segunda-feira, setembro 29

Momento idiossincrazias idiossincraSias: Eu sou do tipo de pessoa que, se eu posso fazer alguma coisa amanhã, pra que diabos vou me meter a fazê-la hoje?

quarta-feira, setembro 24

E o Brad Pitt, além de tudo, cozinha. Agora, meninas, me digam: precisava?

segunda-feira, setembro 22

A casca vai bem, obrigada. Por dentro tá mais ou menos, mas ninguém precisa saber disso. Sou só sorrisos. E vai continuar sendo assim.
Blog é mais barato que terapia, e eu tenho pensado seriamente se não estou precisando de algumas sessões. Alguns dias de sono me fariam um bem danado. E vamos mudar de assunto que esse blog tá deprê demais pro meu gosto.

De qualquer maneira, obrigada por perguntarem. De verdade.

quarta-feira, setembro 17

Ok, pode não ter mais a menor graça, já que o e-mail tá mais rodado que o Dr. César de Mulheres Apaixonadas. Mas...

Momento: coisas bestas que a gente recebe por e-mail:

De aorcdo com uma pqsieusa de uma uinrvesriddae ignlsea, não ipomtra em qaul odrem as lrteas de uma plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia lrteas etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser uma ttaol bçguana que vcoê pdoe anida ler sem pobrlmea. Itso é poqrue nós não lmeos cdaa lrtea isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo.
E aqui não acontece nada.
Vida sem graça.

Ok, pra não dizer que não acontece nada, fiquei doente, passei um dia de cama, tô completamente rouca. E eu rouca não sou nada sexy. Com a voz normal também não. Nway..
Escutei o dia inteiro a pergunta "O quê aconteceu com a sua voz?", mas não tô reclamando não. Pelo menos conversam comigo.
Carente não, né?

domingo, setembro 14

Comment achado perdido em um post que nem eu sei onde tá. Copiado na íntegra, exceto pelo número de telefone pq fiquei com pena de divulgar. E ele nem deixou e-mail. Freud explica?

oi stela tudo bom. Eu quero escutar sua voz meliga para que seja posivel 9XXXXXXX...... eu acho que vc esta emganada não sou a ju.Mas quero te conhecer pq pelo lque vc me falou eu estou perdendo.Á minha mãe tambem e minera e pelo jeito vc ja sabe como que e a comida, meu pai e goiano e eu sou brasiliense. vamos faser um siguinte eu te convido pr almoçar na minha casa e depois vc me convida pr ir na sua e asim nos conhecemos melhor............ tchal beijos

segunda-feira, setembro 8

Eu sou uma inútil irresponsável. O pior é que a essa altura do campeonato eu sinceramente não ligo.

domingo, setembro 7

Quarta feira. Eu, deitada na minha cama, debaixo das cobertas, sem sono, assistindo Flamengo 0 X 2 Santos. Meu irmão entra no quarto. Olha pra televisão, olha pra minha cara, olha pra televisão de novo.
- Vc tá vendo futebol?
- Tô.
- ...
- ...
- Você tá vendo futebol????
- É, ué, pq?
(ele olha incrédulo pra tv)
- E jogo do Flamengo ainda por cima???
- É que na Globo tá passando jogo do Vasco e Vasco eu não agüento.
- ...
- Quié?
(ele encosta na parede. Acho que pra não cair)
- Fala pra mim, quem é o cara que vc tá querendo impressionar fingindo que gosta de futebol?
- Ué, mas eu gosto de futebol.
(e como se eu fosse impressionar alguém assistindo logo jogo do Flamengo...)
- Fala a verdade, Stella, ele é flamenguista?
- Menino, não me enche o saco!
- ...
- ...
- Tá passando Vasco e São Paulo no outro canal, né?
- É.
- ...
- Só que tem uma coisa que eu não entendo...
(ele já se animou. provavelmente pensando que eu ia perguntar o pq daquele cara de preto no meio do campo)
- Ah, é? O quê?
- O Vasco não jogou e ganhou do São Paulo nesse domingo passado? É turno e returno ou é outro campeonato?
- ...
- ...
- Tchau, Stella, vou dormir. Isso só pode ser pesadelo.
Falem o que quiserem, mas que a minha cidade é danada de bonita, ah, é sim.



Mais fotos legais aqui. E eu não tô puxando o saco.

sexta-feira, setembro 5

Tô órfã de comentários. O Yaccs tá em estado vegetativo por tempo indeterminado. Todo dia eu entro na página e sempre tem uma atualização da desculpa do cara e um prazo diferente pra resolução do problema. O rs comments// funcionou durante 2 (dois!!) dias, o que consiste em meu recorde em perder um sistema de comentários. Portanto, se alguém souber de um servidor de comentários que funcione e ainda aceite cadrastos, por favor, façam-me saber.

quarta-feira, setembro 3

Faço minhas tais palavras de ser tão sábio:

Sou uma bobona confessa daquelas que tem esperanças em coisas que não deveria ter. Daquelas que acampa ao lado do telefone esperando uma ligação dizendo: "Oi, você tá legal? Sua voz tá diferente...aconteceu alguma coisa?", ou fica o tempo todo verificando a caixa postal para ver se tem um recado dizendo "Oi, me liga quando sair da net, quero conversar com você...beijos..."

Acho que eu devia quebrar o telefone.


Tecnologia é uma merda. Há alguns anos a gente sempre poderia dizer que o problema é que o navio que trazia uma carta pra vc bateu em algum iceberg por aí. Maldita hora em que inventaram o telefone, os e-mails e as mensagens de texto pelo celular que não chegam nunca..
É karma: os comentários novos mal chegaram e já deram problema por aqui. Ô saco.
Rabiscado ontem, lá pela meia-noite, quando o Blogger se recusou a publicar

Eu não sei dar o que recebo. Sério, não sei mesmo. Pode parecer muito mais fácil retribuir um sorriso do que distribuí-los. Eu particularmente não acho. Não sei retribuir. Sei dar o que tá dentro de mim. Complicado? Acompanhem meu raciocínio: se eu tô feliz, mando felicidade como o Silvio Santos joga aviõezinhos de 100 reais no Topa Tudo por Dinheiro. Sou toda sorrisos, bons dias e carinho. Isso acontece na maior parte do tempo. Pouquíssimas coisas abalam meu estado de espírito. Porém...

Porém, se eu tô triste nem vem que não tem. Não posso te dar nada além do que a boa educação ordena: cumprimentos habituais (bom dia, boa noite, por favor, com licença) e meios-sorrisos amarelados. Não consigo fazer festa quando vc chega, quase não rio das suas piadas, mal mostro os dentes. Eu sou uma ingrata: não sei dar o que recebo. Agora, sem querer me justificar mas já me justificando, o lance é que acho essa história de escambo de afeto e sentimentos muito esquisita. Parece troca em mercado colonial: "certo, vc me dá dois sorrisos e leva em troca um bom dia afetuoso e, de brinde, 5 minutos de preocupação de minha parte com a sua gastrite". Não soa nada sincero, né? Pois é...

Embora precise algumas vezes, não gosto de mostrar que gosto se não gosto, de parecer que me preocupo se não me preocupo, de dar a impressão de que amo se não amo. Amor com amor se paga? Não sei. Claro, muito mais fácil gostar de quem te trata bem. Mas amor e amizade não vêm pra pagar favor. É maior do que isso. Não tem porquê. Vc não trata bem um amigo pq ele te tratou bem primeiro. Isso constitui regras de aproximação e pára por aí. Vc o ama simplesmente pq ele é seu amigo, e isso basta, ora bolas!! E é justamente quando ele não te dá sorriso nenhum que ele mais precisa do seu. Às favas com o toma-lá-dá-cá.

Ouvi a repreensão de um certo amigo (que me ama) que em determinado momento de um tal problema eu me calei. E até concordo que provavelmente não foi a melhor decisão que eu poderia ter tomado. Mas eu tava tentando ser sincera. Errei querendo acertar. E lá vou eu justificando o leite derramado novamente. O fato é que não dava pra ficar distribuindo sorrisos e afagos e carinhos se eu só queria chorar. Sentar e chorar. Chorar até secar. O mais sensato talvez tivesse sido sorrir e distribuir abraços pouco sinceros de "nunca estive tão bem em toda a minha existência e a vida é uma festa só"! Ou pedir desculpas pra preencher o orgulho ferido de alguém. Apesar de achar que o orgulho (ainda não ferido) deve ser o meu próprio, que não consegue ver grande problema onde certamente há um.

E podem dizer: eu ando muito, muito piegas! E chata. Mas é que blog é bem mais barato que terapia.

terça-feira, setembro 2

É, se alguém tava fazendo planos pra 2014, é melhor começar a rever seus conceitos. Afinal, uma chance em 909 mil é pouco, mas se há uma chance...
É, tô pessimista hoje.
E eu fui ao show do Kid Abelha sábado. Cheguei de viagem às 9, dormi até as 16, saí de casa às 20. O 2º grau de toda Brasília estava naquele show. Mas serviu pra me distrair. Paula Toller é, sim, extremamente simpática em cima de um palco. Ao contrário de tudo o que dizem sobre ela fora dele. Fez um bis gigantesco e me ganhou quando, terminado o show, fez um tipo de quem não queria mesmo ir embora. Na falta do que cantar, sentou no chão, fez o Israel improvisar um violão e cantou Alice. Ok, aquilo poderia perfeitamente ser combinado pra gerar empatia. Mas e daí? Essa é uma das minhas músicas favoritas, não tá no Acústico, é velha pra caramba e eu nem sabia que eles ainda cantavam.
Eu tava viajando. Fui a BH pra XII Escola de Inverno de Pós-Graduação a UFMG. Tudo pago. Claro, depois de uma análise de currículo e alguns probleminhas com relação à minha inscrição. Alojamento no albergue com um monte de físicos. Passeios de quilômetros pelo centro da cidade (conhecem o "pertinho" de mineiro?), ladeira, mta ladeira. Gente legal à beça, do Brasil inteiro, apesar de aparentemente a maioria delas não ter gostado muito de mim. Palestras pouco interessantes. Periélio de Marte com chuva (depois de 3 meses de estiagem em BH) e cerração de 3 a 4 metros na região do observatório. Cruzeiro 1 X 1 São Caetano num Mineirão vazio mas nada apático, comigo torcendo pro São Caetano sem atentar pro perigo de levar porrada.

E a sensação permanente de que de alguma maneira eu tava sobrando. Definitivamente, deveria ter ficado em casa.
Rascunhado no verso de um extrato do banco, no trabalho, hoje, 16:05h, dia péssimo

Eu odeio chorar. Peraí, deixa eu reformular pra esse blog não parecer tão paradoxal. Eu choro mesmo durante a novela, choro em romances água-com-açúcar, eu choro até em comercial de margarina. Choro quando vejo os outros chorando. Choro com a dor dos outros. Duro mesmo é chorar pelas minhas próprias tristezas. Esse choro eu não suporto. Não adianta dizer que chorar faz bem, que libera, que lava a alma e o diabo a quatro. Me acho ridícula por não conseguir expressar meus sentimentos ou extravazar minhas emoções de uma maneira mais eficiente que simplesmente soltar água pelos olhos. Não gosto e pronto.

O que não significa que eu não chore. Só que isso acontece raríssimas vezes. Verdade, pode-se contar nos dedos quantas vezes cada um dos meus amigos já me viu em lágrimas. Tirando TPM, lógico, eu só choro por motivos altamente nobres. Claro, tô falando de choro de tristeza. Aquele que a gente não consegue segurar. Aquele que vc entra no carro, coloca os óculos escuros pra fingir que tá tudo bem e desmonta. Que vc encosta a cabeça no travesseiro e soluça até pegar no sono. É, aquele de derreter. Esses são raros. E geralmente muito bem escondidos. Apesar de nem sempre eu conseguir disfarçar a tristeza ou os olhos inchados. É, pq se é pra se esvair em lágrimas que seja em alto estilo, com direito a nariz vermelho e olhos inchados. E eu tô divagando.

Se a importância da causa do choro é média/alta eu choro no chuveiro. Rápido, indolor, imperceptível. Afinal de contas ninguém precisa ficar sabendo. Já causas classe alta/alta dão um choro incontrolável. Não dá pra falar sem sair com aquela voz tremida, tipo a da mulher que faz a propaganda da iogurteira Top-Therm no Note e Anote. O jeito é me concentrar em outras coisas. O período de um satélite a 380 milhas da superfície da Terra pode ajudar. É claro, se o professor não resolver puxar assunto justamente com vc, o que pode vir a te desconcentrar completamente da mecânica celeste e quase (quase!!!) cair em prantos no meio da aula. O que, obviamente, não vai acontecer pq sou uma menina forte. Antes disso eu peço licença pra beber água.

Vai dizer se o gatilho pra um bom chororô não é exatamente a típica pergunta "Vc tá triste?"? Pergunta que, claro, não é repreensível em absoluto. Muito pelo contrário. Acho que o cérebro deve interpretar uma pergunta simples como essa como algo do tipo

"Ok, vc não está legal, e alguém com um mínimo de sensibilidade percebeu. Eu, seu cérebro, não vou te dar outra escolha a não ser explicitar sua fraqueza e tristeza bem aqui, pq se essa pessoa se deu ao trabalho de te perguntar como se sente ela se preocupa pelo menos um pouco com vc. E é com esse tipo de pessoa que vc tem que se abrir. Na pior das hipóteses é só alguma espécie de curiosidade mórbida, mas nesse caso todos nós sabemos que o fim de tal pessoa só pode ser ardendo no mármore do inferno."

No fundo mesmo, provavelmente o que vc mais precisa não são conselhos. Nem palavras bonitas. Só de alguém que diga que vai passar. Que pode demorar, mas vai passar. E que diga isso sinceramente. Que te abrace. Pra que aquelas porcarias de lágrimas escorram logo e vc se sinta um pouquinho melhor. Provavelmente não pq a droga da água salgada lavou sua alma ou coisa semelhante. Mas pq alguém se importou, e isso algumas vezes serve de conforto.

Vai ser difícil me ver chorando. Eu choro enquanto escrevo um blog. A tela me proteje do inchaço e do ridículo. Me proteje também do risco de ninguém se importar. O que afinal só me faria chorar mais.

E isso tá ficando um papo sentimental e melancólico demais.

segunda-feira, setembro 1

E juntanto a fome à vontade de comer, aproveitando que o yaccs saiu do ar mesmo (tava demorando...), finalmente encontrei de onde vêm os comentários legais. E olha eles aí! Tudo bem, vcs até podem não achá-los tããão legais assim, mas pô, eu achei um barato.
Eu só tô precisando de um abraço e de alguém que enxugue minhas lágrimas.
Fala sério se é pedir demais?