vercilo!!!!!!!!!!!
Dia estranho.
Dia de acontecimentos estranhos.
Melhor nem comentar.
Cada uma...
Acabei de receber um e-mail cujo assunto era:
ADD THREE INCHES TO YOUR PENIS.
Diz: eu mereço??

quarta-feira, agosto 21

Gente, deixa eu avisar logo antes que me esqueça: não esperem muito de mim nas próximas 3 semanas. Tanto no que diz respeito a visitas às casas de vcs quanto à frequência de posts por aqui. Até o final do semestre eu sou um ser semi-humano. Quase não sou gente. Tô desanimada, louca pra jogar tudo pro alto, enquanto as reprovações vão se aproximando. Por isso, vou ver se enfio a cara nos livros e tomo vergonha na cara. Algum dia isso ia ter que acontecer.

E por falar em pessoas sumidas, deixe-me fazer um apelo público pra ver se ela se sensibiliza: Pelagia, dê um sinal de vida por favor. Tô preocupada com vc.
Justiça seja feita: aquela propaganda dos óculos mágicos do baú com aquele André Gonçalves com aquele cabelo de quem esqueceu de desfazer a touca depois da escova consegue ser pior que a da Pioneira da Borracha.
Computadores, computadores, é mágica!
Como diz a Fernanda: ai, Senhor, pq me fazes sofrer tanto?
Impressionante. Agradecimentos ao ilustre visitante CAISNET que esteve aqui ontem, entre meia noite e duas horas da manhã, que fez 9 page views e ficou no total mais de uma hora fuçando por aqui. Ou vc gostou muito do humilde bloguezinho aqui e resolveu lê-lo de cabo a rabo ou esqueceu a janela do navegador aberta. De qualquer maneira, obrigada, de coração. São essas coisas que... snif... recompensam a gente... snif...
Frôôô!
Eu morro de pena de cantores de bares, churrascarias e afins. Eu acho que geralmente eles são tão ignorados e criticados que se agarram a qualquer fio de carinho, por carência mesmo. Sábado fomos a um restaurante comemorar um aniversário. Aliás, deixa eu fazer a propaganda pq o restaurante é muito bom.

Trata-se de um rodízio. Mas não é só um rodízio de pizzas com um garçom correndo feito louco de um lado pro outro e jogando pedaços de pizza frios no seu prato esfomeado. É um rodízio de pizzas, massas e petiscos. E funciona assim: vc tem um cardápio com todas as coisas que participam da bagunça. Aí vc escolhe, pede, eles fazem pra vc na hora e trazem uma porção só pra sua mesa. Então tem bolinho de bacalhau (altamente recomendado), coração de galinha, filé à palito, batata frita, e um monte de outras coisas, além das pizzas (vc escolhe o sabor e eles fazem uma tamanho brotinho) e as massas, sendo que nessas vc pode escolher o recheio e o molho (e então combinar lazanha de frango ao molho quatro queijos que fica uma delícia). E então vc pode comer até morrer com R$ 9,50. Quase uma promoção do Mc Donald's!

Voltando ao cantor. De terça a sábado o lugar tem música ao vivo. O cara cantava bem, mas tava meio desanimado mandando ver no Roberto Carlos. Então resolvemos fazer uma listinha num guardanapo. Lógico que não escolhemos nada muito difícil, mas eram músicas da época da sua vó e que vc ainda escuta. (Boemia, Ronda, O bêbado e a equilibrista, Tocando em frente, Andança, até o Fio de Cabelo entrou na roda) Devia ter umas quinze músicas. E levamos pro moço cantar na maior cara de pau. O cantor leu, riu, olhou pra gente e percebeu que não tinha mesmo nada a perder. Mandou ver, escaneou nosso guardanapo, acompanhado do seu tecladista desanimado. E a cada música que ele começava e que a gente percebia que estava na nossa lista, batíamos palmas freneticamente. E ele olhava e sorria, contente.

Como éramos uma mesa com umas 20 pessoas, ficamos na área externa do restaurante. Por causa do barulho da rua, às vezes só conseguíamos identificar qual era a música quando ela já estava quase acabando. E vcs pensam que isso era empecilho? Lá ia aquela galera bater palmas bem no meio do último refrão. O cantor tava tão feliz com os novos fãs que, sem perceber muito bem, foi girando aos poucos e, quando percebemos, ele já tava de frente pra gente, quase um show particular. Ele e nós, crentes que estávamos abafando.

terça-feira, agosto 20

Momento: coisas que só acontecem com meus amigos: Domingo teve churrasco na chácara do meu orientador. Tudo organizado e pago pela gente, lógico, pq ele é paizão mas não é trouxa. Antes que vcs pensem que eu caí de amores por aquela criatura, eu explico. Eu agora tenho um orientador de verdade. Na realidade, ele foi meu professor logo no meu primeiro semestre, depois nos chamou pra fazer uns seminários, o grupo foi crescendo e hoje a gente tem uma bolsa bonitinha (ainda não remunerada, mas eu chego lá) e estamos começando a ver os frutos de um trabalho de quase dois anos. E ele sim é sério, não fica roubando projeto dos alunos, não precisa disso, como aquele outro lá. Enfim.

Estávamos lá, num lugar lindo, longe pra burro, no meio do nada, com uma vista maravilhosa, passarinhos e etc. E eu me lembrei que no aniversário dele do ano passado, num outro churrasco, estávamos sentados no mato, perto de um laguinho, quando uma amiga, meio Pinky, perguntou se ali tinha cobras. E como uma coisa puxa a outra, dali a pouco estávamos falando sobre os tais animaizinhos:
- E coral?
- Ah, tem muita coral falsa no cerrado. Mas essa tem o peito branco.
- E sucuri?
- Sucuri não é venenosa. Mas ela consegue engolir um boi inteiro.
- Ué, mas como?
O Carona resolveu sacanear:
- Bom, Pinky, o boi tá lá. Aí ela vem correndo. Mas ela já vem com a boca aberta, pra engolir ele de uma vez.
Ao que ela me olhou com um olhar misto de pânico e surpresa:
- É sério, Stella?
A gente ficou com pena de não desmentir.

segunda-feira, agosto 19

E já que me perguntaram, titia Stella responde:

P: Como colocar um elefante dentro da geladeira?
R: Abre a porta, coloca o elefante, fecha a porta.
P: E como colocar uma girafa dentro da geladeira?
R: Abre a porta, tira o elefante, coloca a girafa e fecha a porta.
Cansaço. Muito. Tanto que mal consigo manter os olhos abertos. Eu queria só poder dormir e acordar daqui a 3 semanas, quando as aulas na UnB terminam. Tô prestes a jogar a toalha. E se me encherem muito o saco eu largo tudo e vou fazer um retiro na Chapada com direito até a maconha. Tô avisando...

domingo, agosto 18

Momento: coisas que só acontecem na física: A UnB tá um saco. Pra onde a gente vira tem alguém distribuindo panfletos, santinhos, jornaizinhos e propaganda eleitoral em geral. Estávamos lá na Física estudando outro dia. Como tava calor, a gente colocou a mesa do lado de fora e ficamos lá.

Pausa: Se vc passar na frente da Física e vir uma mesa com um monte de nerds estudando, eu provavelmente sou um deles. Se só tiver meninas, eu sou a mais feia delas. Só não chegue dizendo que lê meu blog senão põe todo o meu sigilo a perder. :-)

Enfim. Passou um camarada distribuindo panfletos e adesivos de um cara que vai ser candidato a governador. Só que povo bitolado é fogo, né? Deu 5 minutos e o papel já tava todo rabiscado, contas e mais contas escritas em todos os espaços vazios, e o adesivo com o rosto do moço pregado na mesa e com bigidinhos. Dali a pouco o mesmo cara passou. É impressionante como esses caras que distribuem propaganda têm um problema seríssimo de amnésia: eles podem passar por vc duas vezes seguidas, em um espaço de tempo de 1 décimo de segundo, e lá vêm com o mesmo discurso. Igualzinho as moças que vendem cartão de crédito. Mas eu estou divagando. O que importa é que o cara passou lá de novo.

- Com licença, posso incomodar?
- Já tá incomodando, mas diga.
(na física o povo é "dilicado")
- Posso entregar pra vcs a propaganda do candidato Carlos Alberto?
- Só se tiver o verso branco.
(racionamento de papel, sabe como é...)

Bom, a gente aceitou. Uma colega nossa, a Figura, verborrágica que só ela, dispara a falar, enquanto tenta desgrudar um adesivo sob o olhar atento do panfleteiro ("moço eu gostei desse adesivo. Me dá outro? Puxa, moço, eu vou até colocar na blusa.").
- Que coisa. Carlos Alberto... Até hoje de manhã eu não sabia nem que esse cara existia. Vcs conheciam? Quanto mais saber que ele é candidato a governador. Alguém conhece essa criatura?
Quando de repente, não mais que de repente, surge um senhor de barba, nos estendendo a mão.
- Bom dia, com licença, eu sou Carlos Alberto, candidato a governador.
Todo mundo apertou a mão do homem com a maior cara de besta. E a Figura, depois de olhar alternadamente pro rosto do moço e pro adesivo de bigodinhos grudado na mesa algumas vezes, completou, com um tom de surpresa:
- Ah, é o senhor, é?
- Eu fui professor do departamento de Administração da Universidade por X anos, fui eu que criei blá blá blá.
- Então diga, moço, quais são suas propostas pra gente aqui?
- ....
- Bom, se bem que pela gente o senhor nem pode fazer nada, né? Pq é Universidade federal, área do governo federal, né?
- ...
(a esta altura o homem tava com uma cara de bobo que vcs não imaginam)
- Então quais suas propostas aí, pra Brasília?
- ...
- ...
- ...
- Bom, eu sou a favor de mandar todo esse povo que vem pra cá atrás de lote embora. Eu moro em Sobradinho, eu sei como é isso.
- É, bem, minha proposta é primeiro de tudo acabar com as invasões. Tenho um programa de mandar todo esse pessoal que vem pra Brasília atrás de lote de volta pras suas terras.
- ...
- ...
- Então tá.... Muito obrigada, hein? Tenha um bom dia.

Bom, o tal do Carlos Alberto perdeu uma excelente chance de fazer propaganda. Ainda mais considerando o tanto que a Figura fala e pra quantas pessoas ela fala. Coitado...
Meu final de semana foi um tanto gastronômico. Leia-se: passei o sábado e o domingo praticamente o dia inteiro comendo. Mas agora eu tô sem a menor vontade de contar. E provavelmente vcs também não querem saber.
Quinta feira eu fui assistir a uma peça no teatro chamada Diálogo dos Pênis. Realmente parece meio assustador, e a primeira imagem que me veio à cabeça foi realmente a de dois camaradas ridiculamente fantasiados de órgãos sexuais masculinos batendo um papo. Ok, ignorância minha. A peça nada mais é do que uma conversa na mesa de bar entre dois homens em seus 40 anos que falam de (lógico, do que mais?) mulher. E suas bundas, seios e acessórios. Boazinha.
...
Tá tá. Achei meio boba. Não sei se foi por conta da prova de Termodinâmica que eu tinha acabado de fazer ou por causa de uma nota medíocre em Física Quântica, ambas com ameaça de reprovação, mas sinceramente achei tudo meio ... hum... Zorra Total. Os atores são bons, o texto bem dinâmico, mas acho que tava meio amargurada aquele dia. Ainda tô. Enfim. Os meninos gostaram bastante, decerto pq estavam se identificando com um bocado de coisas. E se eu disser pra vcs que o Professor da história da vida real também foi com a gente e se abriu de rir? Á-há!! Só pra deixar o gostinho, tô quase chegando lá na história.

quarta-feira, agosto 14

Ora ora, quem diria, estamos chegando aos 10.000 visitantes. É ou não é pra eu ficar muito besta?!
Vcs são mesmo uns amores. Engulindo minhas neuras... :-)
Momento: coisas que só acontecem na Física: Um colega nosso namora com uma moça que faz Nutrição numa das (várias) faculdades particulares da cidade. Semana passada ele foi buscar a namorada mas ela ainda tinha uma aula. "Tudo bem, amor. Eu fico com vc na aula e aproveito pra ler umas coisinhas que eu preciso. Quando terminar nós vamos embora". Imunologia. Era a tal aula. Só que a professora falava alto demais, tinha uma voz estridente, ele não conseguiu se concentrar e resolveu prestar atenção na aula. De repente, a criatura levanta a mão e faz uma pergunta. Algo relacionado com leucócitos. Resposta da professora?
- Excelente pergunta. Vc já fez embriologia 3?
- N-Não...
- Pois é, em embriologia vc vai ver isso mais profundamente mas, de uma maneira geral....
E explicou. Mais alguns minutos ele resolve levantar a mão de novo. E novamente os leucócitos. Algo relacionado com... Ah, sei lá com o quê. A professora estava maravilhada.
- Gente, isso é questão de prova!
E explicou novamente. O resultado é que, ao final da aula, ela veio falar com o rapaz, querendo que ele desse um seminário sobre a matéria. Até ele explicar que fazia Física e ela entender foi um custo.
E o pior é que é verdade.
Pára tudo!!!!!
Ontem o time de futebol feminino da Física ganhou o seu primeiro jogo na história dos JIUnB's (Jogos Internos da UnB)!!! Pra mostrar que a gente sabe fazer outras coisas além de jogar Xadrez!!! Hihihihih
Antes de qualquer coisa, eu preciso expressar minha profunda indignação contra uma coisa que eu vi ontem. Fomos almoçar no Mc Donalds e qual não foi a minha surpresa quando eu dei de cara com o aumento abusivo dos preços. Gente, uma promoção de Mc Supréme tá custando R$ 7,40!!!!!!!!!!!! O Big Mac tá R$ 6,70!!!!! É lógico que eu virei as costas e fui comer no genérico (Giraffa's). Vai doer, mas esses ianques malditos não vão levar meu suado (e parco) dinheirinho verde amarelo. Ora bolas!!!!

PS: Grrrr!!

terça-feira, agosto 13

Sábado eu fui assistir a um espetáculo de dança contemporânea. Eu não vou tentar enganar vcs dizendo que eu entendi pq eu não entendi mesmo. Apesar disso, me diverti pra caramba Logo que vc entra no teatro os dançarinos já estão lá. Ajeitandoa roupa, esperando todo mundo entrar. Não existem bastidores. E sem que a gente perceba muito bem, as coçadas no nariz e o alongamento começam a ficar ritimados, formando uma coreografia. E aí, nos primeiros minutos vc se pergunta o que diabos eu tô fazendo aqui?. Sim, pq dança contemporânea é esquisito. Mas depois fica engraçado. Uns poemas do Arnaldo Antunes (lembrei de vc, Mac), horóscopo, coisas do cotidiano. E aí quando acaba vc pensa já??
Mas entender entender que é bom, nada!
Momento: coisas que só acontecem com meus amigos: Certa vez um tal de Bernardo disse a uma amiga minha:
- Olha, quando vc encontrar a Mariana, pede pra ela fazer uma imitação do irmão dela tocando pandeiro pq é muito engraçado.
Algum tempo depois, ela encontrou a tal Mariana. E distraidamente:
- Ah, Mariana, como é a imitação do seu irmão tocando pandeiro que todo mundo fala?
Ao que a menina levantou os olhos, séria:
- Como é que é?
- Ah, é que me falaram que sua imitação é muito engraçada, faz pra mim.
- Vc acha isso engraçado?
Ihh...
- Ué, Mariana, pq?
- Não, só me diz se vc acha isso engraçado.
A garota tava muito séria e começou a ficar brava.
- Mariana, pq?
- Quem foi que te falou uma coisa dessas? Me diz só quem te falou essa besteira!!!
A essa altura ela já tava gritando.
- Foi um amigo seu. Ele veio aqui e disse que...
- Uma pessoa que fala uma coisa dessas não pode ser minha amiga. Meu irmão não pode tocar pandeiro pq ele nasceu sem os dois braços e o maior sonho dele era tocar algum instrumento pq eu toco muitos instrumentos e ele queria muito aprender a tocar pandeiro mas ele não pode. E essa brincadeira foi muito sem graça.
E desandou a chorar. Compulsivamente. Minha amiga só sabia pedir desculpas, e já tava quase chorando junto com a guria, meio de desespero meio de remorso, quando olhou pro lado e tinha uma fileira de gente rindo. A menina quando viu o pessoal não se segurou e começou a rir também. Lógico, era mentira.
Pois é, ainda existem brincadeiras infames por aí. E bons atores também.

segunda-feira, agosto 12

Segunda feira passada eu tive meu dia de boa samaritana. Eu explico. Lembram que eu recebi um telefonema do meu ex-chefinho com uma indicação pra um emprego? Pois é. Eu liguei pro moço, marquei hora e lá fui eu. À tiracolo, meu Carona. Na verdade, ele queria carona pra outro lugar, mas acabou me atrasando e eu levei ele junto, com a promessa de deixá-lo no tal lugar depois da entrevista. Só que eu não tinha contado pra ninguém pra onde eu tava indo. Nem pra ele, que tava comigo e não desconfiou. Depois, se desse tudo certo, eu abria o bico. Estacionei na sombra, liguei o som e deixei ele lá, com a chave na ignição pra alguma emergência e meu celular, pq eu não poderia atender mesmo, pelo menos teria um secretário. E lá fui eu falar com a esposa do tal professor. Conversa vai conversa vem, ela pega uma pasta gigantesca, lotada de papéis:

- Sabe o que é isso?
- (Claro que) Não...
- São currículos. Sabe, Stella, a gente tá precisando urgentemente de alguém pra dar umas aulas de Física e Matemática pq nosso monitor recebeu uma proposta de trabalho na área dele e tá indo embora. E sabe como é, segundo semestre tem muito mais aluno, eu já tô quase ficando louca.
- Claro, claro...
- Mas vc entende que fica difícil escolher alguém assim, a esmo. O XXXX trabalha faz tempo nessa área, é um excelente profissional, e eu sei que se ele te indicou é pq vc deve ser muito boa mesmo.
Charam.
- E a gente tá dando prioridade pra indicação dele, sabe? Aliás, vc não conhece ninguém que pudesse vir trabalhar conosco também não.
Pensei no meu Carona dormindo e babando dentro do carro lá embaixo
- Olha, eu tenho um colega que é excelente, super inteligente, e ele tem uma ótima disponibilidade, acho que ele tá mais folgado que eu.
- E vc acha que ele estaria interessado?
Lembrei dele reclamando alguns dias antes da situação financeira braba que tá na casa dele. Eu já nem queria mais o emprego.
- Bom, imagino que sim.
- Vc podia me dar o telefone dele?
- Bem.. agora?
- É.
Eu dei. Ela alcançou o aparelho do lado da mesa e começou a discar:
- Alô, Carona? Oi, meu nome é Fulana, eu sou dona do Curso Bláblá e a Stella tá aqui comigo, ela te indicou pra trabalhar com a gente como professor de matemática, será que vc podia vir conversar comigo? ... É, se puder ser agora. .... Então tá, a gente tá te esperando.
5 minutos depois chega a criatura, a chave do carro na mão, dois celulares na outra: o meu e o dele.
- Stella, eu fechei o carro.
- Vcs dois estavam juntos?
Ai, ai, ai... E eu querendo fazer parecer casual. Esperei ele responder.
- Ã-hã.
- É, pois é, né, estávamos...
- Então, Carona, mas como eu estava dizendo pra Stella....
E discorreu sobre a urgência de arranjar um professor, o pagamento, os horários. Ficou maravilhada com a disponibilidade dele. Mandou ele preencher uma ficha. No campo outros telefones para recado ele virou pra mim:
- Vou colocar o seu aqui, tá?
- Vcs são namorados?!
Minha Nossa Senhora da Bicicleta Amarela, era só o que me faltava. Ele é namorado de uma amiga minha.
- Não, claro que não.
- Então eu vou colocar o da Ma.
Má é a namorada dele. Bem melhor assim.
- Pode colocar o meu também, não me incomodo.
- Então é isso, Carona. Vc começa amanhã, né? Então eu te espero aqui, 2:15. Muito obrigada, passar bem. Beijinho beijinho tchau tchau.
Bom, ela me ignorou completamente no final da conversa. Mas pra ser sincera eu fui embora mais feliz do que se tivesse conseguido o emprego pra mim. Sem demagogia. E ele saiu de lá todo saltitante. Lógico que suas primeiras palavras foram:
- Stella, explique-se.
- Bom, é uma loonga história...
A novela da vida real
No capítulo anterior, as reputações do professor e das pobres alunas indefesas estavam ameaçadas. (que reputação mesmo?)

Bom, a gente na hora ficou com a cara no chão pq, tecnicamente, só nós três e uma pequena parcela de amigos íntimos (todos interessadíssimos no desenrolar da história), além de leitores de um certo blog (quase) anônimo, sabiam do que tinha acontecido. A gente tentou arrancar maiores informações do Professor, mas como ser esquizofrênico que ele se mostra ser às vezes, ele enrolou, enrolou, e não disse nada.
- Olha, agora eu só queria saber como foi que o Paulo ficou sabendo...
- Nós também, Professor, pq não foi a gente que contou, essa história ficou só entre a gente, o que a gente ganharia espalhando isso por aí?
Eu juro que pensei no blog na hora. E entrei em pânico. Como diabos ele tinha encontrado isso aqui? Montei a maior teoria da conspiração na minha cabeça.
- Ah, mas alguém contou. (ele tinha um olhar muito desconfiado) E o pior é que ele veio falar comigo na frente de todo mundo, tinha um monte de outros alunos meus lá, e eu não quero nenhum mal entendido pro meu lado.
- Vc não devia ficar tão preocupado. Decerto foi alguém que nos viu aquele dia na lanchonete e comentou alguma coisa.
- É, mas o que me preocupa é que essa história se alastrou sem que tivesse acontecido nada, a gente só saiu pra tomar uma coca- cola. Eu imagino o que vão falar quando acontecer.
Sim, minha gente!! Futuro do subjuntivo. E pra quem não lembra, esse tempo verbal expresa ação vindoura dependente de outra ação também futura. Mais ou menos como: se vc continuar a me dar bola, quem sabe nós dois, um vinhozinho suave e talz...

- Ah, Professor, a gente tira essa história a limpo depois, pode ficar sossegado.
- É, vcs têm que ver isso logo, sabe como é, meus alunos já estão até pegando no meu pé. E por uma coisa que ainda nem aconteceu.
Siiiiim, minha gente!!! Ele disse ainda!! E duas vezes, pq eu fingi que não tinha entendido e fiz ele repetir. Ao que minha amiga prontamente respondeu, dando um passo na direção dele e passando o braço pelos seus ombros com um olhar divertido:
- Ah, Professor, então eu acho que a gente tinha que ter alguma coisa pro povo ter do que falar.
Ele mudou de cor. A gente tava no lugar mais movimentado da universidade, num horário de intervalo de aulas, muita, muita gente. E ele meio sem saber se tocava o f... ou se se afastava. Recuou. E completou:
- Eu sabia que esse negócio de aluno muito amiguinho de professor não ia dar certo. Até o final do semestre vcs são minhas alunas. Depois do dia 10 de setembro (final oficial das aulas da UnB) a conversa é outra.
Siiiiiiiiiiiiiiim! É isso mesmo que vcs estão pensando.

Depois disso, ele foi embora. E, bom, nós não tínhamos a menor condição de assistir a aula de Termodinâmica. Fomos tomar sorvete. A Cowgirl não fazia a menor idéia de como o moço tinha ficado sabendo da história. Ela não se lembrava nem da última vez que eles tinham se encontrado. Além disso, todo o desenrolar do processo ficou só entre nós. E ela tava morta de vergonha, e dizia que nunca mais ia ter coragem de ir na sala do professor tirar uma dúvida sequer com ele, pq ele tava todo preocupado com a reputação e o escambal. Mas a gente bolou um plano. E no dia seguinte, às 10 horas da manhã, lá estava eu na porta da sala do rapaz.

Cenas do próximo capítulo: Ele fala pelos cotovelos e abre o jogo.
Hahahahahahahahahahahaha
...
Desculpem. É que (hihihi) entraram aqui procurando por fotos de jogadores bonitos do flamengo. Jogador de (hihihihi) futebol bonito aqui? E no (hehehehehe) Flamengo ainda por cima? Huahuahuahuahuahuahua!!!
Perdão. É, essa pessoa podia na verdade estar procurando jogadores de vôlei. Ou de basquete. Ou de tênis de mesa. Ou...

sexta-feira, agosto 9

Existe alguma explicação plausível pra eu ter tido mais de 100 visitas só ontem? Se tiver alguma, me avisem, pq por mais que eu pense eu não consigo encontrar...

quinta-feira, agosto 8

Isto aqui está uma loucura, vcs nem imaginam.
Volto a postar assim que tiver tempo. Sorry.

PS: Fui assistir Jogo de Espiões no cinema. O filme tem de bom o Brad Pitt. E só.

segunda-feira, agosto 5

Momento como as pessoas chegam aqui por meios bizarros:

- Eu já coloquei alguma foto aqui nessa birosca? Então, meus queridos, não adianta procurar por fotos de gente pelada e/ou nua e/ou de calcinha, seja ela a Kelly Key (minha maior audiência), a Tiazinha, a Ellen Roche, a Sandy, a universitária, a puta muito bizarra, sua prima ou sua professora.
- fotos de mulheres fazendo sexo com mesas e canetas Minha pergunta é: as duas ao mesmo tempo?!!?
- guinga + estilo de roupa que gostava (ou gosta, né, pq o dentista/compositor ainda tá vivo)
- diagnóstico gonorréia, fotos de parto normal e fotos de hímen são coisas que não me apetecem. Conformem-se.
- meninos que gostam de usar calcinhas e outros. Tô dizendo que isso virou esculhambação!
- fotos de garotas de programa dando e chupando. Eu mereço.... Escutem aqui: eu sou uma moça pura e virginal, cacete!
- iberê + educação física. Algo a declarar, Iberê?
- Eu já disse que não sei como conquistar um homem. Ninguém precisa ficar me lembrando da minha incompetência. Snif...
- seios caídos. Ah, não! Isso não! Stellinha tem peitões e eles não são caídos não. Humpft!
A novela da vida real
No capítulo anterior, as alunas surpresas ainda não tinham conseguido acreditar no lado mau do professor ex-tímido.

Na segunda feira, aula do rapaz. E a gente pensando que ele não ia conseguir nem olhar na nossa cara, de vergonha, provavelmente. Engano. Estávamos arrumando as coisas pra sair depois da aula e ele pára na escada:
- É, agora estão com o professor na mão, né?
- Ih, vc nem imagina, a gente já começou a espalhar como vc se comporta fora da sala de aula.
- E a festa junina, Professor?
Ele ficou vermelho. Tinha um bocado de gente na sala ainda.
- Não sei, não sei. Vou pensar.
Hum... se fazendo de difícil?

Na terça, ele não disse nem bom dia. Na quinta-feira, terminada a aula, a gente foi tirar uma dúvida:
- Professor, deixa a gente te perguntar uma coisa?
- Claro, contando que não seja nada sobre festa junina...
(surpresa!)
- Não, é matemática mesmo.
- Ah, bom.
E virou pra Cowgirl:
- Você conhece o Paulo?
- Paulo?
- É, da Redes.
- Ah, conheço um sim. Pq?
- Bom, pq ele veio me perguntar se eu tava tendo alguma coisa com vc, e eu fiquei surpreso, pq ele disse que a gente tava saindo, e isso só aconteceu uma vez e foi por acaso (ahã...) e eu não quero problemas pro meu lado pq eu sou seu professor.
E o coro:
- Como é que é?!?!?!

Cenas do próximo capítulo: Vixe, essa fofocaiada do Paulo deu foi pano pra manga.

domingo, agosto 4

Ninguém me deu a menor bola (exceto o Mac, mas o Mac é legal mesmo), mas eu vou terminar minha história mesmo assim. Onde eu estava mesmo?? Ah, no convite:

Cenário: Stella com o celular numa mão e o batom na outra, calçando o sapato. Sexta- feira, 8 horas da noite

- E vcs vão fazer o quê depois?
- Bom, ainda não sei. Pq, alguma sugestão?
- Bom, eu vou estar jogando video-game, se vcs quiserem...
(ah, que romântico!)
- ...
- Alô?
- Tá, eu vou falar com a Talitinha, se ela topar a gente vai.
(eu até gosto de video-game...)
- Ok, então anota o endereço.
- Como é o nome da loja?
(ora, pensei que fosse numa loja de jogos em rede. Tá na moda mesmo)
- Não, não é loja não.
(como assim?)
- É que eu comprei um video-game novo.
- ...
(como assim?!)
- Ah, então é na sua casa?
- Não, é na casa de um amigo meu, aqui na quadra, eu vou estar lá jogando, aí vcs dão um pulo lá depois do teatro. Anota o endereço.
Anotei. Endereço e telefone.
- Aí vc me liga quando vcs saírem pra avisar se vêm ou não, se tiver problemas com o endereço "onde é que fica mesmo?" e tal.
- Ok. Mas vem cá, não tem problema vc ficar convidando os outros pra irem pra casa dos seus amigos não?
- Não, ele é meu amigo.
"... e o video game é meu", eu achei que ele fosse completar.
- Ok, então tchauzinho.
- Tchau, beijo.

Agora digam: não é lindo? Fala a verdade se não é um convite ir-re-cu-sá-vel pra qualquer mulher. Principalmente aquelas que (como eu) estão loucas pra jogar Metal Gear 2. :-)
Dois dias depois eu tentei retribuir a gentileza com um convite pra tomar um sorvete. Que foi categoricamente recusado, lógico.
Céus, como o Garotinho é insuportável!!!
Vcs não calculam o tanto que me emputece ver um maluco desses usar a fachada de evangélico pra se passar por homem de Deus e santo irrepreensível. O que me tranquiliza é que Deus é justo. E eu acho sinceramente que seria recomendável que o sr. candidato Garotinho se lembrasse disso antes de tocar no nome d'Ele.
Hoje é domingo (pede cachimbo) e cá estou eu, assistindo o campeonato sul americano de nado sincronizado e tomando sorvete de chocolate. O que mais eu quero da vida?
Eu sou muito foda mesmo. :-)
Estou brincando, meus leitores é que são umas graças!!! Obrigada, Vander. ;-)

legal seu blog. A primeira vez q consegui ler um blog por mais de 1 minuto (acho q fiquei mais de 1 hora lendo). Vc consegue escrever de uma fomra interessante, que prende a atençao, sem apelação. Gostei.

-Vander

quinta-feira, agosto 1

Vê se não é pra deixar qualquer um feliz. Ou qualquer uma. Estava eu voltando da Unb dirigindo meu carro feliz às 10 horas da noite e toca meu celular. E quem era, quem, quem? Meu ex-chefe-bonitão!!!! Eu fiquei tão surpresa ao invés de dizer "Puxa, chefinho, tô dirigindo, te ligo daqui a 5 minutos" eu disse "Meu chefinho mais bonitinho, que saudades!!!", ao que ele respondeu "Vc também é minha puxa-sacos favorita!" É, o negócio é esculhambado assim mesmo. Agora sabem pra quê ele me ligou, pra quê, pra quê?

- Stella, é que um professor amigo meu, acho que vc conhece, deve ter dado aula pra vc, tá abrindo um negócio dele e ele me pediu pra que indicasse alguém que fosse realmente bom em física pra dar aula lá. E a primeira pessoa em quem eu pensei foi vc.
(quase bati o carro essa hora. Ok, me condenem, eu não devia dirigir e falar ao celular ao mesmo tempo)
- Puxa, Chefe, fiquei até sem graça agora.
- Quê isso, eu sei que vc tem muito potencial, é esforçada, vc fez por merecer. (quando que não me lembro?) Eu fiz questão de nem saber muito mais sobre o quê exatamente ele está procurando pra que vc mesma possa negociar com ele. Estabelece sua hora-aula, seus horários, eu vou te dar o telefone dele e vc liga e combina tudo, ok? Eu tô só fazendo uma ponte. E eu espero um dia poder voltar a trabalhar com vc.

Depois ele me contou o que anda fazendo, onde está trabalhando, sobre seu retiro na Chapada, a volta ao Mestrado e outras coisinhas pessoais. E, céus, como eu vou ficar metida depois dessa indicação!!!!!!!!

PS: Semana punk, muito punk. Não esperem muito de mim. Desculpem o sumiço.
Um carro de som sem noção fica dando voltas pela cidade tocando a todo vapor: quinze quinze um é Gim. Sim, a música é só isso. E eu tenho a impressão de que nem sei quem é gim.
Ah, eu adoro eleições!!!
Momento idiossincrasias: Eu assisto Joana, a virgem, gosto de Fanta Uva e água com gás. Ah, relevem, eu faço Física.