domingo, novembro 13

(...) Acho que essa é a chave do crescimento humano – erre em público. Acerte em privado.

Pense nos seus conhecidos, por exemplo.

Existem aqueles que parecem abelhas zumbindo: alardeiam sua amizade, fazem declarações de companheirismo vazias, espalham seu apoio e amor a você aos quatro ventos. Parecem pessoas ótimas. Bons parceiros de farra, esses.

Mas eles somem nas horas que você mais precisa. Que realmente importam.

E existem os silenciosos. Aqueles que não te ligam todo dia. Que não te mandam mil recadinhos. Que não fazem grandes declarações. Que podem até não concordar com você o tempo todo.

Mas que são os que estão presentes nos momentos que você precisa. E às vezes nem sabe que precisa. (...)


A Elise disse. Copio, colo e concordo.