quarta-feira, abril 7

As coisas estão completamente fora dos seus lugares. Sabe quando vc acorda e tem a sensação de que foi transportado durante o sono pra uma espécie de universo paralelo, onde o céu é cor-de-abóbora e as pessoas andam pelas ruas com macacões listrados? Tudo totalmente fora de ordem, ou seguindo curso de uma lógica própria esquisitíssima, e como não ter percebido isso antes? Pois é. Me senti assim hoje.

O problema é que, caso o mundo simplesmente não tenha mudado uma vírgula e o céu continue sendo azul, eu acho que pelo menos minha alma foi sugada pra outra dimensão. Meus sentimentos estão desorganizados na prateleira. Bom, pelo menos eles ainda estão lá, na prateleira, e eu posso ver de longe a bagunça sem ter lá muita paciência pra colocá-los novamente nos devidos lugares. Aliás, paciência é algo que tem me faltado com frequência, e tô me vendo cada vez mais perto da encruzilhada na qual ou eu medito ou eu explodo. Literalmente.

Pra quem não conhece, Stellinha é um poço zen de tranquilidade e equilíbrio. Praticamente um monge budista. Ok, talvez eu esteja mais pra freira carmelita dos pés descalços. Tanta suavidade ainda me permite ficar calada quando eu sei que, se abrir a boca, dela vão sair coisas escabrosas, nomes feios e acusações horrorosas. E, principalmente, anos de equilíbrio têm me ajudado a cumprir minhas promessas de ano novo. Mas...

Mas o fato é que a serenidade tem mandado lembranças. Uma de nossas amigas, por exemplo, resolveu dar adeus à fama de "boazinha" e decretou o estado de espírito carinhosamente batizado de momento ódio. Não que ela agora tenha deixado de ser o doce de menina meiga que sempre foi, mas, segundo a própria, ela tá cansada de relevar, compreender, aceitar, acreditar. O momento ódio não precisa ter conexão temporal muito menos lógica para consenso geral. Vc pode perfeitamente e sem peso de consciência experienciar o momento ódio depois de meses de uma discussão, por exemplo, simplesmente pq só agora vc percebeu o quanto os argumentos ou o próprio motivo da discussão te aborreceram. Vc também pode sentir um momento ódio se alguém te disser/fizer algo que, apesar de ser aceitável/apenas-brincadeirinha para senso comum, tenha te ofendido profundamente ou ferido seus princípios.

Que fique bem claro que o momento ódio não quer necessariamente dizer que vc de fato odeia alguém. É só que talvez vc não queira vê-la nunca mais, ou que se sinta no direito de dar respostas atravessadas quando precisar, ou ainda que o objeto do seu rancor possa encontrar-se ativado no modo Para Convívio Social ONLY, e só em momentos específicos. E tudo isso sem prazo de duração definido.

Pois bem, eu ainda não cheguei a um momento ódio propriamente dito, mas tenho tido uns momento raivinha bem enervantes. Sim, enervantes pq são causados por situações recorrentes, por coisas supostamente resolvidas que voltam a acontecer, por expectativas frustradas, esperanças mal-alimentadas contrastando com desconfianças muito bem nutridas.

Meus sentimentos mal organizados. E eu como que pasmada olhando a bagunça mas ainda sem saber se eles devem mesmo voltar pros lugares de origem ou se talvez mereçam uma nova configuração.

Nenhum comentário: