quarta-feira, outubro 27

Eu descobri: a culpa é do Pigmaleão.

O quê? Você não sabe quem era Pigmaleão? Então senta que lá vem a história.

Pois bem. Tinha a Grécia, né? E tinha Chipre, aquela ilhazinha lá. Ilhazinha não, pq eu descobri que é a terceira maior ilha do Mediterrâneo. Ou era Creta? Enfim, não importa pra história que eu quero contar. Era uma ilha, era perto da Grécia e isso é suficiente. Então. Pigmaleão era rei da tal Ilha da Fantasia e escultor nas horas vagas. Isso mesmo, na mitologia o cara era multivalente. Mas Pigmaleão, coitado, era meio mal-amado, sabe? O cara era tão desacreditado das mulheres em geral que fez pra si mesmo uma estátua magnífica pra reproduzir a mulher perfeita. Onde já se viu isso, né?

Niqui ele tava lá com a estátua, não é que de tão perfeita o danado acabou se apaixonando por ela? E daí ele entrou numa viagem muito louca de comprar presentes, e vestidos, e flores, e beijar e dormir com a estátua. E a história poderia terminar aí, ter uma ótima moral pra caras imperfeitos que ficam por aí, vagando atrás de perfeição ou se contentando em contemplar a imagem da figura gelada e perfeita, sem nunca conseguir se satisfazer plenamente. Mas não, Vênus tinha que cortar o barato.

Pigmaleão começou a cansar dessa vida com a mulher de pedra e, na festa de Vênus, pediu como quem não quer nada que a deusa lhe desse uma "mulher perfeita como a que ele tinha em casa". Mas como assim, Bial? (como diria Fernanda) Pois é. Vênus, óbvio, não encontrou mulher nenhuma com o nível de perfeição da estátua de mármore, quebrou o galho do boboca e, tcha-ram!, transformou a estátua em gente. Pois Pigmaleão e Galatéia viveram felizes para sempre, tiveram filho e tudo.

Parece que a moral da história virou : vc tem que conhecer o cirurgião plástico certo, ou então contar com milagres.

Nenhum comentário: