terça-feira, dezembro 14

Daí li esse comentário aí num outro blog:


"As pessoas não sabem o quanto é ruim vc desabafar e ouvir coisas como: lute pra viver, produza, não se entregue... dá uma sensação de que vc é um idiota fraco, que não sabe o óbvio, que não consegue fazer a coisa mais fácil do mundo que é viver... o q pra um é uma coisa fácil de resolver, pra outro ganha uma proporção assombrosa. Ai vem nego e meio que diz: q vc se faz de coitada só pq não consegue levar a vida "resolvendo" os problemas, ou encarando eles de frente, como eu e 99% das pessoas e blá, blá, blá... essas pessoas não sabem o mal que causam pra quem tá ouvindo, pq ai sim dá uma sensação de fracasso. Às vezes a melhor ajuda é ouvir e ficar quieto."

E, né? História da minha vida. As pessoas acham que eu sou fechada pq não confio nos outros. Ok, em alguns eu não confio mesmo. Mas eu até que confio em bastante gente. Ok, mentira, tem uns 3 ou 4. Mas enfim. Se abrir pra depois ouvir que a gente tem que ler Comer, Rezar, Amar e arrasar na alegria de viver? Ou que eu tenho que acreditar em mim mesma? Serião? Vontade de dizer pô, tudo que eu precisava era de pensamento positivo? como não pensei nisso antes?! :/

terça-feira, outubro 26

Daí ouvi Anthony Hopkins dizendo como era libertador ter percebido que, se ele nunca mais voltasse a atuar a partir de amanhã, o mundo seguiria girando. Que ninguém se importa. Então que o quê ele pode fazer é ir lá, fazer o trabalho dele e tirar o maior prazer disso. Sem querer mudar o mundo. Ou fazer grande diferença na vida de alguém. Porque no final das contas, ninguém se importa. E o mundo gira.

E ele terminou com "Think. Today is the tomorrow I was so worried about yesterday". Quer dizer.

Se eu algum dia terminar essa porra, essa certamente vai ser a citação da minha tese. Oremos.

quinta-feira, agosto 26

Outro dia sonhei que era Cláudia Raia.
Sem mais.

quarta-feira, agosto 18

Me angustio, logo evito.

sexta-feira, agosto 13

Oh yeah!

sábado, agosto 7

Tá assim.

sábado, junho 26

"Although this film is inspired by John Ronson's book The Men Who Stare At Goats, it is a fiction, and while the characters Lynn Cassady and Bill Django are based on actual persons, Sergeant Glenn Wheaton and Colonel Jim Channon, all other characters are invented or are composites and are not portrayals of actual persons. The filmmakers ask that no one attempt walking through walls, cloudbursting while driving, or staring for hours at goats with the intent of harming them... invisibility is fine."

Sensacional!!

segunda-feira, junho 21

This one is called
Stella was a diver
And she was always down
When she walks down the street,
She knows there's people watching.
The building fronts are just fronts
To hide the people watching her
But she once fell through the street
Down a manhole in that bad way
The underground drip
Was just like her scuba days
Days
Daze
Days
Daze
She was all right because the sea was so airtight, she broke away (2x)
She is all right but she can't come out tonight, she broke away
She was all right, yeah the sea was so tight, air tight
She broke away, broke away
At the bottom of the ocean she dwells
At the bottom of the ocean she dwells
From crevices caressed by fingers
And fat blue serpent swells
Stella, Stella, Stella, Stella I love you
[Chorus]
Well, she was my catatonic sex toy, love-joy diver
She went down down down there into the sea,
Yeah she went down down down there, down there for me, right on
So good, oh yeah, right on
(There's something that's invisible,
There's some things you can't hide,
Try detect you when I'm sleeping,
In a wave you say goodbye...)

domingo, junho 20

quarta-feira, maio 19

E tô concluindo que tem algo de muito errado comigo. Porque veja bem. Meu olho treme. Faz um tempo. Só o direito, o que eu acho particularmente curioso. Porque de acordo com o Google, pálpebras trêmulas são sinal de cansaço e stress. Mas por simetria era pra esquerda tremer também, vez ou outra. No entanto ela permanece intacta. E a direita treme faz um mês. Não ininterruptamente, mas umas 3 vezes por dia, quase todos os dias, em momentos e com durações variáveis. Daí acabei de ler uma mensagem que dizia Concorra a um Blu-PRayer. Li umas três vezes. Pra ver se tava certo. Achei que era brincadeirinha de quem escreveu. Como quando a gente fala cocrete ou iorgute. Mas repara, eu li TRÊS vezes. E tava lá, pRayer. O olho nem tava tremendo nessa hora, pra você ver. Daí me distraí. Olhei de novo tava escrito certo. Player com um L bem grande pra você. Ou seja, né? Dislexia tardia somada a tique nervoso. Agora sim sou bom partido.

quinta-feira, abril 22

quinta-feira, abril 15

Viciada nessa versão:



Dá vontade de sair pulando no modo gordinha-feliz, tipo Beth Ditto!
Essa noite foi a vez de Axl. Tá na moda, né, nos meus sonhos. As pessoas morrerem, e tal. Eu ficava indignada e muito, sabe? Porque era uma tremenda duma injustiça do destino que Axl morresse assim. Já que eu tinha pensado em ir ao show original. E daí o palco caiu. Não que eu tivesse comprado ingresso, ou qualquer coisa. Tava meio desanimada porque, veja bem, quem liga pra Chinese Democracy? O cd, não a idéia, claro. Então desabou aquele pé d'água e eu pensei até que fosse uma nova chance de fazer dar certo. Mas eles remarcaram o show pro domingo de páscoa. E eu nem tava aqui. Quer dizer, eu me sentia a trouxa no meu sonho. Por não ter conseguido ver Axl ainda vivo. E ficava fazendo listinhas mentais de artistas que eu não podia perder, antes que eles batessem as botas.

Preciso parar de escrever posts sobre sonhos com celebridades mortas.