segunda-feira, abril 11

Um casal de amigos muito querido terminou um namoro de longos, muitos, incontáveis anos. Foi triste e muito sofrido pra ambos, e o processo de superação de cada um deles durou um tempo. Pra mim foi só tenso. Eu sei que não tenho nada com isso, não sou tão maluca assim. Mas eu tive que me acostumar com a separação e, durante esse tempo, estabeleceu-se, na minha cabeça, que o nome ela era aquela-cujo-nome-não-mencionamos nas minhas conversas com ele e vice-versa. Era mais fácil pra mim. Eu inclusive jurei que não ia gostar dos novos namorados de nenhum dos dois, porque eu sou doidona leal e pra mim esses dois seriam intrusos, isso sim. Enfim, um bom tempo se passou, ela está de namorado novo, um cara bem bacana por sinal, muito carinhoso e atencioso com ela, bem mais maduro e ativo que o ex. Tudo muito bom, tudo muito bem. Ontem saímos pra almoçar, o novo casal feliz pediu um prato pra dividir e ela, depois de terminar a sua metade, começou a beliscar pedacinhos do prato dele. Como o resto a mesa deu uma sacaneada de que ela tava roubando do prato que não era seu, ela se justificou: "É que ele não gosta de champignon". Silêncio na mesa, cada um olhando pro seu prato e alguns tentando segurar o riso. Uns segundos depois ela mesma reagiu "Tudo bem, gente, ele sabe que o Ex também não gostava de champignon". Alguns padrões, por mais obscuros que sejam, se repetem.



Pensando bem, não parece tão engraçado contado assim, mas tô tentando escrever mais, qualquer dia pego no tranco.

2 comentários:

The Wizard disse...

Ahhhh! Achei engraçado... histórias da vida que acontecem e, pra nós, fazem toda a graça!

stella disse...

Hahahaha! Vc que é muito gentil, viu?