segunda-feira, novembro 17

Da música dos anos 80 como exercício aeróbico pesado:


segunda-feira, novembro 3

Eu sinto a maior saudade de escrever. Sérião. Difícil de acreditar, eu sei, considerando que meus posts são bissextos, como dizia a Lulu. Que ainda vive, diga-se de passagem, o que me deixou meio saudosista desse tempo de bloguistas diversos. Não era mais a mesma coisa depois que eu fui "descoberta" por assim dizer, eu me achava sem a menor liberdade pra dizer o que viesse na telha porque, sabe como é, isso poderia me causar um problemão. Ao menos na minha cabeça, fazia o maior sentido eu ter medinho. Pff! Maior maricas eu.

Não que eu não tenho mais medo, veja bem. Toda aquela conversa de se abrir é se expor e blá blá blá. Mas verdade seja dita: eu sinto a maior saudade de escrever.

quarta-feira, janeiro 30

Pois é...

Ai ai ai...

terça-feira, janeiro 22

sexta-feira, janeiro 11

Aconteceu de verdade. Porque nem sempre eu penso antes de dizer. Com duas cervejas eu penso menos. Então já viu. É que eu me lamento. Por ser uma retardada social e não saber lidar com meninos. Nem com meninas, mas tudo bem, elas que se fodam. Mas a questão é que eu acho que as pessoas tem obrigação, sabe, OBRIGAÇÃO, de fazer algo por mim. Não as pessoas em geral, assim, anívelde serumano. Mas as caléga, us amigu, esse povo que te dá presente de Natal, entende? Que deixam recado no seu orkut? Essas são as pessoas que devem me salvar. De alguma forma. Eu acho curioso ver às vezes uma mulherada reclamando que os amigos vivem tentando arranjar pretendentes, das mães que querem que elas conhecam o fulano, filho da Lurdinha, ele é adêvogado. Porque, veja bem, isso aqui não acontece. Nem minha mãe acredita no meu potencial. Daí era uma mesa de bar, uma conversa amena sobre eu ser a eterna solteira (hello?!) e eu, muito ferida, "Mas é porque parece que você não me acha boa o suficiente pros seus amigos". E isso foi suficiente. Pra começar uma guerra. Porque veja bem, parece mesmo. Mas eu não precisava ter dito. Porque ele se ofendeu, verdadeiramente.