segunda-feira, agosto 27

Eu não sei se vcs assistem ao Dança no Gelo, do Faustão. Na verdade, nem eu (a dança dos Famosos eu até gostava, o lance no circo só fui tomar conhecimento quando acabou, a patinação no gelo me é indiferente). Mas eu estou voltando aos poucos à minha rotina e ela inclui domingos completamente inúteis. E eu já tinha assistido a um filme com a Hilary Duff, uns 4 episódios de House, em determinado momento da minha tarde sobrou a Dança no Gelo.

Hoje era o dia das mulheres (aparentemente já teve um dia dos homens), em que elas e seus professores se apresentavam pra ter um feedback dos jurados, sendo que não ia ter nenhuma eliminação. Eles treinaram somente durante 30 dias, e preciso adimitir que patinação parece um troço muito complicado. O júri artístico era formado pelo diretor Roberto Talma, pela Marília Gabi Gabriela e por aquele ator que fez o Léo na última novela, por quem eu tenho uma antipatia sem tamanho, não sei se por causa da cara de bunda que ele sempre tem, se por causa daquele personagem insuportável que ele fazia ou por ele ser tão mal-educado. Enfim, eram os três.

Veio a tal da Lucy Ramos. Que eu vi e pensei "conheço essa moça de algum lugar", o que obviamente fazia sentido já que o quadro é com famosos. Depois descobri que ela fez Sinhá Moça, mas isso é irrelevante. O interessante foi quando deram o histórico do professor dela. Que ele tinha participado das duas edições anteriores da competição de patinação, primeiro com a Suzana Vieira (e seu piti que só não virou notícia no Jornal Nacional), depois com a Monique Alfradique, que teve que abandonar a competição pq torceu o pé (aliás, foi nesse dia que o Oscar disse pra ela que ela ia ter que fazer fisioterapia, que com a ruptura de ligamento o pé dela não ia mais ser o mesmo, umas coisas assim, bem motivadoras). Se nesse meio tempo o nome do tal professor continuou na boca do sapo, acho que infelizmente a Lucy não deve ter muitas esperanças. Pode ser que ela seja atropelada por um bode, ou coisa pior. Vai saber.

Daí veio a Luiza Brunet. E Faustão disse que ela era a referência de beleza da mulher brasileira. Isso mesmo. Não uma referência, mas a referência. Tudo bem, o que Fausto diz não se escreve. Mas Luíza dançou, patinou, fez e aconteceu. E Gabi foi julgar. Começando com "vc não vai se lembrar, Luíza, mas da primeira vez que eu te vi, há pouco mais de 20 anos, foi num shopping. Eu te parei e disse "meu deus do céu, vc é a mulher mais linda que eu já vi"!" Marília, não força. Sério. Se eu perder a esperança em vc, vai ficar difícil de acreditar que Giane pode ser macho, mesmo sendo Giane.

Mas boa mesmo foi a vez de Natália Guimarães. Apresentada pelo Faustão como "a Miss Brasil que só perdeu pra uma japinha feia pq foi roubalheira". Comecei a achar graça daí. Natália dançou. E Roberto Talma foi o primeiro a julgar. Ele lançou de cara um "vc é muito bonita...". Mal deu tempo de ela abrir aquele sorriso esquisito que ela tem. Ele emendou "... mas é muito ruim! Nota 5!" Iiiiiinhááááááaáá! Uma voadora no peito. Assim. Ao vivo. Na Globo.

Eu cheguei até a ter pena dela. Mas depois eu pensei. Affes, ela é linda. Não se pode ter tudo. E por um instante voltei a ter fé num mundo justo e equilibrado. Sem aquecimento global, movimento Cansei, essas coisas.

Nenhum comentário: