domingo, dezembro 14

Gente, eu tô bem, sério.
Só completamente sem tempo. Quando as férias chegarem eu volto, ok?
Não desistam de mim.

quinta-feira, dezembro 4

Socorro!
Alguém me dê um coração
Que este já não bate nem apanha.
Por favor,
Uma emoção pequena
Qualquer coisa...
Qualquer coisa que se sinta
Tem tantos sentimentos, deve ter algum que sirva!

Socorro - Arnaldo Antunes

quarta-feira, novembro 12

Ah, e a quem interessar possa, o blog fez aniversário de novo. Dois anos.
Aê. Aê.

terça-feira, novembro 11

Ok, vamos lá. Eu sumo e quando apareço é só pra contar desgraça. Acho que ninguém mais nem vem aqui, e eu não condeno. De agruras já nos bastam as nossas próprias, eu sei. Mas considerando que ando escrevendo por aqui pra mim mesma, e que blog é (repito) mais barato que terapia...

Eu já disse que não sou muito de chorar, né? Esqueçam. Nos últimos meses tenho me mostrado ser uma ótima chorona. Foi uma avalanche de emoções. Me senti de um tudo: triste, frustrada, desprezada. Me culpei um bocado. Depois passou. Algumas conversas esclareceram um bocado de coisas, tiraram algumas minhocas da minha cabeça, substituindo por outros anelídeos semelhantes. Nada grave.

Passado isso, meu choro agora é mais sortido. Um misto de tristeza e raiva e preocupação um bocado de angústia. Eu quero ajudar mas não sei como. Sabe quando tem pessoas na sua vida que vc ama demais? E sabe quando essas pessoas não estão nada bem? E sabe quando vc não consegue dormir e chora, de preocupação e impotência e angústia? E eu morro de raiva de mim mesma. Pq a cena que me restou foi esta patética de uma criatura chorando em frente a um monitor de computador. Eu queria abraçar, e dizer que vai passar, e dizer que vou estar aqui, e mostrar que me preocupo, mas às vezes nem isso consigo e eu me sinto uma droga de amiga inútil. Eu não acho as palavras certas, eu não sei o que dizer, meu abraço não conforta. Eu não sei o que fazer, pombas!!!

Vou lançar uma campanha um tanto egoísta: Amigos da Stella, ajudem a fazer a Stellinha feliz de novo: fiquem bem, pq ela não tá aguentando mais tanta tristeza junta!!!
Depois de um tempo meio amargo, entrei na aula quarta feira da semana passada. Pra variar atrasada, mal me sentei e lá veio o professor:
- Tava em lua-de-mel, Stella?
- ??? (acompanha cara de interrogação da stella)
- ...
- Quem me dera, professor...
- É que tava com uma cara ruim de uns tempos pra cá, agora parece que a cara melhorou.

Tô merecendo..

terça-feira, novembro 4

O clima anda pesado. As coisas estavam estranhas, agora estão pseudo-serenas, num silêncio que, sinceramente, me assusta. Me obrigaram a revirar um monte de coisas e sentimentos que eu já tava quase esquecendo. Chorei sozinha, engoli um monte de desaforos que estavam na ponta da língua. Pessoas disseram coisas duras, doídas de dizer, mais ainda de escutar. Tem mais gente cruel no mundo do que se imagina.

E eu tô só esperando tirar alguma coisa de boa disso tudo.

quinta-feira, outubro 30

A quem interessar possa: gente, eu tô viva! Estudando muito, mas viva. E, acreditem, até bem. Vê-se luz no fim do túnel...

quinta-feira, outubro 16

Sabe de uma coisa? Felizes são os que dão aquilo que recebem. Pelo menos não correm o risco de dar demais e receber de menos. E estou amarga hoje.
Cowgirl, que decidiu de verdade se inscrever no Big Brother, tava conversando com a gente sobre o básico questionário de 19 páginas em que eles perguntam até o número de calcinhas que vc tem:
Ela: Pergunta nº X: Vc já esteve em uma praia de nudismo? Fale sobre esta experiência.
- Claro que vc vai responder que sim, né?
- É, e ainda dizer que foi super natural pra vc.
Ela: Ai, gente, será que precisa mesmo?
- Lógico, diz que foi ótimo.
- Estar como veio ao mundo...
Ela: Tá bom, tá bom. Próxima: Diga algo que gostaria de realizar no momento.
- Fácil essa: visitar novamente a praia de nudismo.
Ela: Gente!!
- Vai, próxima.
Ela: (*suspiro*)Vc acredita que o BBB poderia lhe ajudar a realizar algum sonho? Qual?
- Moleza.
- Praia de nud...
Ela: Ah, vão se catar, vcs!

*Com a devida licença poética, lógico!
Num dos meus momentos-fossa recentes recebi um telefonema que acho que nem foi lá muito bem recepcionado pq eu estava fazendo 3 coisas diferentes ao mesmo tempo, embora tenha me deixado bastante contente. O indivíduo em questão disse que, pra melhorar meu astral ele ia ler uma passagem de algum livro estilo "gotas de sabedoria" ou "otimismo todo dia" ou sei lá o quê. Mas pra dar certo eu deveria mentalizar em mim mesma enquanto ele abria o livro em uma página aleatória. Eu tive que pedir um tempinho pra anotar e postar isso:

O triunfo vem chegando,
Boa sorte num tesouro

(Ele: Joga na mega-sena!)
Amor, saúde, viagem,
Pode ir te alegrando!


Bom, ou o nome do livro é "Como sair da fossa em gotas de sabedoria" ou isso foi uma tremenda coincidência. Mas eu ainda tô esperando o tesouro, o amor, a saúde e a viagem...
Meu professor de Espanhol agora tem umas coisas de querer explicar a verdadeira filosofia pra gente, no caso, a TFCA (Teoria Física para a Conquista da Autoconsciência). E toda essa discussão começou somente pq ele disse que a radiação estava afetando a memória dele. Bom, eu achei melhor não discordar. E o link fala por si só. Depois Físico é que é maluco.
Eu que sou exigente demais ou um "Eu sei" não é exatamente o que se espera escutar depois de um "Eu te amo muito"?

segunda-feira, outubro 13

E Brasília inteira ficou sabendo que teve show dos Paralamas, de graça, na esplanada no domingo. E metade de Brasília foi pro show. A outra metade deve ter morrido afogada no temporal repentino. E eu preciso dizer que tá começando a ficar chato esse negócio de o tempo virar tão subitamente nessa cidade. Eu queria poder fazer como o povo de Belém, que marca compromisso pra depois da chuva da tarde. Se brasiliense resolver fazer algo semelhante corre o risco de nunca mais sair de casa. Mas isso é outro assunto.

Enfim consegui arrastar meu irmão pra assistir alguma coisa que (na minha opinião, claro) presta. Chegamos atrasados, obviamente, pq nunca vi eu conseguir chegar em algum lugar pontualmente. Depois de um pequeno PITI dos encaronados, que mesmo com tudo combinado pra que o grupo fosse todo junto por questão de segurança resolveram dar chilique dizendo que já estavam indo e encontravam comigo lá. Eu, que já tava mesmo meio sem paciência, soltei de cara um "Eu já tô indo. Ou me esperam ou não vou mais" no telefone que disse tudo. Deveriam me agradecer: chegamos depois da última chuva da noite. Éramos das poucas pessoas secas daquele gramado. Bastante gente, mas bem menos do que eu imaginava.


Paralamas ainda consegue ser legal: o Herbert Vianna continua cantando mal pra caramba, mas definitivamente eu ainda gosto da banda. Não entendo lhufas de música e acho que eles tocam bem, vivo me impressionando com algumas coisas que o Barone faz na bateria. Além de tudo, o show contou com algumas participações especiais que na minha opinião fazem a diferença. O Nando Reis, por exemplo, foi a animação da noite. Doidinho da silva, pulava feito um maluco de um lado pro outro, sem parar, numa empolgação sem fim de origem duvidosa. O tal do Andreas Kisser, guitarrista do Sepultura, também deu uma canja, com direito a duelitcho de guitarras entre ele, Herbert e Dado tudibom Villa-Lobos. Aliás, o que são os olhos daquele moço, minha gente?? Dancei feito uma louca, cantei todas as músicas, me diverti à beça.

Mas definitivamente o ponto alto da noite foi o momento em que Digão, moço-raimundos, surgiu no palco e, devidamente anunciado, resolveu tocar Eu quero é ver o ocooooo!!! e, quando me dei conta, tinha uma horda de caras com o dobro da minha altura pulando à minha volta, meu irmão inclusive. Atitude da Stellinha diante dessa situação aterradora? Gritar, chorar, sair correndo? Não, meus senhores: Stella fez foi amarrar o casaco mais forte na cintura, segurar a bolsa e.. pular junto!! Até gritar o refrão eu gritei. Soltei meu lado pauleira há tanto reprimido. E foi divertido pra caramba, preciso dizer.

domingo, outubro 12

Deve ser complô: já faz alguns anos que todas as vezes que eu me aventurei a ler meu horóscopo ele diz que eu estou prestes a encontrar um novo amor. Ele pode começar dizendo que tenho que reorganizar minha vida, que é um bom momento no trabalho ou que eu devo preservar as relações familiares. Mas no final sempre tem o adendo: fique de olho, um novo amor vai pintar.

Pergunta se pintou alguma coisa?

sábado, outubro 11

E Ana me mandou um e-mail com a tal foto do Brad Pitt pelado. Como eu não acredito que alguém seja descuidado o suficiente pra andar pelado daquele jeito pela casa, tenho o palpite de que é montagem. Mas enfim, se alguém se interessar é só entrar em contato.
Momento confissão relâmpago - música: Eu gosto do Fábio Junior. Não chego a achar ele bonito, mas eu vira e mexe me pego cantarolando Só você. Reputação, onde está você???

sexta-feira, outubro 10

Ok, vamos combinar que o Manoel Carlos pirou na batatinha quando inventou essa história de matar o Fred. A Heloísa, por exemplo, passou a novela inteira aporrinhando com aqueles ataques histéricos insuportáveis e, bem, teve acidente de carro, tomou pílula, tentou se jogar da janela, se jogou no mar e taí, viva. A Dóris aprontou, maltratou velhinho, bateu o carro da amiga e além de nojenta tá com um tom de cor no cabelo que não caiu bem mas taí, viva. Pra quê matar o pobre do Fred, que não fazia mal a ninguém? Só pq ele era meio feiosinho?

Além do que a coitada da Raquel foi criada pra ser Madalena na vida: não bastasse ter passado a novela inteira tomando raquetada, agora vai viver o resto da vida com a culpa de ter causado a morte do pobre do Fred.

A Cowgirl disse que o carro não precisava ter caído nas pedras: poderia ter caído no mar. Como o Fred enquanto não tava andando de bicicleta tava nadando, ele poderia muito bem escapar. Depois denunciava a Dóris, que se ferrava no final como todo vilão de novela tem que se ferrar, e ainda ficava com a Raquel que, tudo bem, tava com um corte de cabelo horrendo mas até que merecia ter happy end.

Manoel Carlos não sabe é de nada!!

quinta-feira, outubro 9

Eu tenho sono. Muito sono. Vou hibernar ali e já volto.

segunda-feira, setembro 29

Momento idiossincrazias idiossincraSias: Eu sou do tipo de pessoa que, se eu posso fazer alguma coisa amanhã, pra que diabos vou me meter a fazê-la hoje?

quarta-feira, setembro 24

E o Brad Pitt, além de tudo, cozinha. Agora, meninas, me digam: precisava?

segunda-feira, setembro 22

A casca vai bem, obrigada. Por dentro tá mais ou menos, mas ninguém precisa saber disso. Sou só sorrisos. E vai continuar sendo assim.
Blog é mais barato que terapia, e eu tenho pensado seriamente se não estou precisando de algumas sessões. Alguns dias de sono me fariam um bem danado. E vamos mudar de assunto que esse blog tá deprê demais pro meu gosto.

De qualquer maneira, obrigada por perguntarem. De verdade.

quarta-feira, setembro 17

Ok, pode não ter mais a menor graça, já que o e-mail tá mais rodado que o Dr. César de Mulheres Apaixonadas. Mas...

Momento: coisas bestas que a gente recebe por e-mail:

De aorcdo com uma pqsieusa de uma uinrvesriddae ignlsea, não ipomtra em qaul odrem as lrteas de uma plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia lrteas etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser uma ttaol bçguana que vcoê pdoe anida ler sem pobrlmea. Itso é poqrue nós não lmeos cdaa lrtea isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo.
E aqui não acontece nada.
Vida sem graça.

Ok, pra não dizer que não acontece nada, fiquei doente, passei um dia de cama, tô completamente rouca. E eu rouca não sou nada sexy. Com a voz normal também não. Nway..
Escutei o dia inteiro a pergunta "O quê aconteceu com a sua voz?", mas não tô reclamando não. Pelo menos conversam comigo.
Carente não, né?

domingo, setembro 14

Comment achado perdido em um post que nem eu sei onde tá. Copiado na íntegra, exceto pelo número de telefone pq fiquei com pena de divulgar. E ele nem deixou e-mail. Freud explica?

oi stela tudo bom. Eu quero escutar sua voz meliga para que seja posivel 9XXXXXXX...... eu acho que vc esta emganada não sou a ju.Mas quero te conhecer pq pelo lque vc me falou eu estou perdendo.Á minha mãe tambem e minera e pelo jeito vc ja sabe como que e a comida, meu pai e goiano e eu sou brasiliense. vamos faser um siguinte eu te convido pr almoçar na minha casa e depois vc me convida pr ir na sua e asim nos conhecemos melhor............ tchal beijos

segunda-feira, setembro 8

Eu sou uma inútil irresponsável. O pior é que a essa altura do campeonato eu sinceramente não ligo.

domingo, setembro 7

Quarta feira. Eu, deitada na minha cama, debaixo das cobertas, sem sono, assistindo Flamengo 0 X 2 Santos. Meu irmão entra no quarto. Olha pra televisão, olha pra minha cara, olha pra televisão de novo.
- Vc tá vendo futebol?
- Tô.
- ...
- ...
- Você tá vendo futebol????
- É, ué, pq?
(ele olha incrédulo pra tv)
- E jogo do Flamengo ainda por cima???
- É que na Globo tá passando jogo do Vasco e Vasco eu não agüento.
- ...
- Quié?
(ele encosta na parede. Acho que pra não cair)
- Fala pra mim, quem é o cara que vc tá querendo impressionar fingindo que gosta de futebol?
- Ué, mas eu gosto de futebol.
(e como se eu fosse impressionar alguém assistindo logo jogo do Flamengo...)
- Fala a verdade, Stella, ele é flamenguista?
- Menino, não me enche o saco!
- ...
- ...
- Tá passando Vasco e São Paulo no outro canal, né?
- É.
- ...
- Só que tem uma coisa que eu não entendo...
(ele já se animou. provavelmente pensando que eu ia perguntar o pq daquele cara de preto no meio do campo)
- Ah, é? O quê?
- O Vasco não jogou e ganhou do São Paulo nesse domingo passado? É turno e returno ou é outro campeonato?
- ...
- ...
- Tchau, Stella, vou dormir. Isso só pode ser pesadelo.
Falem o que quiserem, mas que a minha cidade é danada de bonita, ah, é sim.



Mais fotos legais aqui. E eu não tô puxando o saco.

sexta-feira, setembro 5

Tô órfã de comentários. O Yaccs tá em estado vegetativo por tempo indeterminado. Todo dia eu entro na página e sempre tem uma atualização da desculpa do cara e um prazo diferente pra resolução do problema. O rs comments// funcionou durante 2 (dois!!) dias, o que consiste em meu recorde em perder um sistema de comentários. Portanto, se alguém souber de um servidor de comentários que funcione e ainda aceite cadrastos, por favor, façam-me saber.

quarta-feira, setembro 3

Faço minhas tais palavras de ser tão sábio:

Sou uma bobona confessa daquelas que tem esperanças em coisas que não deveria ter. Daquelas que acampa ao lado do telefone esperando uma ligação dizendo: "Oi, você tá legal? Sua voz tá diferente...aconteceu alguma coisa?", ou fica o tempo todo verificando a caixa postal para ver se tem um recado dizendo "Oi, me liga quando sair da net, quero conversar com você...beijos..."

Acho que eu devia quebrar o telefone.


Tecnologia é uma merda. Há alguns anos a gente sempre poderia dizer que o problema é que o navio que trazia uma carta pra vc bateu em algum iceberg por aí. Maldita hora em que inventaram o telefone, os e-mails e as mensagens de texto pelo celular que não chegam nunca..
É karma: os comentários novos mal chegaram e já deram problema por aqui. Ô saco.
Rabiscado ontem, lá pela meia-noite, quando o Blogger se recusou a publicar

Eu não sei dar o que recebo. Sério, não sei mesmo. Pode parecer muito mais fácil retribuir um sorriso do que distribuí-los. Eu particularmente não acho. Não sei retribuir. Sei dar o que tá dentro de mim. Complicado? Acompanhem meu raciocínio: se eu tô feliz, mando felicidade como o Silvio Santos joga aviõezinhos de 100 reais no Topa Tudo por Dinheiro. Sou toda sorrisos, bons dias e carinho. Isso acontece na maior parte do tempo. Pouquíssimas coisas abalam meu estado de espírito. Porém...

Porém, se eu tô triste nem vem que não tem. Não posso te dar nada além do que a boa educação ordena: cumprimentos habituais (bom dia, boa noite, por favor, com licença) e meios-sorrisos amarelados. Não consigo fazer festa quando vc chega, quase não rio das suas piadas, mal mostro os dentes. Eu sou uma ingrata: não sei dar o que recebo. Agora, sem querer me justificar mas já me justificando, o lance é que acho essa história de escambo de afeto e sentimentos muito esquisita. Parece troca em mercado colonial: "certo, vc me dá dois sorrisos e leva em troca um bom dia afetuoso e, de brinde, 5 minutos de preocupação de minha parte com a sua gastrite". Não soa nada sincero, né? Pois é...

Embora precise algumas vezes, não gosto de mostrar que gosto se não gosto, de parecer que me preocupo se não me preocupo, de dar a impressão de que amo se não amo. Amor com amor se paga? Não sei. Claro, muito mais fácil gostar de quem te trata bem. Mas amor e amizade não vêm pra pagar favor. É maior do que isso. Não tem porquê. Vc não trata bem um amigo pq ele te tratou bem primeiro. Isso constitui regras de aproximação e pára por aí. Vc o ama simplesmente pq ele é seu amigo, e isso basta, ora bolas!! E é justamente quando ele não te dá sorriso nenhum que ele mais precisa do seu. Às favas com o toma-lá-dá-cá.

Ouvi a repreensão de um certo amigo (que me ama) que em determinado momento de um tal problema eu me calei. E até concordo que provavelmente não foi a melhor decisão que eu poderia ter tomado. Mas eu tava tentando ser sincera. Errei querendo acertar. E lá vou eu justificando o leite derramado novamente. O fato é que não dava pra ficar distribuindo sorrisos e afagos e carinhos se eu só queria chorar. Sentar e chorar. Chorar até secar. O mais sensato talvez tivesse sido sorrir e distribuir abraços pouco sinceros de "nunca estive tão bem em toda a minha existência e a vida é uma festa só"! Ou pedir desculpas pra preencher o orgulho ferido de alguém. Apesar de achar que o orgulho (ainda não ferido) deve ser o meu próprio, que não consegue ver grande problema onde certamente há um.

E podem dizer: eu ando muito, muito piegas! E chata. Mas é que blog é bem mais barato que terapia.

terça-feira, setembro 2

É, se alguém tava fazendo planos pra 2014, é melhor começar a rever seus conceitos. Afinal, uma chance em 909 mil é pouco, mas se há uma chance...
É, tô pessimista hoje.
E eu fui ao show do Kid Abelha sábado. Cheguei de viagem às 9, dormi até as 16, saí de casa às 20. O 2º grau de toda Brasília estava naquele show. Mas serviu pra me distrair. Paula Toller é, sim, extremamente simpática em cima de um palco. Ao contrário de tudo o que dizem sobre ela fora dele. Fez um bis gigantesco e me ganhou quando, terminado o show, fez um tipo de quem não queria mesmo ir embora. Na falta do que cantar, sentou no chão, fez o Israel improvisar um violão e cantou Alice. Ok, aquilo poderia perfeitamente ser combinado pra gerar empatia. Mas e daí? Essa é uma das minhas músicas favoritas, não tá no Acústico, é velha pra caramba e eu nem sabia que eles ainda cantavam.
Eu tava viajando. Fui a BH pra XII Escola de Inverno de Pós-Graduação a UFMG. Tudo pago. Claro, depois de uma análise de currículo e alguns probleminhas com relação à minha inscrição. Alojamento no albergue com um monte de físicos. Passeios de quilômetros pelo centro da cidade (conhecem o "pertinho" de mineiro?), ladeira, mta ladeira. Gente legal à beça, do Brasil inteiro, apesar de aparentemente a maioria delas não ter gostado muito de mim. Palestras pouco interessantes. Periélio de Marte com chuva (depois de 3 meses de estiagem em BH) e cerração de 3 a 4 metros na região do observatório. Cruzeiro 1 X 1 São Caetano num Mineirão vazio mas nada apático, comigo torcendo pro São Caetano sem atentar pro perigo de levar porrada.

E a sensação permanente de que de alguma maneira eu tava sobrando. Definitivamente, deveria ter ficado em casa.
Rascunhado no verso de um extrato do banco, no trabalho, hoje, 16:05h, dia péssimo

Eu odeio chorar. Peraí, deixa eu reformular pra esse blog não parecer tão paradoxal. Eu choro mesmo durante a novela, choro em romances água-com-açúcar, eu choro até em comercial de margarina. Choro quando vejo os outros chorando. Choro com a dor dos outros. Duro mesmo é chorar pelas minhas próprias tristezas. Esse choro eu não suporto. Não adianta dizer que chorar faz bem, que libera, que lava a alma e o diabo a quatro. Me acho ridícula por não conseguir expressar meus sentimentos ou extravazar minhas emoções de uma maneira mais eficiente que simplesmente soltar água pelos olhos. Não gosto e pronto.

O que não significa que eu não chore. Só que isso acontece raríssimas vezes. Verdade, pode-se contar nos dedos quantas vezes cada um dos meus amigos já me viu em lágrimas. Tirando TPM, lógico, eu só choro por motivos altamente nobres. Claro, tô falando de choro de tristeza. Aquele que a gente não consegue segurar. Aquele que vc entra no carro, coloca os óculos escuros pra fingir que tá tudo bem e desmonta. Que vc encosta a cabeça no travesseiro e soluça até pegar no sono. É, aquele de derreter. Esses são raros. E geralmente muito bem escondidos. Apesar de nem sempre eu conseguir disfarçar a tristeza ou os olhos inchados. É, pq se é pra se esvair em lágrimas que seja em alto estilo, com direito a nariz vermelho e olhos inchados. E eu tô divagando.

Se a importância da causa do choro é média/alta eu choro no chuveiro. Rápido, indolor, imperceptível. Afinal de contas ninguém precisa ficar sabendo. Já causas classe alta/alta dão um choro incontrolável. Não dá pra falar sem sair com aquela voz tremida, tipo a da mulher que faz a propaganda da iogurteira Top-Therm no Note e Anote. O jeito é me concentrar em outras coisas. O período de um satélite a 380 milhas da superfície da Terra pode ajudar. É claro, se o professor não resolver puxar assunto justamente com vc, o que pode vir a te desconcentrar completamente da mecânica celeste e quase (quase!!!) cair em prantos no meio da aula. O que, obviamente, não vai acontecer pq sou uma menina forte. Antes disso eu peço licença pra beber água.

Vai dizer se o gatilho pra um bom chororô não é exatamente a típica pergunta "Vc tá triste?"? Pergunta que, claro, não é repreensível em absoluto. Muito pelo contrário. Acho que o cérebro deve interpretar uma pergunta simples como essa como algo do tipo

"Ok, vc não está legal, e alguém com um mínimo de sensibilidade percebeu. Eu, seu cérebro, não vou te dar outra escolha a não ser explicitar sua fraqueza e tristeza bem aqui, pq se essa pessoa se deu ao trabalho de te perguntar como se sente ela se preocupa pelo menos um pouco com vc. E é com esse tipo de pessoa que vc tem que se abrir. Na pior das hipóteses é só alguma espécie de curiosidade mórbida, mas nesse caso todos nós sabemos que o fim de tal pessoa só pode ser ardendo no mármore do inferno."

No fundo mesmo, provavelmente o que vc mais precisa não são conselhos. Nem palavras bonitas. Só de alguém que diga que vai passar. Que pode demorar, mas vai passar. E que diga isso sinceramente. Que te abrace. Pra que aquelas porcarias de lágrimas escorram logo e vc se sinta um pouquinho melhor. Provavelmente não pq a droga da água salgada lavou sua alma ou coisa semelhante. Mas pq alguém se importou, e isso algumas vezes serve de conforto.

Vai ser difícil me ver chorando. Eu choro enquanto escrevo um blog. A tela me proteje do inchaço e do ridículo. Me proteje também do risco de ninguém se importar. O que afinal só me faria chorar mais.

E isso tá ficando um papo sentimental e melancólico demais.

segunda-feira, setembro 1

E juntanto a fome à vontade de comer, aproveitando que o yaccs saiu do ar mesmo (tava demorando...), finalmente encontrei de onde vêm os comentários legais. E olha eles aí! Tudo bem, vcs até podem não achá-los tããão legais assim, mas pô, eu achei um barato.
Eu só tô precisando de um abraço e de alguém que enxugue minhas lágrimas.
Fala sério se é pedir demais?

domingo, agosto 31

Beijo Eterno
Olavo Bilac

Quero um beijo sem fim,
Que dure a vida inteira e aplaque meu desejo!
Ferve-me o sangue. Acalma-o com teu beijo.
Beija-me assim!
O ouvido fecha ao rumor
Do mundo, e beija-me, querido!
Vive só para mim, só para a minha vida,
Só para meu amor!
Lágrimas e chuva molham o vidro da janela,
mas ninguém me vê.
O mundo é muito injusto
e eu dou plantão dos meus problemas
q eu quero esquecer...

Lágrimas e chuva - Leoni / Bruno Fortunato / George Israel
Se sentir deslocada e ignorada é uma merda!
Vc sabe que estou viveeendo
num mundo ma-te-ria-lis-ta
Souma garota materialista!
Gizele, tosqueira total!!!

segunda-feira, agosto 18

Eu não tô querendo bancar a advogada do diabo não, mesmo pq nem consciência política eu tenho mesmo. Mas...

"Se um cortador de cana tem que trabalhar até 60 anos para se aposentar, por que um professor universitário se aposenta com 53?"

A pouca escolaridade do presidente não lhe permite saber que o trabalho mental de preparar uma, duas ou três aulas, por dia, desgasta mais do que o esforço físico de dois meses cortando cana.

Percival Puggina

Ah, tá. Desculpa, toda a minha escolaridade também não permitiu que eu soubesse disso. Que coisa, né?

domingo, agosto 17

Tarde de domingo foi feita pra ser inútil. Ou pra fazer relatório de PIBIC. No meu caso, assistir Domingo Legal.
Gugu - Flávio e Gustavo, vcs são gêmeos univitelinos?
Flávio (ou Gustavo, sei lá) - Não, somos bivitelinos.
Mas como, Mr. M???
Ontem eu saí pra dançar como não fazia há anos. Meus pés serão extremidades inúteis do meu corpo por pelo menos uns 10 dias.

quinta-feira, agosto 14

Cheguei há pouco da festinha de formatura do francês. É, eu finalmente me formei. Só agora eu percebi como passou tanto tempo tão rápido. Foram 7 anos, e nem parece. Fui oradora da turma. Na verdade, eu só tive que segurar o rojão, pq ninguém queria nem saber de falar em público. E meu discurso foi escrito exatos 10 minutos antes de subir no palco. O pior é que nem ficou tão ruim. Pelo menos eu acho.

Eu sou mesmo uma pessoa irresponsável que deixa tudo pra última hora.

A professora levou uma garrafa de champagne que sobrou de um jantar à lá française que fizemos pelo meio do semestre. Mas não era uma garrafa qualquer, era um tal de Veuve Clicquot, que, até onde eu entendi do alto da minha ignorância alcoólica, é um dos mais famosos champagnes franceses. Confesso que realmente é uma delícia, tão leve que nem se sente. Talvez o preço de R$ 165,00 a garrafa tenha tornado o troço mais gostoso... Esse sim, é bem pesadinho..

Eu fui assistir Casablanca no cinema e nem tenho mais de 60 anos. Vi por acaso que o Cine Brasília (com aquela telona maravilhosa) está reprisando filmes esse mês, peguei meus R$ 3,00 e me mandei pro cinema. E eu preciso dizer, o filme tem todo o mérito para ser um clássico. É sensível, é engraçado, é envolvente e até surpreendente. Eu sei que parece esquisito, mas apesar de ser de 1942 e de ser tão famoso, eu nunca soube muito bem do que se tratava. É um filme atemporal, uma história de amor. E diga-se de passagem, As time goes by é uma música linda, e eu sou muito de gostar de filme por conta de trilha sonora.
Eu sou uma pessoa invejosa, não sei se já perceberam. Além de invejosa eu também sou pidona. Então lá vai.
Eu tenho um histórico de problemas com sistemas de comentários. Estranho é o YACCS estar durando ainda depois de tanto tempo. Peguei toda aquela fase da explosão dos blogs, dos paus nos servidores, de não conseguir postar pq o Blogger tava congestionado, de comments não funcionando pq tinha mais gente cadastrada do que podia suportar. Mas a situação melhorou. O Blogger ainda come um post aqui e ali, o YACCS tem dia que não abre. Ou seja, tá tudo bem. Porém...

Pois é, porém eu tenho olho grande. E a Physical Graffiti tem o sistema de comentários mais legal que eu conheço. Além de tudo o que ela escreve ser interessante, mas essa etapa da invejinha eu já superei. Só que eu não descobri de onde vêm o comments dela pra pegar o código e colocar por aqui também. Pô, não me olhem assim... Portanto, se vc sair daqui e for pra lá e nunca mais quiser voltar pq tudo o que ela escreve é melhor do que isso aqui, faz a caridade de no caminho pedir pra ela compartilhar o sistema de comentários dela comigo?
Pela primeira vez eu peguei um vírus famoso. Isso é que é globalização.

Em tempo: Aliás, Dudu, vc foi meu salvador, viu? Obrigadinha.
Aê, eu fui, eu fui!
E eu preciso dizer que valeram a pena as noites de espera na fila pra comprar ingressos.
Tá, eu tô mentindo, só cheguei meia hora antes de abrir a bilheteria.
Mas valeu a pena de verdade. O Jogo de Cena especial de aniversário de 18 anos foi o primeiro em que eu gostei de tudo, do começo ao fim. Deve ter sido pq não teve nenhum quadro de dança contemporânea. Nada com massa de modelar, nada com guarda-chuvas e ventiladores, nada de homens com meias femininas na cabeça. Tô achando que é recomendável explicar melhor.

Como eu já disse algumas vezes e o Zamorim já explicou e também tá na página do Jogo de Cena eu não vou me dar ao trabalho de bolar uma nova maneira de dizer pra quem não sabe o que diabos é isso. Vou copiar e colar mesmo. E priu.

O JOGO DE CENA é um “espaço vitrine”, com características experimentais, para ser utilizado pela produção artística e cultural local e apreciado pelo público brasiliense. Ele oferece infra-estrutura básica (espaço cênico, iluminação, sonorização, divulgação) a quem participa e permite a realização simultânea de cenas com técnicas e linguagens diversas. Além disso, a platéia participa através dos jogos propostos pela produção do programa.

Não entendeu nada, né?

segunda-feira, agosto 11

Será que se eu armar a barraca de camping hoje à noite na porta da bilheteria eu consigo comprar ingressos pro Jogo de Cena desta quarta-feira?

domingo, agosto 10





É verdade, ele morreu mesmo. Terça-feira, 29 de julho, de câncer no esôfago.
Pena. Inferno no Gama e Tortura selvagem: a grade eram clááássicos!!!

sábado, agosto 9

Alguém me pediu, há um tempo atrás, que avisasse quando Os Melhores do Mundo fossem se apresentar novamente em São Paulo. Eu acho que foi o Mac, mas agora não tenho certeza. Pois bem, lá estão os moços de novo. E, apesar de eu já ter puxado um bocado de saco por aqui, quem vier a ler a crítica vai se convencer de que, no mínimo, vale a pena conhecer. Nem que seja pra falar mal depois. Então taí o momento jabá meio utilidade pública:

TORMENTAS DA PAIXÃO: da Cia. de Comédia Os Melhores do Mundo. Teatro Folha (shopping Pátio Higienópolis, av. Higienópolis, 618, piso 2, Higienópolis, região central, tel. 3823-2323). 305 lugares. Sexta às 21h, sábado às 20h e 22h e domingo às 20h. Em cartaz até 28/9. Censura14 anos. Ingressos: R$ 20 e R$ 25.

sexta-feira, agosto 8

Eu bem que gostaria, mas não sou boa na sinuca. Eu já até tentei pensar que tudo não passa de geometria e conservação de momento linear, pra ver se tornava o negócio mais racional e tentava encaçapar algumas bolinhas. Mas não deu muito resultado não. Agora, que principiante costuma ter uma sorte de dar inveja, isso é verdade. Vejam hoje. De uma hora pra outra resolvemos jogar sinuca pq afinal de contas não tinha nada melhor mesmo pra fazer. Programa barato, lugar de família (!), um monte de café-com-leite reunidos. Todo mundo super "taco-de-pau" (ô expressãozinha mixuruca mais ambígua essa que eu acabei de inventar...). Ok, os ruinzinhos mesmo tavam só na nossa mesa. Do lado, dois caras jogavam com umas luvas que só podem ser de profissional, pq ninguém usa uma coisa daquelas só por achar bonito. Aliás, duvido muito até que alguém ache bonito. Mas eu tô divagando.
E daí, pela diversão pura, eis que o inimaginável surge: teve bola encaçapada de costas, rebatida, bola com efeito, bola puladora, de tudo um pouco. Tá certo, a noite também foi recheada de tosqueiras. Mas dessas a gente esquece. São mais comuns.

quinta-feira, agosto 7

Momento: mundo pequeno: E vcs lembram do Rafael (se não lembra vai no link)? Depois de quase me matar do coração e simplesmente sumir do mapa, se limitando a acenos distantes no meio da UnB (acho que na verdade ele só não vai com a minha cara, mas abafa esse caso), não é que o rapaz me resolve reaparecer? E aonde? No meu trabalho. Curiosamente, seremos coleguinhas a partir deste mês. Quem disse que brasília era um ovo....

domingo, agosto 3

Gente, e é verdade mesmo que o cineasta-bombeiro-trash Afonso Braza morreu?
Mas hoje também foi dia de Avacalhando o Vocal. Eu mesma me impressiono como eu sempre consigo me divertir com o grupo. Talvez seja porque elas sempre fazem poucas apresentações por ano, não dá tempo de enjoar. Mas eu prefiro pensar que é pq as meninas são realmente muito divertidas e surpreendentes. O novo show, Mambordel, veio um bom tempo depois do último, com direito a todas as regalias que um grupo pode ter. Mais "organizado", como elas mesmas disseram, com coreógrafo e diretor. E sem perder a espontaneidade, o que era meu medo.





Pra quem não tem a menor idéia do que eu tô falando, o Avacalhando é um grupo de humor formado por essas 4 jovens beldades da foto. Eu não sei muito bem definir, mas acho que no jornal devem colocá-las como um grupo cênico-musical ou coisa semelhante. Em miúdos, é uma mistura de teatro com música. Muita música. Especialmente música brega. E pra quem pensa que é só palhaçada, não é bem assim. Além disso, elas cantam bem. Ok, ok, ninguém é exatamente um primor no vocal, mas a verdade é que juntas cantam bem melhor que eu. O que não chega a ser uma vantagem, mas enfim... E também se engana quem acha que elas só sobem ao palco, cantam alguma coisa do Falcão e se mandam. Não, elas cavucam!! Valem interpretações hilárias de Manequim (manequim/ teu sorriso é um colar de marfim/ vou te seguindo, manequim/ que nem dá bola pra mim, do Dominó) e Mordida de amor (eu não quero tocar em você oh beibe/ e fazer seu jogo vai me deixar loucooooo, clássico que eu acho que era trilha de alguma novela de 88 do grupo Yahoo que tinham um cabelo meio à lá Chitãozinho e Xororó), com destaque especial pra versão sensasional de Ragatanga com direito a participação de um serzinho bem particular da platéia: alguém (qualquer um) chamado Diego.

Bom, a temporada no Teatro da Caixa terminou. Mas se eu entendi direito, elas voltam com o mesmo espetáluco ligeiramente modificado no final do mês (30 e 31 de agosto) no Teatro Nacional. Taí: recomendadíssimo.
Hoje teve show de graça do Wilson Simoninha no Conjunto nacional. Como eu gosto bastante do Simoninha e, especialmente, de coisas grátis, lá estava. Já de cara o guitarrista, um tal de Tadeu, com seu dredlock (se é que é assim mesmo que se escreve) e pinta de dorme-sujo conquistou Talitinha. Eu particularmente achei o baterista narigudo (Daniel sei-lá-o-quê) mais charmosinho. Bom, isso foi até eu perceber que ele passa uma coisa verde muito esquisita no cabelo. Artista tem cada uma... E o Simoninha? Bom, tava lá em cima do palco.

Mas falando sério, o show é o máximo. O cara tem uma super presença de palco, além de músicas com um ritmo contagiante, uma banda muito bacana e um entrosamento invejável entre eles. Deve ajudar ser irmão do Max de Castro e filho do Wilson Simonal. Sei lá, vai ver é algo nos genes. Eu queria que ele voltasse, pra tocar num lugar onde tivesse espaço pra pular o que eu quisesse e dançar o quanto pudesse. Mas o povo tava lá, na maior empolgação, cantando junto, pleno domingo, 5 horas da tarde. Foi até engraçado ver a surpresa de Simoninha & Banda quando percebeu que até o brasiliense sabe cantar uma música deles. Parece até senso comum: Brasília é o fim do mundo. Não é a primeira vez que um artista "de fora" vem pra cá achando que não vai ser reconhecido. Coisa mais boba. Afinal de contas, apesar de estarmos meio isolados no miolo do Brasil e de termos um governador semi-analfabeto, aqui também tem telefone, televisão, internet. E rádio. Tá certo que muita coisa chega bem atrasada por aqui. E muita coisa também não chega. Mas, ora bolas, Brasília também não é outro planeta.

E o baterista? Ah, pegou uma menina de óculos fashion e cabelo bonito pra quem ele deu mole durante todo o show. É a música unindo corações. Ou não....
Eu resolvi ferrar minha vida de vez. É, acho que não me amo mesmo não. Além da UnB, que já me mata suficientemente durante o semestre, do inglês e do francês que mesmo depois de formada eu insisto em estudar, dos dois trabalhos e do PIBIC, eu agora inventei de aprender espanhol. Não que eu goste propriamente da língua, que fique bem claro. Pra ser bem sincera, acho até um bocado chatinha. Mas enfiei na cabeça que deve ser importante pra alguma coisa no futuro, falar 3 línguas não pode ser ruim e, voilà, tô matriculada. Começo minhas aulas semana que vem. Em minha peregrinação pelos cursos de línguas da cidade eu fui até no Goethe ver como era o esquema pra fazer alemão. Confesso que a idéia do alemão me animava bem mais que o espanhol, mas depois da minha experiência sexta à tarde acho que meu cérebro criou alguma espécie de bloqueio. Fiquei bem traumatizada.

Momento: coisas que só acontecem comigo: Primeiro, o Goethe não tem estacionamento. Quer dizer, só uma coisa esquisita com cascalho por onde supostamente devem passar carros. Eu digo supostamente pq, ao menos que vc possua um jipe ou um carro tanque, entrar na tal área de cascalhos pode ser um pouco traumático pro seu carrinho. Como meu Palio já foi bastante maltratado pela vida, eu parei no estacionamento ao lado e desci a pé. A porta de vidro entreaberta tinha um cartaz que dizia: "Caso esta porta esteja fechada, favor tocar a campainha ao lado". Como a porta tava meio aberta eu entrei. Um balcão que eu imagino que sirva de recepção tava completamente abandonado. Um outro cartaz dizia "Institudo Goethe, 1º andar".

Então tá, subir escadas. Sem encontrar viva alma nesse caminho, nem vigia, nem segurança, nem secretária, nem aluno, nem ninguém, eu fui subindo as escadas, no mais absoluto silêncio. Cheguei lá em cima, tudo escuro. Quer dizer, poderia ser pior, se não fossem menos de 5 horas da tarde. Aí eu fui andando, esperando encontrar pelo menos o vigia do lugar saindo do banheiro ou coisa parecida. Pois bem, nem o banheiro eu achei. Não tinha ninguém naquele lugar. E eu sem saber nem onde pedir informações. Desci as escadas, procurei alguém no andar de baixo, nada. Aí subi de novo. Ainda ninguém. Resolvi bater nas portas. Depois de algum tempo no toc-toc, eu deduzi que Sekretariat devia significar secretaria e bati na porta de novo. Com força. Nada. Pensei com meus botões que não era possível que não houvesse ninguém lá dentro se a porta de entrada tava aberta. Daí achei que devia bater em todas as portas até que aparecesse alguém. Eu devia estar na terceira porta quando li o cartaz (lugar cheio de cartazes) que dizia "Protegido anti-roubo pelo alarme sei-lá-o-quê". E eu achei melhor parar. Afinal de contas, era só o que me faltava. Eu lá, querendo saber o preço do curso de alemão e de repente o alarme disparar. Eu já estava imaginando meus pais indo me buscar na delegacia. Meus amigos dando entrevista na televisão dizendo que eu era uma boa e pacata menina. A manchete no jornal "Jovem universitária evangélica tenta arrombar escola de alemão em Brasília. Amigos e parentes garantem: ela estava possuída pelo demônio". Daí eu fui embora. Sem informação. Sem encontrar pessoa. E me matriculei no espanhol.

sexta-feira, agosto 1

Eu não resisti e fui assistir Procurando Nemo novamente. E o que é mais gozado é que ri tudo de novo, como da primeira vez. É, acho que essas férias fizeram um bem danado pro meu humor. Aliás, se alguém aí ainda não assistiu, eu vejo de novo, tá? É só dar um tempinho pra eu esquecer.O que eu não ache que vá demorar muito, pelo andamento do que acabou se tornando minha memória.

quinta-feira, julho 31

E será que a Lycra realmente espera que alguém pague 40 reais num sutiã?
Será que os vendedores de lojas de departamento não sabem que se eles não tratarem vc bem vc vai acabar devolvendo todas as roupas do avesso? Ou pior, fingir que vai levar uma saia só pra colocá-la (do avesso) no meio da sessão de roupas de banho masculinas? Compradores são vingativos. Eu inclusive.

terça-feira, julho 29

De vez em quando eu leio meu blog e penso no quanto às vezes eu tenho a sensação de parecer ridicula. Mas não é que eu pareça ridícula não. Eu sou mesmo.
Que o David Bowie é meio esquisito acho que ninguém duvida. Mas poucas são as oportunidades de ver este ser atuando. E, lógico, tem que ser um papel bem bizarro. Talvez seja por isso que Labirinto seja um dos meu filmes favoritos. Ok, ok, é uma História sem fim meio modificada, com bonequinhos bizarros que podem ser facilmente abatidos por qualquer coisinha feita por uma criança de 10 anos com um bom computador. Mas é um filme bonitinho de 86, com trilha sonora composta pelo próprio Bowie praticamente toda disponível na internet e que me fez sonhar com o mundo dos duendes por muito tempo durante minha infância.

Achei o filme outro dia na locadora em uma super promoção de R$ 3,00. Claro trouxe pra casa. Engraçado que pensando agora, não é que eu bem que queria um rei dos duendes charmosão (e esquisitérrimo) daqueles pra mim? Além disso, de tanto ver o filme, eu acho que já decorei as falas. Pra quem gosta de um boa ficção infanto-juvenil com bonecos que poderiam muito bem ter saído da TV Colosso, taí, recomendado.

"Passei por imensos perigos e inúmeras dificuldades para chegar até aqui, no castelo da cidade dos duendes e retomar a criança que vc roubou. Minha determinação é tão forte e meu reino é tão grande que vc não tem poderes sobre mim."

segunda-feira, julho 28

Depois de muita confusão e desencontros, finalmente fui ao teatro assistir Tira: codinome perigo! Domingo, no último dia, mas fui. Difícil mesmo foi convencer meu irmão a ir comigo. O menino foi praticamente arrastado, sob constantes protestos de que esse negócio de teatro era coisa de tia velha. Queria chegar depois das luzes todas apagadas, pra ninguém reconhecê-lo. Mas calhou que chegamos cedo. Bastante até. Ainda tinha fila na entrada. E eis que estávamos entregando nossos ingressos e, junto a porta, quem estava, quem, quem? O Digão. É, aquele dos Raimundos. Meu irmão, 16 anos, fã de toda essa tosqueira, começou daí a repensar se esse lance de teatro era mesmo pra gente tão velha e careta assim. E no final de contas, curtiu à beça a peça, depois que eu fiz ele calar a boca e parar de perguntar se eu encontrava com mta gente famosa "nesses negócios" que eu vou. Bom, se o Digão é o parâmetro dele de famoso, pode até ser que sim. Mas é claro que não disse isso.


Quem passa na frente do Alexander na 106 sul acha que lá é tudo muito caro. Como nós éramos um grupo de universitários em férias sem ter em que gastar dinheiro, resolvemos conferir. Nada extraordinário. Nem no preço, nem no cardápio. Seviço bem mais ou menos, lugarzinho agradável, talvez ficasse mais se eu pudesse explodir pelo menos a metade daqueles casais. É, sou uma pessoa solteira e amarga, vai encarar?
Bebi um margarita frozen imenso, delicioso e super alcoólico. O suficiente pra me deixar completamente tonta. Pena que não subi na mesa e fiz um strip-tease. Pelo menos assim teria alguma coisa pra contar.

sexta-feira, julho 25

Algum brasiliense tem alguma idéia do que se trata naquela casa na 713 sul, à beira da W3, mais especificamente no Bloco H, casa 5, toda pintada de laranja fosforescente e azul com uma placa do lado escrito très chic?? Pq eu não consigo conceber uma coisa laranja fosforescente como chique. Acho que estou precisando ampliar meus horizontes...
Eu sou do tipo que vai viver sempre meio preso ao passado. Portanto, se alguém conhece alguém que conhece alguém que queira me vender um Atari, por favor, mande um e-mail que eu tô louca pra comprar um. E não me venham com emuladores pra computador. Não é a mesma coisa.
Sumi, né?
Depois de algumas tentativas frustradas, ontem fomos parar no Libanus. Pra quem não sabe, o Libanus (206 sul) é um dos restaurantes mais tradicionais da cidade. O impressionante é que ele fica cheio de domingo a domingo, da hora que abre até o último freguês. Eu particularmente acho o kibe do Beirute mais gostoso, mas o Libanus deve ter alguma coisa de muito especial, enfim. Eu só ainda não consegui descobrir o que é.
Eu não assistiria Halloween novamente nem arrastada pelo próprio Michael Myers.

quarta-feira, julho 23

Hoje foi dia de comida boa. Primeiro, vcs sabiam que terça-feira é dia de pizza pela metade do preço na Pedacinho? E o que é melhor ainda: que a pizza de lá é uma delícia? Pois é, e eu nem tô recebendo por fora pela propaganda. Depois foi a hora da sobremesa. Em frente ao Crepe ao Chocolat da Asa sul abriu um café novo, Id cafe, que virou uma versão moderna do lugar pra onde a gente vai quando está com preguiça de pensar. Além da comida ser uma delícia (recomendado o cheese cake com calda de morango), eles tem umas bebidas com chocolate quente (recomendada uma com licor de chocolate e chantilly) que são uma tentação, um garçom bonitinho que faz teatro e um caixa de óculos super charmoso. Atentendo a todos os gostos, o namorado do dono também é uma gracinha. Pena que é comprometido.

terça-feira, julho 22

Eu acho tão previsível esse negócio de o filho da Gracinha não ser do Cláudio. Veja bem: ele sofre um mundo por causa da Carolina Dieckmann. Aí eles se separam. Aí ele descobre que o filho não era dele. Aí eles ficam juntos no final da novela. Ah, fala muito sério, seu Manoel Carlos.
Hoje eu fui às compras. Quer dizer, passar horas zanzando sozinha pelo shopping sem comprar nada além de um sunday do Giraffas não pode ser chamado exatamente de compras. Mas bem que eu me esforcei. Não comprei nada pq não estava no espírito. Ou pq tudo o que estão vendendo ultimamente é feio, muito feio. E o que é bonito é caro, muito caro. Como meu pé de notas de 20 ainda não deu frutos, minha tarde de compras serviu para duas fundamentais constatações:
- experimentar roupa é mto chato. Além disso, entrar em todas as lojas pra ver se encontra algo que te agrade sai caro. Quando vai pagar o estacionamento, vc percebe que está pagando o mesmo que aquela blusinha só pro seu carro ficar na sombra. É, pertenõ à classe que prefere deixar o carro na garagem.
- listrado está na moda. Droga, não comprei nada listrado.

segunda-feira, julho 21

Triste...
Não sei se foi por causa das mudanças do Blogger ou se o problema é pessoal comigo, mas não consigo mais abrir nem o blog da Fernanda nem o blog da Priscila. Eu queria muito entender o porquê.

Atualização: O problema era do meu servidor. É só conectar pelo Ig que seja e dá certo. Por favor, alguém me lembre pra quê eu pago um provedor?

sábado, julho 19

Bom, em solidariedade à Ana e demais integrantes do SFHANSFB, taí minha receita de brigadeiro. Eu já vi gente fazendo brigadeiro até com ovo, o que indica que provavelmente existem outras além desta. Mas foi assim que aprendi e, em particular, usar essa receita tem a vantagem de ser bem bem bem simples. Anota aí:

Ingredientes:
- 1 colher (sopa) de manteiga/margarina pra cada lata de leite condensado.
- 2 ou 3 colheres (sopa) de chocolate em pó pra cada lata de leite condensado.
- quantas latas de leite condensado vc quiser; lembrando, é claro, de que cada uma deve ter aproximadamente o número de calorias que vc vai ter que fazer muuuuuuita esteira pra queimar.

Módifazê:
Coloque na panela o leite condensado, a manteiga e o chocolate em pó. Aliás, pode ser chocolate em pó ou achocolatado. O brigadeiro fica mais gostoso se o chocolate em pó for daqueles vagabundos, sabe? Tipo achocolatado marca Carreffour. Se for usar chocolate em pó mesmo pode diminuir a medida, pq geralmente eles são mais fortes e deixam o gosto meio apurado demais. Enfim, misture tudo, mexa sem parar com uma colher de pau (é melhor pra não arranhar o fundo da panela e pra não deixar o brigadeiro com gosto de metal) e vai com fé até ele dar o ponto. O ponto é quando a massa estiver consistente e soltando do fundo da panela. Soltando do fundo é o mesmo que vc querer ver o fundo da panela e conseguir, a massa demora um tempo pra voltar pro lugar. Se quiser comer de colher, pode desligar o fogo quando ele estiver parecendo um creme. Engrossa depois que esfria. Se tiver paciência pode enrolar o brigadeiro e passar no granulado...
Stellinha, fã de desenhos vai assistir hoje à Viagem de Chihiro no cinema.
Aceito companhia.

quarta-feira, julho 16

Momento: como assim?: Indubitavelmente e inexoravelmente, a anomalia sistemática certamente será, ou não, relevante no tocante à predestinação. De uma forma total, considere aqui o instante oraculóide de caclismática escolha.

Que droga, alguém aí entendeu Matrix??

terça-feira, julho 15

Momento: utilidade pública: E o assunto pop dos comentários, depois da disputa entre ricota e chuchu pra ver quem era mais sem graça, é o caso das penas de pavão. Apesar de parecer nome de livro da Agatha Christie, a celeuma surgiu depois que a Ana disse que as penas do pavão não possuem pigmento. E daí como é que elas ficam verdes, Mr. M? Segundo a própria, o que depois foi confirmado pela Ju, o que a gente vê colorido é refração. Apesar de isso ainda estar me parecendo um pouco estranho, pq afinal de contas a refração não muda a frequência (associada à cor) da onda, eu acredito. Tanto que tô até divulgando. Se alguém aí tiver alguma informação adicional...

sexta-feira, julho 11

Ô, meu pai, quanto ócio. E eu aqui, brincando com o jogo da memória da Dory.
E eu hoje fui finalmente assistir Procurando Nemo. Eu já adoro desenho animado (ou filme de animação, como quiserem), tava louca pra assistir desde que entrou em cartaz. E definitivamente não me arrependi, apesar de ter tido que insistir muito pra arranjar uma companhia (mania que as pessoas têm de achar que desenho é coisa de criança). Se as pessoas soubessem o quanto o filme é bom não fariam tanto doce.

Como já foi muito bem observado pelo Mac numa crítica meia-boca, o filme não é só um Peixe-Palhaço procurando um Peixe-Palhaçozinho. É um montão de bicho problemático para todos os lados. Destaque especial pro Bruce, o tubarão que freqüenta um grupo de apoio, e a Dory, o peixe azul que fala baleiês. O filme é engraçadíssimo, ultra recomendado. Se alguém aí for assistir, me chama que eu quero ver de novo?

quinta-feira, julho 10

Por amor, eu criei asas
Por você, eu sei voar
Por amor, eu perco o sono
Por você, eu sei sonhar
Por amor, eu adoeço
Por você, eu sei curar
Por amor, eu desafino
Por você, aprendi a cantar.


Por amor a você - Jair Oliveira

terça-feira, julho 8

Finalmente esperadas e merecidas FÉRIAS!!
Domingo teve show da Luciana Mello. De graça, muito importante. Por incrível que pareça, tava cheio, mas bem menos que no show do Vercilo que eu fui ano passado, também de graça, no mesmo shopping. Eu acho curioso esse negócio de show de graça. Porque sempre me dá a impressão de que no mínimo 90% daquelas pessoas eram de gente comum, que tava passando por ali, viu uma pessoa de cabelo esquisito (pq artista que é artista ou não temcabelo ou tem cabelo bizarro. Mas isso é outro assunto) em cima de um palco pulando e se esgoelando com mais meia dúzia e resolveu parar pra saber se o rapaz de sapato vermelho em cima do palco tava tendo um ataque e precisando de ajuda. Aí elas percebem que aquilo é música e, bem, já que tão lá mesmo, resolvem ficar até o final. Nos outros 10%, fãs histéricos e gente que não tinha mais o que fazer na tarde de domingo, era de graça mesmo e já que a menina canta bem.. Pois é, tô no último grupo.

E lá fomos nós, eu e Talitinha, companheira fiel de showzinhos diversos. Quando a filha do Jair Rodrigues subiu no palco, Talita e eu nos olhamos e o pensamento foi o mesmo: puta-que-pariu, que mulher linda. E alta. Sinceramente, a menina é muito bonita mesmo. Aí ela começou a cantar. Cacete, a voz também é perfeita. Ô inveja. E ainda é irmã do Jairzinho, por quem eu fui apaixonadissima na infância nos idos da Turma do Balão Mágico (quem é que queria saber do Mike?). E o baterista que ela paquerava descaradamente em cima do palco com umas olhadelas certeiras era um tudo-de-bom. Apesar de que o violonista fazia mais meu tipo, escondidinho no canto esquerdo. É, taí, até a banda dela era bonita. Saco.

Pra completar, nem pra mulher ser uma dessas nojentas pra eu poder sair de lá falando mal dela por alguma coisa. Um doce, simpatia pura. Naturalmente carismática, foi super simpática enquanto tava se apresentando e depois recebeu os fãs pro tradicional tira-foto-dá-autógrafo. Aí eu tive que dizer, né, depois que ela assinou meu cd:
- Puxa, Luciana, brigada.
- Imagina, obrigada a vc.
- Eu preciso dizer que vc é muito mais bonita pessoalmente que pela tv.
- Brigada. Mas eu tô tão mal assim na tv?

Ainda se faz de modesta. Grrr!!!!

sexta-feira, julho 4

E ficar à toa só pode dar nisso. Fui parar na página do Jornal do Comércio justamente numa edição que falava sobre nomes bizarros. E olha as belezocas excêntricas que a gente encontra por aí. O pior é que é sério.

- Bichão Roupas (loja de roupas)
- Confeitaria Zé do Pudim (confeitaria)
- Dona Porca e Seus Dois Parafusos (loja de ferragens)
- Farmácia Drogarão (farmácia)
- Karita (sapataria cujo nome é formado pelas primeiras sílabas dos nomes dos sócios, Carlos e Itamar)
- Minhoca Feliz (loja de artigos para pesca)
- Moscão (restaurante)
- Panificadora Azedinha (panificadora)
- Persianas Furadinha (loja de persianas)
- Sindonia Pagoni Bijou (loja de bijuterias)
- Suamae Parafusos e Ferragens (loja de ferragens)
- Tanajura Modas (loja de roupas)
E a internet tem de tudo mesmo. Minha mais recente descoberta é a UCM, ou União dos Conquistadores de Mulheres, carinhosamente chamada de Manifesto Axe. "Acse", nada de "axé", fazendo o favor. Vc pode começar fazendo o Teste de Aptidão pra saber se está no caminho certo para a conquistar a Vitória (e a Sílvia, a Patrícia, a Roberta), depois ler uma transcrição fiel das tábuas sagradas do Manifesto UCM, decorar o Hino e tudo o mais. Além, é claro, de conferir as dicas e estratégias infalíveis. Coisas como workshop de lingüística: troque o 'eu te amo' por 'eu te venero ads infinitum'. ou uma passeata UCM pelas cidades onde o CENSO apontar mais mulheres do que homens agendada para abril. Coisinha curiosa, por exemplo, é o Poesia Instantânea Maker. Pior é que pode até ser que funcione. Pelo menos a que eu fiz pra mim mesma ficou bastante interessante.

segunda-feira, junho 30

Eu finalmente fui assistir O homem que copiava. Pra ser sincera, sou meio suspeita pra falar de cinema nacional. Com raras exceções, eu costumo gostar de tudo. É, ufanismo mesmo. Pois é. O Homem que Copiava é um ótimo filme. Primeiro, pq foge daquela coisa que já tava ficando chata de retratar a violência e a pobreza, especialmente nos morros do Rio de Janeiro. Sério. Eu compreendo o cinema como forma de protesto e janela pra conscientização, mas já tava dando no saco. Então, o filme se passa em Porto Alegre. Bom, muito bom pra começar. Depois, só mauzinhos morrem. Hmm... tá melhorando. E, tchan-ram, é uma história de amor. Fofo. Leve. Bonitinho.
É, muito, muito bom. Aliás, prestem atenção nos detalhes dos quais fala a matéria do link aí em cima. E depois me digam se já tinham descoberto o porquê da galinha.

domingo, junho 29

A gente vê cada coisa bizarra nessa vida. Outro dia eu tava voltando da Academia (de ginástica mesmo. É, ainda não desisti. Também não tá fazendo muito efeito não..) com uma amiga e andávamos tranquilamente pelo estacionamento quando uma coisinha me chamou a atenção. Um Honda Civic verde escuro, lindo, estacionado. Com a chave na porta!!! Sim, a chave tava pendurada na porta, enfiada na fechadura. E não tinha ninguém dentro do carro. O primeiro pensamento foi de tirar a chave dali, deixar um bilhetinho no pára-brisa com o telefone pro dono do carro pegar a chave depois. Mas e o medo de ser um carro bomba? Ou uma pegadinha do Faustão. Ou pior: uma pegadinha do João Kléber!! A gente olhou, olhou, teve um momento de pena pelo desligamento do dono. E, bem, fomos embora. Sei lá, nessas épocas de terrorismo anti-semita e programas de tv de alto ibope, melhor não brincar com essas coisas.
Quarta feira eu fui ao Jogo de cena. Engraçado como a vida se encarrega de nos fazer superar antigos traumas. Eu fui a um jogo de cena tão ruim há uns tempos atrás que achei que nunca mais iria a um novamente. Pois é, depois de deixar os brasilienses quase seis meses em jejum, apesar da promessa de apenas um mês de férias, resolveu-se voltar com o Jogo de Cena. E lá estava eu.

Não sei pq, mas tenho a impressão de que os começos são sempre meio deprê. E sempre sempre sempre tem um espetáculo de dança contemporânea muito chato. Eu juro que queria ter a mente aberta o suficiente pra gostar de dança contemporânea. Mas minha cabeça ainda tá na idade moderna, sorry, e gente se jogando no chão e batendo no próprio corpo ainda me parece meio estranho. Mas já tô começando a me acostumar.

Valeu a pena. Geralmente vale. Especialmente os apresentadores Welder e Pipo pareciam que tinham sido ligados na tomada. Acho que foi a abstinência. Ou eles tomaram alguma coisa antes de subir no palco, quem sabe...

sexta-feira, junho 27

Momento: idiossincrasias: Eu danço e canto Please, Mr. Postman (oh, yes, wait a minute mr. postman. (wait) wai-ai-ai-ait mr. postman...) no carro enquanto dirijo. Com direito à paradinha de mão e toda a coreografia.
Eu preciso arranjar tempo pra voltar aqui com calma e contar minha aventura No Limite e meu caso de amor com um carrapato.

domingo, junho 22

Não é puxa-saquismo. É jornalismo sério.
E eu não estou sendo sarcástica, ouviram?
E antes que eu me esqueça, a Betty está sendo transmitida pelo canal 56 UHF pra Bsb. Sim, e ao que tudo indica teremos final feliz feliz esta semana.
E eu tenho me mostrado uma blogueira muito, muito relapsa. Agora que o computador novo resolveu entrar em greve, antecipando-se aos professores universitários e funcionários públicos, tá mais difícil ainda. Mas deu pra perceber que tem um monte de gente nova por aqui. Entrem, sentem-se e fiquem à vontade, ok? E aos veteranos de casa, Ilustre, Lia e Ju, que resolveram voltar e dar o ar da graça, merci beaucoup pela visita.
A casa é de vcs.

terça-feira, junho 17

Eu acho que a definição de "inodoro, incolor e insípido" não devia ser dada à água. Devia ser da ricota.
Pode parecer despeito, mas eu tenho pra mim que as mulheres só gostam de receber flores no dia dos namorados pra fazer inveja nas outras mulheres.
E me ensinaram uma simpatia excelente pro dia de Santo Antônio: pegar 3 rosas vermelhas (não só as pétalas, a rosa mesmo) e colocá-las debaixo do travesseiro. Na noite do 13 de junho vc irá sonhar com o homem da sua vida.

Ainda bem que eu não fiz. De sexta pra sábado sonhei com o Eurico Miranda.

domingo, junho 15

E eu passei o dia dos namorados na cama. Antes que os mais malvadinhos se animem, posso garantir que estava desacompanhada e que não foi nada agradável. Peguei uma gripe de matar que me impediu de sair dia 12 pra comemorar a solteirice.

segunda-feira, junho 9

E a UnB está a se orgulhar por ser uma universidade a aprovar a ridícula cota para negros no vestibular. E o povo ainda acha bonito. Preconceito filho da puta.

domingo, junho 8

Um óleo que promete tratar da pele e do cabelo em um só produto não quer mesmo ser levado a sério, né? Sim, eu tenho um. É, eu tô usando. No cabelo. E só.
Ontem foi o dia da festa junina do Nipo. Conto depois.

sábado, junho 7

Hoje eu tava parada no sinal e tinha uma mulher bem bonita andando na calçada. Não, pervertido, eu não tava olhando pra mulher pq ela era bonita. Na verdade, eu tava pensando em como ela tinha conseguido combinar o tom vermelho da blusa com a cor da sandália. Enfim, eu sei que ela tava andando feliz e rebolante na calçada quando de repente, não mais que de repente, tinha uma pedra no meio do caminho, no meio do caminho tinha uma pedra. A mulher, os livros, os papéis, as bolsas, foi tudo direto pro chão, sem escala. O mais impressionante é que eu nunca vi surgir tanto homem em tão pouco tempo. Eles só podiam estar escondidos nos bueiros, a rua tava deserta! Mas de uma vez tinham cinco em torno da moça, perguntando se tava tudo bem, se ela tinha se machucado, ajudando a catar os livros. Eu queria ver se fosse uma velha gorda e vesga. Bah, homens!
E a vida tava tão corrida que eu nem tive tempo de reclamar: tiraram a Betty do ar. Mas dessa vez não foi por conta da falta de respeito da Rede TV! com o telespectador, como da última vez. Agora a coisa foi pra valer: a emissora simplesmente não é mais retransmitida em Brasília. Sim, no lugar entrou o Canal 21, que li em algum lugar é um outro canal do grupo Bandeirantes. Ok, foi bom ter me livrado da Luciana Gimenez e do João Kléber. Mas é uma puta sacanagem não passar mais a novela faltando 2 (duas!!!) semanas pro final. Ninguém merece.
Gente! O Blogger mudou a cara da página onde a gente faz os posts! Que fofura!! Isso faz muito tempo ou sou eu que não vejo aqui há semanas?

terça-feira, junho 3

Eu pensava que ninguém lia esse status de humor aí do lado. Mas enfim...
Antes que me interpretem mal, 100% natural não significa :
1) que eu agora escrevo no blog sentada completamente nua na frente do computador.
2) que eu parei de depilar qualquer área do meu corpo que merecesse depilação.
3) que faz 10 dias que eu não escovo os dentes. (eu passo até fio dental, ouviram?)
4) que eu parei de tomar banho, lavar o cabelo, passar perfume, hidratante no rosto, hidratante no corpo e batom e afins.
É, pensando bem, deixa esse negócio de natural pra lá.

domingo, junho 1

Sábado foi churrasco na casa do meu orientador. É que ele passou por uma seleção pra professor titular na UnB e, bem, como o negócio não foi mole não, resolveu dar uma festa pra comemorar. O bacana é que ele realmente tava empolgadíssimo, e queria dar uma festa de noite, com Dj e pista de dança. Mas pro bem dele mesmo ele se consientizou a tempo e acabou sucumbindo à boa e velha carne vermelha. Ainda assim a empolgação não foi embora: ele contratou sim o Dj (que se encarregou de nos presentear com o melhor do forró da banda Caça Cabaço, que dá telefone de contato no meio das músicas e canta pérolas como na hora de virar os óinho/ tem que ser os dois/ um não faz tudo sozinho), além de um videokê, onde eu encarnei de Maria Chiquinha (que cocê foi fazê no mato, maria chiquinha) a Gretchen (conga, conga, conga, conga la conga), sem coreografia pra ambas, lógico, além de muita, muita, muita comida boa!

O professor fez questão de convidar a Física inteira. Quem ia passando pela frente ele perguntava: "eu já te dei o mapa pra chácara?". Disse que fazia questão dos amigos e alunos todos lá. E engraçado é que realmente era um churrasco pra 200 convidados, entre eles amigos de todas as décadas, das épocas de colégio, faculdade, colegas de trabalho, gente do meio, alunos, ex-alunos e uma família enorme. E lá, sentadinho numa mesa atracado com um pedaço de frango, o Vladimir Carvalho, o diretor do Barra 68 (excelente documentário por sinal), além de outros amigos do movimento estudantil da época da ditadura. É, quem disse que os físicos não são engajados politicamente?

quarta-feira, maio 28

Seu guarda, tenha dó! Não queira me multar
Eu nem sabia que era proibido.
Que culpa tenho se meu coração perdido
Foi logo estacionar aonde não devia?
Meu Deus do céu! Que covardia!
A dona da vaga é a mais bela dessas redondezas
Pra minha desilusão, angústia e tristeza.
Um outro estaciona aqui há muito tempo
Pra aumentar o meu tormento.

Seu guarda, perdoe.
Eu lhe confesso que fico sem jeito
Mas ela me sorriu me dando o direito
De estacionar por tempo indeterminado.

Seu guarda, pense bem se estou mesmo errado
Só quero uma chande pra me defender.
Mas se quiser multar um coração coitado,
Até entendo o seu lado,
Mas vou recorrer.
E o quê mais posso dizer?

Agora o senhor me diz que estou errado
Que a vaga já pertence a outro cidadão.
Mas se meu coração não pode ser guinchado
Deixo que seja multado mas não tiro não.

E passe bem tudo de bom.


Local Proibido - Jair Oliveira
Com o perdão da palavra, mas que porra era aquela de neblina segunda feira 8 horas da manhã? O plano piloto tava encoberto por uma nuvem baixa espessa e a sensação que eu tinha era a de quem tinha acordado em alguma cidade de filme onde houvesse acontecido um fenômeno sobrenatural qualquer e agora estávamos todos sob a mais densa névoa. Uma amiga quando acordou foi olhar pela janela e achou que tinha morrido. Coisa esquisita...

segunda-feira, maio 26

Visita à terra do gelo
Dia 1


O ônibus saiu da UnB segunda-feira, 5, um pouco depois das 9. E coisas muito estranhas acontecem quando professores se encontram, principalmente quando eles estão em maioria e longe da sala de aula. O truco comia solto no fundo do ônibus enquanto os únicos 8 alunos de graduação que estavam indo conversavam tranquilamente na parte da frente. Surreal: professores no fundão, alunos tentando dormir no gargarejo. E nem somos tão nerdes. Juro.

Eu particularmente tenho grande facilidade pra pegar no sono com o balanço do ônibus. Ao contrário da amiga que tava sentada ao meu lado e que tem grande facilidade é pra enjoar. Ainda bem que o estômago dela resolveu se comportar direitinho e a viagem fluiu muito bem, com as comidas todas dentro dos respectivos corpos. Acordei de manhã sei lá que horas com um burburinho. O motorista tinha errado o caminho e a gente tava rodando em Mococa - SP ao invés de Caxambu - MG. Parece que ele tinha que ter feito uma volta sei lá onde e estávamos a mais de 300km do caminho certo. Depois a história mudou, disseram que o motorista tava era seguindo um ônibus de linha normal por segurança (perfeitamente plausível), mas o outro ônibus não tava indo pra Caxambu. Nosso chofeur não percebeu e continuou na cola, até que alguém avisou. O resultado foram 18 horas de viagem e um monte de bundas físicas quadradas. O termômetro marcava 16ºC. E eram 2 horas da tarde. Oh-oh.

(continua...)
E vamos lá, que se eu não escrever sobre Caxambu eu esqueço. É, minha memória é péssima.

Visita à terra do gelo
Preliminares


A luta começou pra arranjar financiamento. A gente bem sabia que não ia sobrar nada da verba dos doutores pros alunos, pq afinal de contas ninguém além do nosso orientador queria mesmo que a gente fôsse. Sabe como é, o que diabos esses fedelhos vão fazer lá se eles não vão entender nem meia palavra. Como todos nós acreditávamos que água mole em pedra dura e coisa e tal, ficamos no pé. Acabamos conseguindo uma carona no ônibus que o Instituto tava pagando pros doutores, mas antes tivemos que jogar alguns professores do penhasco.

Transporte garantido e mais de um mês pra escolher um hotel bom-bonito-barato, a segunda etapa era arrumar as malas. Como turistas prevenidos, um de nós ligou pra central organizadora do evento perguntando a quantas andava o tempo.
- Ih, aqui o trem tá tranquilin. Tá fazendo uma média de 25ºC de dia e 18ºC de noite.
Beleza, mais ou menos o que tava aqui em Bsb. Então tava fácil: roupas frescas pro dia, um casaquinho básico, não precisava levar muita coisa. Assim que chegamos lá descobrimos que não se deve acreditar em mineiros. Eles mentem. Eu sei. Minha mãe é mineira.

(continua...)

domingo, maio 25

O show do Carlos Malta (quarta feira, 14) foi excelente, como todas as outras vezes que eu tive a sorte de vê-lo. O projeto do Clube do Choro desse ano (semestre?) é o Tributo a Garoto que, pra quem acha que eu tô falando de chocolate, é um compositor paulista que fez um monte de músicas bacanas que muita gente (eu inclusive) nem sabe que são dele. O especial na história é que o Carlos Malta fez questão de pesquisar as músicas do Garoto e compôr seu espetáculo baseado exclusivamente nesse repertório. Ficou lindo. Além do cara ser um charme (apesar do penteado estar meio tio-brega e da mulher dele ser simplesmente linda), ele toca muito, sim. E depois que trocaram as cadeiras e mesas o Clube do Choro tá um charme. Nada a reclamar: nem da música, nem do ambiente, nem da companhia.
Coisa sem graça a mídia. Quando eu finalmente resolver assistir Matrix Reloaded (assim que eu conseguir assistir o primeiro) o filme já vai ter passado inteirinho na TV.
Er... Eu não tenho a intenção de ofender ninguém mas é que... bem...
Eu acho o Vasco um time nojento. Pronto, falei.
Passou.

sábado, maio 24

Se não, é como amar uma mulher só linda... e daí? Uma mulher tem que ter qualquer coisa além da beleza, qualquer coisa de triste, qualquer coisa que chora, qualquer coisa que sente saudade.
Um molejo de amor machucado, uma beleza que vem da tristeza de se saber mulher, feita apenas para amar, para sofrer por seu amor e para ser só perdão.
V. de M.


Só faltou a beleza.
Valeu, Nandu.
Me tornei uma chata. De galochas e capa de chuva.
Ou talvez eu sempre tenha sido e ainda não tinha me dado conta.
Bah.

quinta-feira, maio 22

Eu queria contar sobre como foi legal ver o Carlos Malta no Clube do Choro na quarta feira da semana passada e como foi bacana a viagem pra Caxambu, mas, sorry, tô numa crise de confusão sentimental que não me permite pensar.

quarta-feira, maio 14

Quem acendeu a vela do destino não contava com a ventania
Velas e Ventos - Ana Carolina

esqueci
que o destino
sempre me quis só
no deserto sem saudades, sem remorsos, só

Inverno - Adriana Calcanhoto

Triste é saber
que ninguém pode viver de ilusão
Que nunca vai ser,
Nunca vai dar.
O sonhador tem que acordar.

Triste - Tom Jobim

terça-feira, maio 13

Momento: eita mundinho minúsculo: Lendo na Ana que falava sobre um certo blogueiro cujo professor de Lógica 1 era meio maluco, que estudava durante feriados e finais de semana e exigia o mesmo dos alunos, imediatamente me veio à cabeça meu professor de Física 1.

Todo mundo recém passado no vestibular, se achando muito la crème de la crème e o cara soltava uma bomba atrás da outra: discussões sobre a morte como qualidade secundária, o tempo de kant e o diabo a quatro. Já chegou dizendo que nem 20% da turma dele de Física passava, que por volta do meio do semestre a gente ia estar rezando pra ter um feriado e poder estudar, aplicava integrais triplas antes que a gente soubesse derivar (mais ou menos como pedir que um bebê de 6 meses dirija um carro). Traumatizante? Não exatamente. Tudo bem que de uma turma de 30 e poucos, só 7 (sim, sete) alunos passaram. E, bem, o cara virou o motivo dos pesadelos da calourada por algum tempo.

Mas eu confesso que gostaria de fazer aquele curso de Física 1 de novo. Provavelmente se ele fosse refeito agora, com a maturidade (não só matemática) que eu tenho hoje, ele seria imensamente melhor aproveitado. Tanto que peguei outra matéria com o camarada semestre passado e não me arrependo. Ok, a aula dele não é exatamente o que se pode chamar de didática. Aliás, passa longe disso. Pro cara é tudo muito óbvio e pouco importante a ser discutido e se nossa turma não tivesse só 7 alunos, todos nós antigos conhecidos, dispostos a aprender e a sugar durante a aula o máximo possível, teria sido uma droga de curso. Mas o moço é acessível, e apesar de tudo ser muito ridículo pra ele, ao contrário de muito professor que tem por aí ele não trata nossas perguntas como ridículas, o que a meu ver é um ponto extra. Além disso, tá sempre disponível pra responder não importa o quê, não importa aonde e a discutir seja o que for.

Pois é. E não é que era o próprio tal professor de Lógica de quem o menino falava? Taí embaixo um pedaço do que eu acredito piamente que seja um e-mail que ele mandou, pq realmente parece o senso de humor que ele costuma ter (querendo ler na íntegra é só dar um pulinho no link aí de cima. E no lugar de "Fulano" é lógico que tava o nome dele). Mas no frigir dos ovos ele é doido sim, como todo físico, tem lá suas particularidades, mas sabendo aproveitar dá pra sair de um curso dele sabendo muito. E sobre um monte de coisas além do cálculo sentencial.

E eu não costumo puxar saco sem motivo.

Atenção, caríssimos alunos(as),

eu reestruturei bastante o capítulo 4. Aconselho-vos dar uma lida considerável nesta nova versão. (...) NOTEM que tenho trabalhado nos feriados e finais de semana e espero dos Srs., Sras. e Srtas. dedicação compatível!
Lembro-vos da música dos Titãs:

"Oncinha pintada, zebrinha listrada, coelhinho peludo,
Vão se foder,
Porque aqui na face da terra só bicho escroto é que vai ter."

"Bichos escrotos, saiam dos esgotos,
Bichos escrotos venham enfeitar,
Meu lar, meu jantar, meu nobre paladar."

Assim, como recomendação, estudem e não se deixem moldar pela sociedade (eu incluído) como oncinhas, zebrinhas ou coelhinhos (animais intoleráveis!) e saiam dos esgotos da mediocridade. Uma boa semana
DE ESTUDOS!

Um grande abraço.
Fulano

domingo, maio 11

Momento: amigo é pra essas coisas:
Poemeto de amigo, que jura que faz mais outras coisas mas ninguém sabe ninguém viu. Se alguém quiser fazer encomendas, acho que ele também aceita. E, meninas, ele é bonito, carinhoso, inteligente e tá disponível.

Perna Podre

Como dói vê-la assim
Dói mais em tí que em mim
Pobre perna podre nada disto merece
Quem te vê já não reconhece

Perna forte,corredora e saltitante
Firme e certeira nunca me deixou na mão
Não era como qualquer perna errante
Tinha mesmo os pés no chão

Agora toda estragada
Não posso nem te olhar
Agora toda rasgada
Só me resta lhe amputar

Chegamos então no fim do poço
Perna amiga e imaculada
Por uma coisa ainda torço
Que não me cortem a perna errada!
Ah, é, voltei.
Vc já conheceu alguém que tem um cheiro um hálito e um papo tão gostosos que dá vontade de ficar pra sempre conversando bem de pertinho? Pois é..

segunda-feira, maio 5

E eu vou viajar. Vamos apresentar trabalho no XXVI ENFMC em Caxambu. É, lá tem outras coisas além do teleférico e de um monte de fontes de água com minerais dos mais diversos. E entre as belezas (!!) de Caxambu está o estudo de ferrofluidos,
biosusceptometria, liofilização, sputtering e um monte de outras coisas que eu não tenho a menor idéia do que significam mas pretendo voltar pelo menos sabendo que elas existem. Pois é. Tô indo hoje à noite e só volto no sábado de tarde. Então, resfoleguem-se, pois, que passarão uma linda semana livres de mim.
Mas pedidos de casamento e declarações de amor são bem vindas nesse período.
Pra compensar, domingo fomos assistir O Último Beijo, um filme italiano como todo filme italiano tem que ser. A academia tava bem cheia, como quase todo domingo, já que tem música ao vivo e tudo o mais, mas nada compadado ao Pier de sábado. De quebra encontrei a Ana com o namorado quando estava prestes a ir embora. Aliás, eu tenho a impressão de que ela acha que a única blusa que eu tenho na vida é aquela preta de botão. Putz, acho que das 4 vezes que nos encontramos na vida, 3 delas eu tava usando a bendita blusa. Ana, eu tenho outras roupas no armário também, tá? Só não uso.
E euzinha não poderia ter escolhido pior dia, horário e lugar pra assistir o tal do X-men 2. Logo depois da estréia, num sábado, no Pier e na sessão das 21:30. Era pedir pra sofrer, né? Talvez eu tivesse gostado mais do filme se não tivesse sido obrigada a sentar na segunda fileira, com o nariz grudado na tela, se o cinema não estivesse tão cheio de adolescentes enjoados e se eu não estivesse com fome e dor de cabeça.

domingo, maio 4

Eu tenho passado muito tempo útil na internet fazendo coisas inúteis. Entre elas, tentar descobrir a resposta pro enigma da tirinha do Garfield. Essa pode ser só mais uma lenda urbana que ganhou força com a rede, mas o fato é que as explicações são bastante criativas, apesar de nenhuma delas ter convencido ainda.



E aí? Alguma idéia?
Momento: como assim?

03/05/2003 - São Francisco sedia maratona de masturbação

SÃO FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - Mais de 100 homens e mulheres reuniram-se na liberal cidade de São Francisco, neste fim de semana, para o que os organizadores chamaram de segunda "maratona anual de masturbação" pública. Os organizadores disseram que levaram o evento, cujo nome em inglês é "Masturbate-a-Thon", "do papel para as ruas", oferecendo a voluntários maiores de 18 anos a oportunidade de superarem sua inibição em um "ambiente seguro" e de recolherem fundos para a caridade. Horace Santry, 55, afirmou que o evento da noite de sexta-feira foi o seu primeiro. "Eu estava muito ansioso, mas fazer isso entre um grupo de pessoas com as mesmas idéias torna as coisas mais fáceis", disse ele.

Homens e mulheres que variavam desde 20 aos 50 anos de idade reuniram-se em um centro de artes de São Francisco, conhecido por seus artistas, galerias e clubes noturnos, antes de irem direto ao "trabalho". "Este é um esforço para combater séculos de censura, para tornar a masturbação mais divertida e torná-la mais acessível", disse Thomas W. Laqueur, um professor de história da Universidade da Califórnia e autor do recente "Solitary Sex: A Cultural History of Masturbation" (Sexo Solitário: Uma História Cultural da Masturbação), em entrevista sobre o evento, por telefone. Entre os objetivos da maratona está levantar fundos para o Centro de Sexo e Cultura, uma organização sem fins lucrativos que se dedica à educação sexual.

As maratonas de masturbação de São Francisco conseguiram mais de 25 mil dólares durante os últimos cinco anos, afirmou o co-fundador do centro Robert Lawrence. O evento inspirou a realização de outras maratonas semelhantes em vários Estados dos EUA e em outros países, do Alasca à Alemanha.
Momento cândido:


"Estou solteiro. Tentei ser casado, mas não consegui. Mas acho que vou encontrar uma doida que conviva com essa vida que considero comum."

Entre aqui e conheça mais sobre essa coisinha guti-guti e desimpedida. Meninas interessadas podem entrar em contato comigo que eu queim.. quer dizer, faço o filme, ok?

Todos os créditos pra e pra .

quinta-feira, maio 1

terça-feira, abril 29

Outro dia peguei na televisão o finalzinho daquele programa que passa na MTV cujo objetivo é fazer vc passar vergonha levando um senhor toco em rede internacional, o tal do Dismissed. Ok, pra quem não sabe do que eu estou falando, no tal programa uma moça, geralmente linda, é cortejada por dois rapazes, geralmente lindos, que programam passeios e têm um dia para conquistá-la. No final da jornada ela dispensa um dos dois, e o outro que foi o "escolhido" deve ganhar alguma espécie de prêmio ou coisa semelhante, caso contrário não consigo ver razão pras pessoas passarem tamanha vergonha. Também disponível na versão masculina, onde loiras peitudas disputam pra ver quem vai dar primeiro pro rei-da-cocada-preta.

Pois bem, uma coisa que eu não pude deixar de notar é que o motivo pelo qual a princesa em questão escolhe um dos rapazes é quase sempre o mesmo: "Ah, vc me faz rir!". O que vem a ser isso? Resquícios de situações mal resolvidas com palhaços na infância? Freud explica?
Momento: eu mereço:
Pra mostrar pra vcs que como a casa aqui é um espaço democrático e que nós não fazemos censura de comentários, eu vou até divulgar a opinião super simpática e bem embasada que a fofinha da Natalia deixou com relação a um post do ano passado:

cala a boca, o tenis da sandy e muito lindo, eu sou muuuuuito fanatica por sandy e jr...
:: natalia
:: Apr 29 2003, 10:23 pm


Sim, eu devo merecer. Querida, alguém aqui disse que o irmão da Sandyjunior é boiola? Alguém falou que acha ela sandenta e magricela? Alguém disse que ela atua mal pra caramba? Por acaso alguém aqui falou que eles só fizeram sucessos pq eram filhos do Chitãozinho com o Xororó? Então, lindinha, ninguém aqui é contra SandyJunior e o irmão dela.

Mas eu preciso dizer que continuo achando o tênis da Sandy grotesco, horrendo, bizarro, feioso mesmo. E tenho dito.
Momento: coisas que só acontecem com os meus amigos - parte II: A mesma amiga, na mesma conversa, com o mesmo cara. O galanteador:

Ele - É claro que existe um conjunto enorme de coisas que eu gosto em vc..
Ela - É?
- E também um conjunto de coisas que eu não gosto, né?
- Hmm...
- Mas na verdade é a união destes conjuntos e a interseção entre eles que faz com que a gente se apaixone por uma garota, e queira ficar com ela do seu lado o tempo todo..
- Hmm...
- ...
(olhos nos olhos. é agora!!!)
- Posso te fazer uma pergunta?
(ai, nem acredito, ela vai perguntar!! ele chega mais perto, depois da pergunta vem o beijo, lógico! é assim que funciona: pergunta - beijo)
- Cl-claro..
- Os números irracionais pertencem ao conjunto dos complexos? Pq, se eles pertencem aos reais e os reais pertencem aos complexos, como é que os irracionais não pertenceriam aos complexos?

(livre adaptação de um diálogo real. Por incrível que pareça, ela disse isso mesmo...)

Em tempo: Sim, agora eles estão namorando. Só não sei se isso aconteceu pq o carinha finalmente desistiu do pedido oficial e partiu logo pro ataque. Sabe como é, as mulheres às vezes gostam de iniciativa.
Momento: coisas que só acontecem com os meus amigos: Uma amiga, prestes a engatar novo namoro, o cara fazendo de tudo pra abordar o assunto e fazer logo o pedido oficial, morrendo de medo de levar um fora daqueles, conversa sobre cursos de modelo e manequim:
- Eu não sei se vc sabe, mas as meninas começam a aprender a andar de salto com o salto 17.
- Puxa...
- Pois é, depois que elas conseguem andar direitinho no salto 17, usar os saltos mais baixos fica mais fácil, entende?
- Hmmm..
- ...
- Posso te fazer uma pergunta?
(é agora, é agora)
- Claro!!
(é agora!!!)
- Vc tá louca pra namorar comigo?
- Hein?
- É, vc não consegue esperar pra namorar comigo?
- Não!
- ...
- ...
- ...
- Que foi?
- Tô pensando se passo pras perguntas de salto mais baixo.

Genial!!!
(livre adaptação de um diálogo real. Afinal de contas, eu não estava lá)
Talvez eu não devesse falar. Mas eu queria mesmo saber o que faz certas pessoas serem tão espírito de porco. Por exemplo, pq uma pessoa estragaria a festa surpresa de um amigo contando pra ele na véspera? É só infantilidade, inveja ou puro desejo de estragar a felicidade dos outros?

sábado, abril 26

E eu até me esqueci de comentar, mas há alguns dias a Polícia Federal descobriu (!!) um esquema de clonagem de livros dentro da UnB. E não confundam "clone" com "xerox": o clone é a xerox em forma de livro, geralmente com capa dura, às vezes até de couro. Pois é. Os tios da copiadora foram presos com a mão na massa, primeiro pq violavam as leis de direitos autorais e segundo pq estava utilizando do espaço e do maquinário público pra criminalidade. É, tavam lá presos, pagaram uma fiança de 25 mil reais (dizem..) e vão responder processo em liberdade. Todo o material foi apreendido, inclusive teses de doutorado. Os próprios autores não têm autorização pra retirá-las, pânico, tem gente dizendo que vão queimar tudo e não sei mais o quê. Eu particularmente acho que é só pressão. Enfim..

Mas eu queria dizer que sou a favor da pirataria. Desculpa, mas sou. De livros, cds, softwares. Eu sei, eu sei que as pessoas trabalham duro pra colocar um material de qualidade no mercado e aparecer um engraçadinho que só copia e vende por um quarto do preço não é exatamente bacana. Mas também acho que o preço dos ditos "originais" tá longe de ser justo. Um livro técnico em física, por exemplo, geralmente é importado e os que são realmente bons e importantes não saem por menos de U$100. Pois é. Daí vc pega um da biblioteca e faz um clone por R$80. Alguns deles não são mais nem editados, o que significa que, mesmo que quisesse, não seria possível comprá-lo na editora.

Tá, tudo bem, a galera lá tava abusando: a maioria dos livros apreendidos eram da área de Direito, de autores nacionais e, se o original custava 30 reais, o clone tava saindo por 20.

quarta-feira, abril 23

Come on, baby, light my fire
Tô cansada. E muito. Minhas pernas dóem. Minha cintura também. Maldita hora em que inventaram os exercícios abdominais...

Update: Isso é que é incentivo. Definitivamente, eu joguei pedra na cruz.
tenha fé e continue! Estamos na torcida!(primeiro!)
:: Madalena espera
:: May 01 2003, 11:01 pm

segunda-feira, abril 21

Momento: coisas que só acontecem comigo: Estava eu aqui em casa, tranquila, curtindo o tédio e o marasmo que só o feriadão poderia me proporcionar, quando toca o telefone. Meu ex, aquele que (graças!) foi pra Inglaterra:

- Oi, sou eu. Eu só liguei pra dizer que recebi seu e-mail e ainda não respondi pq a gente tá sem computador agora, mas eu tô bem e queria saber se vc também está bem e eu tô em Edimburgo, Edinburgh pros íntimos, vc sabe, Reino Unido, e não vai dar pra falar muito mesmo, meu cartão tá acabando, mas eu só queria dizer que recebi seu e-mail e não repara se a ligação cair de repente, meu cartão tá acabando, e eu tô meio bêbado, acabei de sair de um pub, eu te ligo depois com calma, me conta como tá tudo por aí, o cartão tá acabando e eu tô tonto e tá tudo bem e eu recebi seu e-mail.
- Bem, eu...
Tu tu tu tu.

Tudo isso em aproximadamente 50 segundos. Talvez ele pudesse ter falado mais se o álcool não o tivesse deixado tão prolixo.

Diante do post sobre a matrícula na academia, eu recebo um comentário desses:

quem sabe agora voce fique bonita e gostosa o suficiente pra fazer um mínimo de sucesso com homens e se torne uma vadia do caramba...(primeiro!)
:: Madalena espera
:: Apr 19 2003, 07:16 am


Eu e minha grande, enorme boca! Isso que dá falar o que vem na telha!! Eu devo ter vaiado o sermão do monte. Só pode!!!

domingo, abril 20

E é por essas e outras que eu gosto do Google.
Momento: como as pessoas chegam aqui por meios bizarros
- pedagogia japones usp blog - é um japonês que faz pedagogia na usp ou é uma habilitação da usp em pedagogia japonesa?
- universitaria piscina brasilia namorado - universitária, tudo bem. brasília, também. piscina, confesso que não gosto muito. e namorado? xiii....
- filme frances rato microondas - se alguém souber de que filme esse indivíduo tá falando, me avise, pq acabei me interessando..
- casa de massagem em udi - quediabéisso??
- homem que gosta de usa(sic) calsinha(sic) - aqui nem as mulheres usam calsinha
- mulheres de calsinha(sic) - aí! outro!
- ibope de betty a feia - bom, eu, minha mãe e a mãe do T1X assistimos. Tá bom pra vc?
- pq o giz de cera quando cai no chão quebra em 3 partes - Caramba, se vc descobrir, por favor me avisa? Sério, já bolei um monte de teorias, mas nenhuma serve exatamente.
- receitas strong - hein?
- mulheres proibidas de brasília - eu, certamente, não sou uma delas!
Amores Parisienses não foi exatamente o melhor filme que eu já vi em toda a minha vida, mas sem dúvida eu gostei bastante. É um filme francês à lá Woody Allen. Sério. Diálogos compridos, assuntos non-sense, situações tão surreais quanto improváveis. Mas eu gosto de Woody Allen! E o mais engraçado é que o filme é quase um musical sem ser exatamente um. Durante as situações, às vezes os pensamentos ou mesmo as palavras das pessoas são dublagens de canções populares francesas, de todos os estilos. Bom, filmes esquisitos fazem o meu tipo. A começar pela sinopse super confusa. Então, voilà, se interessar..

Um homem ama, em segredo, uma mulher. Mas ela está apaixonada pelo charmoso chefe dele. No entanto, tudo o que este último quer é vender um apartamento para a irmã dela. A irmã quer comprar o apartamento mesmo com a desaprovação de seu marido. O insignificante marido não concorda com o inesperado reaparecimento, depois de anos, de seu cunhado, que se torna confidente do homem que ama.

sexta-feira, abril 18

Xiii.. Agora que o Blogger resolveu pirar de vez e aqueles simbolos bizarros que apareciam na pagina de posts resolveram aterrorizar por aqui tambem. Saco.
Ciranda da Bailarina
Edu Lobo - Chico Buarque
(Para o balé O grande circo místico)

Procurando bem
todo mundo tem pereba
Marca de bexiga ou vacina ..
E tem piriri, tem lombriga, tem ameba
Só a Bailarina que não tem !!!

E não tem coceira, verruga nem frieira
Nem falta de maneira ela não tem

Futucando bem todo mundo tem piolho
Ou tem cheiro de creolina ...
Todo mundo tem um irmão meio zarolho
Só a Bailarina que não tem !!!

Nem unha encardida, nem dente com comida
Nem casca de ferida ela não tem!

Não livra ninguém todo mundo tem remela
Quando acorda às seis da matina ...
Teve escarlatina ou tem febre amarela
Só a Bailarina que não tem !!!

Medo de subir, gente! medo de cair, gente!
Medo de vertigem quem não tem?

Confessando bem todo mundo faz pecado
Logo assim que a missa termina ...
Todo mundo tem um primeiro namorado
Só a Bailarina que não tem

Sujo atrás da orelha, bigode de groselha
Calcinha um pouco velha ela não tem!

O padre também pode até ficar vermelho
Se o vento levanta a a batina ...
Reparando bem, todo mundo tem pentelho*
Só a bailarina que não tem !!!

Sala sem mobília, goteira na vasilha
Problema na família quem não tem

Procurando bem .. todo mundo tem!


*palavra censurada na época