domingo, fevereiro 1

Eu não faço o tipo solitário não, sinceramente. Gosto de companhia, gosto de gente do meu lado, gosto de conversar. E isso às vezes me sufoca, vivo ouvindo me dizerem que não dedico tempo suficiente à mim mesma, que me coloco na posição de espectadora da minha própria vida e coadjuvante da dos outros. Não discordo completamente, e inclusive uma das minhas metas de ano novo (que provavelmente não vou cumprir) é cuidar um pouco mais de mim em 2004. E comecei indo ao cinema quinta feira.

Pode bem parecer banal, mas eu tinha esquecido o quanto era bom e relaxante sair sozinha. Primeiro ponto positivo: nada de discussão "que filme a gente vai ver hoje?" na bilheteria. Não que meus amigos sejam pentelhos que só assistam porcarias, mas a decisão do filme constitui um stress a mais, pq nunca saímos de casa já sabendo o quê e a que horas, o que de certa forma faz parte do nosso charme como grupo. Fui ver Sobre meninos e lobos, sessão das 16:20h, na Academia de Tênis. Tudo pq eu tenho medo de me embrenhar naquele fim de mundo da Academia sozinha no escuro. Portanto, pra me aventurar no mato eu precisava ir e voltar com dia claro ainda.

Depois vem a segunda parte divertida: comprar pipoca. É, aquela pipoca muxibenta da Academia mesmo! Daí vc entope de sal, compra um guaraná lata (lata essa que será gentilmente aberta no meio da sessão!) e se enrola inteira pra pegar a carteirinha de estudante no bolso na entrada, pq não tem ninguém pra te ajudar segurando o casaco, a pipoca ou o guaraná lata neste processo.

Como meu espírito de crítica de cinema não dá sossego, eu vou ter que dizer: até que Clint Eastwood não se saiu nada mal. O filme é muito bom, apesar de ser um pouco deprimente ver o Kevin Bacon e o Sean Penn tão... acabados, por assim dizer...

Nenhum comentário: